Miguel Oliveira 88

Embora se tenha dado muita relevância ao MO ter ido tirar a carta...

Parece que é algo banal, não a ter smile

https://www.record.pt/modalidades/motore...es-semanas

Este em vez de fazer disso um golpe publicitário, fez às escondidas smile

Sent from my Nokia 3310 using Morse code
Responder

O facto é que a maior parte deles (pilotos de MotoGP), tenham ou não carta de moto, estão interditos contratualmente de as conduzir na via pública.

Aliás, essa "norma" é comum, em desportistas de alta competição, nas mais variadas esferas do desporto.

Numa lógica semelhante, descobri ainda há bem pouco tempo uma "clásula" daquelas que passa despercebida, em relação ao meu seguro de vida associado a um empréstimo bancário para habitação. Se eu morrer em consequência de acidente de moto, o seguro não cobre esse risco. Interessante, não? think
Responder

Eh lá, isso é importante.

Espero nos próximos meses fazer uma coisa dessas e isso é muito curioso.
Responder

(05-07-2019 às 08:59)carlos-kb Escreveu:  Numa lógica semelhante, descobri ainda há bem pouco tempo uma "clásula" daquelas que passa despercebida, em relação ao meu seguro de vida associado a um empréstimo bancário para habitação. Se eu morrer em consequência de acidente de moto, o seguro não cobre esse risco. Interessante, não? think

A mota nao é considerada um veiculo de luxo? Logo o seguro nao paga enquanto andas em lazer! proud

Agora mais a sério, é algo que nao surpreende, nao se passa uma semana sem uma noticia de algum acidente fatal nas motas. Os interesses deles é maximo lucro, isso seria algo que reduzia bastante essa parte. Logico que nao é do interesse deles. Nada de novo.
Responder

(05-07-2019 às 09:54)Nfilipe Escreveu:  Agora mais a sério, é algo que nao surpreende, nao se passa uma semana sem uma noticia de algum acidente fatal nas motas. Os interesses deles é maximo lucro, isso seria algo que reduzia bastante essa parte. Logico que nao é do interesse deles. Nada de novo.

Não sei se tem relação directa com o facto de morrerem muito, digo isto porque o mesmo se passa se fores praticante de uma modalidade onde morre uma centena ou menos, de pessoas por ano em todo o mundo... Que é o mergulho recreativo com garrafa.

Qualquer mergulhador omite isto quando vai comprar casa, e para se prevenir faz um seguro de vida específico de mergulho, da DAN porr exemplo.

Sent from my Nokia 3310 using Morse code
Responder

(05-07-2019 às 09:54)Nfilipe Escreveu:  A mota nao é considerada um veiculo de luxo? Logo o seguro nao paga enquanto andas em lazer! proud

Em lado algum especifica que o seguro de vida sobre um empréstimo para casa, só cubra os riscos resultantes de actos que não sejam de lazer. Se eu morrer de doença, o seguro cobre... se eu morrer atropelado, o seguro cobre... se eu morrer de acidente de carro, o seguro cobre... se eu morrer aos comandos de uma moto, o seguro não cobre nada.
No entanto nada me foi dito em relação a isso, quando celebrei o dito contrato de seguro (e já andava de moto há muito), aind amais sendo um seguro de vida algo obrigatório num crédito para habitação. E assumi intrinsecamente que a morte resultante de qualquer forma (existem tantas e tão diversas formas de se morrer), estaria automaticamente coberta. Até há uns tempos, quando precisei de voltar a mexer nessa papelada e me deparei com essa peculiar cláusula.
Para as seguradoras, quem anda de moto tem uma muito mais forte probabilidade de morrer aos comandos dela, e como tal, eles aproveitam-se disso para (como é norma), fugirem com o "rabo à seringa".

(05-07-2019 às 09:54)Nfilipe Escreveu:  Agora mais a sério, é algo que nao surpreende, nao se passa uma semana sem uma noticia de algum acidente fatal nas motas. Os interesses deles é maximo lucro, isso seria algo que reduzia bastante essa parte. Logico que nao é do interesse deles. Nada de novo.

Estatisticamente, em Portugal, morrem por dia, na estrada e em média, 2 pessoas. O grande bolo da mortalidade ainda é automóvel. Ok... é certo que o número de automóveis em circulação, bem como os respectivo número de acidentes, são proporcionalmente maiores, face ao número de motos e respectivos acidentes. A diferença reside que face ao número de acidentes registados com cada tipo de veículo, a percentagem de mortalidade nas motos face ao número de acidentes com elas, é maior (por motivos mais que óbvios), em relação aos automóveis.
Para as seguradoras a questão passa assim mais por conseguir reduzir os riscos cobertos, para consequentemente menos hipóteses haverem de que as respectivas coberturas sejam accionadas que os obrigue às respectivas indemnizações.
Responder

Não sabia dessa cláusula, eu vendi agora a minha casa senão ia ver também se tinha essa cláusula no meu empréstimo também. Mas futuramente vou estar atento!
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)