Trabalhadores da Triumph à porta da fábrica para impedir saída de material
#1

Unidade de Loures está em processo de insolvência.
Dezenas de trabalhadores da antiga Triumph, no concelho de Loures, estão esta sexta-feira concentrados à porta da fábrica para impedir a saída de material da empresa, que está em processo de insolvência, e deverão manter-se no local durante toda a noite.

"Organizámos turnos de quatro horas, com cerca de 20 pessoas por turno, que estão à porta da fábrica para impedir a saída de material e os trabalhadores vão ficar lá toda a noite", disse Manuela Prates, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Curtumes do Sul, à agência Lusa.

Segundo a sindicalista, o presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares, deverá dirigir-se esta noite ao local do protesto, em solidariedade para com os trabalhadores da antiga Triumph, empresa que agora se denomina de Têxtil Gramax Internacional.

Manuela Prates contou que, depois da entrega do processo de insolvência no tribunal de Loures por parte da empresa, nos últimos dias de dezembro, houve esta semana algumas tentativas por parte de ex-gerentes e responsáveis da empresa em retirarem material da fábrica, nomeadamente "peças de roupa terminada" e automóveis, mas foram impedidos pelos trabalhadores.

A 21 de dezembro os trabalhadores da antiga Triumph realizaram uma manifestação, em Lisboa, para pedir "acesso a uma fonte de subsistência", face aos salários em atraso e ao processo de insolvência da empresa. Presente no protesto esteve o presidente da Câmara Municipal de Loures.

Fonte: cmjornal.pt
Responder
#2

Pois, mas este processo de insolvência, é da outra Triumph não motos...

É esta Triumph.... bigsmile
[Imagem: 9623599317022.jpg]

Ricardo - Honda CB500X
[Imagem: latest?cb=20150510093035]
Responder
#3

E achas que ele não sabia ??  lol Era só para 'meter lenha na fogueira' para ver o que saía !  angel
Responder
#4

Por mim podem levar tudo.

Vocês não fazem a mais mínima ideia do quanto pode chegar a desapertar um soutien desses....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#5

Sinceramente nunca percebi porque usamos cuecas e elas cuecas e soutien, se depois quando chega a hora é para tirar tudo.... 
tong tong
devil
Responder
#6

Existem sempre aqueles que gostam de arredar para o lado! cool

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#7

(06-01-2018 às 11:16)LoneRider Escreveu:  Por mim podem levar tudo.

Vocês não fazem a mais mínima ideia do quanto pode chegar a desapertar um soutien desses....

... com uma mão! cool

Honda CX 400 '83 Eurosport
Responder
#8

Questão de treino. bigsmile blink

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#9

Sempre ouvi dizer que o problema da Triumph era a falta de material e a demora em o mesmo chegar....

Esta de afinal já terem o material lá e ao contrário, quererem tirá-lo, é que já é novidade!!! devil

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#10

A novela continua:

Os trabalhadores da antiga Triumph vão continuar a vigília fora do horário de laboração da fábrica do concelho de Loures até à concretização da insolvência, disse este sábado uma dirigente sindical.

Mónica Antunes, do Sindicato dos Trabalhadores Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Curtumes do Sul, precisou à agência Lusa que a vigília será suspensa às 08:00 de segunda-feira, quando a laboração recomeçar, e será retomada no final da jornada de trabalho.

“A vigília recomeça pelas quatro da tarde e vai noite dentro até que haja resposta do administrador do processo de insolvência. Não podemos deixar as instalações para que não haja saída de património” disse.

A delegada sindical notou haver “património muito valioso” e que neste momento pertence às trabalhadoras, por serem as “primeiras credoras” da empresa.

As últimas informações são de que o processo de insolvência terá dado entrada em tribunal, mas que não foi decretado um administrador, o que poderá ocorrer “na semana que vem, segunda ou terça-feira, mas ainda não há uma data certa”, acrescentou Mónica Antunes.

A vigília tem funcionado segundo uma escala rotativa a cada quatro horas, mas à porta “têm estado 30 ou 40 pessoas”, entre trabalhadores, familiares e ex-funcionários, afirmou ainda a sindicalista.

Esta manhã passou pelo local o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, que qualificou a situação de “crime económico, preparado premeditadamente pela Triumph Internacional, no sentido de fechar a fábrica, passando por uma fase intermédia, que foi entregar, por um ano, a produção à Gramax (atual detentora da empresa)”.

O dirigente da intersindical notou a situação dos 450 trabalhadores com “três meses de salários em atraso, sem trabalho e sem subsídio de desemprego”.

Para Arménio Carlos, o Ministério do Trabalho deve “simplificar o processo para que os trabalhadores tenham acesso ao subsídio de desemprego” e o Ministério da Economia deve “desenvolver esforços para procurar ir mais longe na identificação de todo o processo que está por trás e procurar alternativas para garantir que as trabalhadoras possam continuar a produzir e a fazer bem aquilo que sabem”.

A 21 de dezembro os trabalhadores da antiga Triumph realizaram uma manifestação, em Lisboa, para pedir “acesso a uma fonte de subsistência”, face aos salários em atraso e ao processo de insolvência da empresa. Presente no protesto esteve o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, e também Arménio Carlos.

Fonte: observador.pt
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)