Nova CBR 250 RR

(01-03-2017 às 19:07)IgordeMelo Escreveu:  
(01-03-2017 às 18:23)nelsonajm Escreveu:  
(01-03-2017 às 15:59)pedromt07 Escreveu:  Deus do céu, porque não fazem mais assim?!  rolleyes

Porque deixaram de gostar de motos... e basicamente... porque... muita "gente" que anda de mota opta pelo efeito "dar nas vistas" em vez do efeito "emoção"... e como o cliente actual é este pseudo motociclista... que nem sabe o que é um 4 cilindros de baixa cilindrada... os fabricantes deixaram de as "fabricar"....hum...

Qual é o motociclista actual...(queria chamar de pseudo-motociclista... mas posso ser banido daqui... e achei melhor não o fazer....) que optaria por uma moto destas em detrimento duma NCoisa por exemplo... vestida de desportiva.... quase a totalidade... porque é mais fixe dizer que se tem uma 750... que uma 250...

Completamente na mouche. Penso que será porque o motociclista, generalizando, de hoje em dia, procura as comodidades todas e mais algumas, ao invés do prazer de condução.
Se tivermos a falar de quem faça grandes viagens, compreende-se certo tipo de motas, mas uma NC para fazer Cascais - Lisboa é coisa que nunca compraria.
Cada um é livre de escolher que tipo de mota gosta, infelizmente, o mercado vira-se para consumos e conforto e não para velocidade e perfomance de outros calibres.

Epa.... mas deixaram de fazer motos deste tipo (4 cilindros de baixa cilindrada), porque os actuais motociclistas deixaram de gostar de motos e há quem prefira uma NCoisa, olhando apenas a consumos e comodidade?  rolleyes

Mas que argumento mais descabido!!!  wtf

Já repararam que a NCoisa (e congéneres) tem um nicho de mercado próprio, e nem sequer é a moto mais vendida. E falando apenas no nosso mercado, que não é representativo de nada para os grandes construtores.

Primeiro, estas motos de 250cc, mesmo no tempo delas, poucas ou nenhumas foram comercializadas cá.... e as poucas que se ainda possam encontrar por aqui, foram "importadas" de outros países e legalizadas.
Mesmo nos anos 90, quando elas proliferaram em excelência, sempre existiram de igual forma, ofertas económicas e mais espartanas dentro do segmento das quarto de litro.
Não esqueçam que os motivos de estas motos existirem no seu tempo, foram outros.

O Diogo tocou em dois pontos muito importantes, e a meu ver, esses sim, talvez as verdadeiras razões para não compensar de todo manter este tipo de motos em catálogo:

1º Fiabilidade - Motores de baixa cilindrada, com elevadas prestações e com regimes bastante rotativos.... que nas mãos erradas, de quem descurasse a manutenção mais cuidada requerida e abusasse continuamente deles, iria comprometer exponencialmente a sua fiabilidade.

2º Custo de produção e comercialização - Com custos de produção quase equiparados a desportivas de maior cilindrada, que se reflectiam também em preços de comercialização elevados e quase ao nível de uma 600cc, claro que o consumidor iria preferir sempre algo maior. Não esqueçam também que no tempo das 4 cilindros de 250cc de que falamos, não existiam limitações e escalonamentos de carta de condução.
E depois a este custo, havia ainda que juntar o custo de uma manutenção mais regular e intensiva. Ou seja, tornavam-se modelos pouco atractivos à generalidade do cliente, e quem os escolhia,  fazia-o mais por fetiche , a par de uma respectiva maior liberdade financeira, que por outra coisa.

E basta ver que ainda hoje como são vistas.... como motos fetiche quase e apenas.

Já se deram conta que as ditas 250 desportivas nunca deixaram de existir? Aliás, agora até evoluíram para 300cc.... mas claro, com uma arquitectura de motor diferente e specs também elas distintas.

É que essa coisa do "prazer de condução" pode ser tão relativo e subjectivo!!!
O prazer que um "biker" procura na sua "cuiser" é diferente do prazer que um "viajante" extraí da sua "tourer", que por sua vez é tão diferente do prazer que um "rocker" obtém na sua "cafe-racer", sendo totalmente distinto do prazer que um "power ranger" retira da sua "hiper-sport" ou de maneira totalmente oposta, que um "lamacento" tira da sua "MX".... smile

[Imagem: QKmafvp.png]
Responder

olhem que a fiabilidade acho que não era assim tão má. Acho que a mota do broly chegou aos 60.000 e ainda estava boa para rolar mais uns 60.000km pelo que ele descrevia aqui no forum.
O custo de produção sim é verdade, e foi dos pontos mais importantes, mas acho que hoje em dia conseguias igualar o preço de uma destas ao de uma cbr300 actual.
Responder

(02-03-2017 às 13:16)pedromt07 Escreveu:  olhem que a fiabilidade acho que não era assim tão má. Acho que a mota do broly chegou aos 60.000 e ainda estava boa para rolar mais uns 60.000km pelo que ele descrevia aqui no forum.

O Broly é um gajo que percebe disto a potes, e a CBR250RR (que presumo que entretanto já vendeu, pois ele chegou a anunciá-la aqui) era tratada com todos os "mimos" mecânicos, tal como todas as outras exclusividades que habitavam aquela garagem/oficina.

A fiabilidade de um motor é aquilo que tu fizeres dele. Daí eu ter dito que o que comprometia a mesma era a forma como eram usadas (e abusadas).... especialmente num pequeno motor sempre ávido de rotação, em mão erradas, em que eram esmifrados até ao tutano e depois não se preocupavam muito com a sua devida manutenção.

Se procurares um pouco, não eram nada raras notícias de motos deste tipo com motor todo "embrulhado". Mesmo por cá, no que tínhamos no mercado e de mais parecido (Bandit400), eram comuns notícias deste tipo.

(02-03-2017 às 13:16)pedromt07 Escreveu:  mas acho que hoje em dia conseguias igualar o preço de uma destas ao de uma cbr300 actual.

É sempre mais barato produzir um motor in-line twin que um in-line four. E embora as actuais 300 de "aspecto" desportivo estejam bastante inflacionadas, acaba por ser uma conjectura afirmar-se isso, à qual, e por não haver termos comparativos, é dúbio. É que não me lembro de uma só que seja, 250 de 4 cilindros DOHC 16 valve, que esteja em comercialização hoje em dia cá, para poder tirar conclusões.

[Imagem: QKmafvp.png]
Responder

(02-03-2017 às 13:51)carlos-kb Escreveu:  
(02-03-2017 às 13:16)pedromt07 Escreveu:  mas acho que hoje em dia conseguias igualar o preço de uma destas ao de uma cbr300 actual.

É sempre mais barato produzir um motor in-line twin que um in-line four. E embora as actuais 300 de "aspecto" desportivo estejam bastante inflacionadas, acaba por ser uma conjectura afirmar-se isso, à qual, e por não haver termos comparativos, é dúbio. É que não me lembro de uma só que seja, 250 de 4 cilindros DOHC 16 valve, que esteja em comercialização hoje em dia cá, para poder tirar conclusões.

Daí ser uma opinião, porque sim não tenho dados nenhuns para provar o que disse, mas acho que os custos não seriam assim tão diferentes como eram.
Eu gosto de pensar/sonhar que ainda existe a possibilidade de sair um destes modelos, de baixa CC. e 4cil. Mas não o vejo a acontecer devido às exigências Euro. cry
Responder

(02-03-2017 às 14:40)pedromt07 Escreveu:  Daí ser uma opinião, porque sim não tenho dados nenhuns para provar o que disse, mas acho que os custos não seriam assim tão diferentes como eram.

Deste o exemplo acima da CBR300, que até é monocilíndrica, contra a maioria dos twin das suas congéneres mais directas (Ninja ou R3).
Pegando na tabela de preços para Portugal, a "asinha" está tabelada a 5 mil euros, contra os 5600 do "piano" ou os 5900 da "alface".  No patamar imediatamente a seguir do segmento, uma R6 custa mais do dobro da 300 (12.700€) e uma ZX-6R parte dos 12 mil para cima (consoante a versão). Mesmo a CBR600RR, recentemente descatalogada, custava na versão ABS (actualmente obrigatória com a Euro4) 12.350 euros.
Ou seja, entre as actuais 300 e as 600, existe um fosso de duas vezes mais o seu preço de comercialização.

Agora tira as tuas conclusões, quando vemos que a maioria das 250cc de 4 cilindros, na sua época, se aproximavam mesmo muito das suas irmãs maiores, e para além do motor de características e arquitectura idêntica, delas herdavam muita da ciclística, chassis, suspensões ou travões. Se actualmente existissem, coloco mesmo muitas dúvidas se custariam "apenas" valores na casa dos 6 mil euros. É que mesmo na década de 90, em PT, uma ZZR250 (que embora twin, era o que de mais desportivo tínhamos nas 250) já passava a barreira psicológica dos 5 mil euros (note-se que há mais de 20 anos atrás), quando a ZZR600 deveria andar pelo equivalente actual a 7 mil euros (ou seja, nunca mais do que o dobro).

(02-03-2017 às 14:40)pedromt07 Escreveu:  Eu gosto de pensar/sonhar que ainda existe a possibilidade de sair um destes modelos, de baixa CC. e 4cil. Mas não o vejo a acontecer devido às exigências Euro.  cry

Não o vejo acontecer, não tanto pelas normativas europeias em termos de emissões e segurança (e convém não esquecer que os construtores não fabricam motos apenas para o mais restritivo espaço europeu), mas porque se torna um produto pouco apetecível no mercado, do ponto de vista económico.
É que a Euro4 está em pleno vigor desde início deste ano, e não foi por isso que as desportivas de 4 cilindros foram descatalogadas.

[Imagem: QKmafvp.png]
Responder

É mais fácil e fiável este motor de 250cm3 de 4 cilindros com muito pouco curso fazer 20mil RPM... que o motor duma panigale de 1300cm3 de dois cilindros fazer 12mil RPM...

Estes motores pequenos "rebentavam"... n~~ao era porque estavam esmifrados ou porque faziam muita rotação... o problema residia unicamente no facto de como faziam muita rotação, o "sonoro" acompanhava... embora a velocidade do conjunto não... por isso era normal esta malta que tinha motos com motores destes andarem sempre na bolina... e sempre quase no vermelho... aquela bodega até gostava de andar lá em cima... e a malta gostava de as ouvir berrar....

Numa moto com motor maior... mesmo que de 4 cilindros, 16 válvulas... para o motor rodar... às 14mil RPM... que se calhar nesta 250 era andar a 150km/H... que era fácil andar a essas velocidades... num 600... 14mil RPM quer dizer 280km/h.... e uma 1000 que consiga fazer essa rotação... significa andar a mais de 300km/h... ora velocidades destas não se praticam de lisboa ao algarve... numa 1000... porque se o fizerem... elas também agarram com a mesma facilidade que uma 250 ou 400...

A diferença acabava por residir nisto... imaginem 180km/h.... dou o exemplo das motos que tive...

Bandit 400 - 14mil RPM /14mil RPM - 100%
GSX-R600 - 9mil RPM / 13,5mil RPM - 66%
GSX-R1100 - 6,5mil RPM / 12mil RPM - 50%

Agora tentar provocar num motor duma 600 ou duma 1000 o mesmo tipo de stress que se colocava nos 250 ou 400... era preciso tê-los do tamanho de melancias.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder

(02-03-2017 às 14:40)pedromt07 Escreveu:  Eu gosto de pensar/sonhar que ainda existe a possibilidade de sair um destes modelos, de baixa CC. e 4cil. Mas não o vejo a acontecer devido às exigências Euro.  cry

Pelas exigências da norma EURO4... mais cilindros é melhor... não poluem tanto...

As regras no escalonamento das cartas na minha opinião nunca teve grande influência... mas sim as questões fiscais... que variam muito de país para país... e no Japão para se ter uma moto com mais de 400... quase que se tem de vender um Rim... em Inglaterra, não tento por questões fiscais mas mais por questões de seguros....

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder

O Preço deste segmento é exagerado face à performance das motas, ainda para mais, sendo Portugal um país com baixo poder de compra. 5000 euros por uma 300cc que ainda por cima vem com pneus de merda, é ridículo. 
A CBR 300, por exemplo, é a mais fraca do segmento.
Responder

tema actual:
http://motonliners.pt/topico-honda-cb250f-a-osga?page=6
Responder

(04-03-2017 às 00:07)IgordeMelo Escreveu:  O Preço deste segmento é exagerado face à performance das motas, ainda para mais, sendo Portugal um país com baixo poder de compra. 5000 euros por uma 300cc que ainda por cima vem com pneus de m****, é ridículo. 
A CBR 300, por exemplo, é a mais fraca do segmento.

Não tem muito a ver... o preço das motos não é directamente proporcional à velocidade que atingem... mas sim aos seus componentes, tecnologia, materiais, etc...

O exemplo da Honda NR750... custava na época 10mil contos... e a Honda tinha muitas motos em catalogo na altura que andavam muito mais que a NR... só que não eram a mesma coisa...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)