Passar entre os carros/Lane Splitting/Filtering ou como lhe queiram chamar
#91

Tenho só a acrescentar que todos vos estão a pensar no singular. Isto é cada um de vós contra os enlatados. E isso levanta um problema: muitas vezes não somos os únicos a filtrar trânsito ao mesmo tempo!
Por isso acrescento dois episódios às regras do DFelix, que não, não disse tudo.
A2, subida para as portagens. Uma mota bem de Almada e entra na AE, e imediatamente passa para o espaço entre as duas faixas mais à esquerda. Levou, em cheio, com outro que já vinha nesse espaço, vindo de trás (e com considerável velocidade, diga-se).
Estrada de Sesimbra, uma linda R1, tal e qual a do Rod, passa por mim a abrir, por mim e por mais uns 10 enlatados, que na altura eu andava de Clio. Não sei lá como é que fez, mas 5 segundos mais tarde vem outro gajo em sentido oposto, tem por entre carros. Ou passou um por cima e o outro por baixo, ou lá se entenderam, não sei, sei que já na altura fiquei confuso, e agora que ando de mota ainda mais.

Voltando ao início, não são só as scootex irritantes que filtram, e aquilo que para nos é a tal mini-faixa mágica, não é só nossa!

Sometimes it takes a whole tank of fuel before you can think straight.
Responder
#92

(20-12-2014 às 22:20)n00b1e Escreveu:  Mas, não desesperem porque com o tempo tudo vai ao lugar caso haja, obviamente, aquela pontinha de sorte de sobrevivermos inteiros às "lições" que a vida nos vai dando. blink

Deve ser a primeira vez que vejo alguém desejar infortúnios a outros só para provar razão num fórum.
Responder
#93

Aquela velha máxima do noobie, de que quando saímos de moto, o universo inteiro conspira contra nós, com o objectivo único de nos ver no chão, acho que cada vez se mostra mais verosímil. Então ultimamente parece que esse mesmo universo deve-me ter escolhido a dedo, dadas as situações de acidentes quase eminentes, de cada vez que pego na moto disapointed .

E hoje, à vinda para o trabalho, foi mais uma... e que me lembrou deste tópico e da história do "ir passando". Na N115 (sentido Tojal - Loures), ali junto à Santogal, com o trânsito a andar a uma velocidade moderada, há um FDP de carro, quando eu estou já a uns 5 metros dele e preparando-me para o passar, entre o contínuo que existe ali naquela zona e o carro (a tal "mini-faixa" que o Saphyr refere), repentinamente e quando menos esperava, o dito decide virar à esquerda para fazer inversão de marcha, sem fazer sinal de pisca, olhar a espelhos e pisando o contínuo. Nem eu, nem o condutor que ia sensivelmente atrás de mim, à direita, estávamos à espera que ele se lembrasse de fazer uma alarvidade daquelas, naquele local. Foram travões a fundo e buzinadela insistente... e novamente por muito pouco saí incólume, e ainda com o risco de levar com o que ia atrás de mim, em cima, pois também teve de travar a fundo. Por outro lado, se ele fizesse o mesmo, uns 3 segundos depois, eu a esta hora não estaria certamente aqui a escrever isto! redeye

Novamente fica o aviso.... muito cuidado com as mudanças repentinas e não sinalizadas, de direcção, pela parte dos enlatados, no momento em que os vamos a passar, mesmo que não utilizemos a via de sentido contrário para o fazer. Neste caso que me aconteceu hoje, nem sequer ele o poderia fazer naquele local, pois o traço contínuo não o permitia.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#94

(22-12-2014 às 10:57)dfelix Escreveu:  
(20-12-2014 às 22:20)n00b1e Escreveu:  Mas, não desesperem porque com o tempo tudo vai ao lugar caso haja, obviamente, aquela pontinha de sorte de sobrevivermos inteiros às "lições" que a vida nos vai dando. blink

Deve ser a primeira vez que vejo alguém desejar infortúnios a outros só para provar razão num fórum.

Analfabetismo funcional é a incapacidade que uma pessoa demonstra ao não compreender textos simples.

Mas tem cura. Haja vontade!

Bom Natal

[Imagem: wrong-bike.jpg]
Responder
#95

(22-12-2014 às 12:43)n00b1e Escreveu:  Analfabetismo funcional é a incapacidade que uma pessoa demonstra ao não compreender textos simples.

Não acho que a tua resposta seja assim tão inocente.

(22-12-2014 às 12:32)carlos-kb Escreveu:  E hoje, à vinda para o trabalho, foi mais uma...

Não te acontece isso quando andas de carro?
Hoje trouxe o carro e na calçada de carriche saiu-me um gajo da fila da esquerda congestionada para a do centro que estava livre. Sem sinalizar e provavelmente sem medir correctamente as distâncias.
Não bati nele por um triz.. e por sorte não levei com o gajo que vinha atrás colado.

Não consigo ver diferença entre andar de carro ou moto!
Em ambos os casos surgem este tipo de situações. E elas são mais evidentes quando baixamos a postura defensiva.
No caso da moto, por arriscarmos mais também se tornam mais recorrentes.
Responder
#96

Mas ainda se fala do tema do tópico ou estão todos já só a tentar perceber quem fica por cima e leva a bicicleta para casa? Irra, deixem-se de birrinhas e opinem sobre o tema, porque o gajo da scooter e o fogareiro já fizeram mais uma porrada de kms e vocês também, e tanto quanto sei nenhum teve acidentes, e se tiveram faz parte de andar na estrada. E efectivamente têm todos razão(opinião é isso mesmo, uma opinião, e cada um tem a sua) e nenhum vai dar o braço a torcer!
Responder
#97

(22-12-2014 às 13:33)dfelix Escreveu:  Não consigo ver diferença entre andar de carro ou moto!

Sim....
Tirando as distâncias a que normalmente se circula do veículo da frente, que num automóvel são invariavelmente maiores...
Tirando o posicionamento que adoptamos (normalmente) numa moto ou num carro, em relação ao veículo da frente, na via de rodagem...
Tirando o facto de que de moto vamos, normalmente passando / ultrapassando de modo muito mais regular (a tal mobilidade que se não a tivéssemos e usufruíssemos dela, deixava de ter sentido andar de moto como modo de "fugir" aos congestionamentos urbanos)...
Tirando o facto da muito maior estabilidade, aderência, segurança e menor distância, que uma travagem brusca num automóvel transmite, em relação a uma moto....
Tirando o facto de que, os danos causados, se um anormal ao volante se mandar para cima de ti, numa mudança brusca e não anunciada de direcção, num carro, serem sempre e invariavelmente menores do que, caso faça o mesmo, indo tu de moto....
Tirando o facto de poderes ainda (como aconteceu no meu e no teu relato) "levar" com o veículo que segue imediatamente atrás, e as inerentes / distintas consequências, caso se vá de automóvel ou de moto....
Tirando estas (todas) "pequenas" excepções, dir-se-ia que é a mesma coisa!  wtf


(22-12-2014 às 13:33)dfelix Escreveu:  Não consigo ver diferença entre andar de carro ou moto!

(22-12-2014 às 13:33)dfelix Escreveu:  No caso da moto, por arriscarmos mais também se tornam mais recorrentes.

Mas então e afinal, há diferença, ou não há diferença?  disapointed

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#98

Refiro-me a diferença no que diz respeito a ser confrontado por situações de perigo iminente.

Não acho que o universo conspira contra mim sempre que pego na moto.
De carro ou moto deparo-me diariamente com situações de perigo idênticas. E que essas situações são mais evidentes quanto maior o risco que se toma. (de moto arrisca-se é mais)

O tipo de acidente que referes encontro regularmente envolvendo apenas carros.
Responder
#99

(22-12-2014 às 16:44)dfelix Escreveu:  Refiro-me a diferença no que diz respeito a ser confrontado por situações de perigo iminente.
Pois, estatisticamente, deparo-me com muitas mais situações que comprometem a minha segurança, em moto, do que de carro.... seja pela visibilidade, dimensões, modo de circular, etc... que o mesmo tem!

(22-12-2014 às 16:44)dfelix Escreveu:  Não acho que o universo a conspira contra mim sempre que pego na moto.

Houve aí uma parte qualquer da "graçola", que não entendeste!  bigsmile

Ainda assim, acho que pensar desta forma, "desconfiando" de tudo e de todos, incrementa bastante a referida postura defensiva, que mencionas... e que em moto (mais que em automóvel), é deveras fundamental!
Não fosse usar da dita, possivelmente não poderia dizer que não tive ocorrências excepcionais ou graves, em 22 anos sobre duas rodas. Sustos.... já foram aos montes. Mas enquanto não passar disso, tanto melhor.  smile

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder

(22-12-2014 às 16:56)carlos-kb Escreveu:  Pois, estatisticamente, deparo-me com muitas mais situações que comprometem a minha segurança, em moto, do que de carro.... seja pela visibilidade, dimensões, modo de circular, etc... que o mesmo tem!

De moto executam-se manobras de risco que (supostamente) não se praticam com a mesma regularidade num carro.
Por exemplo, ultrapassar uma longa fila de carros.
De carro é quase impraticável. De moto parece básico, mas há o perigo de a qualquer momento alguém decidir virar num entroncamento ou ultrapassar o empata que está a congestionar!

E não é por se tratar de um condutor sanguinário que acorda com o objectivo de assinar o motociclista...
Mas... porque normalmente nem está a contar ser ultrapassado.
Independentemente de ter o cuidado de fazer ou não pisca, olhar para trás, etc.

Sim, deve-se "desconfiar". Mas de tudo e de todos...
Seja de moto ou carro!

(22-12-2014 às 16:56)carlos-kb Escreveu:  Não fosse usar da dita, possivelmente não poderia dizer que não tive ocorrências excepcionais ou graves, em 22 anos sobre duas rodas. Sustos.... já foram aos montes. Mas enquanto não passar disso, tanto melhor.  smile

Já tive dois graves.
Sendo o mais recente em 2005 quando me abalroaram de FZ6.
Uma camioneta que ao não conseguir entrar de marcha-atrás numa vivenda, decidiu ir a frente corrigir a manobra quando ia a passar.

O gajo não fez aquilo de propósito.
Tinha o cérebro desligado, e fez a manobra em "piloto automático".
O resultado foi a moto partida em 3, e por pouco não me aleijei a sério.

Hoje olho para trás.. e foi um dos melhores dias da minha vida.
Livrei-me daquele cancro de moto, e como era praticamente nova deram-me quase o valor todo... o que permitiu com mais uns trocos comprar uma moto a sério!
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 2 Visitante(s)