Momentos Insólitos

Estou com o KB. O facto de não batermos no outro veículo numa situação destas, não o isenta de responsabilidades. Se estavas em plena ultrapassagem e o outro veículo faz uma mudança de direção, sem a assinalar devidamente, não vejo porque não possa ser responsabilizado por isso.

Posso ter percebido mal, mas se assim foi a coisa não devia ficar por aí.

As melhoras!
Responder

(20-08-2018 às 09:09)Nfilipe Escreveu:  Nao é insólito mas la fui tratar o alcatrao por tu novamente. 

Ia eu a preparar me para ultrapassar em vila franca de xira quando um carro da frente decide virar a esquerda e estacionar num lugar que la estava, apertei os travões com força, e pronto já era! nao bati no carro mas desta vez aleijei me, depois do acidente ainda peguei na mota para ir bulir mas com o passar do tempo foi me dando uma dores nas costas, porque raspei com elas no chao, e ontem so de respirar até me doia o corpo, fui ao hospital fazer raio x para saber se nao tinha partido nada, e nao parti mas o corpo doi e bem.

Infelizmente ja estava a prever esta m****, até porque quando um gajo anda numa 125 o pessoal nem nos dá grande importância, se bem que o acidente nem teve a ver com isso mas andar com uma mota grande, existe mais respeito e o pessoal nao se mete o cão porque é uma mota pequena. Mas como todos os dias estou a fazer cerca de 40 kms e apanho o transito em Alverca e vila franca, já estava a espera que mais dia menos dia tivesse que acontecer. E praticamente um gajo vai ao chão é sempre da mesma maneira, é nas ultrapassagens, já tinha tido um acidente num entroncamento quando ia ultrapassar, desta vez nem suspeitei que nem previ que houvesse um lugar vazio de estacionamento mais a frente e que o carro pudesse virar para estacionar. 

Nao fiquei com medo de andar de mota mas tenho de certo rever como ultrapasso especialmente dentro das cidades.

As melhoras! confused


Responder

Ora bolas…

As melhoras pah!

O primeiro acidente que tive com a Kawasaki foi igual… preparado para ultrapassar numa recta e com sinalização que o permite quando o da frente vira à esquerda para uma rua secundaria sem sequer fazer pisca ou ter travado (nem ter acelerado ahahah) ficando atravessado à minha frente mas no meu caso ainda consegui controlar a burra para ficar paralelamente ao "camelo" MAS assim que entrei na rua secundaria, cheia de areia… nada a fazer…

Independentemente de sabermos que não temos culpa… (e enquanto as companhias de seguros e os averiguadores/inspectores não levarem nas trombas como tanto muitas vezes merecem)… as companhias de seguro vão sempre dizer que temos a culpa, vínhamos atrás… e se ainda tivermos o azar da a moto bater no carro… somos mesmo culpados - bateu por trás - é este o único argumento deles! De resto só mesmo através de tribunal é que nos podemos defender!
Responder

Vá Filipe tem atenção a duas coisas.
Um acidente nunca acontece só por uma causa e no teu caso isso não é difícil de demonstrar (basta haver testemunhas).
O seguinte, é absurdo e quase cruel mas...
Quando tenhas dúvidas de se consegues parar em segurança, amanda-te para cima do enlatado pá. Um gajo pode partir-se todo mas ao menos deixa o enlatado todo torcido! devil
E o que acabo de dizer pode parecer uma barbaridade mas, numa acção parecida, mandei uma 50cc para o galheiro, fui para o hospital mas a companhia seguradora deu 100% de responsabilidade à gaja que conduzia o geringonço.
Tive o acidente com a Voyager numa situação muito parecida, quando bati no carro circulava em sentido contrario, tinha pisado uma linha continua e o gajo cortou-me a via de escape sem qualquer sinalização. Bati-me à pala de que a sua falta de cautela me cortaram as vias de escape, que não pude evitar o choque e o seguro até cagou no suposto excesso de velocidade que levava.
Pagaram-me tudo!
Se não tivesse batido se calhar tinha-me lamentado.

À MALES QUE VÊEM POR BEM! devil

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder

É um do meus maiores medos ao andar de mota é esse pessoal que faz tudo à velocidade que pensa!

Para um gajo se mandar pra cima dos carros é preciso ter sangue frio,visto que,vai contra à nossa intuição!
Responder

(20-08-2018 às 09:09)Nfilipe Escreveu:  Nao é insólito mas la fui tratar o alcatrao por tu novamente. 

Ia eu a preparar me para ultrapassar em vila franca de xira quando um carro da frente decide virar a esquerda e estacionar num lugar que la estava, apertei os travões com força, e pronto já era! nao bati no carro mas desta vez aleijei me, depois do acidente ainda peguei na mota para ir bulir mas com o passar do tempo foi me dando uma dores nas costas, porque raspei com elas no chao, e ontem so de respirar até me doia o corpo, fui ao hospital fazer raio x para saber se nao tinha partido nada, e nao parti mas o corpo doi e bem.

Infelizmente ja estava a prever esta m****, até porque quando um gajo anda numa 125 o pessoal nem nos dá grande importância, se bem que o acidente nem teve a ver com isso mas andar com uma mota grande, existe mais respeito e o pessoal nao se mete o cão porque é uma mota pequena. Mas como todos os dias estou a fazer cerca de 40 kms e apanho o transito em Alverca e vila franca, já estava a espera que mais dia menos dia tivesse que acontecer. E praticamente um gajo vai ao chão é sempre da mesma maneira, é nas ultrapassagens, já tinha tido um acidente num entroncamento quando ia ultrapassar, desta vez nem suspeitei que nem previ que houvesse um lugar vazio de estacionamento mais a frente e que o carro pudesse virar para estacionar. 

Nao fiquei com medo de andar de mota mas tenho de certo rever como ultrapasso especialmente dentro das cidades.

As melhoras

Há uns anos no Forte da Casa aconteceu-me uma parecida, nessa altura tinha a Dragstar e a sair com o filhote a pendura um chico esperto arranca à má fila, fui atrás do gajo e quando ele parou perto da junta de freguesia fui-lhe perguntar se aquelas coisas que reflectem imagens que ele tinha no carro eram para enfeitar
Responder

(20-08-2018 às 19:35)LoneRider Escreveu:  Quando tenhas dúvidas de se consegues parar em segurança, amanda-te para cima do enlatado pá.

Nao concordo Rui.

A esperanca e a ultima a morrer e no aperto um gajo nunca desiste.

Entendi porque escreveste isso, mas o choque com um carro parece-me a mim empiricamente que podera trazer mais mazelas que um deslizar ou ate um mais comum esbarrar de roda da frente.

Cada acidente e um acidente, e nao ha formulas universais.

Tambem sei que historias em que um gajo vai ao chao e nao raspa lata muitas vezes os gajos piram-se e pronto.

Mas nao ha preco nem companhia de seguros que pague a nossa saude. E deliberadamente apontar a algo que a prejudique aparte todo o dinheiro e injustica envolvida nunca o poderei recomendar.


Responder

(20-08-2018 às 14:02)marco.clara Escreveu:  Estou com o KB. O facto de não batermos no outro veículo numa situação destas, não o isenta de responsabilidades. Se estavas em plena ultrapassagem e o outro veículo faz uma mudança de direção, sem a assinalar devidamente, não vejo porque não possa ser responsabilizado por isso.

A questão é precisamente essa.

Se o CE diz que antes de iniciar a ultrapassagem, devemos tomar todas as providências para que a manobra possa ser realizada sem perigo ou embaraço para o trânsito... também é dever de quem está a ser ultrapassado, facultar e facilitar a manobra, não podendo realizar qualquer manobra que comprometa essa ultrapassagem e nem sequer aumentar a velocidade do veículo, enquanto a mesma não estiver realizada.

Ok, que estou-me a basear na descrição do NFilipe (e meu entendimento)... mas se ele já havia iniciado a manobra de ultrapassagem (pensando eu que o estava a fazer de modo correcto), quer-me parecer que existiu uma negligência grosseira do condutor do automóvel, que para além de dever facilitá-la, nunca deveria ter feito qualquer mudança de direcção (independentemente de ter olhado aos espelhos e ter visto, ou não, a moto). Daí achar que, embora não tendo havido embate (e sabendo de antemão como as coisas acabam a funcionar para as seguradoras), a "culpa" não deveria ter ficado apenas e só de um lado.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder

(20-08-2018 às 22:45)vindaloo Escreveu:  
(20-08-2018 às 19:35)LoneRider Escreveu:  Quando tenhas dúvidas de se consegues parar em segurança, amanda-te para cima do enlatado pá.
Entendi porque escreveste isso, mas o choque com um carro parece-me a mim empiricamente que podera trazer mais mazelas que um deslizar ou ate um mais comum esbarrar de roda da frente.

Acho acima de tudo que é difícil (para não dizer quase impossível) treinarmos o nosso cérebro para reagir de uma determinada forma em situações extremas onde o instinto é o elemento mais forte da equação. Certamente os nossos instintos também podem ser treinados, mas sendo esta uma situação extrema e ocasional, acho difícil de conseguir fazê-lo...
Responder

Pode parecer insólito mas, as vezes dou por mim a prever o inevitável.

Ou seja, quando vês impossível evitar aquele buraco, alívio os travões (ganhas curso de suspensão) e se der tempo ainda acelero!

No entanto no meu post existia seriedade e ironia em doses iguais.
Concordo com o Marco ao dizer que é difícil treinar o corpo para esse tipo de reacções mas, quando tu bates com o esqueleto no chão por causa de um descerebrado e ainda vês a indiferença da sua reação (como que ainda no gozo por não lhe teres tocado) vais desejar ter mandado com os teus ossos na lata do gajo e pô-lo assim num compromisso!

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)