Dfelix, anda cá ver o focinho dela!!
#1

Boas;
Uma das frentes mais icónicas da época moderna do Mundial está de volta!!
Ela está de volta!!
Responder
#2

É mais "talvez esteja de volta"...

Sent from my Nokia 3310 using Morse code
Responder
#3

Isto fez-me lembrar a limpeza que dei na arrecadação há poucas semanas atrás.
Encontrei peças que já nem me recordava ter guardado!
E de motos que vendi há mais de uma década.

Lá por Varese devem ter feito o mesmo! lol

Gosto do pormenor quando o artigo indica que esta nova F2 foi desenhada pela CRC!
Pois foi! Prai em 1992! lol

Mas aquele guarda-lamas da frente é muito estranho.

Há algo de fascinante nesta máquina:
Uma Cagiva com motor Triumph! hearth

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#4

E com este tópico mantenho a tradição:
Sempre que surge algo épico que faça recordar a Cagiva... abro o seguinte video e coloco a tocar a partir dos 26 segundos:



Forza Cagiva! Ale Cagiva! La la lala
E pronto, amanhã vou andar o dia todo com isto na cabeça.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#5

(24-05-2019 às 00:00)dfelix Escreveu:  ...
Uma Cagiva com motor Triumph! hearth

Nem nos teus sonhos mais retorcidos conseguias pensar numa bastardice assim! lol
Sabia que ias gostar da notícia. blink

P.S. Assim está bem!! A ouvir música decente!!

Cagiva também me faz lembrar isto:
Responder
#6

Aquilo é perfeito!
lol

E o mais certo é que isto seja mesmo uma solução de algibeira.

Aliás, tudo o que tenho visto sobre a F2 sugere isso.
Parece que pegaram numa F3, espetaram-lhe o 765 cuja fixação não deverá ser diferente do 675 no qual se basearam para criar as F3. Umas fibras genéricas e já está!
Habemos moto2!

lol

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#7

Moto2 é a classe onde o piloto mostra mais os seus dotes de pilotagem dada que a maioria das motos são Kalex e teoricamente as máquinas só diferem no tipo de setup.
Ter uma marca como a MV Agusta presebte seria um ingrediente mais a aumentar a competitividade.
Se uma marca como esta chega ao topo, será uma coroa mais por destacar numa classe tão equilibrada.

Eu tenho uma vaga ideia de ver a Cagiva a correr, talvez porque não seja naem do Restelo nem tão velho assim... devil

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#8

Boas;

Dfelix, os italianos sempre foram uns gajos "à parte" e isso reflecte-se no que fazem. São os gajos que conseguem fazer os piores "cancros" como em simultâneo fazem algo deslumbrante e até conseguem usar material duns nos outros.
Tão depressa andam a moer eternidades à procura dum conceito perfeito como recorrem ao pragmatismo de ir à prateleira ver o que lá está que possa servir.
Acredita que a tua descrição não está fora da realidade.

Lone, Moto2 é, sem qualquer sombra de dúvida, uma categoria interessante do ponto de vista competitivo. Mas, para mim, nunca será uma categoria do Campeonato do Mundo de Velocidade, acabou com:
- a concorrência entre marcas, consequentemente com a formação de pilotos pelas marcas deixando isso a cargo de estores de carreira, agentes e outras entidades que visam apenas o lucro;
- limitação de know-how, tanto que havia a esperança que aparecessem muitos construtores de chassis tais como a Bimota, a Vyrus, a Sutter e outros. No entanto tornou-se monopólio de apenas um, no caso deste ano da Kalex;
- a aberração que se transformou ao usar um motor civil, "capado" e com mais de 10 anos, felizmente conseguiram arranjar um substituto francamente mais icónico e desenvolvido, mas que também foi capado;
- monopólio de entidade preparadora de motores, que obviamente tinha que ser espanhola (sobrinho do Angel Nieto);
- enfim, para categoria "Mundial" é algo muito limitado...
Responder
#9

(24-05-2019 às 10:23)Johnny_1056 Escreveu:  Boas;

Dfelix, os italianos sempre foram uns gajos "à parte" e isso reflecte-se no que fazem. São os gajos que conseguem fazer os piores "cancros" como em simultâneo fazem algo deslumbrante e até conseguem usar material duns nos outros.
Tão depressa andam a moer eternidades à procura dum conceito perfeito como recorrem ao pragmatismo de ir à prateleira ver o que lá está que possa servir.
Acredita que a tua descrição não está fora da realidade.

Lone, Moto2 é, sem qualquer sombra de dúvida, uma categoria interessante do ponto de vista competitivo. Mas, para mim, nunca será uma categoria do Campeonato do Mundo de Velocidade, acabou com:
- a concorrência entre marcas, consequentemente com a formação de pilotos pelas marcas deixando isso a cargo de estores de carreira, agentes e outras entidades que visam apenas o lucro;
- limitação de know-how, tanto que havia a esperança que aparecessem muitos construtores de chassis tais como a Bimota, a Vyrus, a Sutter e outros. No entanto tornou-se monopólio de apenas um, no caso deste ano da Kalex;
- a aberração que se transformou ao usar um motor civil, "capado" e com mais de 10 anos, felizmente conseguiram arranjar um substituto francamente mais icónico e desenvolvido, mas que também foi capado;
- monopólio de entidade preparadora de motores, que obviamente tinha que ser espanhola (sobrinho do Angel Nieto);
- enfim, para categoria "Mundial" é algo muito limitado...

Entendo o que queres dizer mas se fizermos comparação com a antiga classe de 250... think

Convém também contextualizar a coisa. Ou seja, está categoria surgiu num momento de crise económica onde não havia dinheiro para patrocínios e investimentos de retorno dúbio.

Foi a fórmula encontrada para preencher uma grelha com projectos novos, onde o piloto brilhasse com luz própria e não houvesse a egemonia de uma só marca (neste caso a Aprilia).

Mas o resultado, nisso concordo contigo, acabou por ser o mesmo, quando actualmente as Kalex são uma maioria.

Sobre o motor....

Será que hoje em dia teríamos a Triumph envolvida neste projecto se o regulamento permitisse que os fabricantes desenvolvessem o seu próprio motor?

Teríamos uma grelha de 30 ou mais motos?

É que o facto de haver um motor único, para além de igualar as coisas, também retira boa parte dos custos que teem outras categorias de cima dos ombros das fábricas e equipes.

O que é certo é que não existe uma fórmula perfeita, que não se pode ter tudo, infelizmente! blink

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#10

Boas;
Lone, contextualizar a coisa??
Logo desde o início as Moto2 passaram a custar tanto quanto uma Aprilia "Pata Negra"!! A grande diferença é que tinhas a Aprilia a ganhar dinheiro em vez duma pandilha de espanhóis que fizeram um arranjinho com a Honda. Nem sequer deram abertura a outras marcas porque isso iria canibalizar o Mundial de Supersport, toda esta agitação já estava pensada há muito tempo, provocou instabilidade no Campeonato de WSBK e culminou com a aquisição dos direitos deste último por parte da DORNA.
Não te esqueças que um ano antes proibiram a Harris WCN de participar em MotoGP porque o motor tinha muitas semelhanças com o Yamaha R1 da época.

Só me agrada que se tenha substituído o motor Honda pelo Triumph, um reconhecimento pela história da marca. Mas preferia que o regulamento se Supersport se tivesse mantido fiel ao original e não tivesse dificultado a vida à marca quando esta lá andou.

Voltando à Cagiva, hoje era completamente impossível fazer algo como eles fizeram. A última equipa onde imperou o saber viver com estilo e classe.
O video que o Dfelix colocou resume bem esse sentimento.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)