Street Twin 2016
#1

Fiz na passada semana um test drive à nova Street Twin da Triumph.
Igualzinha a esta da foto:

[Imagem: 1f791d1faacc2740f8097be9ef53ca35.jpg]

A Street Twin é a nova "entry level" do catálogo da Triumph.

Segue uma receita idêntica à da Ducati Scrambler: Uma base simples, bem construída e aspecto simpático que pode posteriormente levar uns quantos acessórios para se adaptar ao estilo do freguês.
Nada que a Triumph não tivesse já tentado no passado com a antecessora Bonneville SE, logo será injusto dizer que copiou a receita.

A minha expectativa com a Street Twin era baixa.
Sobretudo porque as specs não são propriamente entusiasmantes: 54cv para 198 Kg a seco (217kg atestada)

À vista, surpreendeu pelo detalhe e qualidade de construção.
Sobretudo tendo em conta que se trata de uma moto "europeia" de 8.900EUR.

[Imagem: 8fb8474af9ad0baa323c0263213e6fe3.jpg]

A qualidade de construção é muito boa.
Tem detalhes soberbos como a linha de escape que à primeira vista parece uma peça única sem costuras ou soldaduras. O catalizador e as restantes modernices foram disfarçados de forma exemplar.
O mesmo se passa com o radiador. Tão discreto que nem parece se tratar de uma moto de refrigeração liquida.

[Imagem: 89473849032372a23286bb9792f2dbfc.jpg]

Os instrumentos são elegantes e bonitos. Mas... falta-lhe conta-rotações.
Aparte disto toda a informação está lá: Do indicador da velocidade engrenada ao estado do dtc e abs passando pelos consumos, comutando através dum botão no punho.

Mesmo que a intenção fosse conservar a estética, poderiam perfeitamente ter colocado as rotações num dos ecrãs do LCD, ou pelo menos uma luz avisadora.

A primeira reacção ao pegar nela foi a embraiagem. Leve como uma pena!
Depois... o binário! Apesar das specs à primeira vista não entusiasmarem, a resposta ao acelerador é muito boa. O motor é cheio e a resposta sente-se.

No entanto, é uma sensação que se esgota quando entramos em altos regimes.

É uma moto surpreendentemente fácil de conduzir.
É baixa, o que a torna numa excelente opção para fêmeas e condutores de menor estatura.
E apesar de pesada, por ser muito compacta e com um centro de gravidade baixo, não se sente.

Os únicos pontos negativos...

- A caixa (de 5 velocidades) é por vezes um pouco "seca". O pedal tem demasiado curso.
Não achei que fosse incompetente. Mas nota-se que ela foi projectada para funcionar bem nos regimes baixos de cidade... pecando nos médios-altos.

- Toda a parafernália de botões de luzes, selector de pisca e corte-corrente não está ao nível do resto. Não é pior que o equipamento que equipa actualmente a maioria das motos das gamas de entrada. Mas têm um ar chinês que não acompanha a qualidade premium dos instrumentos, farol e um sem número de outros detalhes.

Gostei muito desta nova Street Twin.
Está muito acima de todas a expectativas que tinha.

Não é uma moto para quem procura algo... desportivo.
Não é uma moto para quem queira reforçar a sua masculinidade à porta do café.
Não é uma moto para o motociclista experiente que pretende encher o ego numa voltinha de fim-de-semana.

Mas... é uma excelente opção para primeira moto.
Ou mesmo última moto. (para o reformado ou saudosista)
Ou para quem já tem o tal "canhão desportivo" ou "moto de macho" e procura uma solução catita para o dia-a-dia que ofereça  facilidade de utilização e economia... sem ter que optar por uma scooter ou algo degradante como uma NC*X.
smile
Responder
#2

Uma boa moto para ti portanto....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#3

Boa review. Suspensão mole e banco fofinho certo?

Consumos, sabes alguma coisa?
Responder
#4

Boas;
Pelo que descreves não está mal, ninguém pode censurar ou criticar uma moto por ser honesta.
Infelizmente, os tais aspectos menos conseguidos que referes são cada vez mais o normal. E difícil de justificar numa moto que já custa uma quantidade considerável de pasta. confused
Responder
#5

Infelizmente as coisas no geral são cada vez mais feitas para durar pouco tempo... E essas peças menos conseguidas provavelmente será onde esta e outra motas podem dar chatices a não tão longo prazo...

Não é mota que me chame à atenção mas parece uma proposta interessante pelo relato que fazes. E existir escolha, muita escolha é sempre bom. smile

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#6

(07-06-2016 às 13:31)Almareado Escreveu:  Boa review. Suspensão mole e banco fofinho certo?

A suspensão é adequada. Nem dura nem mole.
Fiz umas curvas largas a esgaçar e achei bastante competente para o tipo de moto em questão.
E sobretudo considerando que não é feita para andar daquela forma.

(07-06-2016 às 13:31)Almareado Escreveu:  Consumos, sabes alguma coisa?

Quando explorei as funcionalidades do dashboard passei pelo ecrã dos consumos e estava a marcar uma média de 4.2.
Não acredito que gaste muito mais do que isto. Até porque é uma moto de test drive, e quem as testa esmifra-as sempre!

As médias anunciadas são de 3.7... o que não é maravilhoso mas realista.

(07-06-2016 às 15:19)Johnny_1056 Escreveu:  E difícil de justificar numa moto que já custa uma quantidade considerável de pasta. confused

Acho os 8.900 eur que custa nova são adequados considerado todo o bolo.
Não disse que os interruptores sejam maus. Apenas não acompanham tudo o resto que é bastante premium.
Há detalhes ao nível de acabamentos nesta moto (que é uma entrada de gama) que dão 15-0 à nineT que custa o dobro.

(07-06-2016 às 15:39)michelfpinto Escreveu:  E essas peças menos conseguidas provavelmente será onde esta e outra motas podem dar chatices a não tão longo prazo...

Sim... ou mesmo substituídas pelo proprietário por peças aftermarket mais ao seu gosto.
Responder
#7

mercado muito próprio, nem todo comum motard entende o conceito,

como é o meu caso, minha rica dax cry

Load ""
Responder
#8

(07-06-2016 às 16:10)dfelix Escreveu:  A suspensão é adequada. Nem dura nem mole.
Fiz umas curvas largas a esgaçar e achei bastante competente para o tipo de moto em questão.
E sobretudo considerando que não é feita para andar daquela forma.

Quando explorei as funcionalidades do dashboard passei pelo ecrã dos consumos e estava a marcar uma média de 4.2.
Não acredito que gaste muito mais do que isto. Até porque é uma moto de test drive, e quem as testa esmifra-as sempre!

As médias anunciadas são de 3.7... o que não é maravilhoso mas realista.
Epá consumos de 4,2l/100kms para um andar despreocupado são muito bons. clap
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)