Ciclistas "a par"
#11

Assim como não podem andar 50cc nas AE por ser perigosa a diferença de velocidade, até acho que as bicicletas deviam ser proibidas de certas estradas por tb estorvarem pela diferença de velocidade.

É normalissimo ver bicicletas a 20km/h numa estrada onde a velocidade de rodagem dos carros ronda os 60/80km/h.

Não é falta de civismo dos automobilistas a maioria das vezes mas sim normal face à diferença de ritmos.

Se na ciclovia passasem a haver pessoas a andar mais á direita com obrigatoriedade de metro de distância para eles passarem pela esquerda queria ver quão civilizados iriam ser os ciclistas LOL
Responder
#12

(16-03-2017 às 11:52)mr_trecolareco Escreveu:  Assim como não podem andar 50cc nas AE por ser perigosa a diferença de velocidade, até acho que as bicicletas deviam ser proibidas de certas estradas por tb estorvarem pela diferença de velocidade.

É normalissimo ver bicicletas a 20km/h numa estrada onde a velocidade de rodagem dos carros ronda os 60/80km/h.

Não é falta de civismo dos automobilistas a maioria das vezes mas sim normal face à diferença de ritmos.

Se na ciclovia passasem a haver pessoas a andar mais á direita com obrigatoriedade de metro de distância para eles passarem pela esquerda queria ver quão civilizados iriam ser os ciclistas LOL

Como tinha dito... tudo se resume à falta de civismo e bom senso.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#13

Concordo com o Nelson sobre o civismo e bom senso.

Sobre os ciclistas, "podem circular paralelamente numa via, exceto em vias de reduzida visibilidade ou quando o trânsito é intenso e desde que não causem perigo ou embaraço ao trânsito. Se pedalarem em grupo, devem fazê-lo em fila indiana ou aos pares, não sendo possível a circulação em paralelo de mais de dois velocípedes. "

Independentemente do meio de transporte que conduzem há pessoas descuidadas e outras mais conscientes.

E sim, as bicicletas deveriam ter seguro para circular fora das ciclovias e matrícula (e quem sabe terem de ir às inspeções periódicas lol  ).
Responder
#14

A explicação do Nelson faz sentido, ainda assim acho que não justifica o risco. Não ando actualmente de bicicleta mas se andasse de certeza que não me metia no meio da estrada
As diferenças de velocidade são enormes e vir a 70 numa Estrada e de repente ter de baixar para uns 20 ou 30 é uma mudança muito brusca.
Bem sei que ter de parar ou abrandar é normal mas não deixa de ser perigoso nestas situações.

Eu comparo isto com a história das passadeiras, o carro tem de parar para o peão passar, o que não invalida que o peão não se pode mandar simplesmente para o meio da estrada confiante que tem a lei do seu lado, porque a lei não lhe vai valer de muito quando passar o resto dos seus dias numa cama ou cadeira de rodas... eu pessoalmente, não só olho se vem um carro como espero para ter a certeza que estou a ser visto.. um condutor, e não há ninguém que possa alegar o contrário, pode se distrair, não há volta a dar.
Seja de bicicleta, a pé ou até de moto nunca é boa ideia nos metermos à confiança à frente de um bicho com mais de uma tonelada...



Pvale

Pvale
Responder
#15

Boas;
Está mesmo na moda dizer mal dos ciclistas!! censored
Vocês nunca andaram de bicicleta??
Deixem-se de m#rdas!!
Ninguém sabe andar de moto se não souber andar de bicicleta!!
Responder
#16

AHAHAH

Isso mesmo, são estes cromos com 40 anos e bicletas de 2000/6000€ que têm a mania que são desportistas de alta competição que afinal estão apenas a treinar para comprar uma mota um dia como nós andamos nos tempos de criança até perfazer os 16 anos para ir buscar a 50cc rolleyes

A realidade é que depende mto de onde moras e a que horas te deslocas mas a "moda" é a das bicicletas e não de dizer mal deles. Isso acontece pela sua atitude na estrada.

Assim como criticam o pessoal dos carros comerciais por andar sempre a furar, dos bmw/mercedes de não sair da faixa da esquerda ou usarem piscas etc etc

Não são modas, são consequências Johnny
Responder
#17

Eu desisti de andar de bicicleta, porque não há respeito nenhum nas estradas... se é perigoso andar de mota... de bicicleta é bastante mais.
A lei de andar a par, foi também para obrigar os veículos a mudarem de faixa para fazer uma ultrapassagem, que por norma não mudam, houve alturas que se esticasse a mão consegui bater no vidro do carro que me ultrapassava. Está no código da mota, o porque é perigoso andar junto à berma... eu sei que dá para ultrapassar uma bicicleta em dois segundos... mas eu já tive um acidente por causa de dois segundos. Se um dia tiverem a oportunidade de ir à Austria e Alemanha, países onde me senti mais seguro a andar de mota, vão ver que todos mudam de faixa para ultrapassar uma bicicleta... como se de um carro se tratasse... e não se vê o povo passado com isso, faz parte do bom senso de não colocar uma vida em perigo por uma questão de estar com pressa para não ir fazer nada. E lá há muitas bicicletas... mais que aqui.

Em relação aos seguros, não se esqueçam que se essa lei for implementada, quero ver como vão lidar com isso quando os vossos filhos quiserem andar de bicicleta... o melhor é deixar estarem as coisas como estão... senão até um peão devia ter seguro... já causaram acidentes.

Respeito... é o que falta muito nas nossas estradas... mas de todos os veículos.

Um abraço.
Responder
#18

O que acontece é que se modifica a lei para proteger os mais vulneráveis e esses, os mais vulneráveis, num simples gesto de superioridade (pelo menos isso fazem querer) adulteram e distorcem a mesma, abusando sem contemplações de uma falsa protecção legislativa.
Sim, porque mesmo que lei te proteja, um ciclista normalmente sai mal parado se tiver um acidente com um carro ou um camião.

No entanto isso pode não acontecer com os motociclistas e é aí onde me fere mais, pois apesar de uns terem motor e outros não, padecemos dos mesmos problemas, muitos deles derivados da falta de rigor das instituições e da tutela.
É aqui que esta norma é completamente discriminatória, deixando os motociclistas uma vez mais marginalizados.

Por outro lado, o código da estrada é para todos, sejam veículos com ou sem motor e também para os peões.
Aqueles que dentro de um carro obedecem à sinalização luminosa (por exemplo), não estão isentos das mesmas obrigações se forem montados numa bicicleta ou a pé.
É aquele que não pecar que atire a primeira pedra, mas o certo é que um ciclista que não respeita um semáforo pode matar um Motociclista, ou deixá-lo paraplégico como um caso que conheço.
Uma família que perdeu o seu maior sustento, que não pode fazer face às despesas da família, perdeu a casa, perdeu tudo e o ciclista (que saiu ileso) o único que fez foi declarar-se insolvente em tribunal atirando para a miséria uma família inteira.
A lei é para todos, e a responsabilidade civil não se devia estudar na insolvência só porque o prejuízo que podes provocar, por norma é muito reduzido.
Eis uma excepção muito triste, que felizmente marca a regra, um regra muito pouco justa.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#19

Rjvieira, sou da mesma opinião que tu, e tenho muito respeito pelos ciclistas, sempre com especial atenção ao passar por eles, isto porque tenho bem noção do risco que uma tangente pode provocar.
O meu ponto de vista prende se sobretudo à lei em si e à forma errada como é entendida por muitos. Se a ideia deles era realmente tornar a coisa mais segura, só conseguiram tornar tudo bem mais perigoso.
A arrogância na estrada é um problema bem português e não há meio de transporte que seja exceção...

Pvale

Pvale
Responder
#20

(21-03-2017 às 02:59)Pvale Escreveu:  Se a ideia deles era realmente tornar a coisa mais segura, só conseguiram tornar tudo bem mais perigoso.

A ideia não foi tornar seguro.
Foi agradar.

Tens por todo o país um vasto numero de gente descupada que organiza-se regularmente para manifestar entupindo o trânsito nas horas de ponta.
E pelos vistos a coisa resulta.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)