Qual o melhor óleo?
#11

(17-08-2018 às 15:48)Velasquez87 Escreveu:  
(17-08-2018 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  O melhor óleo? Aquele que cumpre as especificações do fabricante e que é mudado nos intervalos de manutenção recomendados.

O resto é marketing!

Concordo mas só em parte.

Como explicas as diferenças de valores obtidos nos diversos testes de desgaste?

Não é tão Linear assim Carlos...

Não analisei a tabela... porque não acho que seja assim tão relevante do ponto de vista em como estás a colocar a questão.

Porque esta questão vejo-a simplesmente deste modo... respeitando as especificações do fabricante e os respectivos intervalos de manutenção, nunca danifiquei ou gripei nenhum motor, nem conheço alguém que o tivesse feito, independentemente da marca de óleo usada.

Por norma, as anomalias mecânicas surgidas à conta do lubrificante, são precisamente por não terem sido seguidas as recomendações do fabricante, descurarem a manutenção ou não haver um controlo de níveis (no caso das bebedoras de óleo) e eventualmente uma avaria no sistema / bomba de lubrificação.

Ou seja, começamos a pecar por cair na redundância do excesso. Ou seja, queres o "óptimo", quando o "bom" cumpre na íntegra e na perfeição, para o uso que vais dar.

E nem vou discutir certas marcas que fabricam para outras, em regime OEM (caso dos lubrificantes "oficiais" de certas marcas de motos)... ou contratos de fornecimento celebrados entre construtores e petrolíferas... E nem sequer a maior ou menor adequabilidade de certos lubrificantes, consoante um uso mais específico pretendido (um pouco aquilo que o Félix já falou).

Em tudo, costumo seguir aquela forma de pensar, de que não há nada que tenha só vantagens... porque dado produto para ser o "melhor" numa característica, tem de ter inconvenientes em muitas outras. E isso vemos em relação a pneus, pastilhas, filtros, combustível, etc... e a coisa acaba naturalmente por se estender também ao universo dos lubrificantes.

Por isso acabo a achar que é marketing... todas elas apregoam que têm o melhor, o mais eficiente, o mais durável, o mais protector, o menos poluidor, etc... E depois os testes acabam por pecar também por algum tendenciosismo, sempre.

Como tal, respeito o que a marca recomenda, trato de ser minimamente pontual nos intervalos de manutenção, usar filtros originais ou de qualidade equivalente... e de modo regular, vou verificando níveis.
E os motores vão durando.... durando... durando... smile

(17-08-2018 às 22:00)vindaloo Escreveu:  Motas que no manual especificam MA. De 2005 a 2011 aparecem muitas, mesmo tendo catalizador.

Que óleo preferem? MA ou MA2?

Ah pois... wtf

[Imagem: 6YO8oY6.jpg]

O que vale é que por norma, na maior parte das oficinas dignas desse nome (não inclui "sapateiros" de esquina que mexem em motos), já só usam Jaso MA2.
Quando és tu a comprar e a mudar... se tiveres um conversor catalítico, claro que deverás comprar MA2.
Mas face à quantidade de pessoal a mudar escapes e a retirar catalisadores, acaba depois a ser uma não questão.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#12

(18-08-2018 às 13:56)carlos-kb Escreveu:  
(17-08-2018 às 15:48)Velasquez87 Escreveu:  
(17-08-2018 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  O melhor óleo? Aquele que cumpre as especificações do fabricante e que é mudado nos intervalos de manutenção recomendados.

O resto é marketing!

Concordo mas só em parte.

Como explicas as diferenças de valores obtidos nos diversos testes de desgaste?

Não é tão Linear assim Carlos...

Não analisei a tabela... porque não acho que seja assim tão relevante do ponto de vista em como estás a colocar a questão.

1-
Porque esta questão vejo-a simplesmente deste modo... respeitando as especificações do fabricante e os respectivos intervalos de manutenção, nunca danifiquei ou gripei nenhum motor, nem conheço alguém que o tivesse feito, independentemente da marca de óleo usada.


Por norma, as anomalias mecânicas surgidas à conta do lubrificante, são precisamente por não terem sido seguidas as recomendações do fabricante, descurarem a manutenção ou não haver um controlo de níveis (no caso das bebedoras de óleo) e eventualmente uma avaria no sistema / bomba de lubrificação.

Ou seja, começamos a pecar por cair na redundância do excesso. Ou seja, queres o "óptimo", quando o "bom" cumpre na íntegra e na perfeição, para o uso que vais dar.

2-
E nem vou discutir certas marcas que fabricam para outras, em regime OEM (caso dos lubrificantes "oficiais" de certas marcas de motos)... ou contratos de fornecimento celebrados entre construtores e petrolíferas... E nem sequer a maior ou menor adequabilidade de certos lubrificantes, consoante um uso mais específico pretendido (um pouco aquilo que o Félix já falou).

3-
Em tudo, costumo seguir aquela forma de pensar, de que não há nada que tenha só vantagens... porque dado produto para ser o "melhor" numa característica, tem de ter inconvenientes em muitas outras. E isso vemos em relação a pneus, pastilhas, filtros, combustível, etc... e a coisa acaba naturalmente por se estender também ao universo dos lubrificantes.

Por isso acabo a achar que é marketing... todas elas apregoam que têm o melhor, o mais eficiente, o mais durável, o mais protector, o menos poluidor, etc... E depois os testes acabam por pecar também por algum tendenciosismo, sempre.


Como tal, respeito o que a marca recomenda, trato de ser minimamente pontual nos intervalos de manutenção, usar filtros originais ou de qualidade equivalente... e de modo regular, vou verificando níveis.
E os motores vão durando.... durando... durando... smile

Então fazendo uma analogia bastante simples...

Tens mais um indicador relevante ou não (depende da prespectiva do utilizador), da mesma forma que tens indicadores relevantes em tudo o que adquires. Uma TV, um telemóvel, um computador, carros, pneus...etc etc este é mais um...

1- Conheces alguém que tenha gripado motores por usar uma especificação diferente? 
Isso é fora de contexto Carlos. Não estamos a abordar isso.
Não estamos a debater se no verão usamos 10-50 ou no inverno 10-40...

Estamos a falar de um indicador (relevante ou não, dependendo da prespectiva de cada um) que não existia até agora...pelo menos de acesso ao público, que garante a informação de desgaste que cada marca e modelo de óleo tem a 0 e a 100 graus, durante x minutos em funcionamento.

Se me disseres que não fazes tantos KMS quanto consideras que um óleo de excelência poderá ser relevante eu acredito. 
Afinal de contas, para muitos (infelizmente) uma mota com 50000kms é velha e por norma troca.se. realmente não dá para ver os efeitos de um óleo banal vs um óleo considerado topo de gama.

2-nao estamos a discutir yamahalube vs putoline (Honda), mais uma vez considero fora de contexto, pois não tem qualquer relevância dentro do tema inicial...

3-
Vamos mudar o prisma, (de acordo com o que revela a tabela..) se tivesses acesso a informação do desgaste (1000kms, 5000kms...) de todos os pneus, não considerarias relevante?
 Ou a forma como ele se desgasta a uma dada temperatura durante um espaço de tempo? 
Pois, é o mesmo que a tabela revela...mas a ver com lubrificante.

Porque todos os comparativos não revelam o envelhecimento do pneu...
algo que perguntamos sempre quando estamos interessados num pneumático e se alguém tem: "olha lá, quantos KMS durou isso?"

Não deixa de ter a sua importância.

Velasquez87
Responder
#13

Isto dos lubrificantes tem muito que se lhe diga...

Cumpro o que o fabricante diz... Até porque eles não indicam marca de lubrificante... Usei anos a fio Castrol... Agora, há uns 7 ou 8 anos que uso ENI, antes chamava-se AGIP.

Não uso 100% sintético, uso sempre semi-sintetico.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#14

(18-08-2018 às 13:56)carlos-kb Escreveu:  
(17-08-2018 às 15:48)Velasquez87 Escreveu:  
(17-08-2018 às 15:34)carlos-kb Escreveu:  O melhor óleo? Aquele que cumpre as especificações do fabricante e que é mudado nos intervalos de manutenção recomendados.

O resto é marketing!

Concordo mas só em parte.

Como explicas as diferenças de valores obtidos nos diversos testes de desgaste?

Não é tão Linear assim Carlos...

Não analisei a tabela... porque não acho que seja assim tão relevante do ponto de vista em como estás a colocar a questão.

Porque esta questão vejo-a simplesmente deste modo... respeitando as especificações do fabricante e os respectivos intervalos de manutenção, nunca danifiquei ou gripei nenhum motor, nem conheço alguém que o tivesse feito, independentemente da marca de óleo usada.

Por norma, as anomalias mecânicas surgidas à conta do lubrificante, são precisamente por não terem sido seguidas as recomendações do fabricante, descurarem a manutenção ou não haver um controlo de níveis (no caso das bebedoras de óleo) e eventualmente uma avaria no sistema / bomba de lubrificação.

Ou seja, começamos a pecar por cair na redundância do excesso. Ou seja, queres o "óptimo", quando o "bom" cumpre na íntegra e na perfeição, para o uso que vais dar.

E nem vou discutir certas marcas que fabricam para outras, em regime OEM (caso dos lubrificantes "oficiais" de certas marcas de motos)... ou contratos de fornecimento celebrados entre construtores e petrolíferas... E nem sequer a maior ou menor adequabilidade de certos lubrificantes, consoante um uso mais específico pretendido (um pouco aquilo que o Félix já falou).

Em tudo, costumo seguir aquela forma de pensar, de que não há nada que tenha só vantagens... porque dado produto para ser o "melhor" numa característica, tem de ter inconvenientes em muitas outras. E isso vemos em relação a pneus, pastilhas, filtros, combustível, etc... e a coisa acaba naturalmente por se estender também ao universo dos lubrificantes.

Por isso acabo a achar que é marketing... todas elas apregoam que têm o melhor, o mais eficiente, o mais durável, o mais protector, o menos poluidor, etc... E depois os testes acabam por pecar também por algum tendenciosismo, sempre.

Como tal, respeito o que a marca recomenda, trato de ser minimamente pontual nos intervalos de manutenção, usar filtros originais ou de qualidade equivalente... e de modo regular, vou verificando níveis.
E os motores vão durando.... durando... durando... smile

(17-08-2018 às 22:00)vindaloo Escreveu:  Motas que no manual especificam MA. De 2005 a 2011 aparecem muitas, mesmo tendo catalizador.

Que óleo preferem? MA ou MA2?

Ah pois... wtf

[Imagem: 6YO8oY6.jpg]

O que vale é que por norma, na maior parte das oficinas dignas desse nome (não inclui "sapateiros" de esquina que mexem em motos), já só usam Jaso MA2.
Quando és tu a comprar e a mudar... se tiveres um conversor catalítico, claro que deverás comprar MA2.
Mas face à quantidade de pessoal a mudar escapes e a retirar catalisadores, acaba depois a ser uma não questão.
Carlos desculpa que te diga, mas é preciso andares à procura de um óleo para encontrares um que não respeite. Os óleos das marcas mais conhecidas respeitam todos os mínimos das marcas. É preciso ter um Q.I. de 30 para comprar um óleo que não cumpra.
Agora claro que existem diferenças nos óleos, e os melhores claro que comprometem em algum componente... no PREÇO.
O mesmo acontece em tudo na vida, só não há mota/Tlm/câmera perfeita porque há sempre um valor a cumprir.
Claro que um óleo que custa mais 5€/lt tem a capacidade para ser melhor que outro que não, tem mais margem para o ser.


Enviado do meu SM-G935F através do Tapatalk

V
Responder
#15

(18-08-2018 às 17:33)pedromt07 Escreveu:  Carlos desculpa que te diga, mas é preciso andares à procura de um óleo para encontrares um que não respeite. Os óleos das marcas mais conhecidas respeitam todos os mínimos das marcas.

Verdade.
A maioria sugere certificações do estilo "SG ou superior"... sendo o SG uma classificação do final dos anos 80.

(18-08-2018 às 17:33)pedromt07 Escreveu:  Claro que um óleo que custa mais 5€/lt tem a capacidade para ser melhor que outro que não, tem mais margem para o ser.

Isso já pode não ser bem assim...
Se um hipermercado comercializa um lubrificante que na sua ficha técnica indique classificações identicas á um mais caro... aí a diferença de preço poderá ser mesmo marketing.
Responder
#16

(19-08-2018 às 01:39)dfelix Escreveu:  
(18-08-2018 às 17:33)pedromt07 Escreveu:  Claro que um óleo que custa mais 5€/lt tem a capacidade para ser melhor que outro que não, tem mais margem para o ser.

Isso já pode não ser bem assim...
Se um hipermercado comercializa um lubrificante que na sua ficha técnica indique classificações identicas á um mais caro... aí a diferença de preço poderá ser mesmo marketing.

Sim isso é verdade, não é tão linear como eu disse.
Mas por exemplo, o Motul 7100 e o Castrol Power 1 Racing, são óleos competitivos mas com um pequena diferença de preços e de especificações. É mais nestes casos que falo.
Responder
#17

Eu acho que estamos todos de acordo no que se refere aos requesitos mínimos das marcas certo!?

Uma vez cumpridos os requesitos mínimos acho que é um pouco ao gosto do freguês o óleo que se põe.
É óbvio que se deveria ter em atenção o uso que lhe vai dar ao animal, assim como o ano de fabrico do motor.

Estar dentro do mercado dos lubrificantes é algo difícil de conseguir e saber as diferenças exactas entre todo uma tarefa que requer estudo e conhecimento da área.

Pessoalmente trato de lubrificar as minhas motas com um óleo sintético de gama media alta.
No caso da Maria das Curvas, que passa mais tempo parada, ando à procura de um óleo que tenha propriedades de lubrificação que beneficiem os períodos de paragem prolongados! (quem diria que chegaria a escrever isto)

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#18

(19-08-2018 às 04:40)pedromt07 Escreveu:  Mas por exemplo, o Motul 7100 e o Castrol Power 1 Racing, são óleos competitivos mas com um pequena diferença de preços e de especificações.

A Castrol é um excelente exemplo de marca tão forte do ponto de vista de branding... que o Power 1 Racing (API SL) é colocado na mesma linha de comparação que o 7100 (API SN).

Olhando novamente para o [Imagem: topico-qual-o-melhor-oleo] que deixei lá atrás, o SN garante à partida melhor eficiência na prevenção do desgaste das válvulas, menos depósitos de carvão, menor espessamento por oxidação, ...

(19-08-2018 às 18:29)LoneRider Escreveu:  Uma vez cumpridos os requesitos mínimos acho que é um pouco ao gosto do freguês o óleo que se põe.

Imagina que tens uma escala de 1 a 10.
E o fabricante indica que não deve ser abaixo de 5.
Obviamente não vais escolher um 3.
Mas escolher 5, 6, 7, 8, 9 ou 10... não é a mesma coisa!

Claro que é totalmente ao gosto do freguês a escolha.
Mas havendo a possibilidade de optar por uma classificação mais alta... porque não?

(19-08-2018 às 18:29)LoneRider Escreveu:  Estar dentro do mercado dos lubrificantes é algo difícil de conseguir e saber as diferenças exactas entre todo uma tarefa que requer estudo e conhecimento da área.

Estar dentro do assunto é complicado pois temos acesso a pouca informação...
Mas, a classificação API é um bom ponto de partida.
Está escrito no rótulo.

(19-08-2018 às 18:29)LoneRider Escreveu:  No caso da Maria das Curvas, que passa mais tempo parada, ando à procura de um óleo que tenha propriedades de lubrificação que beneficiem os períodos de paragem prolongados! (quem diria que chegaria a escrever isto)

Certamente o problema poderá ter a ver com a oxidação do lubrificante...
E nesse aspecto por exemplo, para obter uma classificação SN , terá que superar um SM ou inferior.
De qualquer forma, aquela revisão que praticamente todos os fabricantes indicam no manual que deve ser feita um ano após a última caso não se chegue ao intervalo... é capaz de ser boa ideia manter. smile
(nem que seja por causa do raio do papel do filtro decidir dissolver-se)
Responder
#19

Os testes que deram origem a essa tabela foram efetuados em carros? 

Mas uma extrapolação para as motas poderá ser feita.

Para a minha (VFR 800 X), as recomendações são:
- JASO (T 903): MA
- SAE: 10W-30
- API: SG ou superior.

No caso dos carros as marcas ainda podem ter uma referência própria e depois cada fabricante de óleo faz os seus óleos a responder a essa norma ou não.
Responder
#20

(30-08-2018 às 12:55)Macavenco Escreveu:  Os testes que deram origem a essa tabela foram efetuados em carros? 

Mas uma extrapolação para as motas poderá ser feita.

Para a minha (VFR 800 X), as recomendações são:
- JASO (T 903): MA
- SAE: 10W-30
- API: SG ou superior.

No caso dos carros as marcas ainda podem ter uma referência própria e depois cada fabricante de óleo faz os seus óleos a responder a essa norma ou não.

Quando postei a tabela, fi-lo com o conhecimento de alguns dos óleos postados e verificados...

Ninguém falou em lubrificantes para carros.

O motul 7100, o Castrol Racing, o Liqui Molly race 10w50...

São lubrificantes para Motociclos  smile

Velasquez87
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)