Lubrificantes e lubrificação
#41

(29-10-2015 às 13:32)OFFICER Escreveu:  Como podes ver, vai desde os 10W30 aos 20W50.

Fui pesquisar e realmente indica todas essas especificações!
Só tem manual a partir de 2000. E tenho ideia que o motor não mudou face aos de anos anteriores.

Acho estranho que o quadro seja exactamente o mesmo que se encontra nos manuais da FZ6 de 2004 ou R6 de 2015.
Mecânicas substancialmente diferentes!
E que esses quadros não sejam coerentes com os dos manuais anteriores.

Eu não colocaria um 10W30 numa XJ600. Nem colocaria em nenhuma outra com motor air cooled!
A não ser que vivesse na Escandinávia.
Responder
#42

Acho que a minha Ex-B650 dizia para usar 20W50... mas não tenho a certeza, era air/oil Cooled... não muito diferente da tua...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#43

(29-10-2015 às 16:09)dfelix Escreveu:  
(29-10-2015 às 13:32)OFFICER Escreveu:  Como podes ver, vai desde os 10W30 aos 20W50.

Fui pesquisar e realmente indica todas essas especificações!
Só tem manual a partir de 2000. E tenho ideia que o motor não mudou face aos de anos anteriores.

Acho estranho que o quadro seja exactamente o mesmo que se encontra nos manuais da FZ6 de 2004 ou R6 de 2015.
Mecânicas substancialmente diferentes!
E que esses quadros não sejam coerentes com os dos manuais anteriores.

Eu não colocaria um 10W30 numa XJ600. Nem colocaria em nenhuma outra com motor air cooled!
A não ser que vivesse na Escandinávia.

Lá está...aquilo é um manual Europeu. Portanto, tem para todos os gostos. Cabe-nos decidir qual deles é o mais indicado.

De qualquer forma, segundo o Haynes Manual, o óleo indicado é 10W30 ou 20W40, dependendo se é verão ou inverno  lol

[Imagem: u8KIs8R.jpg]

Já agora...o Manual de Taller Espanhol, diz o mesmo  thumbsup

[Imagem: fseWVIK.jpg]

Portanto, na nossa temperatura, o indicado seria 10W40 ou 15W40.
Responder
#44

(29-10-2015 às 13:32)OFFICER Escreveu:  Fui buscar precisamente ao manual dela. Não aos manuais espalhados por essa net fora que pouca informação têm. A Yamaha nisso é boa, mesmo para motas velhas, disponibiliza manuais.

Mas está lá a graduação que referes, mas não só. Aliás, há manuais que referem o 20W40 apenas para o verão, além de que esse óleo era mineral.

[Imagem: gfH4b9a.jpg]

Como podes ver, vai desde os 10W30 aos 20W50.

Olá boas... Peço desculpa pela ausência mas imperativos chatos familiares têm-me dado cabo da cabeça...

Ora, o problema todo está em "interpretar" essa tabela de Lubrificantes da marca... Pois terás de pegar nela e adequares a muita coisa... Por exemplo, tipo de pilotagem, clima dominante, se rodas mais em cidade ou fora dela, etc...

Em termos gerais, há aspectos desde logo a que não deves fugir... Por exemplo, o API SG e "acima"... Nem deveria aparecer... Pois, abaixo de um API SJ em meu entender, não trás benefícios acrescentados, para além de que a tecnologia de desenvolvimento desses tempos vetustos está largamente ultrapassada...

Um "30" (tradução do lado direito da fórmula multigrade) é fraquinho para Portugal, se atendermos ao motor específico refrigerado a ar e logo um 4 cilindros em linha... Apesar de relativamente pouco potente, aquece e bem... "Funciona", pode ser usado mas em meu entender apenas em desenrascanços... Pessoalmente, o mínimo um 40W... O lado esquerdo, o "10W" (W = Winter) para o motor em causa, não se justifica (encarece o produto)... O que conta é uma fórmula multigrada equilibrada para as várias variáveis... Entre um SAE 15W-40 e um SAE 20W-50 há muita coisa por onde escolher...

Não estiques muito a fórmula multigrade do produto a usar, por exemplo um SAE 10W-50... Pagas muito mais e nem por isso é mais "útil"... Acresce que um dos factores que mais coloca em causa a fiabilidade é o sobreaquecimento (que destrói os polímeros) e tal pode eventualmente (depende também de muitos factores) claudicar a lubrificiência (capacidade de cumprir com as especificações de performance) mínima requerida...

Já quanto à "Precaução", não conta a história toda... É que aditivos anti-fricção todos contêm... A questão está na quantidade e na capacidade de cumprir a especificação anunciada em toda a faixa multigrade (IV = Índice de Viscosidade). Quanto menor a variação da fórmula multigrada, menores quantidades de aditivos anti-fricção serão usados... E quanto maior a temperatura "Winter" (a frio), igualmente menos aditivação será necessária... Ou seja, um lubrificante 100% sintético com alto nível de IV, por exemplo um PAO (com base em polialfaolefina) e reduzida diferença multigrade (ex: SAE 15W-40) será supostamente mais "equilibrado" que um 100% sintético com ainda maior IV, de base éster, mas com maior diferença multigrade (ex: SAE 10W-60)...

Uma coisa que ninguém adianta é esse "equilíbrio" do produto final... Isto é, o conceito de fórmula usado é muito importante... Aspectos fundamentais tidos em conta na competição por exemplo (onde as performances são testadas ao limite), tais como a evaporação, consumos ou resistência do filme lubrificante a toda a "exagerada" dose de necessidade-limite, devem ser bom motivo de escolha... Infelizmente, a maioria dos fabricantes prefere "mais valias" especuladoras do que um preço final justo e comprovado tecnologicamente...

Posso garantir que a antiga gama API SJ Galp Moto Action que testei em competição, era de base em PAO e muitíssimo equilibrada! O 100% sintético S4T e o semi-sintético (ou sintético como agora é moda dizer-se) MS4T eram excelentes nesse aspecto!!! Para o diferencial de preço, o MS4T provou ser um produto fantástico e referencial! Mas na época (2000 a 2002) não podia dizer isso, eheheheh...

Raros minerais para motos SAE 20W-40 encontras no mercado... O antigo Moto Action da gama API SJ (pnúltima creio eu) era excelente...

Acresce que o averbamento da especificação JASO T903 (que data de 1998 e vem sendo evoluída) averba a capacidade do produto não interferir com as embraiagens (quando a lubrificação é conjunta com a do motor) mas não conta a história toda, pois tem uma importante função "paralela" de "prevenção na despolimeração" do lubrificante, pela acção das caixas de velocidade (engrenagens)... Pois, o deslizamento das embraiagens (em banho de óleo), pode resultar também do esmagamento precoce dos polímeros devido ao trabalho das caixas (e do sobreaquecimento consequente) e tal irá comprometer a lubrificação das embraiagens também... Ora isso gera um círculo vicioso em que toda a parte térmica fica ou pode ficar em risco...

https://www.lubrizol.com/MCEO/Spec-Check...troke.html

RIDE FAST, LIVE FAST!
Responder
#45

Bela explicação clap

Dizes então, segundo percebi, que um 15W40 ou 20W50 seria o ideal para esta moto em questão, certo?

Aqui só fica uma questão, por exemplo, onde eu me abasteço de óleos, não existe à venda 15W40, apenas tem 15W50 e custa 8.90€/litro, sendo um Castrol Power 1 4T.

Já nos 20W50, apenas existe um também, sendo 10.50€/litro para um Yamalube 4M.

Agora, falavas em 10W encarecer o produto, pois bem, na gama dos 10W40 temos muito por onde escolher, entre os quais:

Castrol Power 1 4T - 9.20€/litro
Motul 5100 4T - 8.20€/litro
Repsol Motorider 4T - 6.75€/litro

Portanto, na ausência de 15W40 (que realmente tenho visto que é muito raro) e entre a compra de um 15W50 e um destes 10W40, qual seria a melhor opção?
Responder
#46

Do que percebi será indiferente, escolhe o mais barato se as restantes classificações forem iguais, uma vez que a diferença entre o índice de viscosidade a frio e quente são iguais o que influenciará será a temperatura.

Independentemente de outros factores importantes, nos Jaso MA (1 ou 2) quanto menor for a diferença entre o índice de viscosidade a frio e a quente menos riscos temos da embraiagem estragar o oleo (despolimerização).
Estamos a aprender.
Assim vale a pena cá vir.
Responder
#47

(18-11-2015 às 11:01)OFFICER Escreveu:  Bela explicação  clap

Dizes então, segundo percebi, que um 15W40 ou 20W50 seria o ideal para esta moto em questão, certo?

Aqui só fica uma questão, por exemplo, onde eu me abasteço de óleos, não existe à venda 15W40, apenas tem 15W50 e custa 8.90€/litro, sendo um Castrol Power 1 4T.

Já nos 20W50, apenas existe um também, sendo 10.50€/litro para um Yamalube 4M.

Agora, falavas em 10W encarecer o produto, pois bem, na gama dos 10W40 temos muito por onde escolher, entre os quais:

Castrol Power 1 4T - 9.20€/litro
Motul 5100 4T - 8.20€/litro
Repsol Motorider 4T - 6.75€/litro

Portanto, na ausência de 15W40 (que realmente tenho visto que é muito raro) e entre a compra de um 15W50 e um destes 10W40, qual seria a melhor opção?


Meu caro, peço desculpa pela demora mas ando com a vida pessoal e familiar feita num molho de bróculos (daqueles que fazem mal ao cólon)...

Ora eu escrevi atrás o que escrevi como traços gerais a analisar e não especificamente sobre a Yamaha Diversion... Tens sempre de ir ver o manual e o que é preconizado para os lubrificantes e a página está aqui várias vezes publicada...

O máximo na direita da fórmula multigrade SAE do lubrificante especificado é "40", logo não deves usar um "50" ou um "60". Posto isto, se apanhares o antigo Galp Moto Action M4T SAE 20W-40 (mineral) ficas bem servido (atenção aos intervalos entre mudas)!...

Um SAE 15W-40 ou um SAE 10W-40 (semi-sintético ou 100% sintético) está perfeitamente dentro do que possas usar... Mais uma vez, a título de referência, na antiga gama Moto Action API SJ / Jaso T-903 (testada em competição) continha dois fantásticos produtos, o MS4T SAE 15W-40 (semi sintético) e o SAE 10W-40 100% sintético... E digo isto porque o caderno de encargos e as linhas gerais de desenvolvimento (os pontos de que não abdiquei tinham de ser cumpridos! E foram!) fui eu que as determinei ao Marketing de Lubrificantes e ao Desenvolvimento de Produto...

Mas tens por aí muito bom produto por onde escolher...

O que reparo é que não percebeste bem o sentido e significado da fórmula multigrade... Mais uma vez, o "W" = Winter (lado esquerdo da fórmula, separada por ífen) refere-se ao desempenho averbado "a frio" e o lado direito da fórmula é a "grossura" do produto (se é mais ou menos viscoso)...

Na Diversion pelos vistos acima de "40" a "quente" não deves usar;
Não usar um API abaixo de "SJ";
Procurar um produto averbado com JASO T-903 (MA2)... O (MB) é raro ser especificado e NÃO É intercambiável com o MA e o pessoal não sabe... Tem a ver com "altas" ou "baixas" pressões internas... Na dúvida e na ausência de especificação determinada pelo fabricante, usar sempre (MA / MA2);
Podes optar por um SAE 10W-40, SAE 15W-40 ou SAE 20W-40.

Dúvidas deixa aqui...

RIDE FAST, LIVE FAST!
Responder
#48

(18-11-2015 às 14:20)ClaXav Escreveu:  Do que percebi será indiferente, escolhe o mais barato se as restantes classificações forem iguais, uma vez que a diferença entre o índice de viscosidade a frio e quente são iguais o que influenciará será a temperatura.

Independentemente de outros factores importantes, nos Jaso MA (1 ou 2) quanto menor for a diferença entre o índice de viscosidade a frio e a quente menos riscos temos da embraiagem estragar o oleo (despolimerização).
Estamos a aprender.
Assim vale a pena cá vir.

Obrigado pelo "elogio"... A minha intenção é totalmente didáctica.

Mas há imprecisões na matéria... Onde refere IV (índice de viscosidade)?... Referes-te à fórmula multigrade?... Não é a mesma coisa!!!

O IV é raro vir mencionado. Surge normalmente na tabela técnica do produto, no fabricante do mesmo... Este averbamento atesta a capacidade do produto lubrificante cumprir com as especificações de lubrificiência em toda a faixa de viscosidades... Quanto maior o IV, melhor será o desempenho do produto. Aqui já entra a famigerada questão dos 100% sintéticos e "semi" ou "minerais"...

Não confundir isto com especificações de performance ou de viscosidade. Este é um conceito bastante complexo para um leigo perceber e não é fácil "comunicar" o assunto por um conhecedor a um leigo, sem explicar toda uma série de variáveis envolvidas na concepção do produto...

Para te referires à fórmula multigrade de viscosidades (SAE), tens de usar esta nomenclatura precisa e não falar em "índice de viscosidade" (IV) que designa como acabo de escrever, algo muito diferente.

Por outro lado, não é "a embraiagem" que "afecta os polímeros" mas o próprio produto que pode reagir mal ao trabalho da embraiagem (podendo surgir o célebre "efeito deslizante"), bem como o trabalho das caixas de velocidade de lubrificação conjunta poder contribuir também para essa maior "despolimeração"... Outro factor, talvez o mais importante, é o sobreaquecimento... Com o sobreaquecimento o produto pode claudicar, comprometendo a sua capacidade de lubrificiência, destruindo os polímeros lubrificantes e "evaporando" até o próprio lubrificante...

A capacidade do produto se manter estável no uso máximo de exigência pelo maior espaço de tempo, através do cumprimento eficaz do conjunto de todas as variáveis de performance e viscosidade envolvidas na fórmula geral de desenvolvimento não é sujeita a um averbamento específico, mas é muito importante... Eu denomino isso de "equilíbrio do lubrificante".

Em competição esses factores são absolutamente críticos!! Quando um produto refere "testado em competição" quer a princípio dizer isso mesmo... E digo "a princípio" porque o marketing é manhoso e usa subterfúgios linguísticos... Como não há nenhum averbamento concebido com regras determinadas em consenso para o efeito, não pode ser tido como relevante, salvo se um tipo como eu o afirmar.

RIDE FAST, LIVE FAST!
Responder
#49

Isto dos lubrificantes tem muito que se lhe diga...

E quando se fala em motos com 30/40 anos em que o construtor designava um tipo de lubrificante... que hoje não existe... o que se deve usar?

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#50

(05-01-2016 às 22:34)nelsonajm Escreveu:  Isto dos lubrificantes tem muito que se lhe diga...

E quando se fala em motos com 30/40 anos em que o construtor designava um tipo de lubrificante... que hoje não existe... o que se deve usar?

Óleo Fula? lol
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)