Inspecções de motociclos de cilindrada superior a 250cc avançam em 2016?

(11-05-2016 às 23:32)pedromt07 Escreveu:  já me estás a f**** a cabeça  lol o meu kit limitador é mesmo uma chapa. mas até curtia ver o ganho de potência do meu escape e com o PCV, e ficava só a 12,5€  lol  lol

Looooool...isso é que é aproveitar! clap

Ex Suzuki GS500
Ex Yamaha YZF600R - Thundercat
Ex Yamaha R1
Suzuki GSX-R 750
Responder

(11-05-2016 às 23:25)ClaXav Escreveu:  Caros amigos.

Segundo as noticias, e foram muito claros, nas motas que teem restrições de potencia no livrete vai ser obrigatóra a verificação.

Existem sistemas que estão selados, pelo que a verificação será apenas ver se este selo foi ou não violado.
Mas existem muitas motas em que o sistema é mecânico e interno, não acredito que se vá desmontar rampas de admissão para ver se estão lá as anilhas redutoras ou não....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder

(12-05-2016 às 08:00)LoneRider Escreveu:  
(11-05-2016 às 23:25)ClaXav Escreveu:  Caros amigos.

Segundo as noticias, e foram muito claros, nas motas que teem restrições de potencia no livrete vai ser obrigatóra a verificação.

Existem sistemas que estão selados, pelo que a verificação será apenas ver se este selo foi ou não violado.
Mas existem muitas motas em que o sistema é mecânico e interno, não acredito que se vá desmontar rampas de admissão para ver se estão lá as anilhas redutoras ou não....

E muito menos terem bancos de potência para fazer testes! lol

Se bem que actualmente muitas das motos "estranguladas", são-no electronicamente.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder

Nao ha aqui um membro dos Açores ou da madeira com experiência nisto? La parece que já se faz inspecções a motas a algum tempo. Ele e que podia vir aqui dizer quais são as condições necessárias para as IPO´s De certeza que as inspecções daqui não vão diferir muito das que se fazem lá.
Responder

Entretanto a GAM saiu do meio das cinzas e disse:

GAM-GRUPO ACÇÃO MOTOCICLISTA

MANIFESTO - INSPECÇÕES ÀS MOTOS

É muito estranho que seja hoje, dia 11 de Maio de 2016, o presidente da ANCIA-Associação Nacional de Centros de Inspecção Automóvel a vir para os órgãos de informação anunciar o começo das inspecções para as motos em Outubro, quando deveria ser um membro do governo a fazê-lo. Isto merece o crédito e entendimento que se deve dar a alguém que está mandatado para defender os interesses que representa… Apenas isso e nada mais. Até porque, que se saiba, ainda nem sequer foi publicada a portaria que virá regulamentar a lei das inspecções e sem essa publicação não há inspecções.

Mas muito se tem escrito e dito ao longo dos últimos anos sobre as inspecções obrigatórias para as motos; os defensores das inspecções usam como argumento a falsa questão (como iremos ver a seguir) da segurança rodoviária.

A União Europeia já assumiu entretanto que a haver norma de inspecções obrigatórias para motos nos estados membros (não é um dado adquirido que venha a haver) será apenas a partir de 2022. Há países da UE que já têm inspecções para motos há muito tempo e outros onde estas não existem. A nossa Região Autónoma dos Açores, fazendo uso da sua autonomia, já as implementou desde alguns anos.

Sabe-se, por estudos feitos a nível da União Europeia, que a percentagem de acidentes de motos causados por falhas mecânicas é apenas de 0,3% e este número diz tudo… diz essencialmente que está a “atirar-nos areia para os olhos” quem defende que deve haver inspecções para aumentar os níveis de segurança destes veículos. Uma treta, é o que é este argumento.

Todos temos consciência de que o que está por detrás desta questão tem apenas a ver com o negócio dos Centros de Inspecção; por isso, a ANCIA, segundo o seu presidente, pressiona agora o governo a alterar a lei, de modo ao número de motos a serem inspeccionadas passarem dos 80 mil veículos previstos (motos a partir de 250cc) para os cerca de 600 mil com a inclusão das cilindradas a partir das 50cc… O que acontece e é assumido pelo próprio presidente da ANCIA (e ele não faz questão de o esconder, assume-o mesmo) é que os centros de inspecção têm de rentabilizar os investimentos de milhares de euros que fizeram para se equiparem para as inspecções às motos. E nem vale a pena virem políticos e senhores dos centros de inspecção esgrimir outros argumentos. Se existissem dúvidas o presidente da ANCIA esclareceu todas...

Quem quiser debater segurança rodoviária (seja em duas, ou nas rodas que forem) terá de falar de educação, formação, concepção de vias, enfim, prevenção… este é o caminho correcto de uma politica correcta de redução de acidentes rodoviários. Em Portugal os utentes das estradas
(motociclistas, automobilistas, camionistas) são tratados como um negócio que se procura rentabilizar… negócio privado, neste caso, com as inspecções e negócio institucional com a “caça á multa”; multas que têm uma cada vez maior importância nos próprios orçamentos de estado. As patrulhas da GNR e PSP saem para a rua com instruções específicas de fazerem uma boa “colecta”… e assim qualquer agente sente-se pressionado a passar multas, pois é este o único indicio considerado superiormente para avaliar o seu desempenho e profissionalismo.

Resumindo: as estatísticas indicam que é falso o argumento da “segurança” para justificar as inspecções ás motos e agora o lobby das inspecções (ANCIA), não satisfeito com o que já tinha conseguido, decidiu levar a coisa mais longe e ir mexer também com a vida daqueles que têm um simples e económico veículo de duas rodas de 50cc ou 125cc para o seu dia a dia.

É imperioso os motociclistas marcarem vincadamente a sua opinião sobre este assunto das inspecções; temos de trazer este assunto para o debate público e sendo primordial ter a opinião pública do nosso lado, temos de o fazer não apenas “tendo o nosso próprio umbigo como horizonte...”; porque o que está verdadeiramente aqui em causa não é só as inspecções para as motos, é como e com que fim são feitas as inspecções na sua generalidade, em suma, como funcionam os centros de inspecção.

Como já aconteceu no passado por diversas vezes (muitos certamente ainda se lembrarão quando os motociclistas tiveram de se juntar para defender as motos e a prática do motociclismo), muito provavelmente volta a ser necessário voltarmos á estrada na defesa dos nossos interesses.

Assim, o GAM-Grupo de Acção Motociclista pondera voltar brevemente á acção de rua.

O GAM foi criado em 2006 exactamente para defender os interesses e direitos dos motociclistas e a prática do motociclismo; foi este organismo que organizou as grandes manifestações nacionais contra os rails, as portagens, pela lei das 125cc, etc. Desde a questão da lei das 125cc não voltámos a ter um assunto que levasse á necessidade de mobilização dos motociclistas. Temos neste momento razões para isso, para nos manifestarmos acerca das “Inspecções Periódicas Obrigatórias” na sua generalidade e em especial as que estão na “forja” para as motos. Deste modo:

Se o governo e a ANCIA querem inspecções vamos então primeiro tratar do modo de operar dos Centros de Inspecção; trazer para o debate público as inspecções. Se um veículo tem uma falha de travões e provoca um acidente imediatamente depois de uma inspecção quem a fez não é responsabilizado porquê?

A criação desta mera formalidade burocrática, de testes meramente formais, vai acarretar para os motociclistas apenas mais um pagamento periódico e tempo perdido em Centros de Inspecção. Por isto e porque até agora nada nem ninguém nos deu esperança de que teríamos inspecções às motos que trouxessem mais valias para a prática do motociclismo, somos contra as inspecções. Somos contra as inspecções nestes moldes.

Vamos falar de inspecções e fazer por moralizar o negócio das inspecções e depois vamos ver até que ponto se justifica ou não haver inspecções, seja para as bicicletas, motorizadas, motos, triciclos, tractores…

Vamos avançar brevemente para acções de rua onde iremos manifestar este nosso desacordo em relação ás inspecções tal como elas existem, como estão ser fundamentadas e como se preparam para ser implementadas para os veículos de duas rodas. Apelamos aos interessados e sobretudo aos motociclistas que estejam atentos e participem na defesa dos seus interesses.

GAM-Grupo Acção Motociclista

Tomanel

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder

Vamos à luta!!
Responder

thumbsup

Boas curvas! 
Responder

(11-05-2016 às 22:00)marco.clara Escreveu:  
(11-05-2016 às 14:50)carlos-kb Escreveu:  Depois criticar e chamar outros de "ovelhas" é mais fácil. Mas não vi absolutamente ninguém a dizer aberta e assumidamente o que fez, para que as IPO não fossem uma realidade.

É minha plena convicção que os lobos que se revoltam contra todos nós, ovelhas, certamente acamparam em frente aos organismos competentes desde que se iniciou a discussão sobre o tema, fizeram manifestações e provavelmente uns quantos organismos públicos estarão neste momento armadilhados e prontos a explodir, sob a forma de ataques que serão certamente reivindicados por esta resistência ao sistema. Haja quem lute por todos nós, cobardes, que não somos capazes de o fazer! Aliás, o resultado está à vista!

tong

Carlos_kb, enquanto uns se deliciam em parodiar o tema, outros há (talvez por falta de sentido de humor quando se sentem ph#didos) que preferem, dentro das suas possibilidades, indagar mais sobre o tema, procurar informação junto de pessoas relacionadas com o mundo das motos que conhece, manifestar junto destas a sua preocupação, provocar de alguma forma reacção ao tema. Talvez, acredito ainda, que se concertem posições entre diversas instituições ou grupos de interessados. E se consiga defender o direito a andar de moto.
Não me sinto particularmente "animado" com a situação, mas não perco a vontade de continuar a andar de moto e de alguma forma estar ligado a estas.
Várias vezes me sinto ou talvez me queiram fazer sentir um "português de segunda", isolado no Interior, longe das grandes metrópoles e grandes de centros de mentes pseudo-proto iluminadas e cosmopolitas, mas continuo fiel aos meus princípios e gostos pessoais.
Já o meu pai andava de moto, num tempo em que estas mal se importavam, não havia material e nunca deixou de conseguir andar.
Se as coisas se tornarem de tal modo irrespiráveis, há sempre a possibilidade de saltar para o outro lado da fronteira...

Pelo que já escreveste sobre as tuas motos e km's que foste fazendo, como conseguiste sobreviver tanto tempo sem Inspecções Obrigatórias??


Marco.clara, também tenho convicções muito claras, tais como essa da maioria de motociclistas ou pseudo-motociclistas serem um valente rebanho de ovelhas e com o qual não me identifico.
Responder

As IPO não vão ser o real problema... Antevejo que até a coisa estar a andar correctamente, a polícia vai mandar muita mota para inspecções B só porque sim.... A bem da receita fiscal...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder

(12-05-2016 às 20:41)nelsonajm Escreveu:  As IPO não vão ser o real problema... Antevejo que até a coisa estar a andar correctamente, a polícia vai mandar muita mota para inspecções B só porque sim.... A bem da receita fiscal...

Podemos sempre andar armados em ra-ta-tás e combinamos passeios todos juntos até um centro de IPO B. lol
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)