Inspecções de motociclos de cilindrada superior a 250cc avançam em 2016?
#1

https://motojornal.pt/inspeccoes-voltam-a-ordem-do-dia/

"A ANCIA – Associação Nacional dos Centros de Inspecção Automóvel – vai promover no próximo dia 18, em Cascais, uma convenção nacional do sector subordinada ao tema ‘A Qualidade das Inspecções de Veículos na Segurança Rodoviária’, e em cima da mesa voltam a estar as inspecções periódicas aos motociclos com cilindrada superior a 250 cc.

Com as novas alterações introduzidas no sector, que poderão levar à abertura de 100 novos centros de inspecção, todos os centros passam a ter que estar aptos também à inspecção de motociclos, cuja obrigatoriedade pode avançar já em 2016.

Segundo as estimativas da ANCIA, as inspecções periódicas obrigatórias incidirão sobre um universo de cerca de 80 000 motos.

O Governo coloca assim em andamento o Dec.-Lei 144/2012, que alarga o âmbito das inspecções aos motociclos, triciclos e quadriciclos com cilindrada superior a 250 cc. Ou seja, ficam de fora os segmentos onde são detectadas mais irregularidades técnicas nos países europeus onde existem inspecções (sendo que a maior parte dessas não afecta necessariamente a segurança), os ciclomotores."


Penso que o momento do início das inspecções se aproxima, uma vez que o meu pai já projectou dois centros de inspecção automóvel preparados igualmente para a inspecção de motociclos... censored

Honda CX 400 '83 Eurosport
Responder
#2

Boas;
Mais uma bacorada à portuguesa!!
Infelizmente há uma data de motociclistas que consegue vislumbrar vantagens... Eu ainda não consegui...
Responder
#3

Eu não consigo perceber o que isto vai trazer de positivo... sinceramente não percebo.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#4

Mais impostos para o Estado, pois claro!

Estou curioso em saber o que vai acontecer a todas as cafe-racers que andam por aí...

Honda CX 400 '83 Eurosport
Responder
#5

Mas ainda continua a "brincadeira do 1º de Abril" aqui do forúm?! mad



Responder
#6

A lei existe, mas nessecita regulamentação.
Quando os aspectos técnicos estiverem ultrapassados vamos ver o parque dos motociclos levar uma criva mecanica muito superior ha percentagem de acidentes cujas causas sejam problemas tecnicos.
Muitas dessas motas, veiculos de uso diario dos seus proprietários serão afectadas em aspectos que pouco tem que ver com a segurança activa/ppassiva dos veiculos.
A unica vantagem que lhe posso encontrar é que se põe fim a determinados amanhos que sofreram alteracoes estruturais profundas e que circulam impunemente.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#7

Vamos esperar e ver. Provavelmente se esta ideia avançar irei ficar temporariamente sem moto.
Responder
#8

(04-06-2015 às 10:12)OFFICER Escreveu:  Vamos esperar e ver. Provavelmente se esta ideia avançar irei ficar temporariamente sem moto.

Dizes que instalas-te um kit de hypermiling e que um cilindro se desliga para poupar gota cool

O maçarico  shy
Responder
#9

Todo o mal fosse o cilindro. A minha mota tem escapes artesanais, o que com toda a certeza ultrapassará o máximo permitido de decibéis. Os ajustes de escape também serão muito certamente improváveis de conseguir para cumprir as normas de merda anti-poluição, é uma mota de 1992, não foi criada para isso. Depois se vão testar suspensões e merdas do género e implicar com motores sujos, estamos mesmo mal.

Isto não é só a minha, é provavelmente pelo menos 75% das motas mais antigas.

O mais estúpido é que os cancros 50cc e 125cc a 2 tempos e não só, vão continuar a andar livremente, sem espelhos, piscas, sem cumprir normas anti-poluição, com pneus carecas, etc, etc.
Responder
#10

(04-06-2015 às 11:14)OFFICER Escreveu:  Todo o mal fosse o cilindro. A minha mota tem escapes artesanais, o que com toda a certeza ultrapassará o máximo permitido de decibéis. Os ajustes de escape também serão muito certamente improváveis de conseguir para cumprir as normas de m**** anti-poluição, é uma mota de 1992, não foi criada para isso. Depois se vão testar suspensões e merdas do género e implicar com motores sujos, estamos mesmo mal.

Isto não é só a minha, é provavelmente pelo menos 75% das motas mais antigas.

O mais estúpido é que os cancros 50cc e 125cc a 2 tempos e não só, vão continuar a andar livremente, sem espelhos, piscas, sem cumprir normas anti-poluição, com pneus carecas, etc, etc.

Essa parte deve depender, pois nas IPO dos carros, os limites das emissões são diferentes conforme o combustível e o ano de construção do carro. Suponho que para as motas isso se mantenha. Mas neste aspeto, não é preciso inventar. As motas já são sujeitas a IPO nos Açores. É ver o que se faz por lá.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)