Lubrificantes e lubrificação
#11

vou mostrar a minha primeira discordia em dizer que é bom o chain, daquele com material que não pinga, os melhores são a base de compostos que pingam, para a mesma ficar viscosa e não seca sem pingar
Responder
#12

Lubrificar corrente? O que é isso? Para que serve? lol devil

Agora a sério... quando tinha motos de corrente, usava um da Wurth, que se transformava em "mousse" mal era aplicado, e durava bastante. Mas tinha o grande inconveniente, igual a todos os lubrificantes mais sólidos / pastosos, que era agarrar toda a porcaria, o que de tempos a tempos me levava a ter de lavar muito bem a corrente com um bom dissolvente (petróleo, por exemplo), para arrancar toda a merdonga.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#13

Alguém tem umas noções bem aprofundadas desta coisa dos óleos de motor... sintéctico vs mineral, especificações API ACEA JASO.... e sei lá mais o què... era bom termos aqui um tópico que falasse destas coisas... não sei se se lembram do user UNICO do outro forum, mas ele percebia disso a rodos... e inclusivamente escrevia sobre isso por lá. alguém o conhece pessoalmente e que meta uma cunha para vir aqui escrever...

é que é um tema de extrema importância e demasiado "tendencioso" é quase como falar do Benfica...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#14

Nelson falas em noções bem aprofundadas acerca de óleos, assim suponho que não te consigo ajudar, deves perceber mais disto do que eu.

Sei que as viscosidades recomendadas pelo fabricante devem quase sempre ser seguidas, os oles mais caros (sintéticos) não são necessariamente melhores em todas as situações, etc.

A viscosidade é indicada nos multi graduados por (exemplo) 10W40, indica a viscosidade a frio e a quente. 10 será a viscosidade a frio e 40 a quente. Por isoo é que as especificações dos fabricantes variam consoante o clima onde se vai utilizar a moto. Para climas mais quentes números superiores, para climas frios números inferiores. Existem ainda os de graduação únicas que podes encontrar normalmente nos diferenciais dos carros, onde a temperatura de funcionamento não será um problema.

Inclusive sei que para a tua marreca não deves mesmo, mesmo utilizar óleos sinteticos. Não porque o fabricante não o recomenda (naquela altura óleos sintéticos era quase ficção científica) mas porque o motor da tua marreca está com as folgas, resíduos (a chamada "cama") de longos anos. Assim com a utilização desses óleos sintéticos com maior poder detergente (os óleos têm detergentes) vai eliminar os resíduos naturais acumulados eliminando assim a estanquicidade quase perfeita, sendo o sintético um óleo mais escorregadio que o mineral irias quase de certeza começar a sentir um consumo de óleo bastante superior ao habitual. Para reestabeleceres o equilíbrio que tens actualmente seria praticamente impossível.

Desculpa se só vim colocar disparates mas foi o que aprendi com a minha Thunderace de 98.

Em relação as especificações sei que a mais importante a ter em conta é a Jaso MA /MA2 (mais recente) estas definem que o óleo se destina a motos que partilham o óleo do motor com a embraiagem. Se colocarem um óleo sem essa especificação numa mota com óleo partilhado (que são quase todas) a embraiagem não conseguira fazer correctamente a sua função por o óleo não deixar criar o atrito necessário.

Nunca se deve utilizar óleos de carros em moto, muito pelo motivo anterior dado que o carro não tem essa partilha motor/embraiagem , pelo mesmo motivo deves ter muito cuidado nos aditivos de óleo.
Responder
#15

Lembrei me agora.

A grande vantagem dos óleos sintéticos, para além de ser mais escorregadio ou lubrificante se preferirem, é que aguenta esse poder lubrificante com temperaturas mais elevadas e durante mais tempo.
Caso a muda de óleo se faça em períodos/ciclos curtos (entre 5000 a 10000 kms) não me parece que traga grandes vantagens numa utilização no quotidiano.
Em relação a situações extremas dos track days, nada do que eu coloquei aqui se aplicará e aí será necessário cá vir o tal utilizador UNICO elucidar o pessoal.
Responder
#16

Nelson, ele está aqui inscrito, procura pelo nick dele e manda-lhe MP a convidar a vir cá deixar umas postas!
Responder
#17

Após reler o meu post gostaria de dizer que a parte que explica a leitura das viscosidades pode levar a más interpretações.
O segundo número não quer dizer que será aquela a viscosidade a quente mas sim que o óleo com o aumento da temperatura ao contrário do que seria normal num óleo unigraduado que será ficar menos viscoso, através dos aditivos espessantes irá gradualmente compensando a perda de viscosidade.
Responder
#18

É isso mesmo ClaXav, devia haver por aqui um tópico a explicar mesmo isso... é que há muita gente que pensa que um 20W50 é mais "grosso" que um 0W30 por exemplo...

O óleo para a "marreca", já agora... eu nunca usei nem uso óleo 100% sintéctico, nas minhas motos, de momento usa um da ENI, também ele semi-sintático 10W40.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#19

(27-10-2015 às 15:24)nelsonajm Escreveu:  Alguém tem umas noções bem aprofundadas desta coisa dos óleos de motor... sintéctico vs mineral, especificações API ACEA JASO.... e sei lá mais o què...

O que queres saber em concreto?

Vê se o que se falou aqui sobre viscosidades.
E já agora o que se falou aqui sobre escolhas adequadas. (nomeadamente consultar uma coisa chamada manual)

(27-10-2015 às 15:24)nelsonajm Escreveu:  ...não sei se se lembram do user UNICO do outro forum, mas ele percebia disso a rodos...

Ele anda por aí!
Certamente quando ler isto terá todo o gosto em responder e recomendar-te o da GALP.
A informação dele é sempre válida. Pelo menos enquanto não faz birra e decide apagar tudo o que escreveu como aconteceu no Motonline. smile
Responder
#20

(27-10-2015 às 16:08)ClaXav Escreveu:  Em relação a situações extremas dos track days, nada do que eu coloquei aqui se aplicará e aí será necessário cá vir o tal utilizador UNICO elucidar o pessoal.

Antes de mais, também tenho que os meus conhecimentos de óleo é basicamente seguir o que manda o manual e pouco mais.

Em termos de trackdays, pelo que andei a investigar, recomenda-se uma mudança de óleo logo após o trackday. A razão é que o andamento é muito mais alto que o normal no dia-a-dia e isto faz com que o óleo se degrade mais rápido, além de aumentar a quantidade de partículas de metal devido ao uso.

E se forem mesmo prós e quererem tirar o melhor partido da mota, convém também fazer uma mudança antes do trackday para assegurar as melhores performances durante o mesmo. Claro que a mudança depois ainda se mantém.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)