Primeira moto enduro opiniões
#1

Boa tarde pessoal.
Estou a ponderar comprar a minha primeira moto e a tentar identificar a melhor opção para mim.
Neste momento estou a fazer alguma pesquisa e comparativo acerca da Kawasaki KLX250 e Honda CRF250L.
A utilização da moto será para deslocação entre trabalho e casa (cerca de 15km diários no total), mas também para dar umas voltas pelo monte.
Fiz BTT durante alguns anos, que infelizmente tive de abandonar devido a uma lesão num dos tendões de Aquiles e queria agora voltar a fazer desporto de duas rodas na natureza.
A minha experiência com motos é muito pouca, andava de vez em quando quando era mais novo.
Pelo que pesquisei, a KLX250 aparenta ser de condução fácil e fácil adaptação, fiável e de manutenção barata e apesar de não ser das mais "nervosas" não deixa de ser divertida de conduzir.
A CRF encontra-se ao mesmo nível, no entanto num modo geral está uns degraus a baixo sendo a suspensão e amortecedor o ponto com mais força para a escolha da KLX.
Peço a opinião dos mais experientes em relação a esta moto e se possível indiquem alternativas.

Cumprimentos
Responder
#2

Não te vou poder ajudar muito, porque do universo "agrícola", não tenho grande conhecimento.

Epa.... mas existem aqui dois membros que recentemente se converteram às lides enduristas. Ambos iniciantes, um deles optou por uma Beta XTRainer 300:

https://motonliners.pt/topico-a-cabra-beta-xtrainer-300

O outro optou por uma bela "cabra do monte" portuguesa. Uma AJP PR5 Extreme (que seria mais ou menos a minha escolha, se tivesse que optar por algo para comer um pouco de pó e lama)

https://motonliners.pt/topico-ajp-pr5-extreme

Tendo estado eles mais ou menos na tua situação (nível iniciante), possivelmente o exemplo deles poderá ser-te útil. Mas eles de certeza que já aparecem por aí, para te dar mais umas dicas.

Depois tens aí um gajo que não vale nadinha, que como não sabe andar de mota em asfalto, tenta disfarçar no monte!!! Mas esse anda com uma "franga" CRF250L... e como gosta de levar gajos para o meio do mato e montar-se neles, ainda lhe deu um nome de homem.

https://motonliners.pt/topico-os-videos-de-artax

https://motonliners.pt/topico-artax-db

Que me lembre, são estes praticamente os únicos "agricultores" aqui do forúm....

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#3

(02-09-2018 às 20:24)carlos-kb Escreveu:  Não te vou poder ajudar muito, porque do universo "agrícola", não tenho grande conhecimento.

Epa.... mas existem aqui dois membros que recentemente se converteram às lides enduristas. Ambos iniciantes, um deles optou por uma Beta XTRainer 300:

https://motonliners.pt/topico-a-cabra-beta-xtrainer-300

O outro optou por uma bela "cabra do monte" portuguesa. Uma AJP PR5 Extreme (que seria mais ou menos a minha escolha, se tivesse que optar por algo para comer um pouco de pó e lama)

https://motonliners.pt/topico-ajp-pr5-extreme

Tendo estado eles mais ou menos na tua situação (nível iniciante), possivelmente o exemplo deles poderá ser-te útil. Mas eles de certeza que já aparecem por aí, para te dar mais umas dicas.

Depois tens aí um gajo que não vale nadinha, que como não sabe andar de mota em asfalto, tenta disfarçar no monte!!! Mas esse anda com uma "franga" CRF250L... e como gosta de levar gajos para o meio do mato e montar-se neles, ainda lhe deu um nome de homem.

https://motonliners.pt/topico-os-videos-de-artax

https://motonliners.pt/topico-artax-db

Que me lembre, são estes praticamente os únicos "agricultores" aqui do forúm....
lol 
Obrigado pela resposta Carlos!
As beta são sem duvida grandes máquinas, no entanto as 250 a 4T provavelmente estarão um pouco afastadas do meu orçamento.
As AJP já conhecia, não conheço no entanto em relação a fiabilidade.
Ambas são sem duvida mais pojantes que a KLX e a CRF, e poderão sem duvida ser algo a ponderar, visto que tanto na KLX como na CRF certamente terei de fazer modificações mais tarde para espremer mais sumo das bichas.
Vou esperar que a malta se pronuncie.

Este vicio pela lavoura como lhe chamas já vem de há uns aninhos e como prefiro o sabor da terra ao do alcatrão, lá terá de ser um bicho mais dado ao campo. smiletroll
Cumprimentos!
Responder
#4

Fábio pá, tendão de Aquiles é fodido!

Não sei se vais melhorar a coisa se andares a fazer monte com a mota.

Em termo de postura, salvo o movimento de pedalar, é em tudo muito parecido com o BTT.
Muito esforço de compressão na articulação do tornozelo, torcões e impactos.
Se saíres ao monte, aconselho-te umas boas botas de enduro ok!?

Cuidado com as brincadeiras de ir ali, que às vezes é nessas alturas que as gajas mordem....
Eu, por exemplo, estou convalescente porque a Artax me mordeu num dedo e quase me arranca a unha a sangue frio!
Se levasse botas isso não tinha acontecido, mas eu só ia ali e tal....

A Artax é uma CRF250L.
Se és um gajo do monte, mesmo sem conhecimento da técnica do enduro, está mota não te serve.
Boa parte da técnica, principalmente na área do posicionamento e anticipação já a tens na mente e isso vai-te dar um a vontade que rapidamente chegas aos limites da CRF250L.
A KLX só te dá um bocadinho mais de vantagem pelas afinações de precarga na dianteira, mas rapidamente vais querer mais.

Mas eu não me esqueci da tua nacessidade de mobilidade e, actualmente, no mercado, só existe uma mota capaz de te oferecer uma ciclistica pata negra, mas com a versatilidade de mota do dia a dia (mas tens que fazer muitas concessões).
Essa mota é a PR5 Extreme e o Nunes anda a arar com uma la pelo norte.
Ele que te diga alguma coisa, mas se ainda não fez uma fogueira com ela é porque deve andar contente (ou então cansado de andar aos trambolhões).

Se queres só uma dual comuter para passeios de exigencia media no monte a CRF250L é uma proposta muito fiável e competente.

Outra coisa importante.

No monte esquece os consumos.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#5

(02-09-2018 às 22:36)LoneRider Escreveu:  Mas eu não me esqueci da tua nacessidade de mobilidade e, actualmente, no mercado, só existe uma mota capaz de te oferecer uma ciclistica pata negra, mas com a versatilidade de mota do dia a dia (mas tens que fazer muitas concessões).
Essa mota é a PR5 Extreme e o Nunes anda a arar com uma la pelo norte.
Ele que te diga alguma coisa, mas se ainda não fez uma fogueira com ela é porque deve andar contente (ou então cansado de andar aos trambolhões).

Se queres só uma dual comuter para passeios de exigencia media no monte a CRF250L é uma proposta muito fiável e competente.

O LoneRider já tocou em alguns pontos nisto de ter uma mota única com as especificidades de andar no monte e a versatilidade de mota do dia a dia.

Concordo com o ponto de vista dele, mas na utilização do monte, tenho uma opinião um pouco mais extrema.
Eu não acho que exista um qualquer modelo de uma mota interessante no monte (que se compare às patas negras puras) e simultaneamente usável no dia a dia.
As concessões ou limitações que o Rui refere são mesmo reais.
Para andar no dia a dia, o depósito da mota de monte é minúsculo (a primeira e única vez que a levei para o trabalho fiquei sem gasolina), o banco é estupidamente duro (no monte andamos quase sempre de pé e é mais importante o "grip" do banco), os pneus bons para os ribeiros se forem usados no alcatrão desaparecem (levo a mota para o monte no reboque em vez de ir a rolar), as pressões dos pneus são completamente diferentes e já nem falo de usar "tubliss" ou "mousses" para uma utilização mais empenhada no monte. Os intervalos das revisões são curtos e o desgaste no dia a dia é um desperdício (e eu nem me posso queixar muito - a PR5 é a 4 tempos).

Não consigo recomendar uma PR5 extreme para o dia a dia.

Tal como diz o Rui, a CRF250L, como dual-comuter, acredito que seja uma opção mais acertada.
Responder
#6

(02-09-2018 às 22:17)Fábio Martins Escreveu:  As AJP já conhecia, não conheço no entanto em relação a fiabilidade.
Na fiabilidade ainda não tenho nada negativo a apontar mas também ainda nem sequer acabei a rodagem da mota. Saí com ela umas 8 a 10 vezes para o monte.

(02-09-2018 às 22:17)Fábio Martins Escreveu:  Este vicio pela lavoura como lhe chamas já vem de há uns aninhos e como prefiro o sabor da terra ao do alcatrão, lá terá de ser um bicho mais dado ao campo. smiletroll
Cumprimentos!
O que me tenho apercebido é que há vários tipos de "campo".

Quando saía com a moto4 e das primeiras vezes com a AJP, achava que os "estradões" abertos, com areia ou terra, com pequenos saltos em que a mota andava sempre a zigezaguear em aceleração é que eram fixes. Os pequenos saltos em "velocidade" tinham a sua piada. Eram os trilhos onde andava normalmente de bicicleta de monte. Aqui uma CRF250L ou até uma XT com pneus dual dá perfeitamente.

Depois, o pessoal regular, começa a levar-me para sítios onde eu pensava que era impossível passar. Aquelas subidas que passas ao lado de bicicleta e pensas:"É preciso ser muito maluco para pensar que é possível subir isto!". As primeiras vezes a medo (bem... ainda agora...), outras vezes iludido com uma confiança de que "se ele subiu é porque é possível", até começas a tentar e ganhas confiança para ir tentando e das vezes seguintes até quase que achas fácil. Aqui, e dependendo obviamente das inclinações, da tracção no terreno, e do teu nível de confiança, uma CRF250L ainda dá, mas as limitações já são evidentes. Se andas com a tua dual-purpose à experimentas uma cabra de monte pura percebes logo as limitações.

Depois tens aqueles casos em que tu não sabes bem como é que te meteste naquilo e nao fazes ideia como é que vais sair. Ribeiros onde não há tracção, encostas empedradas ou com pedra solta onde se páras... garantidamente tens de recomeçar lá de baixo, degraus a pique que tens de passar "embalado"... Sítios onde tens dificuldade em segurares-te em pé quanto mais junto com a mota. Aí esquece... só uma pata negra é que te consegue ajudar.

São esses diferentes níveis de "campo" ou trilhos que condicionam a escolha da mota. Uma dual-purpose pode dar e ser suficiente ou pode ser totalmente desaconselhada.
Responder
#7

Utilização em TT?
Que tipo de TT?
Estradões?
Areia?
Pedra?
Barro ou lama?
Se não for em estradões, qualquer uma dessas motas pouco vale.
Nunca andes no mato sozinho.
Como deves andar acompanhado e o resto do pessoal anda melhor montado, depressa te vais arrepender se comprares qualquer uma delas.
Para começar a andar no mato, uma 125 2T talvez fosse o mais aconselhado. São fiáveis e a manutenção é barata, mas tem de se andar sempre em "cima" delas.

Ex: GS 500 E de 92
     Cbr 600 F de 96
     Cbr 600 F de 97
     RM 250 de 95
     YZ 450 F de 2004
     SX 250 de 2004
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)