Em consideração ao Dfelix - Triumph Speed Triple 94
#21

(15-05-2015 às 14:18)gordep Escreveu:  
(15-05-2015 às 09:55)carlos-kb Escreveu:  Gordep.... eu gosto da Tuono. Mas sabes a opinião geral da maioria do pessoal aqui, acerca dela, certo?
Se gostássemos todos do amarelo...  lol

Não me refiro tanto ao gostar ou não gostar dela.... mas à opinião generalizada (e discutível) que a Tuono é "feita" com os restos sobrantes da RSV.

Coisa que começa entretanto a ser procedimento comum em muitas outras marcas.

(15-05-2015 às 15:14)dfelix Escreveu:  Eu quando tive Yamaha Fazia da Ericeira ao Barreiro para fazer as revisões.
Pois apesar de haver pelo menos uns 4 pontos de assistência, todos pareciam que me estavam a fazer um favor.

Olha, eu faço 40 kms (VFX - Feijó) para assistir a mota na Motomil. Quando tenho a metade desta distância a Baviera - Pq. das Nações e ainda a S-Drive, isto dentro da rede oficial. E depois mais uma quantas oficinas que sei que "mexem" em BMW

Mas da única vez que fui à Baviera, como tenho BMW, mas de duas rodas, olhavam para mim como "chungaria".
Á S-Drive nunca fui (apesar da minha moto ter sido vendida nova e assistida pelo anterior dono, lá, conforme atesta o livro das revisões), mas das vezes que pedi orçamentos para revisões, com o mesmo plano de manutenção (da marca), tinha diferenças bastantes substanciais para mais, em relação à Motomil. Mas segundo sei, a forma deles lidarem lá com os clientes, também deixa a desejar.
Depois na Motomil ainda tenho desconto de 15% por estar registado nos Motorrad Fans e moto de cortesia, a custo 0. É chegar entregar a minha, sair com outra... voltar, entregar a deles, pagar e sair com a minha! Os 40 Kms de distância acabam assim por ser irrelevantes e servem de passeio.

E porquê do serviço e atendimento ao cliente motociclista, entre os 3 concessionários oficiais da BMW da zona de Lisboa ser tão diferente? Julgo que se prende precisamente, por a Baviera e a S-Drive (Santogal), o grosso do negócio deles serem os automóveis. As motos são um ramo de negócio quase que "paralelo".
A Motomil, por seu lado trabalha apenas no ramo dos veículos de duas rodas (Grupo Milmotor, a que pertencem a Motomil - BMW e a Ondamil - Honda). Acho que isto diz tudo!

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#22

Boas;
Pois, mas para mim, exceptuando as tradicionais japonesas, tenho que me deslocar a Coimbra, Porto ou Lisboa e decididamente não tenho tempo para isso.
Continua a ser mais fácil fazer 2 km's e ir ali à loja do lado.
Responder
#23

(15-05-2015 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  Coisa que começa entretanto a ser procedimento comum em muitas outras marcas.

Nomeadamente BMW.  lol

(15-05-2015 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  Mas da única vez que fui à Baviera, como tenho BMW, mas de duas rodas, olhavam para mim como "chungaria".

Senti isso uma vez em 2004 quando fui lá para um test drive.
Na altura tinha a Bandit 400 e disseram-me logo que não me retomavam a moto sem que eu tivesse sequer sugerido qualquer retoma!

Actualmente a minha opinião sobre eles mudou muito.
Costumo lá ir comprar consumiveis e seja na loja como na secção de peças foram sempre muito cordiais comigo.
Só nunca lá deixei a moto para intervenções porque o orçamento era superior ao que me deram na S-Drive.

(15-05-2015 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  ...e a S-Drive (Santogal), o grosso do negócio deles serem os automóveis. As motos são um ramo de negócio quase que "paralelo".

O ano passado recorri à S-Drive para a substituição dos cachimbos electronicos e sensor da posição da caixa da R1200S.
Não tenho relativamente nada a apontar ao atendimento. E se tivesse, teria indicado no inquérito de satisfação via telefone que me fizeram dias depois.

As instalações de Alfragide têm Honda e BMW.
Fiquei com ideia que naquelas instalações trabalham exclusivamente com motos, e o volume de trabalho pareceu-me considerável.
Responder
#24

Eu já fui por duas vezes à Santogal, à secção de motas. Uma das vezes tinha quase negócio concluído com uma das BMWs que gosto com retoma da Rum, quando lá fui para finalizar o negócio informaram que afinal o valor que davam pela Rum não iria ser o valor acordado, logo virei costas e não fiz o negócio.
A segunda vez, fui deixar o carro do meu sogro na revisão e fui dar-lhes trabalho...andei a ver, a ver, a ver, fiz umas perguntas e nada a apontar.
Responder
#25

(15-05-2015 às 16:12)dfelix Escreveu:  
(15-05-2015 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  Coisa que começa entretanto a ser procedimento comum em muitas outras marcas.

Nomeadamente BMW.  lol

Precisamente! A BMW há muito que o faz.... em cada serie vão aparecendo sempre "derivações" que mudam só a roupagem. Mas até nas japoneses isso já se verifica.... olha por exemplo as recentes GSXS  ou as CBR/CB650. Rentabilização de processos e custos. Já lá vai o tempo que se davam ao luxo de ter por exemplo, motores e quadros específicos só para um modelo.
Mas já nos anos 90 a Triumph fazia isso!

(15-05-2015 às 16:12)dfelix Escreveu:  Não tenho relativamente nada a apontar ao atendimento. E se tivesse, teria indicado no inquérito de satisfação via telefone que me fizeram dias depois.

Esses inquéritos de satisfação já são comuns e gerais a qualquer marca / construtor, seja nas motos, como nos automóveis.

Em relação à S-Drive, tenho o mau exemplo, da parte de um amigo. Quando as ST/S800 inicialmente começaram a dar os problemas nos rolamentos do cubo da roda, houve quem, por indicação dos agentes da marca, optasse por costear a reparação (eu fui um desses, se bem que meti logo a BMW ao barulho, e alegando ser um problema que já começava a ser muito comum, eles aceitaram comparticipar a reparação). Mas esse meu amigo fez o mesmo (costear a reparação), mas erradamente, pagou tudo à sua custa, tendo de desembolsar para cima de 1500 euros (o dano da mota dele já tinha deixado mazelas grandes em todos os componenetes e inclusivé no monobraço, que teve também de substituir). Eu fi-lo na Motomil.... ele no concessionário que lhe vendeu e assistia a moto, mais perto de casa dele, a S-Drive, portanto.

Tempos depois a BMW assumiu finalmente ser um defeito de fabrico da primeira geração das S/ST800, tendo procedido ao recall geral de todos os modelos entre 2006 a 2009, e criou novos componentes com novas referências, para colmatar a situação.
Eu fui igualmente chamado, e mesmo tendo feito uma intervenção, procederam às verificações e optaram por mudar novamente os componentes que havia metido, para os novos. Claro, eu pedi a devolução do montante pago na reparação anterior, ainda que com a comparticipação da BMW. A Motomil procedeu à resolução do assunto, e o facto é que cerca de meia semana depois, tinha o dinheiro do estorno da factura a entrar-me na conta.
Esse meu amigo, entretanto, havia mudado já para uma GS800, e sabendo que me haviam restituído o dinheiro, por intermédio do concessionário que procedeu à reparação, contactou a S-Drive, para lhe fazerem o mesmo. Primeiro mostraram-se pouco disponíveis, para o fazer, sendo que ele teve mesmo de contactar a BMW Motorrad Portugal. Ainda lhe mandei os dados e contactos das pessoas que, no meu caso, tinham tratado do assunto. Foi complicado e levou tempo, para que conseguisse, com muita pressão da parte dele, restituir-lhe apenas uma parte do total que ele desembolsou, por uma reparação, que a marca assumiu, mais tarde ser defeito de origem.

(15-05-2015 às 16:12)dfelix Escreveu:  As instalações de Alfragide têm Honda e BMW.
Fiquei com ideia que trabalho exclusivamente com motos, e o volume de trabalho pareceu-me considerável.

A S-Drive é grupo Santogal.... um dos colossos nacionais do mundo automóvel... tal como a Baviera pertence ao grupo Salvador Caetano, outro gigante das 4 rodas em Portugal.
Por seu lado, a Motomil, pertence ao Grupo Milmotor... que (a menos que eu desconheça), está em exclusivo na área do mercado e assistência a motociclos.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#26

(18-05-2015 às 17:28)carlos-kb Escreveu:  A S-Drive é grupo Santogal.... um dos colossos nacionais do mundo automóvel... tal como a Baviera pertence ao grupo Salvador Caetano, outro gigante das 4 rodas em Portugal.

Parece-me relativo.
Não vejo nenhuma razão lógica para que uma empresa que vende e assiste uma marca de motociclos seja necessariamente menos competente só porque faz parte de uma holding cujo maior lucro provém de outras subsidiárias que vendem e assistem automóveis.

Quando comprei a minha Speed, a marca estava a ser representada pela Cimpomóvel.
Fiz as revisões lá durante os dois anos de garantia e não... não era os mecânicos da Scania que lá andavam a mudar óleo.
Era uma oficina perfeitamente autónoma ao qual a única preocupação da Cimpomóvel era a facturação. E essa foi precisamente a razão pelo qual o grupo acabou por deixar cair a representação da marca pouco tempo depois.

(compreensível quando se vende 70-80 motos por ano)

Por outro lado, as piores experiências que já tive foram em diversos agentes da Yamaha na área de Lisboa.
E todos estes (alguns já não existem) por ironia eram empresas sem qualquer relação ao mercado automóvel e que vendiam e assistiam a marca.
Responder
#27

Boas;
Dfelix, tenho que concordar contigo. Não é o facto de pertencerem a uma "holding" ou serem apenas uma estrutura isolada dedicada apenas ao mercado motociclistico que vai condicionar a qualidade do serviço prestado.
Responder
#28

Eu não estou a generalizar, ainda mais a outras marcas. Vocês é que o estão a querer fazer.

Estou a falar pela minha experiência enquanto cliente da rede oficial da marca da moto que possuo de momento. Foi só sobre esses concessionários, que falei. Não falo do que não conheço.

O facto é que a diferença de tratamento entre a Baviera (motos) e a Motomil, é como da noite para o dia.
Por outro lado, há quem, sendo cliente de 2 e 4 rodas, se queixe que nas 4 rodas é sempre melhor atendido.

Basta frequentar os grupos das redes sociais ou foruns subordinados à marca, para também colher opiniões similares. Perguntem em qualquer um destes locais virtuais (como já aconteceu), a título experimental, qual o agente oficial que recomendam, na área da grande Lisboa, e vejam quais as respostas.

Agora.... o cliente vai aonde fica mais bem servido, no contexto da relação qualidade / preço / atendimento. Eu não me daria ao "trabalho" de fazer 40 kms para ir assistir a mota, quando poderia fazer o mesmo serviço, deslocando-me apenas 20. Mas faço-o porque definitivamente prefiro, depois de ter experimentado os dois.

Dito (off the record) por pessoal que já trabalhou no representante BMW do grupo S.C., de que a vertente motorrad é apenas um nicho quase paralelo de negócio, dentro da actividade do grupo Caetano Baviera.
Ok..... se a margem de lucro do ramo principal do negócio são as 4 rodas, e é esta a que sustenta maioritariamente a estrutura, é natural que sejam a ela que dediquem também a maior atenção e melhor serviço.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#29

(19-05-2015 às 15:12)carlos-kb Escreveu:  Basta frequentar os grupos das redes sociais ou foruns subordinados à marca, para também colher opiniões similares. Perguntem em qualquer um destes locais virtuais (como já aconteceu), a título experimental, qual o agente oficial que recomendam, na área da grande Lisboa, e vejam quais as respostas.

Sou um bocadinho céptico quanto a "opiniões" em redes sociais.
Podem ajudar quando pouco ou nada sabe sobre alguma coisa, mas raramento consigo dar total crédito.
Ainda por mais no mundo das motos, onde existem clubismos nas marcas, nos modelos e até nas oficinas*!  dead

(* Por exemplo a Cimpomóvel sofreu com uma enorme resistencia por parte de um vasto grupo de clientes Triumph e respectiva oficina de eleição. E não faltaram ataques em troca de uns descontinhos)

Eu não conheço a Motomil e portanto não tenho opinião formada.
A ideia que fico é aquela que me transmites. E essa imagem é muito positiva, reforçada sobretudo porque te conheço.

Mas... não consigo assumir a Motomil como a ultima coca cola do deserto no que diz respeito à assistência BMW!
Tal como não posso falar mal da Baviera (de que sou apenas cliente do balcão de peças) ou da SDrive (onde só recorri uma vez para uma reparação e o tratamento pareceu-me bem adequado).  disapointed

(E... isto é constrangedor, porque normalmente sou conhecido por falar mal!)

Mas onde não consigo chegar é à razão lógica que me faça entender porque raio uma empresa que realize venda e assistência a motociclos seja obrigatoriamente por pertencer a uma holding que está em outras áreas de negócio!
Man... até podem pertencer a uma cadeia de venda de farturas!!!!!
O que realmente interessa é a qualidade e profissionalismo com que o trabalho é realizado.

Tal como podes perfeitamente ter um otário à frente das vendas e depois a parte técnica ter uma equipa de mecânicos e técnicos extremamente profissional...
Tudo isto é tão relativo...

(19-05-2015 às 15:12)carlos-kb Escreveu:  Ok..... se a margem de lucro do ramo principal do negócio são as 4 rodas, e é esta a que sustenta maioritariamente a estrutura, é natural que sejam a ela que dediquem também a maior atenção e melhor serviço.

Não, Carlos.. não é natural que assim seja!
Por essa lógica então a BMW já tinha deixado de de produzir motos, já que o principal encaixe financeiro do construtor são os automóveis!   lol
Responder
#30

(19-05-2015 às 18:14)dfelix Escreveu:  Sou um bocadinho céptico quanto a "opiniões" em redes sociais.
Podem ajudar quando pouco ou nada sabe sobre alguma coisa, mas raramento consigo dar total crédito.
Ainda por mais no mundo das motos, onde existem clubismos nas marcas, nos modelos e até nas oficinas*!  dead

O clubista de marcas, modelos e oficinas, tanto o é nas redes sociais, como em qualquer conversa de esplanada de café.
Quando, seja em realidade física, como virtual, em várias opiniões, colhes uma resposta quase unânime, pode ser sinal de algo.
Por outro lado, se cair no erro de seguir um conselho errado ou tendencioso, também só caímos nele uma vez.

(19-05-2015 às 18:14)dfelix Escreveu:  Eu não conheço a Motomil e portanto não tenho opinião formada.
A ideia que fico é aquela que me transmites. E essa imagem é muito positiva, reforçada sobretudo porque te conheço.

Mas... não consigo assumir a Motomil como a ultima coca cola do deserto no que diz respeito à assistência BMW!
Tal como não posso falar mal da Baviera (de que sou apenas cliente do balcão de peças) ou da SDrive (onde só recorri uma vez para uma reparação e o tratamento pareceu-me bem adequado).  disapointed

Falo da Motomil, porque de entre as três representações oficiais na zona de Lisboa, é a que me apresenta melhor atendimento, melhor serviço, melhor disponibilidade, moto de cortesia a custo 0 e ainda desconto sobre o preço tabelado. Mas não deixará certamente de ter lacunas, e se numa próxima tiver razões de queixa, serei o primeiro a apontá-las. E nem sequer sou pago para estar a falar bem deles.

Não obstante do serviço prestado, interessante também é, ter já pedido orçamentos para determinada revisão, de acordo com o plano de manutenção da marca, e os valores entre as 3 terem diferenças muito substanciais.
Não quer dizer no entanto, que outros não estejam satisfeitos com o serviço prestado por aqueles que eu de momento prescindo. Eu vou a quem me dá mais.... por menos! Mas o grau de exigência de cada qual também varia.
Mesmo até a pior oficina, em termos gerais, tem de ter clientes.... porque senão fechava portas.


(19-05-2015 às 18:14)dfelix Escreveu:  Por essa lógica então a BMW já tinha deixado de de produzir motos, já que o principal encaixe financeiro do construtor são os automóveis!   lol

Já estás a misturar coisas. Não estamos a falar em serviço pós venda? Uma coisa é dedicar um melhor atendimento, mais tempo, mais disponibilidade e uma melhor equipa, na área de negócio mais rentável. Parece-me legítimo e até natural. Até mesmo isso acontece (naturalmente) na empresa aonde desempenho funções.
O que de todo não quer dizer que tenha de se relegar ou mesmo eliminar (como referes), as outras áreas de negócio menos rentáveis.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)