#1

O Andar de Moto testou esta máquina e, tendo em conta que é possivelmente um dos reviews mais longos e elogiosos que li deles, parece que ficaram mesmo impressionados com esta besta:

https://www.andardemoto.pt/test-drives/4...m-limites/

Um dos pontos mais "curiosos" são as "asas" que esteticamente deixa a mota algo "feiota" mas que aparentemente têm uma função muito especifica e que à primeira vista não se imaginaria com tanto impacto na condução:

Citar:Bonitas ou feias... as asas funcionam?

Uma das características mais inovadoras da RSV4 1100 Factory é na realidade a utilização das asas, fixas nas carenagens laterais desta Aprilia. Fabricadas em fibra de carbono, estas asas não têm apenas uma função estética, e ao vivo conseguem passar bastante despercebidas contra a cor Atomico 6 da RSV4 1100 Factory, como também cumprem uma função aerodinâmica muito específica: criar peso na roda dianteira em aceleração e alta velocidade.

O angulo em que as asas estão colocadas foi desenvolvido, inicialmente, pela Aprilia Racing para usar no protótipo de MotoGP, a RS-GP, pilotada por Aleix Espargaró e Andrea Iannone. São muito parecidas com as da MotoGP, e de acordo com a marca italiana, a 230 km/h conseguem criar uma força descendente de 8 kg!

Mas será que isso se sente em condução? Se tivermos em conta uma utilização da RSV4 1100 Factory em pista, pois em estrada não podemos atingir essas velocidades, posso dizer que senti algum efeito que apenas posso relacionar com as novas asas aerodinâmicas. Em curvas de média e alta velocidade senti a frente da Aprilia mais estável, o suficiente para manter a frente na trajetória escolhida por mim sem me obrigar a efetuar correções com acelerador ou posição do corpo. Na travagem e aceleração confesso que não senti uma diferença assim tão grande, mas o piloto Tiago Magalhães, que também testou esta moto, refere que sente a frente claramente mais estável em aceleração quando comparada com a RSV4 RF, e também na travagem.

As asas, que podem ser removidas e estão disponíveis como opcional para a RSV4 RR, obrigando no entanto à instalação de carenagens laterais específicas, parecem funcionar, mas para conseguir ter uma melhor perceção dos seus efeitos aerodinâmicos teria de poder rodar com a RSV4 1100 Factory com, e sem as asas montadas, para poder sentir as diferenças. Talvez em breve seja possível ao Andar de Moto realizar esse trabalho.

E aquela Tuono... hearth baba

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#2

Atenção que não é uma RSV4 qualquer...
É a 1100 Factory. Basicamente o último espernear da Aprilia desde que sairam as V4 Panisgale.

Apesar daquelas arestas parecerem cortantes... está bem fofinha!
Dava-lhe uns beijinhos.

Tal como a Tuono.
Estas últimas gerações estão bem mais conseguidas que as primeiras baseadas na Mille, que pareciam uma versão acidentada da mesma.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#3

A Tuono está qualquer coisa de fantástico! Tirando aquele escape que se resolve facilmente...

Se eu não fosse preconceituoso relativamente à marca era uma das motas que considerava num futuro mais ou menos próximo para adicionar à garagem... mas tenho algum receio de investir 18 ou 19 mil € para passarem mais tempo na oficina que a andar...

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#4

Não tenho qualquer preconceito com a marca.
O problema é que se tivesse 18 ou 19k para estoirar em mais motos, certamente também não seria nessa que aplicaria...

Enviado do meu SM-G965F através do Tapatalk

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#5

S1000RR... está um míssil ainda mais completo.

Sem o "truque" de ter mais 100 cc.

[Imagem: 07._Camel_Profile%2C_near_Silverton%2C_N...7.2007.jpg]

Agradeço à Suzy Paula a grande homenagem realizada.
Responder
#6

A s1000rr apesar de ser um canhão ultra competente é uma espécie de saxo cup em duas rodas, prefiro a rsv4 de olhos fechados, até porque o inline 4 confunde-se com qualquer outro japonês, já o v4 é uma sinfonia linda.

Ia comentar, mas não tenho ar.

Assinatura
Responder
#7

(04-04-2019 às 20:50)Liquid_Fire Escreveu:  A s1000rr apesar de ser um canhão ultra competente é uma espécie de saxo cup em duas rodas, prefiro a rsv4 de olhos fechados, até porque o inline 4 confunde-se com qualquer outro japonês, já o v4 é uma sinfonia linda.

É verdade tudo o que acabas de dizer.

No entanto o V4 é uma receita recorrente....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#8

A S1000RR é interessante mas tornou-se a nova GSXR. Ou seja, a preferida do heroi lá do bairro para sacar cavalos em tshirt e chinelo.
Ainda não se vê por aí a nova a circular é certo.
Mas não deve faltar muito.
Logo também não deve faltar muito para começar a ser roubadas. E a serem utilizadas por malta de cap com pochete à tiracolo que posa para fotos sempre a fazer gestos estranhos com os dedos.

A RSV4 nem por isso...
A chungaria não pega nelas com medo de problemas e falta de peças.
Portanto ideal para quem tal como eu esquece-se por vezes da chave no canhão, ou ainda mais frequentemente na fechadura do banco.
A probabilidade de regressar à moto e chave ainda lá estar é quase 100%.

Entretanto vou deitar abaixo mais uma garrafa de dona vitoria.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#9

(04-04-2019 às 21:30)dfelix Escreveu:  Logo também não deve faltar muito para começar a ser roubadas. E a serem utilizadas por malta de cap com pochete à tiracolo que posa para fotos sempre a fazer gestos estranhos com os dedos.

Tipo isto?

[Imagem: 1810966386_2a16b7e56f_b.jpg]

[Imagem: f800r_long.jpg?raw=1]
Suzuki GSX1300R * BMW F800R * ex-Kawasaki ZZR 1100 * ex-Honda Hornet 600 * ex-Honda CBF 125 * ex-Yamaha DT 50 LC (x2)
Responder
#10

Exacto.
Até na concentração de melanina.
Falta só a pochete à tiracolo.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)