PRIMEIRA MOTA, Carta B(A.. afinal!!) ahah
#51

(03-05-2019 às 17:35)cconst Escreveu:  Mas eu só uso a mota para commuting (infelizmente). E são apenas 20km diários. Se fossem mais... ui...

A questão é que, por norma, quem diz que quer comprar a mota exclusivamente para commuting, depois acaba sempre a alargar o espectro de utilização. Ou porque está bom tempo e apetece ir dar um passeio... ou porque se foge facilmente ao trânsito... ou porque se quer ir até à praia e não ter chatices com estacionamento... ou porque dá para sair à noite sem as chatices e confusões do trânsito... ou porque se quer levar a namorada / mulher... ou porque entretanto se conhece um amigo ou outro que também tem mota e começam-se a combinar umas voltinhas por estradas engraçadas... ou simplesmente porque cada vez mais se toma gosto à coisa, etc., etc.
E quando se dá conta, a mota está a servir para muitos mais propósitos que os iniciais que eram exclusivamente as deslocações casa-trabalho-casa, num trajecto específico e repetido.

É então neste momento que se começa a pensar que é necessário algo mais que uma 125. E aí ter a carta alarga completamente os horizontes e opções de escolha.



Responder
#52

(03-05-2019 às 17:35)cconst Escreveu:  Mas eu só uso a mota para commuting (infelizmente). E são apenas 20km diários. Se fossem mais... ui...

Foi a conclusao que cheguei quando fiz durante 2 meses sempre de mota para o trabalho, nao 20 mas 40km. 20 para cada lado. O percurso que fazia, nao precisava de mais que esta 125cc que tenho. Mas por vezes era realmente cansativo, especialmente depois do trabalho e haver um ou outro episodio como ja se mencionou que é a frustracao de ter pressa e nao tanto pela falta de velocidade mas de motor para ultrapassar. Dentro da cidade nao é grande problema mas na AE de 125 parece que se vai parado.

Para mim a grande vantagem está mesmo na poupanca do combustivel, e comparar o gasto da mota ao do carro é so menos 1/3. E faz uma diferenca do crl ao fim do mes. E quando ha transito uma pessoa la se escapa de mota. Mas novamente digo mais que 20km para cada lado numa 125cc ja é penoso mesmo.
Responder
#53

NFilipe Escreveu:Foi a conclusao que cheguei quando fiz durante 2 meses sempre de mota para o trabalho, nao 20 mas 40km. 20 para cada lado. O percurso que fazia, nao precisava de mais que esta 125cc que tenho. Mas por vezes era realmente cansativo, especialmente depois do trabalho e haver um ou outro episodio como ja se mencionou que é a frustracao de ter pressa e nao tanto pela falta de velocidade mas de motor para ultrapassar. Dentro da cidade nao é grande problema mas na AE de 125 parece que se vai parado.

Para mim a grande vantagem está mesmo na poupanca do combustivel, e comparar o gasto da mota ao do carro é so menos 1/3. E faz uma diferenca do crl ao fim do mes. E quando ha transito uma pessoa la se escapa de mota. Mas novamente digo mais que 20km para cada lado numa 125cc ja é penoso mesmo.

Eu fiz durante 2 anos 100 km diários numa 125cc e nunca morri de tédio, pelo contrário, conseguia sempre demorar menos tempo que de carro. Com a vantagem que todos os meses amealhava 120€ de poupança.

carlos-kb Escreveu:A questão é que, por norma, quem diz que quer comprar a mota exclusivamente para commuting, depois acaba sempre a alargar o espectro de utilização. Ou porque está bom tempo e apetece ir dar um passeio... ou porque se foge facilmente ao trânsito... ou porque se quer ir até à praia e não ter chatices com estacionamento... ou porque dá para sair à noite sem as chatices e confusões do trânsito... ou porque se quer levar a namorada / mulher... ou porque entretanto se conhece um amigo ou outro que também tem mota e começam-se a combinar umas voltinhas por estradas engraçadas... ou simplesmente porque cada vez mais se toma gosto à coisa, etc., etc.
E quando se dá conta, a mota está a servir para muitos mais propósitos que os iniciais que eram exclusivamente as deslocações casa-trabalho-casa, num trajecto específico e repetido.

É então neste momento que se começa a pensar que é necessário algo mais que uma 125. E aí ter a carta alarga completamente os horizontes e opções de escolha.

Pois a mim parece-me que é precisamente o contrário. Há uma geração de motociclistas que apareceu com a lei das 125cc que nunca evoluiu nem quer. Que vê a mota unica e exclusivamente como um meio de transporte barato e rapido. Ou não fosse a PCX a mota mais vendida.

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#54

Estou mais inclinado para a 125cc, depois se passado uns valentes meses ou 1 ano vir que não serve... também não devo perder muito, penso que a mota não desvalorizará assim tanto.


Fui agora mesmo à escola de condução ver quanto custava aulas a vulso de 125 (20 euros por aula) e a Carta de Categoria A (MotoCiclos) e fica por 400 euros já com exames todos (pensava que fosse menos).
Responder
#55

Eu ao contrario de muita gente aqui, sou da opiniao que o melhor é comprar uma 125cc que possas conduzir com carta B, e ves se gostas e te adaptas. Se gostares tiras a carta e sobes na cilindrada.

Imagina que tiras a carta e compras uma mota maior mas depois concluis que motas nao e a tua cena. É so perder dinheiro.

O tempo que possas andar numa 125cc nao é tempo desperdicado como varias pessoas dizem. Serve sempre para aprenderes nem que seja o basico e essencial. E dps logo ves se vale a pena continuar e subir para algo melhor.
Responder
#56

Com tanta bola de pinguepongue ainda ninguém te disse para comprares o passe? shy lol


Andar de mota é algo crú, é algo que por vezes é sofrível, por vezes é incomodo porque ou tens as mãos roxas e com tanta picada de frio, ou as pernas ou os tomates, ou levas granizo, ou está um calor do alho e tens um casaco meia estação que é um forno...

Isso é andar de mota.

E se tens tantas reservas quanto a meter uma 125 na AE, tu próprio respondes a essa questão.
O Manteigas andou dois anos, mas não colocou quaisquer reservas meteriologicas, ou ia...ou ia...é uma grande diferença para o..
ah tá vento...
está nublado...
está pólen no ar ...
está um dia normal...

e ela parada na garagem... proud


Se não queres estar nesta posição e tens carro novo...usa o carro.

Velasquez87
Responder
#57

(03-05-2019 às 18:00)dmanteigas Escreveu:  Pois a mim parece-me que é precisamente o contrário. Há uma geração de motociclistas que apareceu com a lei das 125cc que nunca evoluiu nem quer. Que vê a mota unica e exclusivamente como um meio de transporte barato e rapido. Ou não fosse a PCX a mota mais vendida.

Os que "não evoluíram nem querem" é simplesmente porque não podem. Porque para o poder, têm precisamente que ter algo mais que a carta B, que envolve voltar a uma escola de condução, gastar dinheiro, fazer mais um exame de código (específico) e um exame de condução.

Os restantes, que começaram nas 125, com a carta de carro, e que decidiram tirar a carta de mota, quantos conheces que se ficaram pelas 125?
Posso-te dar "N" exemplos, do contrário, entre pessoal que convive aqui diariamente, neste forúm.

O sucesso de vendas da PCX prende-se com outros factores, e não com o facto de haver quem se mantenha com as 125, por simplesmente estar limitado e interdito a algo com mais cilindrada e potência.



Responder
#58

Nfilipe 

Parece-me o mais sensato também.  Não perco nada... dá-me ideia que o pessoal pensa que quero andar aí a grandes velocidades, mas nem é bem a minha cena também. Pelo menos não o faço com o carro.

Velasquez87

Gostei do comentário! ahaha, nada disso... estou bem ciente, é como tudo! smile 


Pessoal já agora... vi aqui no fórum a falarem bem sobre a Bajaj Pulsar NS 125, parece-me bem porreira a mota!!! Estéticamente é mais bonita que a Cb125F, tem visor digital e o valor é bem mais atrativo (1799euros vs 2800 da Honda). Apesar de não ser Honda, acham que é uma má opção e ficaria muito melhor servido com a Honda?

Obrigado a todos!!
Responder
#59

Ok, pela tua resposta tou a ver que queres mesmo a mota, então sem reservas! Ou curtes ou curtes, não há volta a dar bigsmile

A Bajaj é uma "chamuça" (indiana) com vários anos de mercado e com milhares e milhares de motas vendidas na Índia...pelo que se sabe são bastante duráveis e aguentam porrada.

Acho a mota muito decente para o que oferece pelo preço, até acho a Bajaj mais interessante que o Gingarelho do Manteigas que se arrasta ali pela Malveira... shy

Velasquez87
Responder
#60

(03-05-2019 às 20:07)rafaelg7 Escreveu:  Parece-me o mais sensato também.  Não perco nada... dá-me ideia que o pessoal pensa que quero andar aí a grandes velocidades, mas nem é bem a minha cena também. Pelo menos não o faço com o carro.

Não podes fazer esse tipo de comparação, nem uma coisa tem necessariamente que ver com a outra. O tipo de condução que fazes de carro, não tem de se traduzir directamente no tipo de condução que irás fazer numa mota.
Depois associar maiores cilindradas (em motos) apenas e só a velocidade, é também outro erro crasso e comum, dos outsiders. Uma moto maior, é um facto que (à priori) anda mais.... mas só anda aquilo que tu quiseres que ela ande. Mas em seguimento disso, também trava melhor, tem mais estabilidade, melhor ciclística, melhor construção e mais segurança, que uma congénere de baixa cilindrada.

(03-05-2019 às 20:07)rafaelg7 Escreveu:  Pessoal já agora... vi aqui no fórum a falarem bem sobre a Bajaj Pulsar NS 125, parece-me bem porreira a mota!!! Estéticamente é mais bonita que a Cb125F, tem visor digital e o valor é bem mais atrativo (1799euros vs 2800 da Honda). Apesar de não ser Honda, acham que é uma má opção e ficaria muito melhor servido com a Honda?

Epa... uma Bajaj 125 acaba a ser uma KTM 125 mais acessível... (ou será que uma KTM 125 é que será uma Bajaj 125 mais cara)!? think devil lol



Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)