SUZUKI KATANA
#51

A XJ6 estava para a FZ6 como a CBF600 estava para a Hornet.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#52

(07-01-2019 às 12:22)dmanteigas Escreveu:  Um motor diferente como o CP2, bicilindrico, não foi radicalmente diferente do tetra da XJ6?

Diferente? Um twin crossplane? think

Para quem uns posts atrás aponta o dedo à utilização de motores antigos, o CP2 não passa de uma "reinterpretação"  do que a Yamaha já havia feito em meados da década de 90 (ou seja há quase década e meia), com a TRX e TDM 850. Volumetricamente até são muito idênticos, tendo cotas com cursos muito aproximados (diferindo mais no diâmetro, vicissitude da diferença de cilindrada).
Aliás o conceito do twin de cambota a 270º surgiu precisamente aí... e pensando bem, em teoria, o 850 até estava um pouco à frente do CP2, seguindo a filosofia "Genesis", com uma culassa de 10 válvulas (não obstante das consequências práticas negativas que isso teve, dando-lhes fama de "mamadoras de óleo").

(07-01-2019 às 12:22)dmanteigas Escreveu:  Uma mota com menos 20 e tal kg não é radicalmente diferente? 

Agora vai lá esmiuçar que se deve esse emagrecimento? Um motor mais simples e barato de produzir, muita poupança de material no geral e recurso a materiais mais espartanos, da MT07 em relação à XJ6.
Embora a MT07 possa naturalmente ganhar em prestações , na generalidade, a XJ6 é uma mota mais robusta e bem construída, em relação à MT.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#53

(07-01-2019 às 14:00)carlos-kb Escreveu:  
(07-01-2019 às 12:22)dmanteigas Escreveu:  Um motor diferente como o CP2, bicilindrico, não foi radicalmente diferente do tetra da XJ6?

Diferente? Um twin crossplane? think

bla bla bla bla

(07-01-2019 às 12:22)dmanteigas Escreveu:  Uma mota com menos 20 e tal kg não é radicalmente diferente? 

Agora vai lá esmiuçar que se deve esse emagrecimento? Um motor mais simples e barato de produzir, muita poupança de material no geral e recurso a materiais mais espartanos, da MT07 em relação à XJ6.
Embora a MT07 possa naturalmente ganhar em prestações , na generalidade, a XJ6 é uma mota mais robusta e bem construída, em relação à MT.

Perdeste-me na conversa técnica Mr. Motopédia  devil 

Na prática, nunca tendo experimentado a XJ6, creio que a MT-07 será uma mota mais agressiva, mais ágil e mais fácil de conduzir. Independentemente da questão de ser ou não inovação, acho que todos concordamos que a MT-07 é uma mota diferente da XJ6. Mesmo sendo do mesmo estilo, são sensações diferentes de condução e utilização. Só pelo facto de ser um bi vs um tetra já é uma diferença considerável na resposta e forma de condução de um e outro. 

Já disse lá atrás que não me sinto qualificado para avaliar qualidade de construção. Se tem parafusos de melhor qualidade, se tem materiais de qualidade, se a pintura risca ou estala... a minha avaliação das motas cinge-se a coisas muitos simples: acelera muito pouco, trava bem ou mal, conduz-se bem ou mal, etc. "Fit and Finish" é algo que não me diz rigorosamente nada. Não aprecio mais uma mota por ter uma pintura XPTO resistente aos riscos ou por ter ferros anti-ferrugem ou por não ter soldaduras à mostra... portanto não sei de todo dizer se a XJ6 tem melhor ou pior qualidade de construção, e aí faço fé no que vocês dizem. Também por isso é que disse que o cliente da XJ6 não é necessariamente o cliente da MT-07.

Voltando à nova Katana, será que é possível dizer o mesmo desta mota em relação ao que a Suzuki já produz com o mesmo motor? Ou seja, é possível comprar esta Katana e dizer que é substancialmente diferente das motas já equipadas previamente com este motor? Porque há algo que ninguém pode negar. A MT-07 levou as pessoas a comprarem a mota. Esta Katana... ainda estamos para ver. Mas sinceramente, duvido que tenha grande sucesso comercial (que em ultima instância é o que diferencia uma boa mota de uma má mota).

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#54

Gosto bastante do CP2.
Acho-o bastante "adequado" de se utilizar.
Consegue ser simpático o suficiente para motociclistas menos experientes.
E consegue ser divertido o suficiente para que mais experientes não se fartem dele em pouco tempo.

O motor da XJ6 era uma versão decafeínada de outro motor. O da FZ6.
O motor da FZ6 já por si era uma versão asmática dum outro. O da R6 de '03.
O motor desta R6 (e outras)... também nunca foi propriamente popular pelos baixos e médios regimes!

Tive uma FZ6. E o que menos saudades me deixou foi precisamente o motor.
As especificações no papel eram interessantes. Mas implicava sistematicamente mante-la no último  1/3 do conta-rotações para que isso se sentisse.
Tenho dúvidas que uma versão descafeinada desse motor me trouxesse recordações diferentes.

O quadro da XJ6 é uma redução de custos face ao da FZ6.
O quadro da FZ6 era excelente. E no que diz respeito a construção e tecnologias este está mais próximo ao da actual MT-09.
Ironicamente, o denominador comum de XJ6, FZ6 e MT-07 é que todas elas têm suspensões de bosta.

Concordo que o cliente da XJ6 não é necessariamente o cliente da MT-07.
O que não significa que a MT-07 não seja um produto desenvolvido para satisfazer o cliente da XJ6.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#55

(07-01-2019 às 14:20)dmanteigas Escreveu:  Perdeste-me na conversa técnica Mr. Motopédia  devil 

Mantequillas... então deixa-me cá ajudar-te a ficares com a mente mais "oleada". tong

Para quem dizia...
«É um motor antigo numa mota que levou um re-style. Não me deixa particularmente entusiasmado.»


e logo a seguir diz...
«Um motor diferente como o CP2, bicilindrico»

... apenas te quis mostrar que o CP2 não é assim tão moderno... nem assim tão diferente. Porque efectivamente o primeiro bicilíndrico paralelo crossplane da Yamaha foi o motor de 850cc que montou nas TRX e TDM 950 de meados de 90.
O CP2 não trouxe assim nada de tão novo e tão distinto... que curiosamente até já havia num motor "antigo", com duas décadas de diferença e dentro da mesma marca.

Como é? Já conseguiste dar o "click" na tua cabeça? devil

(07-01-2019 às 14:20)dmanteigas Escreveu:  "Fit and Finish" é algo que não me diz rigorosamente nada.

"Fit and Finish"... é meramente cosmética!
Qualidade de construção / materialidade, é outra.

Por norma uma mota bem construída e que recorra a bons materiais, é normal que o nível do acabamento final acompanhe... mas não é imperativo.

Como podes até ter uma mota de mecânica robusta, bem construída, mas com um nível de acabamentos e pinturas de merda (exemplo, as BMW de há uns anos atrás).

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#56

(07-01-2019 às 13:14)dfelix Escreveu:  A XJ6 estava para a FZ6 como a CBF600 estava para a Hornet.

Utilizando esta linha de analogia, penso que a CBF600 está mais para a Tracer 900!

Andando assim em modo mais rapidinho, ambas são um 'pudim' ou 'gelatina'.

devil


Responder
#57

(07-01-2019 às 14:20)dmanteigas Escreveu:  A MT-07 levou as pessoas a comprarem a mota.


Penso que maioritariamente 'os papás das pessoas'.

(07-01-2019 às 14:20)dmanteigas Escreveu:   Esta Katana... ainda estamos para ver.


Pois... esta já é a mota para os papás! Que gastaram a guita toda a comprar as mt07 para os jovens e ficam a sonhar com ela.


Responder
#58

Eu gosto esteticamente da Katana.
Se tivesse uma óptica que não fosse quadrada, simplesmente não seria Katana.
Esteticamente casa muito mais com os produtos típicos da Suzette que as primeiras GSXS.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#59

Carlos, percebi perfeitamente o que quiseste dizer!

Mas apesar de tudo, o CP2 não é exatamente o mesmo motor de há 20 anos atrás: mesma cc, mesma potência, mesmo comportamento... creio que concordas que em nada para além da configuração poderás comparar o CP2 atual com essas versões de há 20 anos atrás, certo? Já este... é o mesmo motor de há mais de 10 anos atrás. Não quer dizer que isso seja mau. Mas o meu ponto desde o inicio é que entre uma XJ6 e uma MT-07 há diferenças para lá da estética. Entre esta e uma GSXS-1000... há uma estética diferente.

Atenção que eu não estou de todo a criticar o uso do K5 nesta Katana. Provavelmente até pode ser o motor que a Suzuki achou mais adequado. Mas com todo o "hype" que se gerou em torno da mota e a quase ausência de inovação da Suzuki nos últimos anos, creio que a expectativa era que viesse algo completamente novo, que cativasse os clientes pelo menos a experimentar. Assim... é o mesmo que a Yamaha agora fazer um grande "buzz" com o regresso da Fazer e depois aparecer equipada com um CP3 que já usa há alguns anos e a mesma estética da Fazer um bocado modernizada (atenção que é só um exemplo, não estou a comparar a "história" da Fazer com a Katana).

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#60

(07-01-2019 às 16:12)vindaloo Escreveu:  Utilizando esta linha de analogia, penso que a CBF600 está mais para a Tracer 900!

Andando assim em modo mais rapidinho, ambas são um 'pudim' ou 'gelatina'.

Percebo o teu ponto de vista.
Só que "modo mais rapidinho" e CBF600 na mesma frase não combinam.

A CBF600 e consequentemente a XJ6 (que pretendia roubar-lhe a clientela de para quem os 100cv "era demais") atacava um mercado mais... geriátrico!

[Imagem: tenor.gif]

Se por alguma razão esses idosos foram impedidos de entrar no lar e consequentemente despacharam esse épico da robustez e boa construção...  e os netos as herdaram, ou alguém com falta de guito as encontrou como excelente negócio, foi certamente ironia do destino.

Achei a tua comparação à gelatina muito interessante. E criou-me aqui uma dúvida existencial:
Qual será o comportamento dum doente com Parkinson aos comandos duma Tracer 900?
Será que agrava os sintomas? Ou será que se anulam?

(07-01-2019 às 16:48)dmanteigas Escreveu:  Atenção que eu não estou de todo a criticar o uso do K5 nesta Katana. Provavelmente até pode ser o motor que a Suzuki achou mais adequado.

Provavelmente é o melhor motor que a Suzuki produziu nos últimos 15 anos...
Verdade seja dita... também não produziu muitos.

(07-01-2019 às 16:48)dmanteigas Escreveu:  Mas com todo o "hype" que se gerou em torno da mota e a quase ausência de inovação da Suzuki nos últimos anos, creio que a expectativa era que viesse algo completamente novo, que cativasse os clientes pelo menos a experimentar.

É capaz de ser mais fácil explicares exactamente o que esperavas de encontrar de "inovador" nela...

É que pelo que tenho visto, ela vem equipada com todo o bullshit inovador do momento.
Ecrãzinhos LCD e electronicazinhas que permitem mapazinhos, tracçõezinhas de controlezinho, Á-Bê-éSsezinhos que funcionam a direito, em curva e deitados.

//EDITADO:
Ahhh.. espera! Já percebi...

Agora de repente está toda a gente a lançar motos com VVT ou a anunciar introdução em breve... e esta não tem!  cry

Entretanto fui ao site confirmar... e também não tem leitor de mp3. Nem mãos-livres  cry

(07-01-2019 às 16:48)dmanteigas Escreveu:  ... é o mesmo que a Yamaha agora fazer um grande "buzz" com o regresso da Fazer e depois aparecer equipada com um CP3 que já usa há alguns anos e a mesma estética da Fazer um bocado modernizada ...

Ou seja... uma Tracer 900?

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)