Duke 790
#61

(23-12-2018 às 11:09)nelsonajm Escreveu:  A verdade é que os homens estão no mercado para vender motos, e lucrar com isso... A ideia romântica de fabricar motos por paixão... Já era... Para não dizer que nunca existiu...

Está é a dura realidade... Eu só espero que tenham qualidade, porque o resto acaba por ser um pouco utopia.

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#62

(23-12-2018 às 11:09)nelsonajm Escreveu:  A verdade é que os homens estão no mercado para vender motos, e lucrar com isso... A ideia romântica de fabricar motos por paixão... Já era... Para não dizer que nunca existiu...

A mv agusta é a prova viva que podes fabricar motos com paixão  e em larga escala e ainda assim sobreviver.

[Imagem: 3a28d74fcda810d6526bb56e69702394.jpg]
Responder
#63

(23-12-2018 às 13:45)Liquid_Fire Escreveu:  
(23-12-2018 às 11:09)nelsonajm Escreveu:  A verdade é que os homens estão no mercado para vender motos, e lucrar com isso... A ideia romântica de fabricar motos por paixão... Já era... Para não dizer que nunca existiu...

A mv agusta é a prova viva que podes fabricar motos com paixão  e em larga escala e ainda assim sobreviver.

Exacto, essencialmente sobreviver... E com muitos percalços pelo meio...

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#64

Num mercado capitalista... Nada se fabríca por paixão... Fábrica-se com objectivo do lucro... E quanto maior melhor...

Agora, se a qualidade existir e o produto for bom... Até pode ser feito no intendente...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#65

(23-12-2018 às 20:41)nelsonajm Escreveu:  Num mercado capitalista... Nada se fabríca por paixão... Fábrica-se com objectivo do lucro... E quanto maior melhor...

Isso é uma visão meio "cassete" da coisa...
Pois a paixão pode gerar muito lucro. E o exemplo disso é o peso de determinadas marcas têm.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#66

(28-12-2018 às 01:51)dfelix Escreveu:  
(23-12-2018 às 20:41)nelsonajm Escreveu:  Num mercado capitalista... Nada se fabríca por paixão... Fábrica-se com objectivo do lucro... E quanto maior melhor...

Isso é uma visão meio "cassete" da coisa...
Pois a paixão pode gerar muito lucro. E o exemplo disso é o peso de determinadas marcas têm.

Mas isso são coisas diferentes... paixão no fabrico nunca trouxe lucro a ninguém lol

A "paixão" que dá lucro é aquela que a marca gera em torno de si através do marketing. De ter a mota da moda, ou a mota mais potente, ou a mota que nos faz parecer os reis da aldeia. A Apple é uma das empresas que mais vende "paixão" pelo produto, criando uma forte legião de fãs que compra não pelas caracteristicas mas pela marca em si e tem os produtos fabricados na China. A KTM mudar a produção para a China não quer dizer de modo algum que a qualidade vai diminuir, isso é uma visão obtusa da situação. Na prática, fazendo uma parceria com a CFMOTO até pode ser uma relação "win-win" em que a KTM consegue reduzir os custos de produção e a CFMOTO consegue obter o know-how de produção da KTM e assim aumentar a qualidade do seu produto. Ou as pessoas acham genuinamente que os operários fabris chineses são mais burros e piores profissionais que os operários fabris europeus? É que é uma visão um pouco "Nazi" das coisas. Ao transferir a produção das suas motas para a China certamente que a KTM transfere também o seu know-how de produção, os seus processos de garantia e gestão da qualidade, os seus processos de inovação e engenharia... e como é apanágio de praticamente todas as empresas industriais de países desenvolvidos, muito provavelmente que todos os modelos após produção na China são encaminhados para a fábrica central europeia onde é realizado o controlo de qualidade final antes de serem libertadas para comercialização.

Aliás, o único motivo pelo qual todas as construtoras europeias neste momento não fabricam noutro local que não a Europa é porque no final das contas financeira compensa continuar a fabricar na europa. Seja porque seria necessário um investimento muito grande para deslocalizar as fábricas para a produção que têm (no caso da BMW por exemplo, que vende tão poucas motas em comparação com as construtoras japonesas, provavelmente não conseguiriam economia de escala suficiente para terem uma fábrica BMW no Oriente rentável que não passasse por uma parceria como a KTM aparentemente vai fazer) ou então até por puro marketing, pois à semelhança do Liquid Fire há muita malta que o facto de a mota ser "made in europe" pesa muito na decisão de compra, e provavelmente a deslocalização afetaria as vendas do produto... mesmo que o made in europe seja na realidade um "assembled in europe" com mais de 50% das peças a virem da China, India, ou outro país qualquer.

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#67

(28-12-2018 às 11:09)dmanteigas Escreveu:  
(28-12-2018 às 01:51)dfelix Escreveu:  
(23-12-2018 às 20:41)nelsonajm Escreveu:  Num mercado capitalista... Nada se fabríca por paixão... Fábrica-se com objectivo do lucro... E quanto maior melhor...

Isso é uma visão meio "cassete" da coisa...
Pois a paixão pode gerar muito lucro. E o exemplo disso é o peso de determinadas marcas têm.

Mas isso são coisas diferentes... paixão no fabrico nunca trouxe lucro a ninguém lol

A "paixão" que dá lucro é aquela que a marca gera em torno de si através do marketing. De ter a mota da moda, ou a mota mais potente, ou a mota que nos faz parecer os reis da aldeia. A Apple é uma das empresas que mais vende "paixão" pelo produto, criando uma forte legião de fãs que compra não pelas caracteristicas mas pela marca em si e tem os produtos fabricados na China. A KTM mudar a produção para a China não quer dizer de modo algum que a qualidade vai diminuir, isso é uma visão obtusa da situação. Na prática, fazendo uma parceria com a CFMOTO até pode ser uma relação "win-win" em que a KTM consegue reduzir os custos de produção e a CFMOTO consegue obter o know-how de produção da KTM e assim aumentar a qualidade do seu produto. Ou as pessoas acham genuinamente que os operários fabris chineses são mais burros e piores profissionais que os operários fabris europeus? É que é uma visão um pouco "Nazi" das coisas. Ao transferir a produção das suas motas para a China certamente que a KTM transfere também o seu know-how de produção, os seus processos de garantia e gestão da qualidade, os seus processos de inovação e engenharia... e como é apanágio de praticamente todas as empresas industriais de países desenvolvidos, muito provavelmente que todos os modelos após produção na China são encaminhados para a fábrica central europeia onde é realizado o controlo de qualidade final antes de serem libertadas para comercialização.

Aliás, o único motivo pelo qual todas as construtoras europeias neste momento não fabricam noutro local que não a Europa é porque no final das contas financeira compensa continuar a fabricar na europa. Seja porque seria necessário um investimento muito grande para deslocalizar as fábricas para a produção que têm (no caso da BMW por exemplo, que vende tão poucas motas em comparação com as construtoras japonesas, provavelmente não conseguiriam economia de escala suficiente para terem uma fábrica BMW no Oriente rentável que não passasse por uma parceria como a KTM aparentemente vai fazer) ou então até por puro marketing, pois à semelhança do Liquid Fire há muita malta que o facto de a mota ser "made in europe" pesa muito na decisão de compra, e provavelmente a deslocalização afetaria as vendas do produto... mesmo que o made in europe seja na realidade um "assembled in europe" com mais de 50% das peças a virem da China, India, ou outro país qualquer.

Então eu resumo:


a) Comparas motas a telemóveis.
b) Estás a chamar a malta de Nazi.
c) Os produtos fabricados na china depois de fabricados vão para instalações europeias onde se faz o controlo de qualidade e só depois vão para comercialização.

Escapou-me alguma coisa?


Responder
#68

(28-12-2018 às 11:45)vindaloo Escreveu:  
(28-12-2018 às 11:09)dmanteigas Escreveu:  
(28-12-2018 às 01:51)dfelix Escreveu:  Isso é uma visão meio "cassete" da coisa...
Pois a paixão pode gerar muito lucro. E o exemplo disso é o peso de determinadas marcas têm.

Mas isso são coisas diferentes... paixão no fabrico nunca trouxe lucro a ninguém lol

A "paixão" que dá lucro é aquela que a marca gera em torno de si através do marketing. De ter a mota da moda, ou a mota mais potente, ou a mota que nos faz parecer os reis da aldeia. A Apple é uma das empresas que mais vende "paixão" pelo produto, criando uma forte legião de fãs que compra não pelas caracteristicas mas pela marca em si e tem os produtos fabricados na China. A KTM mudar a produção para a China não quer dizer de modo algum que a qualidade vai diminuir, isso é uma visão obtusa da situação. Na prática, fazendo uma parceria com a CFMOTO até pode ser uma relação "win-win" em que a KTM consegue reduzir os custos de produção e a CFMOTO consegue obter o know-how de produção da KTM e assim aumentar a qualidade do seu produto. Ou as pessoas acham genuinamente que os operários fabris chineses são mais burros e piores profissionais que os operários fabris europeus? É que é uma visão um pouco "Nazi" das coisas. Ao transferir a produção das suas motas para a China certamente que a KTM transfere também o seu know-how de produção, os seus processos de garantia e gestão da qualidade, os seus processos de inovação e engenharia... e como é apanágio de praticamente todas as empresas industriais de países desenvolvidos, muito provavelmente que todos os modelos após produção na China são encaminhados para a fábrica central europeia onde é realizado o controlo de qualidade final antes de serem libertadas para comercialização.

Aliás, o único motivo pelo qual todas as construtoras europeias neste momento não fabricam noutro local que não a Europa é porque no final das contas financeira compensa continuar a fabricar na europa. Seja porque seria necessário um investimento muito grande para deslocalizar as fábricas para a produção que têm (no caso da BMW por exemplo, que vende tão poucas motas em comparação com as construtoras japonesas, provavelmente não conseguiriam economia de escala suficiente para terem uma fábrica BMW no Oriente rentável que não passasse por uma parceria como a KTM aparentemente vai fazer) ou então até por puro marketing, pois à semelhança do Liquid Fire há muita malta que o facto de a mota ser "made in europe" pesa muito na decisão de compra, e provavelmente a deslocalização afetaria as vendas do produto... mesmo que o made in europe seja na realidade um "assembled in europe" com mais de 50% das peças a virem da China, India, ou outro país qualquer.

Então eu resumo:


a) Comparas motas a telemóveis.
b) Estás a chamar a malta de Nazi.
c) Os produtos fabricados na china depois de fabricados vão para instalações europeias onde se faz o controlo de qualidade e só depois vão para comercialização.

Escapou-me alguma coisa?

Vindaloo... és muito melhor que o Officer a resumir posts... Continua! bigsmile

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#69

(28-12-2018 às 11:45)vindaloo Escreveu:  Então eu resumo:


a) Comparas motas a telemóveis.
b) Estás a chamar a malta de Nazi.
c) Os produtos fabricados na china depois de fabricados vão para instalações europeias onde se faz o controlo de qualidade e só depois vão para comercialização.

Escapou-me alguma coisa?


Escapou-te várias. Não comparei motas a telemóveis, não chamei ninguém de nazi nem fiz essa generalização bacoca no ponto c.

Não são os "produtos fabricados na China". O que eu falei é que tipicamente grandes unidades industriais mesmo quando têm diversas fábricas "espalhadas" pelo globo em muitos casos "centralizam" os produtos numa fábrica mãe onde é feito o controlo de qualidade final antes de serem comercializadas. A Grohe por exemplo tem uma fábrica em Aveiro que envia TODOS os produtos fabricados lá para a fábrica alemã antes de serem vendidos. Mesmo aqueles que depois voltam para ser vendidos em Portugal. Agora no próximo resumo podes colocar o ponto d) comparei motas a peças de loiça sanitária.

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#70

nelsonajm Escreveu:  Agora, se a qualidade existir e o produto for bom... Até pode ser feito no intendente...

Por acaso, nunca cheguei a saber... se havia ou não, qualidade do produto nessas bandas!.... lol

Live After Death...

Os Ferros...

In life, nothing happens by chance...
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)