Dúvidas de um jovem apaixonado pelas 2 rodas...
#11

(05-04-2017 às 00:45)Fz1000 Escreveu:  Acho que o verissimo tinha uma R6 restringida.

A tua possivel compra, será do modelo mais recente?

Confere. Eu tive uma R6 que supostamente estava limitada.
Gastei uma fortuna naquela mota mas, por incrível que pareça, não há um dia em que não pense na vontade que tenho de comprar outra R6 (ou quiçá uma R1).
Enfim, aquilo é viciante à brava.

Jovem, se queres ter uma R6, compra-a.
Muito juízo com aquilo. Muito mesmo!
Não te esqueças que, se te esticares mais do que as unhas que tens, muito provavelmente não terás a hipótese de contar essa história a ninguém.

Suzuki SV1000S '04  cool
Responder
#12

Olha, eu ando muitas vezes pelos lados da Guia e Albufeira, as tantas cruzo-me bastantes vezes contigo.
Com a mudança da Lei, deixou de ser possível limitar motas dessas...por Lei, só poderão ser limitadas motas(novas) que tenham até o dobro dos 35kw...portanto tudo o que tenha de origem mais de 70kw, é esquecer...
Eu tb tive cá um rapaz que só via RR a frente...acabou por comprar uma Er6n e está super contente com a mota.
Eu sou da opinião que é melhor arranjar algo intermédio e a mota de sonho viria quando fizesses a A e já tivesses um pouco mais de noção da evolução dos patamares de potência...uma mota com 35kw é já uma diferença boa para quem vem de uma 125 com 11kw...
Responder
#13

Bem vindo,

É uma constante as pessoas acharem que senao comprarem a mota dos seus sonhos logo nunca mais a vão comprar.

É certo que se for a comprar motas novas se perde euros nas constantes trocas de motas, mas bem compradas usadas ( que não é assim tão dificil de comprar motas em bom estado já que há muitas delas que são motas de fds qd faz sol e não utilitárias para bater na chuva, granizo e sol abrasador ) as perdas são marginais e acabas por ter uma evolução na aprendizagem .

Não tenhas vergonha de andar de 125cc mais algum tempo ou de andar de cb500/sv650/xj6 no entretanto até ires para a R6/ZX6R etc etc

Tudo bem feito e com tempo e km's debaixo do bucho dá para ires concentrando na condução com cursos de condução/Trackdays nesse período sendo mto mais benéfico.

Tira a carta A2, vai andando com a MT e quando tiveres tudo na mão logo decides pois na realidade dentro de pouco tempo na volta estás é na faculdade longe de casa e a vida muda depressa com outras prioridades.
Responder
#14

Bem vindo! thumbsup

Acho que uma coisa que é capaz de te ajudar é experimentares umas quantas motas, para teres a perceção do que será conduzir cada uma delas e logo veres se te sentes bem com elas e pronto para isso.

Os riscos de andar de mota existem com 18, 38 ou 88 anos. A forma como lidas com esses riscos depende de ti e do uso que dás aos neurónios.

Uma evolução gradual pode dar-te algumas vantagens e ajudar a evitar que te magoes no teu percurso de aprendizagem, mas se estiveres já "embeiçado" por uma das mota que referiste, por muito que te desaconselhem a comprar, existe uma forte probabilidade de ignorares esses comentários e avançares na mesma. blink

Decide bem, e boa sorte com a burra que decidires comprar!
Responder
#15

Eu acho que se vão dar na cabeça ao rapaz por querer saltar para uma R6, que tendo 17 anos e vindo de uma 125 até fará sentido (já agora, porquê a mt e não a versão desportiva R125?), ao menos recomendem uma que lhe deixe pelo menos um cheirinho do que uma R6 pode ser, ao menos uma desportiva.
Responder
#16

Só mais uma achega... eu ando nisto à 25 anos... e ainda não tenho a moto dos meus sonhos... está quase... mas ainda não a tenho...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#17

Uma R6 para as miudas do Liceu???

Eu não sei em que mundo viveram, mas com uma R6 o limite vai muito além das miudas do liceu lolololololol smile

Mais a sério...

Epá se calhar é melhor esperares se queres tanto uma R6... porque uma 300 (Tipo MT-03) vai ser fácil veres o limite dela e acabas por ter mais do mesmo!

Na minha opinião podemos começar por uma 125 ou por uma 300, ir de uma 125 para uma 300 e capaz de não ser grande evolução!
Responder
#18

(04-04-2017 às 21:03)OputoDaMT125 Escreveu:  Boas pessoal, sou novo aqui no fórum. Sou de Albufeira e tenho 17 anos, sempre convivi com motas e sempre fui um apaixonado. Tenho carta A1 há cerca de ano e meio e conduzo desde aí uma Yamaha MT-125. Ando praticamente todos os dias com ela e quando não ando já não me sinto bem. Porém quero mais, mais potência, mais velocidade e por isso este ano quando tirar a carta de carro pretendo também tirar a carta A2, mas antes de cometer algum erro queria vir aqui esclarecer algumas dúvidas. Espero que me possam ajudar.
  • Depois de adquirir a licença A2 a melhor opção é comprar uma mota limitada aos 35kw e posteriormente deslimitar a mesma quando adquirir a carta A ou é preferível ficar dos 18 aos 20 com a minha MT e depois comprar a Yamaha R6 que eu tanto quero?
  • Outra dúvida é se é possível limitar de fábrica a R6 ou a ZX6 da Kawasaki aos 35kw.


Tenho aqui umas quantas coisas a dizer.

Aos 30 anos passei da bicicleta para uma 600. Ok... só tem 60cv, mas não deixa de ser uma mota com alguma potencia. Já lá vão 2 anos e ainda não morri, mas admito que se tivesse uma 600 aos 20 anos, era quase certo que hoje já não estava cá ou estava a comer por uma palhinha. Quero com isto dizer que não te deves apressar e vai evoluindo a potência consoante a lei te permite e não inventes.


"...ou é preferível ficar dos 18 aos 20 com a minha MT e depois comprar a Yamaha R6..."

Vais ter de esperar até aos 24 anos, não podes tirar A ao fim de 2 anos como antigamente. Antigamente é que era possível ter a carta A depois de ter o equivalente à A2 por mais de 2 anos. (afinal podes)

Se não me engano, aos 20 é impossível teres uma R6, a menos que encontres uma antiga limitada a 25kw, as novas já não podes limitar aos 35kw porque têm mais de 70kw e só se pode limitar quando a potencia de origem não é mais do dobro da limitada.

Em relação a outra questão que colocaste, com as novas limitações não é só chegar e tirar um "limitador" para que a mota fique deslimitada. Acho que agora, na maioria dos casos as motas já vêm de fábrica com uma centralina para aquela potência. Para meteres com a suposta potência deslimitada é necessário trocares a centralina e isto é um processo que fica caro. Podem não ser todas assim, mas sei que algumas são.

Mas quase que nem é preciso pensar em limitações porque as marcas já se adaptaram a estas regras e já lançaram os modelos adaptados a estas potencias. Temos agora um grande número de motas à escolha com perto de 35Kw e alguns bem interessantes

XJ 600 Diversion Owner!
Responder
#19

O pessoal passa de gatinhar para o trampolim a fazer triplos mortais a fazer um recorte de mangas entre volta e volta!

É isto que me faz velho.

Passei de uma 50 para uma 125 2T.
Da 125 passei para uma utilitária 500cc.
Dá utilitária 500cc passei (sob ameaça de morte) a uma 1100.
Quando me montei na 1100 pela primeira vez contava com várias dezenas de milhar de kilómetros no pelo (em especial na 500) e 5 acidentes. A impressão que causou montar-me na 1100 pela primeira vez foi a de saber que isto é outra dimensão, que é preciso ter a lição bem estudada e não repetir os erros de outrora.
E que erros são esses!?
Aqueles que as motos de baixa cilindrada te perdoam e as de grande cilindrada não.

Isto tudo, para alguns, parece bué romântico e tal, mas todos somos conscientes que muitos acidentes acontecem por erros humanos onde o factor experiência aumenta as probabilidades de sobrevivência.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#20

Por mais que se diga que o processo de aprendizagem da condução duma moto deve ser feita por degraus... ninguém acredita... até se pode ser muito consciente do que se esta a fazer... mas como o Rui disse... as motos grandes não perdoam erros... erros esses que só com motos pequenas, leves, e manobráveis... nos permitem aprender e puxar os limites... onde temos ainda muita margem de manobra para recuperar dum eventual problema...

Não concordo quando se diz que uma 300 ou até mesmo uma 125 se tornam chatas ao fim de algum tempo... e que depois nos fartamos... talvez porque não andam a 200 ou mais... e então... andar de mota é andar só a 200 ou mais... a direito todos andam...e depressa... o resto... é que são elas...

O que se pode tornar chato e enfadonho, é talvez o design do modelo de 125 ou 300... as motos maiores normalmente são mais interessantes... e muito provavelmente é neste ponto que nos fartamos... porque uma 250 faz a mesma coisa que uma 500 ou uma 1000... pode é não fazer com o mesmo "estilo"...

Considero importante o subir os degraus nesta coisa das motos... quem tem dinheiro e disponibilidade, que o faça com motos novas... para quem tem menos disponibilidade... que o faça com motos usadas... mas o importante é subir um degrau de cada vez.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 2 Visitante(s)