Estacionamento Motociclos

Eu como acedo ao fórum numa batata ainda não tive a necessidade de comprar um smartfode. Contudo, não me admira nada que sejam criadas zonas de estacionamento exclusivo para utilizadores das apps supra. Até porque também já existem vários serviços com essa exclusividade e o comum dos mortais vai aderindo na falsa expectativa de conforto e tanto é que nem sequer lhe vê o dinheiro a sair do bolso. Ah e tal, os pagamentos electrónicos tem desconto de X%, qual é a duvida afinal?
Responder

(18-11-2019 às 00:55)carlos-kb Escreveu:  Quando o Governo começou a pensar e a falar de introduzir portagens nas célebres Auto-estradas SCUT (Sem Custos para o UTilizador), lembro-me de haver muito boa gente (inclusivé comentadores na TV) a dizer "- Ah e tal, isso é impossível, pois as obras de adaptação para a inclusão de portagens em acessos e saídas de AE's aonde elas não foram previstas, serão muitos complexas e dispendiosas!"... E eis que as "mentes iluminadas" do Governo se lembraram de uma coisa tão simples como os pórticos em plena via (simples, barato, rápido de implementar e sem necessidade de funcionários, tickets e cabines de pagamento). E mesmo sem qualquer tipo de identificador electrónico, encaminhar o respectivo pagamento de quem lá passasse, com um prazo restrito, para os CTT.

Portanto não se julgue que por não haver local para colocar tickets de estacionamento em motos, ou a não obrigatoriedade de usar telemóveis ou sistemas de pagamento por apps electrónicas, é dissuasor para o que quer que seja.
Basta verificarem que o número crescente de motas existentes e que ocupam o "precioso" espaço urbano podem (e devem) ser rentáveis para os cofres públicos, e assim quererem metê-las a pagar estacionamento. Simplesmente se implementa nos respectivos parques de motas um sistema de leitura de matrículas / contagem de tempo... e posterior encaminhamento para pagamento em entidades próprias (ou até por envio de notificação electrónica de pagamento ou algo assim). Pode até não ser por tempo, mas por utilização.... ou avença... sei lá...

Como digo, e acreditem nisso, basta eles quererem ou acharem que as motas também deverão pagar... que as essas "cabeças iluminadas" que nos governam arranjam facilmente forma de contornar as dificuldades físicas e técnicas da coisa.

(17-11-2019 às 23:05)marco.clara Escreveu:  Faz-me lembrar a "obrigatoriedade" da entrega online da declaração do IRS... Só mesmo alguém muito ignorante e desconhecedor da realidade do país pode achar que é coisa que faz sentido...

Mas nesta questão do estacionamento urbano, acaba a não ser muito diferente. Porque no fundo, és obrigado a ter "trocos" na carteira e na quantia certa para o tempo de estacionamento que pretendes (a maioria dos parquímetros só aceita moedas, não aceita notas nem cartões bancários e não dá troco de quantias), ou então a usar um sistema de pagamento por aplicação electrónica.
Ou seja, logo à priori estão-te a impor também uma obrigatoriedade, dentro das duas possibilidades que dispõem... ou tens trocos, ou usas o smartphone (em que o mesmo é teu e ainda tens de ter um serviço de dados, pago por ti, para que possas efectuar o pagamento do estacionamento, por esta via).

A questão das SCUTS é-me particularmente sensivel, porque foram implementadas a meio do meu primeiro ano de faculdade com muito pouca informação para o publico sobre o sistema do pagamento. Ora foi praticamente 1 mês a passar nas portagens sem ir aos CTT que se traduziu numa multa "milionária" em comparação com as portagens, já que se paga multa por cada portagem em falta ao ponto de teres portagens de 0.25€ a pagarem várias vezes esse valor em multa... aliás, foi tão vergonhoso que ainda há bem pouco tempo um amigo meu de faculdade teve o ordenado penhorado por uma divida da qual nunca foi notificado de portanges cujo valor original era 8 ou 9€ e a divida fiscal já ia em 500€...

Se tiverem a peregrina ideia de implementar um sistema parecido no estacionamento das motas seria das poucas coisas que me faria ter vontade de ir protestar. Ou isso ou se algum dia for multado porque me recuso a pagar 25€ da consulta do veterinário para o registar em mais 1 registo qualquer depois de já ter pago a taxa da junta, o microchip e mais o caralho a quatro que neste país pedem. Até me admira como é que não tenho que registar e pagar imposto pelo numero de cagalhões que deixo na sanita...

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder

Quem gere o espaço urbano?

Como em qualquer instância, uma regulamento municipal, antes de ser efectivo, é proposto a discussão pública (na instância correcta) onde poder legislativo e representantes da sociedade, debatem e refletem sobre a proposta em causa.

Existe em Portugal ou em Lisboa (por exemplo) alguma associação que mobilize os motociclistas para o debate deste e outros assuntos?

Aquilo que eu pretendo dizer é que, para que o nosso (como motociclistas) ponto de vista seja levado em conta, convém que haja uma participação activa na sociedade civil de forma a que as normas sejam justas e tenham em conta as nossas reivindicações.

Eu vivo perto de uma cidade que tem uma "Ordenanza" (lei) que regula o estacionamento dos motociclos dentro dos seu limites municipais.
Por exemplo, nas zonas de estacionamento azul e laranja, os motociclos estão isentos de pagar pelo estacionamento. Podem estacionar em passeios com mais de 3M de largura (numa determinada posição) sempre e quando não haja um parque destinado aos motociclistas num raio de 100m.

Este tipo de normas foram, no seu tempo, debatidas publicamente onde uma associação (Associacion Moteros Aragoneses) teve uma papel activo.

Este fórum é uma instância não oficial onde se podem discutir este tipos de ideias, onde se podem recomendar algumas linhas de actuação e onde também podem germinar movimentos ou associações do e para o colectivo para propor e apoiar o mesmo neste tipo de situações.

Nas minhas poucas experiências neste tipo de infrastructuras em Portugal, uma das coisas que eu pude observar é a falta de civismo que se pode observar. Qualquer um estaciona como melhor lhe convém, sem pensar que possivelmente pode estorvar a alguma que quer sair ou entrar para estacionar. As motas não estão ordenadas, umas na diagonal, outras na longitudinal etc, o que a simples vista denuncia que falta esse companheirismo e solidariedade que tanto faz alarde o colectivo.

Ora, este tipo de comportamentos também é uma deixa para a necessidade de regulamentação e que, baixo a desculpa de que convém fazer um aproveitamento sustentável do espaço, o colectivo se terá que submeter sem que haja alguém que nos represente/defenda nessas instanciaas.

Para começar, talvez o melhor será mudar alguns dos nossos comportamentos, ter em conta o próximo e pensar que o espaço é para todos, de todos, mas que devemos sabe-lo usar de forma racional.
Responder

(17-11-2019 às 21:39)Nfilipe Escreveu:  Alias hoje em dia se um gajo n tiver um smartmerdas e net, é logo olhado de lado como um marginal! Alias ate de maneira pior que um toxicodependente!

As lojas de indianos/paquistanesas aqui em Chelas que vendem/arranjam equipamento desse têm sempre na montra uma vasta oferta de telemóveis "clássicos". Relativamente perto duma prateleira com grinders e mortalhas XL.

[Imagem: 20190806-120503.jpg]

Não que o público alvo não tenha dinheiro para smartphones.
Mas porque estes terminais simples sem GPS e internet móvel oferece outro tipo de vantages que de certa forma o liquid referiu lá atrás.

(18-11-2019 às 10:30)txairuzo Escreveu:  Eu como acedo ao fórum numa batata ainda não tive a necessidade de comprar um smartfode.

Não escrevesses em português relativamente correcto e com acentuação, imediatamente se concluiria que és um "clone" do Pires.
A única outra opção possível tendo em conta o uso da batata, é seres um clone do Johnny!
Mas o Johnny é um gajo simples e prático demais para andar aqui a inventar com falsos registos.

Portanto... a dúvida de muitos se mantém. cool

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder

Se cobrassem estacionamento como fazem com as scuts, acho que a matrícula ficava "perdida" pelo caminho.

Enviado do meu SM-G935F através do Tapatalk

Your opinion?! Shit i don't give a fuck
Responder

(18-11-2019 às 10:00)marco.clara Escreveu:  Mas não considero que ter trocos no bolso seja o mesmo ou sequer equivalente a ter um meio de pagamento que me obriga a dispender uma quantia significativa de dinheiro na aquisição de um dispositivo móvel e de serviço de comunicações, que lhe dê suporte.

Marco, o que para mim é ilegítimo, independentemente do custo ou facilidade para adquirir um aparelho para usar o método de pagamento electrónico, é em alternativa, teres a obrigatoriedade de possuir trocos na carteira... ainda mais quando o único método de pagamento físico é por moedas. E já nem falo da falibilidade do sistema de pagamento por app (basta ler as criticas dos utilizadores nas respectivas "stores").
Em relação a pagamentos físicos, basta pensar que os levantamentos de dinheiro em caixas automáticas são sempre em notas (a não ser que vás a um balcão de um banco e peças especificamente moedas). Depois ninguém é obrigado a ter moedas, ainda mais na quantia certa para o tempo pretendido para estacionamento (os parquímetros não dão troco dos valores pretendidos e nem sequer creditam o utilizador do tempo efectivamente não utilizado). E não podes sequer alegar o não teres moedas, como motivo para o não pagamento, porque és multado na mesma. Quantas vezes já não tive de andar à procura de trocados ou ter de entrar num café e consumir algo, para poder ter trocos para usar no parquímetro? Ou ter de dispender uma moeda de 2 euros para pagar 15 minutos de estacionamento efectivo? Imagino o lucro que a EMEL (e congéneres, em outras cidades) não terão, sobre as cobranças de tempo a mais não usado efectivamente.

Seja de uma forma ou de outra, para além de extremamente limitativo, é altamente abusador pela obrigatoriedade que impõe ao utilizador.

(18-11-2019 às 10:00)marco.clara Escreveu:  Também podemos ver o exemplo das portagens, em que até hoje não foi imposta a obrigatoriedade do uso da via verde.

Mas nas portagens, mesmo que não adiras à Via Verde, para além de pagares só o que efectivamente utilizas, podes pagar com cartão bancário, e se optares por fazê-lo em dinheiro, podes fazê-lo com notas ou moedas, não te obrigam a quantias certas e recebes troco. É um pouco diferente da política de pagamento em dinheiro que os parquímetros impõem. Imagina teres de pagar Portagem de Alverca a Santarém (por exemplo) quando só queres usar o troço até Vila Franca, só porque não tens um valor em dinheiro menor e não te fornecem troco?

(18-11-2019 às 10:43)dmanteigas Escreveu:  Até me admira como é que não tenho que registar e pagar imposto pelo numero de cagalhões que deixo na sanita...

Já existe e paga-se na conta da água. Chama-se de Taxa de Saneamento Básico!
A não ser que ainda cagues no quintal... ou tenhas uma fossa séptica (que já é ilegal em áreas cobertas por redes de saneamento e dá uma bela coima).

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder

(18-11-2019 às 08:06)nelsonajm Escreveu:  Eu até me admiro, como é que ainda nos deixam andar de mota.

Creio que estará dentro do nosso tempo de vida, vermos o dia em que tal não será possível porque os transportes serão automatizados, é uma questão de tempo até que a única interacção que faças com o teu veiculo seja seleccionar num mapa o teu destino. Nos USA diria que no espaço de 20 anos isot será uma realidade, em PT talvez mais 10 ou 15.
Responder

Opá, na minha terra há um ditado que diz: "Quem não tem cú não se mete a paneleiro" que será um paralelismo ao outro ditado que refere "Quem vai para o mar, avia-se em terra", portanto é andar com moedinhas nos bolsos ou então ir ao tal café trocar as ditas.

Curiosamente um dia houve que vou na bicicleta na AE e chego à portagem e não está lá o macaco para receber, só mesmo a maquineta electrónica. Boto as moedas lá para dentro, mas a gaja esquisita não estava a papar as mesmas, como estava a demorar algum tempo houve um outro macaco pelo intercomunicador que debita algo como "as moedas devem estar empenadas, vai ter que pagar com o cartão MB" e eu pedi-lhe que me viesse então trazer o tal cartão para eu pagar... Conclusão, emitiu factura e paguei posteriormente num terminal MB. Até tinha o cartão ali comigo, mas não costumo ir à bola com pressupostos.
 
(18-11-2019 às 10:49)dfelix Escreveu:  
(18-11-2019 às 10:30)txairuzo Escreveu:  Eu como acedo ao fórum numa batata ainda não tive a necessidade de comprar um smartfode.

Não escrevesses em português relativamente correcto e com acentuação, imediatamente se concluiria que és um "clone" do Pires.
A única outra opção possível tendo em conta o uso da batata, é seres um clone do Johnny!
Mas o Johnny é um gajo simples e prático demais para andar aqui a inventar com falsos registos.

Portanto... a dúvida de muitos se mantém. cool

Lá está, mais um pressuposto.
Explica lá isso porque é que eu sou um falso registo. Por saber de cenas anteriores ao meu registo? É a vossa pegada digital na web, vê la tu que nem o video com o Júlio Isidro escapa  proud

O nome é Laço, Tiago Laço.
Responder

Txairuzo pa, aparece no jantar de natal e dissipa-se as duvidas todas thumbsup O Caroço não morde... só chupa
Responder

(18-11-2019 às 12:27)dmanteigas Escreveu:  Txairuzo pa, aparece no jantar de natal e dissipa-se as duvidas todas thumbsup O Caroço não morde... só chupa
X2
Txairuzo aparece

Enviado do meu SM-G935F através do Tapatalk

Your opinion?! Shit i don't give a fuck
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)