Triumph Sprint ST (2005-2010) - Porque ninguém fala neste modelo?
#11

(22-11-2017 às 13:19)dfelix Escreveu:  E o que não faltam são marcas tão mal ou pior representadas... que vendem! (Kawasaki e KTM são dois bons exemplos)

Não conheço a KTM, e felizmente com a Kawasaki não tive problemas até agora e espero não ter. Da minha experiência não acho que atualmente esteja mal representada. As peças demoram mais a chegar que por exemplo na Yamaha ou Honda, mas nada escandaloso, normalmente uma semana, e agora penso que menos.

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#12

Dfelix, por ter uma KTM que comprei a bom preço é que sei perfeitamente do que se fala de problemas de representação.

Na realidade sempre tive as peças que precisei em 15 dias ou menos, há mecânicos conhecedores e as peças de manutenção não são caras que me impeçam de continuar a ir à marca.

E os problemas de nascença já tinham sido rectificados em garantia pela marca e até hoje só tive de trocar a bomba de água fora a manutenção normal ( oleo, filtros, pastilhas e afinação de válvulas )

O primeiro dono levou um belo arrombo e vi erros de valorização na "venda de new old stock" a rebentar com o pessoal que acreditou na marca e as comprou novas a seguir a mim.

Mas como dizes o que interessa é volume de venda para as margens funcionarem e isso no nosso cantinho não acontece com facilidade.

Hoje em dia vês BMW GS com problemas graves de motores e caixas há uns anos, em Lx estou farto de ler que não atendem os telefones na Motomil para marcação ou informações por há pessoas a ir a Leiria fazer revisões e ninguém pisca os olhos a ir buscar mais uma devil
Responder
#13

(22-11-2017 às 13:19)dfelix Escreveu:  Que problemas crónicos e comuns "conhecidos" te referes?

O problema que a grande maioria deu nas bobines de ignição, é um deles... e ficou sobejamente conhecido. E que até na do JPSimões (exemplo mais próximo), aconteceu.
Os casos de problemas de estator também foram referência em muitas delas.

(22-11-2017 às 13:19)dfelix Escreveu:  Não percebo é por quando o tema é Triumph isto seja encarado com maior gravidade do que quando se tratam de outras marcas.

Depende! Falando por mim, houve modelos de outras macas que descartei igualmente por questões semelhantes (exemplo da BMW K12S e dos problemas de ABS e/ou caixa que sobejamente foram conhecidos e eram comuns).

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#14

A mota era fixe e tinha muitas possibilidades de ter sucesso.
Conheço algumas a andar e com bastantes km em cima.
Eu mesmo andei a namorar a versão GT, que para mim melhorava em não ter o escape debaixo do banco, mas piorava porque a ponteira alternativa era realmente feia!
Principalmente sem as malas.
Os 130cv que tinham eram enérgicos, gostavam de brincadeira e a ciclistica estaba bem de acordo com os cavalos.
A mota conduzia-se com aprumo e suficientemente ágil para deixar o FZ nas covas em qualquer curva algarvia.

Porque é que não a comprei!?
É pá andava indeciso entre a SprintGT e a mais radical Z-SX até que apareceu uma gaja de vestido negro e prata....
Aliás o nome Dorothy é uma boca foleira ao pessoal very British que eu conheço aqui na Capital do Reino.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#15

(22-11-2017 às 13:29)michelfpinto Escreveu:  Da minha experiência não acho que atualmente esteja mal representada. As peças demoram mais a chegar que por exemplo na Yamaha ou Honda, mas nada escandaloso, normalmente uma semana, e agora penso que menos.

(22-11-2017 às 13:38)mr_trecolareco Escreveu:  Na realidade sempre tive as peças que precisei em 15 dias ou menos, há mecânicos conhecedores e as peças de manutenção não são caras que me impeçam de continuar a ir à marca.

A minha experiência com Triumph não é diferente das vossas com kawasaki e ktm.
O que só significa que a imagem que o mercado tem destas marcas acaba por não corresponder à opinião dos proprietários.

Curiosamente, das vezes que precisei de peças (manetes, piscas, cabo de embraiagem) não precisei de esperar pois havia em stock.
A única excepção foi uma troca de quadrante que por ser ao abrigo da garantia implicava o envio da original para o Inglaterra.
Demorou exactamente uma semana. E não me aborreceu muito, pois andei com uma Sprint ST de cortesia.

(22-11-2017 às 13:38)mr_trecolareco Escreveu:  Mas como dizes o que interessa é volume de venda para as margens funcionarem e isso no nosso cantinho não acontece com facilidade.

É uma pescadinha de rabo na boca.
Pois sem vendas não há dinheiro para manter portas abertas.

(22-11-2017 às 13:59)carlos-kb Escreveu:  O problema que a grande maioria deu nas bobines de ignição, é um deles... e ficou sobejamente conhecido. E que até na do JPSimões (exemplo mais próximo), aconteceu.
Os casos de problemas de estator também foram referência em muitas delas.

Curiosamente só soube desse "sobejamente conhecido problema" crónico aqui pelo fórum.

(22-11-2017 às 14:17)LoneRider Escreveu:  Os 130cv que tinham eram enérgicos, gostavam de brincadeira e a ciclistica estaba bem de acordo com os cavalos.

Nunca experimentei a GT.
Mas algo que me aborrecia na Sprint era as suspensões serem demasiado moles.
E tendo em conta que a trocar a Speed por uma sport-tourer... teria de ser mais sport que tourer, por muito que goste do motor, nem sequer coloquei a hipótese.
Responder
#16

Pois, a percepção do mercado nem sempre é realista. E existem preconceitos que existem que não são fáceis de mudar.
Responder
#17

Boas, eu realmente sou dono de uma Sprint ST de 2008.

Só tenho cerca de 8000 km em cima dela, mas já me levou e trouxe de Portugal sem nada a apontar.

É a melhor mota que tive até hoje (mas tendo em conta que a outra foi uma CBF 600 SA, não é muito díficil). Como foi dito, tem uma entrega bantante suave sem grandes saltos, binário para fazer sorrir que chegue e para mim é suficientemente ágil para aventuras mais apressadas.

Em termos de representação tive agora uns problemas por causa de um espelho, logo acho que nem em Espanha resolveram a questão...

E problemas crónicos... estou a rezar para que não apareçam e como é de 2008 pode ser que já os tenham meio resolvido tong
Responder
#18

(22-11-2017 às 16:13)dfelix Escreveu:  Curiosamente só soube desse "sobejamente conhecido problema" crónico aqui pelo fórum.

O Google ajuda... blink
(curiosamente não faz muito tempo que andei a recolher informação sobre a Sprint ST e a questão das bobines é algo que recorrentemente aparece como queixa. Ainda mais depois quando alguém próximo, também teve e partilhou esse problema.)

Mas deixa lá, pá.... eu também tive uma BMW durante mais de 8 anos. E é sabido que semana sim, semana não.... era chamado a um recall! shy devil

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#19

Actualmente não consigo ter uma opinião formada sobre bobines.
A minha bmw levou as primárias quando tinha cerca de 30K... e entretanto começou a evidenciar sintomas de que poderá precisar de umas novas em breve.
O que me indicaram é que que... é normal!
Para a marca é encarado como um "consumível".

Foi a primeira vez na minha vida que tive problemas com bobines.
Nenhuma moto que tive antes teve.

A minha ex speed que usa as mesmas da Sprint nunca se queixou.
E não foi por falta de esquentamentos.
Entre as várias dezenas de malta que conheço que teve/tem motos com este motor, não me recordo de alguém se queixar.

Portanto, ainda bem que existe o Google para nos avisar dos problemas crónicos que as peças japonesas causam à moto!  lol
Responder
#20

(22-11-2017 às 18:52)dfelix Escreveu:  Portanto, ainda bem que existe o Google para nos avisar dos problemas crónicos que as peças japonesas causam à moto!  lol

Isso deve ser os cavalos de Tróia dos Japoneses para lixarem as marcas Europeias! lol
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)