Dúvida relativamente à legalização de alteração a efetuar numa Z650
#11

O dinheiro do escape dá para comprar um casaco muito bom, luvas e botas por exemplo.

Isto contas de merceeiro. devil


Responder
#12

(18-04-2018 às 12:37)michelfpinto Escreveu:  O Vindaloo é do tempo em que as Z eram mais raivosas, por isso a Z650 não o convence.

Acabo a concordar um bocado com isso, também... A gama Z era no fundo a variante muscle-naked (ou street-fighter, como lhe queiram chamar), que herdavam motores provenientes da gama ZX-R, ou sejam, as desportivas.

Esta Z650, no fim de contas, vem herdar não um motor de uma desportiva, mas um bloco proveniente de uma utilitária (ER-6). E já nem falo das Z300... ou da prima travesti que é a Ninja 650.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#13

(18-04-2018 às 17:14)carlos-kb Escreveu:  
(18-04-2018 às 12:37)michelfpinto Escreveu:  O Vindaloo é do tempo em que as Z eram mais raivosas, por isso a Z650 não o convence.

Acabo a concordar um bocado com isso, também... A gama Z era no fundo a variante muscle-naked (ou street-fighter, como lhe queiram chamar), que herdavam motores provenientes da gama ZX-R, ou sejam, as desportivas.

Esta Z650, no fim de contas, vem herdar não um motor de uma desportiva, mas um bloco proveniente de uma utilitária (ER-6). E já nem falo das Z300... ou da prima travesti que é a Ninja 650.

Por acaso esta nova gama de designações por parte das marcas, é um princípio que me irrita no motociclismo.

Mas é transversal a muito mais marcas, e contextos.

Recordo que a MT125 tem o slogan comercial de ''Hyper Naked - Não temas o Dark Side'', o ''Fireblade'' na CBR250 e por aí fora...

Eu, tal como esta 'Z' ou a 'Ninja' até acredito que sejam boas motinhas e honestas... não precisavam era desta desonestidade comercial.


Responder
#14

Já agora deixo apenas em jeito de curiosidade

[Imagem: Kawasaki-z650_20140218-0117.jpg]


E um teste de estrada feito pela classic motorbikes

Citar:When all around were developing large capacity sports machines, Kawasaki had a different take on the job. The Z650 proved a popular and cheap way to get a high performing motorcycle, it also spawned the air-cooled middleweights of the change over between the 70s and 80s, which in turn led to the dawn of the truly modern motorcycle in the form of the GPz600.

The Z650 is every bit a scaled down version of the successful Z1 design and, as such, it shares much of the looks and a good deal of the performance too. Often played down in the family tree, nestling in the shade of the larger machines, the Z650 is arguably a pivotal moment in Kawasaki’s success. The design was a great achievement in its own right, stealing sales off the Z1, as well as spawning the Z500, 550, and 750, and then the GPz series of the 80s, a real legacy indeed.

Back in 1976 there was a vast selection of middleweight machines vying for the customers cash, from the RD400 all the way through CB400’s, GT380/550’s and GS550’s sat in showrooms luring the buyer in. This would indicate one of the main reasons behind the 650cc choice that Kawasaki made, as the Z650 would stand out from the norm. Hopefully ensuring that a buyer would stretch just that little bit further to buy the biggest machine they could afford as well as catching a few not able, or wishing, to buy a full on 750 or 1000. Reduction in manufacturing costs meant the Z650 was more than a few quid cheaper than machines only a few CC’s larger. The initial batch of B1’s sold incredibly well, outstripping other machines of the time by a good margin.

Despite sharing it’s designer and overall looks with the Z1, the 650 engine is very different beast once the covers and casings are removed. Unlike the Z1, with engine components that ran in roller bearings, the crankshaft of the smaller engine spins in plain metal bearings and requires high oil feed pressure to maintain their operation. This was a far cheaper way of assembling an engine, saving much weight in the process, and has since become the industry norm. The large, one-piece crank transmits its power via a hefty Hy-Vo chain, on to a jackshaft and vibration dampers, before entering the five-speed gearbox, the result being a quieter and smoother engine than larger capacity Z series. The valve shims, securely held in place by buckets, were placed in pockets underneath the twin cam shafts, preventing any movement at high engine revs. Damping out any other vibes is a large alternator sat on the left hand end of the crankshaft, even so, the Z650 is a free revving beast and, as seen in subsequent developments, capable of power outputs far in excess of the original 60 plus horses.

These days finding a good clean example is a relatively simple task and prices are still reasonable, this is in contrasts to the cost of owning, buying or restoring a Z1, particularly an early version.

Punching well above its weight

The Z650 is much larger in the flesh than one would imagine. No matter what you have read elsewhere about it being a small machine with the heart of a superbike, make no mistake this is a big bike. It does display a cheeky stance though, with a low seat, sweeping silencers and those streamliner clock housings raked back, quite steeply towards the rider. These pointers suggest a relatively sporty and exciting ride well before you actually get on it, and little disappoints once on the move.
Thankfully, the Kawasaki chassis boys, having learned much from their previous, more flimsy designs, carried out much work to get the Z650 to handle like a modern machine should. Although similar in design to the Z1 chassis, the tubing, with the exception of the swing arm, is generally much larger in diameter and consequently far stronger. The Z1 had considerably more engine than the chassis could handle whereas the new 650 was far more balanced and harmonious. There is heavier gusseting around the welds and the engine is held in place with heftier mounts too, this adds up to a real powerhouse of a frame that is only let down by the bouncy bits hanging off each end.
Once loaded, the standard suspension set up is fine but can be upset easily, the 650 immediately loses its petite and agile tag, reverting to being a big bike simply playing at being a small one. This isn’t a major problem and somewhat typical of most bikes from the period, the key to riding the Z650 fast is choose your line, and stick to it as closely as possible. Of course replacing the rear shocks, the major culprit in these proceedings, improves things immeasurably; the Japanese were some time perfecting suspension components, especially rear units, and, as the original items often never made it to the first MOT test, it would be hard to find a machine in use today with these still in place.

For the weight of the machine, the single front brake can sometimes get a little overwhelmed particularly with repeated heavy braking sessions. It does work well, with a good progressive feel but, it is a close run thing at times and you can be left wishing that, whatever it is you are braking hard to avoid could be just that little bit further away. Thankfully Kawasaki chose to supply this machine with a right fork leg equipped to take a second caliper and the wheel an extra disc and a handy mod is to add a second stopper.
The Z650 was popular and plentiful during the time of its reign, and few escaped without the odd mod or two, making finding an original example quite difficult. The good thing is these mods are often achieved without resorting to anything more drastic that bolting parts on to existing mounts so reverting back to how Kawasaki first intended it to be shouldn’t prove difficult.

Kawasaki Z650 Model history

The Kawasaki tale is one of motorcycling’s great success stories. They appeared, as if from nowhere in 1962, and within a ten-year period had reached the very top, producing class leading motorcycles that turned the two-wheeled world on its head. Following the success of the Z1, the time was right to back that up with an equally impressive middleweight machine. Ben Inamura, the designer of that Superbike, was single-handedly given the task of creating the new machine and in typical style he chose a capacity long since lost.
The real reasons for this switch from the obvious 750cc category may never be known, but several ideas can be thrown around to make sense of it. Back in 1968, Kawasaki had a 750cc bike already nearing production when Honda announced the CB750, thus prompting Kawasaki’s return to the workshop and the subsequent Z1’s birth. Suzuki had been developing the GS750, albeit a straight take off of the Kawasaki twin overhead camshaft, roller bearing crank, design. These may have been the catalysts that prompted the new Kwak to be a smaller engine size than the rest but one thing is for certain, by the mid 80’s the middleweight class had become the centre of attention for all manufacturers.

A 650cc machine was, like its 900cc big brother; different enough to grab attention, stylish and fast. It was the first Japanese machine to have a formal press launch, something we take for granted in modern times, and the worlds journos sampled the new Kwak at Ingliston Race circuit, on the outskirts of Edinburgh. This proved to be a good venue and the tight track demonstrated the Z650 and highlighted its many attributes The chassis was more than capable of keeping the 64 bhp (the equivalent of 98bhp per litre, the highest for any machine over 500cc at the time of the Z650 launch) in check, enabling high corner speeds to be attained. The lightweight of the design coupled with an impressive 41 ft-lbs of torque enabled it to blast up the quarter mile in around 14 seconds, less than a second adrift of its larger capacity sibling. With over 120mph on tap, the top speed was little down on the bigger bikes of the period making the Z650 a genuine alternative to a bike 750cc or above.

Já agora, a série Z da kawasaki é historicamente um dos blocos de 4 cilindros mais cheio em médias, em detrimento de algumas altas. O que lhe conferia usabilidade e ao mesmo tempo facilidade em andar mais rápido, a quem tivesse menos experiência. Uma mota para iniciantes e quem já tivesse umas luzes da coisa.

Princípio esse até à Z750R até final de produção em 2012 e que já não se repercutiu na Z800.

A actual Z650 é um bicilíndrico que nem sei bem para que serve isso, a não ser poder fazer 2 torradas ao mesmo tempo... devil


Responder
#15

Concordo que seja incomparável, mas actualmente todas as marcas fazem isso, e hoje em dia a média cilindrada é feita para suportar as cartas A2, o que castra os motores e as suas prestações.

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#16

Boas amigos,

Fiquei honestamente curioso com a afirmação infra do vindaloo:

- "A actual Z650 é um bicilíndrico que nem sei bem para que serve isso, a não ser poder fazer 2 torradas ao mesmo tempo... [Imagem: 23-devil.png]"

Confesso que sou um total leigo na matéria e peço que tenham em mente que estou a tirar a carta A vindo de 6 anos de 125cc. Apesar de ter 41 anos, iniciei-me muito tarde no mundo das duas rodas. Comecei como a maioria o faz à minha idade, por questões de custo, para as deslocações pendulares para o trabalho. Era só para ser quando o tempo o permitisse mas gostei tanto que acabei por utilizar exclusivamente a moto em detrimento do carro, todos os dias, independentemente do tempo.

Decidi vender o carro, pois estava parado à porta, e ficámos só com o da Maria para os passeios de família. Também o fiz porque queria fazer um "upgrade" da montada e de outra forma nunca teria orçamento familiar para uma montada melhor. Assim lá me inscrevi numa escola de condução e estou a tirar a dita cuja. Creio conseguir terminar para o mês que vem se tudo correr bem.

Com o meu orçamento disponível, quero comprar a pronto e novo (bem sei que muitos dizem que é um erro mas tenho as minhas razões). Assim, analisando o mercado, acabei por parar no segmento das utilitárias. Em termos visuais, peso, tamanho, tenho uma larga preferência pelas naked. Entre as opções óbvias da concorrência acabei por gostar mais da Kawasaki mas atenção que carece de test-ride, assim como outras opções, e obviamente que, depois na prática, até posso tranquilamente mudar de opinião à última da hora.

Eu, como utilizo a montada, maioritariamente, para fazer as minhas deslocações pendulares diárias e andar por lisboa cheguei à conclusão que uma bicilíndrica seria o ideal. Um torque "relativamente" cedo nas rotações que creio ser o que me interessa pois vias rápidas faço poucas ou nenhuma. Também considerei as monocilíndricas mas as supostas maiores vibrações a baixas rotações, fizeram-me torcer o nariz sobretudo quando uma das opções que eu mais gostava, KTM, são em Portugal inexplicavelmente caras.

Assim considerei que o segmento referido seria porreiro para mim. Confesso que ainda considerei a GSX-S750, mas os 4 cilindros juntamente com vídeos que vi, deu-me a impressão que não iria aproveitar a mesma uma vez que parece "acordar" e estar mais confortável a rotações mais altas.

No geral, velocidade de ponta é algo que não me diz nada. Já um bom torque é algo que me agrada bastante.

Mas como digo, sou leigo na matéria, e daí a minha curiosidade sobre o comentário do vindaloo, que sei que em termos de conhecimentos está anos luz à minha frente. Estou sempre pronto a aprender e gostaria mesmo de perceber se estou a ver mal as coisas.

Abraço.
Responder
#17

Nada que seja de levar muito a sério.

Eu tenho opinião que genericamente os motores ganham carácter com o aumento de cilindros mas é uma afirmação tão subjectiva que cumpre a cada um formular a sua opinião com base em experiência.

Entendo que um 4 cilindros conduzido no último terço do quadrante é uma experiência mais exigente, aliciante e com muito mais adrenalina que um bi a ser conduzido nos primeiros dois terços de quadrante. Para o mesmo resultado.

E que uma mota com algum motor e cilindrada, mesmo de 4 cilindros está longe de ser sub motorizada. Tem mais agilidade de motor que a absurda maioria dos carros e outros veículos de estrada.

Portanto e ao contrário de uma ideia generalizada de que motores com menos cilindros são mais polivalentes, eu tenho a ideia precisamente contrária. Uma mudança mole num 4 cilindros é muito mais dócil que 1, 2 ou 3, mais suave de conduzir rapido em chuva, menos reacçoes de motor, mais suavidade, mais linearidade na subida rotação...

E eu reconheço nobreza nisso.

A ideia de enrolar punho e a mota ir, se a ideia é comparar em igualdade de circunstâncias, quem circular num 4cil só tem que saber levar a mota na rotação certa e saber mante-la lá.

Também gosto do que sai do escape. Mais rotação em carga para mim é um gosto de ouvir. Mas pronto... há quem se console a ouvir uma ducati ao ralenti.

Tenho igualmente uma percepção que em viagens grandes um motor mais docil e potente, faz toda a diferença no longo curso. Aliado à condução mais suave que permite massacra bem menos.

Para ir ao pão... da tudo igual.

Isto aplicado a motas de estrada, pois tens segmentos como trails ou motas de água em que isto não faz propriamente sentido.

Agora, esta discussão é estéril pois mesmo dentro da mesma arquitectura de motor tens tantas variáveis que influenciam tanto a adrenalina transmitida pela condução de uma mota... que não vamos chegar a lado nenhum.


Responder
#18

A virtude está no meio: 3!

devil

Velasquez87
Responder
#19

A virtude está é em ter uma de cada. lol bigsmile

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#20

Epa.... outra vez o peditório sobre qual a melhor arquitectura de motor? Isso já foi falado e discutido "N" vezes em outros tantos tópicos por aí.

Tenho que para mim, que não existem configurações de motor, melhores ou piores... mas cada configuração tem vantagens, desvantagens e uma adequação a respectivos tipos ou estilos de moto... resta depois a cada um saber escolher o que melhor se adapta aquilo que pretende, seja em termos de uso, como do género de moto... e dentro da oferta de mercado, escolher em consonância.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)