Freevalve - o fim da árvore de cames?
#1

A empresa Freevalve – que pertence ao grupo de Christian von Koenigsegg (o mesmo que produz os automóveis Koenigsegg), desenvolveu um sistema que "consegue libertar os motores de combustão do sistema mecânico de controlo de válvulas", com vantagens na redução da inércia resultante na ação mecânica de um sistema com árvores de cames.

Se a tecnologia for bem sucedida deverá também chegar ao mundo das motas.

Artigo completo: www.razaoautomovel.com



Boas curvas! 
Responder
#2

Um conceito muito interessante,gostei de ver. Estou curioso com a evolução que possa ter.

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#3

Considero o nome mal escolhido, então..... Não deveria ser Freevalve, mas sim Freecam, dado que continuam a existir válvulas.

Ao fim e ao cabo, acaba por ser o mesmo que está a acontecer ou já aconteceu com tantos outros componentes, em que a electrónica começa a substituir a componente mecânica. E como tudo, acho, que a grande vantagem será em termos de custos de produção e economia de material...
.... só que a electrónica também falha, e no caso de um sistema de admissão, pode ser complicado.... muito complicado mesmo!!!!


Depois coloco outra questão.... com o fim anunciado dos motores Otto, será que isto não virá algo fora de tempo? rolleyes

http://autoclube.acp.pt/atualidade/entit...-combustao

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#4

(21-10-2016 às 10:48)carlos-kb Escreveu:  Considero o nome mal escolhido, então..... Não deveria ser Freevalve, mas sim Freecam, dado que continuam a existir válvulas.

Ao fim e ao cabo, acaba por ser o mesmo que está a acontecer ou já aconteceu com tantos outros componentes, em que a electrónica começa a substituir a componente mecânica. E como tudo, acho, que a grande vantagem será em termos de custos de produção e economia de material...
.... só que a electrónica também falha, e no caso de um sistema de admissão, pode ser complicado.... muito complicado mesmo!!!!


Depois coloco outra questão.... com o fim anunciado dos motores Otto, será que isto não virá algo fora de tempo?  rolleyes

http://autoclube.acp.pt/atualidade/entit...-combustao

Freevalve no sentido que liberta as válvulas das engrenagens atuais... digo eu.

E concordo, a eletrónica exposta às temperaturas do motor... lá se vai a durabilidade e o dashboard vai parecer uma árvore de natal com tudo o que é luz a acender e a apagar.

Boas curvas! 
Responder
#5

Apenas imagino uma falha num daqueles sensores de posição da válvula ou mesmo na board.... e acontecer uma abertura ou fecho fora de tempo, ou mesmo a válvula parar de todo.... o que acontecerá é algo parecido com o que aconteceria com uma quebra da corrente de distribuição, no tradicional sistema mecânico de árvores à cabeça.

[Imagem: broken-valves-timing-belt-denver.png]

E ainda assim, acredito que seja mais susceptível a electrónica falhar.... que um sistema de distribuição tradicional, desde que bem mantido.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#6

(21-10-2016 às 10:48)carlos-kb Escreveu:  ...dado que continuam a existir válvulas.

Exacto.
Embora sejam pneumáticas... algo recorrente no motoGP desde 2007.

(21-10-2016 às 10:48)carlos-kb Escreveu:  Depois coloco outra questão.... com o fim anunciado dos motores Otto, será que isto não virá algo fora de tempo?

É uma boa questão...
Porém, não acredito que o fim esteja assim tão... anunciado.


Estamos a assistir a uma série de decisões políticas que penalizam veículos convencionais e favorecem outros que ainda nem sequer existem.
Isto ainda vai dar que falar.
E muita gente já está a ganhar dinheiro com isso.

Mas o que o futuro reserva ainda teremos de esperar para ver.
Responder
#7

(21-10-2016 às 10:48)carlos-kb Escreveu:  Depois coloco outra questão.... com o fim anunciado dos motores Otto, será que isto não virá algo fora de tempo?  rolleyes

http://autoclube.acp.pt/atualidade/entit...-combustao

Pode ser que não... https://pplware.sapo.pt/informacao/acide...mbustivel/

[Imagem: wsv79s.jpg]vroom !
Responder
#8

Uma boa parte dos componentes atuais nas motas são eletrónicos e eles tem-se aguentado bem. Acho que não será por ai, pode acontecer claro e quando avariar doer na carteira, mas tudo evolui e hoje em dia os componentes electrónicos de qualidade são bem resistentes...

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#9

(21-10-2016 às 11:32)dfelix Escreveu:  
(21-10-2016 às 10:48)carlos-kb Escreveu:  ...dado que continuam a existir válvulas.

Exacto.
Embora sejam pneumáticas... algo recorrente no motoGP desde 2007.

Mas o sistema de válvulas pneumáticas tem que ver com os regimes elevados de rotação a que os motores de competição trabalham e estão sujeitos, e o que faz essencialmente é optimizar o tempo de fecho da mesma.
A Ducati usa para o mesmo fim, um outro sistema.... o desmodrómico.
Ambos são sistemas totalmente mecânicos.

Agora, o meu cepticismo prende-se com o juntar na equação, a componente electrónica, em que o sistema passa a ser comandado e operado por impulsos electromagnéticos. rolleyes


(21-10-2016 às 11:39)michelfpinto Escreveu:  Uma boa parte dos componentes atuais nas motas são eletrónicos e eles tem-se aguentado bem. Acho que não será por ai, pode acontecer claro e quando avariar doer na carteira, mas tudo evolui e hoje em dia os componentes electrónicos de qualidade são bem resistentes...

Uma coisa, por exemplo, é teres uma avaria num sistema electrónico de admissão... ficas apeado mas a integridade da tua mecânica está salvaguardada.
Outra coisa é teres a electrónica a comandar sincronismos vitais de peças móveis num motor, como sejam a distribuição... em que se algo falha, as consequências são brutalmente danosas à integridade desse motor.

Claro que uma corrente / correia de distribuição, também pode dar raia.... mas possivelmente, a questão da probabilidade disso acontecer, desde que bem mantidas, é infimamente menor. Para não falar de outros sistemas mecânicos ainda menos falíveis, como sejam cascatas de carretos ou hastes e balanceiros (que depois têm, como é evidente, outras desvantagens).

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#10

A sério.... eh pá.... não...não.... Michel... aprende comigo pá... blink

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)