Transmissão: Corrente vs Veio vs Correia
#21

(02-04-2016 às 00:18)carlos-kb Escreveu:  Ou vocês passam a vida no mecânico.... ou então andam a maior parte do tempo com a corrente lassa!  proud

Vejam os intervalos de verificação e (se necessária) afinação / ajuste recomendados. Já tive várias motos de corrente, e não era nada raro ter de proceder à operação de a esticar regularmente. Aliás, até é uma coisa simples, apesar de acarretar trabalho, tempo e alguma atenção (para a coisa a ficar bem feita).

Isto para não falar ainda das operações ainda mais regulares e frequentes de lubrificação.

Daí que se puder dispensar sistemas com manutenção frequente, como é o caso da corrente.... dispenso!  smile

Não ando sempre no mecânico, mas sempre que fui e várias vezes perguntei, inclusive verificaram à minha frente sem nunca o fazerem. E poderás verificar quando estiveres perto da minha que tem a folga recomendada dos 3.5cms ou por ai. Depende de mota, mas na minha é entre esses valores. As Honda é que devem ter esse problema! lol lol

A lubrificação é outra conversa. Ai tem que ser feito com alguma frequência. E já fiz alguns quilómetros e quer uma quer outra sempre tiveram as correntes cuidadas. Correntes e o resto tudo, só não as lavo muitas vezes... lol

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#22

Quanto mais esticas mais lassa ela fica.
Só deves esticar a corrente quando existe risco de que algo mal aconteça.
Montei o último sistema de  transmissão na Maria aos 128000km, hoje tem 145000 e nunca foi esticado!
O trabalho que dá nem é muito, se não andares sempre a sacar o brilho ha pintura.
Os ciclos de lubrificação são de 500km, ou seja, num comum mortal de 3 em 3 meses, sempre que a lavas.
Convém aproveitar o momento de muda da borracha traseira para fazer uma limpeza a fundo do sistema para evitar que se deteriorem as pessas do sistema de transmissão.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#23

dessas 3 fotos de correia,só gostei mais da segunda lol lol
sim eu tambem raramente preciso de esticar a corrente, estico quando está no limite superior e meto entre os dois valores, mas é um ajuste muito pequeno. smile na minha antiga wr a cada 500km tinha de esticar, mas as corrente para aquela mota eram uma grande porcaria censored
Responder
#24

500 km em 3 meses?!
Ainda bem que a minha não tem corrente, se tivesse andava de 3 em 3 semanas a besuntar aquilo tudo.
Responder
#25

A única manutenção que faço à corrente é lubrificar (+/- 500km).

Nunca achei que ela precisasse de ser esticada.

Quanto à EN500 é de correia, é só meter gasosa e andar.

Boas curvas! 
Responder
#26

Eu lubrifico a cada 500km ou menos se o tempo assim decidir, e a cada 1500km limpo a fundo no pinhao, sinceramente nao é tarefa que me custe porque gosto de o fazer. A alternativa à corrente oferece menos potência e um calendário bem reduzido, so no thanks.
Responder
#27

Eu já estiquei a minha umas 2 ou 3 vezes, mas normalmente é só um bocadinho de nada (em 26000km) fora isso nas revisões e quando mudou pneus.

Mas também é um pouco porque a minha corrente está um bocado ovalizada e é difícil acertar a folga certa. Nuns sítios tá boa, noutros tem um pouco a mais e tenho de fazer um compromisso.
Ela está assim praticamente desde nova. Na revisão dos 1000 o stand prontificou-se para fazer reclamação à honda. Mas como está dentro de valores aceitáveis, não trocaram.
E de facto não é nada de muito grave e acho que ainda faz uns bons km smile

Blog com fotos de passeios de mota em: http://naosougajodefazerblogs.blogspot.pt/
Cumprimentos "V"!
--Cláudio A. B. Silva--
Responder
#28


thumbsup

Ricardo - Honda CB500X
[Imagem: latest?cb=20150510093035]
Responder
#29

(02-04-2016 às 22:52)Mr.Ricky Escreveu:  
thumbsup

30%!?
30% Kiss my ass!!!!!!
Outro que pensa que a corrente dá chicotadas....
Tanta barbaridade dita junta....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#30

Epá, não sei onde é que o gajo foi buscar esses valores de perda de potência.
Mas das duas uma!
Ou as transmissões das motas são especiais quando comparadas com transmissões do mesmo tipo noutras máquinas (o que não me faz sentido).
Ainda assim o tipo de máquina influencia, eu lembro-me de na selecção se ter em conta o tipo de maquina motora (motor eléctrico ou de combustão, nº cilindros etc) e o tipo de maquina movida (serra, passadeira, britadeira, veiculo etc etc). Mas isto tinha sobretudo influencia nos coeficientes de segurança a usar e na consideração de choques ou arranques bruscos, nem tanto no rendimento.  

Outra coisa que não me tinha lembrado é que o eixo de rotação do veio faz 90º com o eixo de rotação das rodas, só por ai também pode haver uma menor eficiência (mas de certa forma já tinha isso em conta quando falei na questão de ser roda-pinhão e engrenagens cónicas).

Na minha opinião a principal desvantagem é o eventual peso extra.

Dito isto, embora concorde com a ordem, acho essas discrepâncias exageradas.

Blog com fotos de passeios de mota em: http://naosougajodefazerblogs.blogspot.pt/
Cumprimentos "V"!
--Cláudio A. B. Silva--
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)