Espírito Motard

Hoje foi dia de correria. Falta de tempo que levou a atrasos. Atrasos que levaram a excesso de punho direito já na reserva.
E para terminar, uma paragem cerebral no momento em que deveria ter entrado para a estação de serviço.

Resultado... fiquei sem gasolina à saída da ponte vasco da gama no sentido sul.
(e já é a terceira vez que me acontece. segunda precisamente na ponte)

Para meu espanto...não parou um, nem dois, nem três,...
Não contei mas pararam na boa um grupo de 10 motociclistas a perguntar se precisava da ajuda.
(De todos destacava-se um  RC8 branca lindíssima... que vinha na frente e foi o que teve a iniciativa de encostar. Sem ignorar um casal numa FJR que foram super cordiais e atenciosos)

Pela indumentária e  sobretudo pelo excesso de "espirito" diria que seguiam em grupo para um concentração.
Em situações normais a malta não está tão receptiva a isso.
smile

Portanto, aqui fica o meu testemunho (de gajo céptico e venenoso sobre o tema) a confirmar que o "espirito" que tanto apregoam ainda existe.

Só que...
Apareceu ajuda. Mas e depois?
Ia cravar gasolina a um deles? Ia cravar uma boleiazinha para ir buscar gota que implicava uma ida e volta a Lisboa com portagem pelo meio? Ia meter malta  que seguia a sua viagem a fazer desvios?
Naaaa...

Agradeci. E empurrei 4km.

smile
Responder

(26-08-2017 às 01:58)dfelix Escreveu:  Pela indumentária e sobretudo pelo excesso de "espirito" diria que seguiam em grupo para um concentração.

Fim de semana de concentração na "Vidiguêra", pá.
Responder

A propósito desta coisada do espírito motard , hoje apanhei no facebook um gajo que escreveu isto :

Esta preocupação de ser "motard", mata-me...
Ora bem…
Hoje deu-me para isto, deve ser de ficar em casa à sexta-feira!
Algumas vezes apareço por aqui a largar umas larachas, comentando alguns posts que por vezes roçam o ridículo e a infantilidade…passo a explicar antes que me caiam em cima, sim, porque a maior parte dos frequentadores deste perfil, aliás, como toda a gente que pulula pelos fóruns e afins, não leem até ao fim, interpretam mal, e maior parte das vezes repetem-se…
Vou tentar abordar alguns temas que por aqui andam ou andaram e depois estão à vontade para desancar, pois sei que são impacientes com as teclas…
Este perfil denomina-se “ Respeito Motard”…ok, sei que o estrangeirismo por vezes é bonito e dá um ar mais culto à “coisa”, mas motard, motoqueiro e outros preciosismos é a pata que os pôs…eu considero-me motociclista. Pode não ter uma sonância muito melódica, mas é nossa.
Sou já velhote, 56 anos, um verdadeiro coiro rezinga com muitos anos de cu sentado em motos, não muitas, de várias cilindradas, porque não sou colecionador nem cagão para torrar guito. Novidades para mim são notícias e não motos. Moto é culto e forma de estar na vida.
Ora…e como sabemos que somos motociclistas? Espero que não se sintam melindrados com o termo, visto que não há uma licença passada por alguma entidade oficial, torna-se mais difícil perceber se o somos ou não e aqui está o busílis da questão que nos leva a outras questões.
Existem por aqui uns “menininhos” que quando pegam na motoreta vão pelas ruas das cidades a contar saudações, como se de um jogo se tratasse e depois quando não são retribuídos no cumprimento, vêm amuar para aqui tipo “queixinhas”, vão-se encher de moscas de qualidade, meus amigos carregados de napas vistosas.
AHHH e tal…aquele fulano não me acenou, vou postar a minha indignação quando tirar as luvas…
AHHH e tal…tenho a moto avariada e ninguém parou…Arranja-a estúpido, trata melhor dela!
AHHH e tal…faltou-me a gota e ninguém me deu liquido…Anda a pé se não tens guito ou não te lembraste de meter.
A quantidade de cumprimentos não vos faz subir na escala do motociclismo nem se podem considerar como tal só porque o fazem. Eu assumo-me como um perfeito “mete nojo”, não cumprimento ninguém quando me desloco de e para o trabalho no meio deste trânsito caótico de Lisboa, aliás, mais me apetece (e não tem a ver com cilindrada ou tipo de moto), enfiar uns bananos a uns quantos 125cc que por mim passam nas filas de trânsito sem qualquer tipo de respeito ou bom senso. Esses, ou são automobilistas em duas rodas, que depois de se verem livres das outras duas, pensam que podem fazer toda a merda, ou são pacóvios que deveriam ter menos pressa de irem ao chão. Já por aqui disse que existem regras, não escritas, mas adquiridas pela experiência, pelo relacionamento e observância de comportamentos de outros motociclistas. Os verdadeiros motociclistas em 125cc, sentem-se através do seu comportamento e cordialidade, sem stresses. Exemplos?
- Entre carros (não deveríamos, mas assim tbém não andaríamos de moto), as passagens fazem-se entre a terceira e a segunda fila, no caso de haverem três (nas cidades) no caso de duas filas, é lógico…ora existem uns fdp’s que insistem em terem mais pressa ou mostrarem que têm uma pilinha maior e passam pela direita (do outro lado da fila central) tornando uma decisão complicada para o automobilista, ou então seguindo atrás da fila de motos, insistem em ultrapassar os motociclistas da frente.
As 125cc (infelizmente) têm o condão de apanharem gente boa e gente mazinha, com é lógico não tem a ver com a cilindrada mas com o tipo de gentinha fdp (má) que compraram estas motos como alternativa ao popó e só andam nelas para chegarem mais cedo ao trabalho, terem transporte mais perto da porta e pouparem umas coroas para jantes cagalhonas pró popó ou umas férias melhores com a mastronça…
E os tonhós com RRRRRRRRRR’s (muitos r´s) que passam por buracos de agulhas e a cagar lume nos seus escapes de quase mil aérios??? Claro, muitos enlatados assustam-se e é um passo até fazerem merda…infelizmente estes menininhos das R’s têm os dias um pouco mais curto pelas leis das probabilidades, sou eu que digo ressabiado?
Não! São mesmo os casos conhecidos publicamente, sem serem estatísticas, e logo atrás vêm as 125cc (parece fixação).
Eu como “mete nojo” que sou, só cumprimento quem comigo se cruza em estrada aberta, tenham a cilindrada que tiverem, ou seja, fora das localidades e em viagem. Paro se tiver de ser para ajudar alguém, não faço nada no meio das cidades aos menininhos com a tesão do mijo, porque têm um motor debaixo do cu.
Mais, exemplos deste “mete nojo”. No passado, ia a concentrações de “feios, porcos e maus”, desisti…faltam-me qualidades. Não bebo, continuo feio e de mau feitio quando os bêbados me chateiam, não sou porco para aturar o pó levantado por tantos cascos nos terrenos arranjados para as concentrações, música fajuta e de mau som f…os ouvidos!
Para a ascensão a “motard” é necessário ir também a concentrações a fazer merda e em excesso de velocidade até ao local, se possível, fugir à policia, ou chamar-lhes nomes (fica sempre bem prós amigos, somos machos), mamar umas jolas com os amigos, deixar crescer a barba, largar o fatinho de bancário, botar as gangas e as napas, não esquecer o colete manhoso com bulé tócolantes e mais importante que tudo ver as garinas de t-shirt molhada de mamilos arrebitados, se for a namorada, ainda melhor, assim os amigos podem apreciar as duas máquinas que têm, depois assistir ao show de strip para dar ânimo nas partes baixas aos que levam companhia, ou em alternativa assistir aos concertos musicais emborcando jolas e mijando em qualquer lado para assentar o pó do recinto. Assistir aos shows de stunts, ver as berdadeiras máquinas artilhadas em exposição e ouvir as gazadas em ponto morto a foder motores de pacóvios que mais mereciam uns valentes murros nos cornos. Depois no último dia é regressar a ressacar com a carga toda mal arrumada e tentar raspar o alcatrão para ter uma recordação do encontro, se o cenário não for mais negro.
Ora, se os candidatos cumprirem estes passos todos, podem considerar-se motard, motoqueiro ou outras merdices, mas por favor, não venham para aqui fazer “queixinhas” dos que convosco se cruzam e não vos ligam pífia.
Já me esquecia! Escarrapachar tudo no FaceTube pró pessoal conhecido ver, dá um ar mais activo à vida do motard e mais tarde serve para recordar se tiver batido com os cornos, numa manobra mais atrevida.
Outro assunto é publicarem por aqui as listas obituárias do pessoal que nos deixa, além de macabro, pois começa a manifestar-se como uma estatística como já referi acima, também não vejo publicarem quando morrem “toxinas”, ou fumadores, ou doentes de cancro e outros casos. Os seres humanos não são controlados pelas leis da natureza, por isso poderemos considerar estes acontecimentos como uma forma de seleção da espécie, quer seja por infelicidade de estar no sítio errado à hora errada, ou por pura estupidez.
Outro aspecto deveras importante para se ser motard, aos domingos de manhã, obrigatoriamente tem que se ir às concentrações aos cabos da Roca e Espichel ou quaisquer outros terrenos mais dentro do mar, estão a ver? Levar os fatos com as marrecas atrás, capacetes com o 46 e deitar muito nas curvas, passar as aldeolas a cagar lume. Alternativa aos fatos, os coletes carregados de tócolantes e capacetes abertos minimalistas. Quem tiver a moto avariada, não tiver guito prá gota, ou não houver potência para sair das curvas em ganda estilo, sempre pode ficar de mirone nas curvas mais fechadas, sempre vão tirando umas fotos porreiras, podem ajudar alguém a levantar-se e sempre tiram os plásticos partidos do pavimento, para os próximos fazerem brilharetes. Atenção, tudo isto até +/- 12.30h porque fica na hora de passear a família ou a ainda mastronça.
Amigos, também conta para ser motard…
Haveriam ainda outras características, mas creio serem estas as mais decisivas para o estatuto.
Eu sou motociclista há mais de 35 anos e tenho inveja de não conseguir chegar a motard, esta mágoa há-de perseguir-me para o que resta da vida.
Hão-de perguntar, mas que moto tem este fdp? Não digo, só que é grande e não cabe em todos os buracos e por isso estou ressabiado, mas não sou “queixinhas”. Já podem martelar-me o juízo!
Boas voltas, viagens, bom fim de semana





GostoMostrar mais reações
Comentar
Responder

Algumas verdades por entre alguns preconceitos.

Não sabia da existência de regras para a circulação entre carros.
Devem estar num capitulo secreto do código da estrada.
Responder

[Imagem: bUy9hvP.jpg]

Olha aqui Félix!

Já ando a treinar para ser um verdadeiro (mdm).

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder

Oh lone, tu e o vindaloo compram o vosso equipamento na mesma drogaria, certo?

devil
Responder

(26-08-2017 às 17:05)dfelix Escreveu:  Algumas verdades por entre alguns preconceitos.

Não sabia da existência de regras para a circulação entre carros.
Devem estar num capitulo secreto do código da estrada.

Há algumas regras "não-escritas", sim. Por vezes também são conhecidas por "bom senso".  devil

[Imagem: wrong-bike.jpg]
Responder

Esse post do face, parece que ao gajo toda a gente lhe deve e ninguém lhe paga.
Responder

(02-09-2017 às 23:26)Nfilipe Escreveu:  Esse post do face, parece que ao gajo toda a gente lhe deve e ninguém lhe paga.

O tipo é rezingão ...mas não deixam de ser verdade alguns 'retratos' que faz.
Responder

(02-09-2017 às 13:54)LoneRider Escreveu:  [Imagem: bUy9hvP.jpg]

Olha aqui Félix!

Já ando a treinar para ser um verdadeiro (mdm).

olha um pirilampo bigsmile
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)