dGuard - SOS
#1

A Digades, empresa referência no fornecimento de equipamentos electrónicos para alguns dos maiores construtores automóveis, acaba de apresentar, oficialmente, o primeiro sistema eCall para motos, do mundo. O sistema automático de chamada de emergência dguard adapta-se a todos os modelos de todas as marcas de motos, de forma simples e prática.Ao contrário dos automóveis, em que o eCall será um sistema obrigatório em todos os modelos a partir de 2018, nas motos, ainda não há qualquer legislação nesse sentido, até porque a deteção de acidentes nas duas rodas é bastante mais complexo do ponto de vista técnico. Contudo, atualmente, faz mais sentido a utilização destes sistemas de emergência nas motos, do que propriamente nos automóveis.
Uma vez que os motociclistas têm paixão pela velocidade, tendem a procurar estradas pouco movimentadas e sem populações por perto, como, por exemplo, estradas de montanha. É precisamente nestes locais mais remotos que os acidentes podem ter consequências mais graves. Numa situação de emergência, uma resposta rápida e pronta, pode salvar vidas. Se um motociclista sofrer um acidente num destes locais remotos e circular sozinho, e não estiver capaz de ligar para as equipas de socorro, a sua única esperança é que alguém, por acaso, passe pelo local do acidente e o detete. Mesmo fazendo a vítima parte de um grupo, corre-se o risco de se perder tempo precioso no socorro às vítimas por falta de conhecimento e identificação do local preciso onde ocorreu o acidente. Mesmo nos meios urbanos, estima-se que um dispositivo eCall possa reduzir o tempo de chegada das equipas de emergência em mais de 40%. O novo sistema dguard eCall é uma mais-valia para todas as situações. Graças à tecnologia sofisticada com recurso a vários sensores, permite uma identificação precisa do local onde ocorreu o acidente e efetua, de imediato, uma chamada para o centro de coordenação de emergências, numa questão de segundos. O centro de emergência recebe uma mensagem, no idioma do país em questão, com as coordenadas exatas onde ocorreu o acidente, obtidas via GPS.
Caso o motociclista tenha o dguard ligado ao sistema de comunicação do seu capacete, via Bluetooth, e caso se encontre consciente e capaz de comunicar, o centro de coordenação de emergências pode falar diretamente com a vítima. Caso um motociclista encontre um acidente, se tiver o sistema dguard montado na sua moto, pode pedir o socorro das equipas de emergência de forma muito rápida e simples, bastando para isso premir o botão vermelho SOS, instalado no guiador da sua moto, durante alguns segundos. Chamadas inadvertidas através deste botão SOS podem ser canceladas num espaço de 15 segundos.

[Imagem: dangerous-situation-696x522.jpg]

De forma a assegurar que a chamada de emergência está disponível em todas as áreas do globo, o dguard recorre às redes de todas as operadoras móveis locais, GSM, do país em que se encontre, cobrindo assim, praticamente, todo o globo. O sistema, na Alemanha, vem de série vinculado à operadora Telekom, mas, caso a rede desta operadora não esteja disponível, funciona através de outra rede móvel, desde que disponível. Esta rede virtual, elimina o risco da não existência de rede móvel, em caso de necessidade de chamar as equipas de emergência.
O dguard não apresenta qualquer encargo adicional com as chamadas, nem requer qualquer vinculação a uma rede móvel. O sistema dguard funciona em toda a Europa, com exceção da Holanda. O sistema pode ser configurado e utilizado, de forma simples e intuitiva, através da aplicação disponível para smart phones ou tablets.
De forma a que o dguard pudesse distinguir o que é um acidente do que é uma condução extrema, foram necessários muitos quilómetros e horas de testes, tendo a equipa da digades, percorrido mais de 60,000 km nas estrada da Alemanha, Áustria, Espanha, Estados Unidos e África do Sul. O fabricante da Saxónia, teve ainda que garantir que o aparelho continua em pleno funcionamento, mesmo sob condições climatéricas e em trilhos mais extremos. Por isso mesmo, recorreu-se ao conhecido piloto de Enduro, Paul Roßbach, que montou na sua moto de enduro o sistema, utilizando-o nos seus extremos treinos de preparação, tanto para o campeonato alemão de enduro como para o campeonato europeu da especialidade, colocando todo o sistema à prova, até mesmo em situações, completamente impossíveis de acontecerem em estrada. Estes testes permitiram recolher dados importantes, relativamente ao funcionamento e possíveis fragilidades do sistema, procedendo-se aos respetivos acertos ou melhorias.

[Imagem: dguard-button-handlebar_1-696x464.jpg]

Na Primavera deste ano, a DEKRA confirmou a importância e funcionalidade do sistema, tendo-o submetido aos mais rigorosos testes, dos quais fizeram parte algumas simulações reais de acidentes. Para além disto tudo, o dguard apresenta ainda uma função anti-roubo. Se alguém mover a moto, a aplicação emite de imediato um alerta para o telemóvel do proprietário de forma silenciosa. O melhor de tudo, é o consumo mínimo da bateria: Em comparação com um sistema convencional de alarme, o consumo de energia encontra-se no final das escala de consumo (menos que 100 μA). Caso o roubo já tenha sido consumado, é fácil para para a policia e proprietário seguirem o seu rasto através da localização via GPS, disponível através da aplicação.

O dguard já se encontra em comercialização em diversos países, estando a sua chegada prevista ao mercado português no final do mês de Outubro de 2017, estando a importação a cargo da New Golden Bat. Com a compra é fornecido o módulo, o sensor, o botão SOS e a app que permite configurar todo o sistema. O dguard foi desenvolvido e é fabricado pela Digades, empresa líder no desenvolvimento e fabrico de componentes eletrónicos da Saxónia. Um sistema cem por cento “Made in Germany”.

Websites:
www.digades.com
www.dguard.com
www.goldenbat.pt

[Imagem: dguard_DEKRA-Crashtest-1-696x464.jpg]


[Imagem: images?q=tbn%3AANd9GcT4XLIkYtQDw11iDiKFM...g&usqp=CAU]


Responder
#2

Epá... isso em teoria é bonito, mas na prática a maioria dos acidentes de mota o condutor não fica agarrado à mota, ou seja... o botão fica na mota e tu voas para longe dela, portanto já foste!
Responder
#3

Botão na mota está mal visto, porque num acidente se o condutor consegue chegar à mota é porque não está muito mal e não precusa disso, e se não consegue o sistema não funciona e está lixado!
Responder
#4

(19-10-2017 às 13:51)luisnogueira Escreveu:  Epá... isso em teoria é bonito, mas na prática a maioria dos acidentes de mota o condutor não fica agarrado à mota, ou seja... o botão fica na mota e tu voas para longe dela, portanto já foste!

ahahah! foi logo o que pensei! Esse botao serve para que? quando a mota cai na garagem parada porque nos falhou o pé? ou porque me esqueci de meter o descanso?  lol

E na volta foram anos a desenvolver a coisa!  devil
Deve ter sido inventado pelos gajos que so andam de carro!  lol
Responder
#5

O botão é um adicional que pode permitir chamar ajuda para outros, por exemplo.

Responder
#6

(20-10-2017 às 10:00)nunomsp Escreveu:  O botão é um adicional que pode permitir chamar ajuda para outros, por exemplo.

Exato. O sistema inclui um mecanismo de deteção de acidentes e ativa a chamada de apoio de forma autónoma. Pode incluir ou não comunicação com o condutor, caso esteja em condições de responder e tenha o sistema emparelhado com um BT no capacete.

No meio disto tudo o preço pode ser considerado algo proibitivo, já que ronda os 600 euros. De qualquer forma sendo um sistema com o potencial de salvar vidas, na realidade poderá ser uma ninharia. smile
Responder
#7

600€... Algo se fosse vendido por 50€ acabariam por ganhar muito mais dinheiro... Tendo em conta que não custa mais de 6€ os custos de fabrico...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#8

(21-10-2017 às 18:23)nelsonajm Escreveu:  600€... Algo se fosse vendido por 50€ acabariam por ganhar muito mais dinheiro... Tendo em conta que não custa mais de 6€ os custos de fabrico...


Sim, pela elasticidade da procura !!



Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk
Responder
#9

(21-10-2017 às 18:23)nelsonajm Escreveu:  600€... Algo se fosse vendido por 50€ acabariam por ganhar muito mais dinheiro... Tendo em conta que não custa mais de 6€ os custos de fabrico...

Mas por 5€ os Motorrad não lhe pegavam... E lá ficavam sem 2/3 do mercado potencial, logo à partida...  devil

tong

[Imagem: wrong-bike.jpg]
Responder
#10

(22-10-2017 às 09:05)n00b1e Escreveu:  Mas por 5€ os Motorrad não lhe pegavam... E lá ficavam sem 2/3 do mercado potencial, logo à partida...

Esquece. A BMW criou o seu próprio sistema "OnStar Emergency Call System" para equipar as suas motas, como opcional.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)