[Primeira mota] Chegou a hora...

(24-06-2017 às 10:19)n00b1e Escreveu:  
(23-06-2017 às 23:22)jpsimoes Escreveu:  De qualquer modo, por uma diferença de 1000 €  ou até 1500 € também acho que não faz sentido comprar usado. Mas compreendo quem o faz!

E vai mais um para esta equipa.  blink

É exactamente por este mesmo motivo que hoje tenho uma mota completamente diferente daquela que tinha em mente ao tirar a carta.

Porque enquanto magicava se deveria ou não avançar para a carta e durante aquelas semanas em que andei por aí a praticar os "oitos" com o "anexo" do carro lá atrás a melgar-me a paciência via intercom eu só tinha uma e apenas uma única mota em vista. Uma BMW F800GS. Que a meu ver, e dada a falta nessa altura de alternativas viáveis dentro deste segmento (pré-África Twin, pré-KTM 1050 Adventure, pré-Tracer 900, etc), seria a mota ideal para o tipo de utilização que lhe pensava dar. Ou seja era uma mota suficientemente "maneirinha" para a cidade onde passo 90% do tempo mas ao mesmo tempo versátil q.b. para umas possíveis tiradas mais longas.

E como nunca me passou pela cabeça o comprar a mota antes de ter a carta na mão deixei correr o tempo antes de passar à fase seguinte, o da consulta ao mercado. E assim qual não foi a minha surpresa quando, chegada a altura, descobri esse fantástico fenomeno da quase equivalência de certos modelos de motas ao vinho. Que quanto mais velhas e usadas ficam mais caras se tornam.  wtf

E assim, depois de algumas buscas e telefonemas, a opção tornou-se clara. Porque as diferenças entre o valor das novas zero quilómetros e usadas, normalmente já com umas boas dezenas de milhares de quilómetros em cima, eram quase irrisórias em proporção e a ideia de comprar uma mota nova como primeira mota era para mim inconcebível, não me restou outra alternativa que não o alargar a pesquisa incluindo outros segmentos até então fora de contexto.  disapointed

E assim lá acabei por me centrar nas nakeds, ou mais concretamente nas "super-nakeds", que curiosamente na altura e ao contrario do que se começa a passar hoje, "sofriam" exactamente do mal oposto ás "adventure". Ou seja, desvalorizavam brutalmente quase logo à saída do stand.  O_O  O_O

E foi assim que arranjei mais um valente "sarilho". lol

Porque adoro a minha "mariazinha" que é uma maquina super divertida para a cidade, arredores, e um ou outro "tirinho" mais longo. Mas demasiado limitada para viagens um pouco mais ambiciosas.
Ou seja deixa-me totalmente fora de alguma vez pensar sequer em alinhar numa RIM mas até se safa mais ou menos bem num qq N/S desde que depois me sobre tempo para passar um ou dois dias praticamente "em coma auto-induzido" até me conseguir voltar a mexer sem recitar todos os 23 capítulos do Grande Dicionário de Vernáculo Português a cada passo.  blink

E disse...


blink

Um bom post, de contextualizaçao em que para andar de mota... basta querer andar de mota!

Só não concordo com a 'mariazinha' não poder fazer uma RIM.

A minha Z embora um pouco inferior à rua, não é muito diferente em conceito.

Este género de mota, enquadra-se perfeitamente numa RIM.

Sinto até que são as motas que fazem mais sentido numa RIM pois a condução é simples e são ágeis em qualquer contexto.

São fáceis estacionar, inverter, estradas apertadinhas e dão menos luta que a maioria das estradistas.

É também uma mota prática e descomplicada.

Temos apenas a carga que normalmente arranja-se solução com elásticos ou se quiseres perpetuar a minha tradição: 'cravar alguém para levar'

Eu acho é que são curtas quando se perspectiva longas distâncias, mas os 400km diarios sem pisar AE são o ângulo perfeito e como tal perfeitamente enquadradas numa volta como a RIM ou outra semelhante.

Arrisca


Responder

(24-06-2017 às 11:53)vindaloo Escreveu:  Um bom post, de contextualizaçao em que para andar de mota... basta querer andar de mota!

Só não concordo com a 'mariazinha' não poder fazer uma RIM.

A minha Z embora um pouco inferior à rua, não é muito diferente em conceito.

Este género de mota, enquadra-se perfeitamente numa RIM.

Sinto até que são as motas que fazem mais sentido numa RIM pois a condução é simples e são ágeis em qualquer contexto.

São fáceis estacionar, inverter, estradas apertadinhas e dão menos luta que a maioria das estradistas.

É também uma mota prática e descomplicada.

Temos apenas a carga que normalmente arranja-se solução com elásticos ou se quiseres perpetuar a minha tradição: 'cravar alguém para levar'

Eu acho é que são curtas quando se perspectiva longas distâncias, mas os 400km diarios sem pisar AE são o ângulo perfeito e como tal perfeitamente enquadradas numa volta como a RIM ou outra semelhante.

Arrisca

Acredita se quiseres mas quando estava a escrever o post estava a lembrar-me do teu exemplo. E tens toda a razão no que dizes. A mota é fantástica para o tipo de volta que é a RIM. Com pouca AE, vias-rápidas, etc., e muitas curvas, contra curvas e contra-contra curvas.  nice  Por todas as razões que apontas e mais algumas.  blink

Mas... (Já cá faltava a "porra" do "mas...")   devil  lol  blink

O "problema" aqui é que a mota não vai "sozinha".... É suposto levar-me com ela... E aí é que a porca torce o "proverbial" rabo...  angel

É que convém não esquecer que eu conto com mais uns bons aninhos de "uso intensivo" do que tu. E embora aqui a velha carola tenda a por vezes fazer-se de esquecida quanto a esse facto inultrapassável logo a velha carcaça me traz de volta ao mundo real. Onde a idade não perdoa, mesmo!... blink
Acrescentando a isto ainda o "pequeno" pormenor de eu ter 1,83m esta combinação resulta em que eu normalmente deixo de saber onde "guardar" as pernas por volta dos 250/300 kms. Porque à medida que o cansaço se vai acumulando as dores no corpo e sobretudo nas pernas e, pior ainda, as câimbras logo que aparecem, e aparecem sempre, já não me largam.  redeye

Ora se tudo isto é mais ou menos suportável por um dia, desde que depois tenha algum tempo para recuperação, tal não é de todo compatível com os moldes habituais das RIM que implicam vários dias seguidos a este ritmo. O que não seria bom para ninguém.

Não o seria para mim porque o que deveria ser um prazer rapidamente se tornaria num sacrifício. E não seria bom para os restantes companheiros de viagem já que teriam que passar a utilizar o plural de cada vez que fizessem a pergunta "RIM - Trade Mark" do "quem é que falta?"  blink


V

[Imagem: wrong-bike.jpg]
Responder

Eu tenho 1,82 e também sinto falta espaço para as pernas, e é a maior dificuldade que os kms tambem de trazem.

Mas o ''mas...'' tambem pode ser bom:

aprecio a vantagem de conseguir parar e pôr os dois pés no chão, acaba por ser um 'relax' enorme em muitas circunstâncias com que paras a mota que te deparas no dia a dia ou viagem.

Combato com rolar com as pernas nos cogumelos, esticar de tempos a tempos rolando de pé na mota e numa RIM (exemplo) nunca se fazem muitos km seguidos.

A mim em viagem mata-me mais o deitar tarde e cedo erguer dias a fio, muitas vezes junto com suores de figado em sobrecarga da noite anterior...

Não a mota.

Mas como já o escrevi há pouco tempo, entendo que o cansaço físico se gere bem em viagem.

Volto a sugerir: arrisca

A calma do 2o dia, é inferior ao do 1o, do 3o inferior ao 2o e assim sucessivamente... é cada vez melhor!


Responder

PS: ha muita gente velhota no fórum, mas tenho a certeza que não pertences a esse grupo


Responder

(24-06-2017 às 14:22)vindaloo Escreveu:  PS: ha muita gente velhota no fórum, mas tenho a certeza que não pertences a esse grupo

O Zé? Tem 458 anos pá

De espírito uns...




















984
Responder

(24-06-2017 às 11:31)jpsimoes Escreveu:  
(24-06-2017 às 04:09)LoneRider Escreveu:  O que não faz qualquer sentido é estar a comprar  Yamaha!
Nem novo, nem usado!

Estes gajos das asinhas de frango enquanto não virem a Luz não aprendem! Lol

thumbsup lol

Velasquez87
Responder

(24-06-2017 às 11:53)vindaloo Escreveu:  Temos apenas a carga que normalmente arranja-se solução com elásticos ou se quiseres perpetuar a minha tradição: 'cravar alguém para levar'

Epá... que tótós esses gajos que te dão essas abébias...
Responder

(24-06-2017 às 18:11)marco.clara Escreveu:  
(24-06-2017 às 11:53)vindaloo Escreveu:  Temos apenas a carga que normalmente arranja-se solução com elásticos ou se quiseres perpetuar a minha tradição: 'cravar alguém para levar'

Epá... que tótós esses gajos que te dão essas abébias...

E eu conheço alguns...

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder

Acho que a grande maioria da equipa mais regular, ja levou qualquer coisinha minha...

Mas nas RIMs, tenho tido o cuidado de distribuir o 'mal pelas aldeias', o LWillow levou-me o forro, o Lone um saco, O Michel um saco impermeavel com carregadores e electronicas... o Marco nao e excepcao ja que me levou a mochila durante dias...

Obrigado a todos! bigsmile


Responder

(24-06-2017 às 18:48)vindaloo Escreveu:  Obrigado a todos! bigsmile

A malta só te atura porque depois pagas em gomas.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 3 Visitante(s)