Norton: Será o Fim da Marca?
#1

Será o fim...? sad

Citar:Norton Motorcycles has entered administration, bringing a potential final chapter to one of Britain's oldest and most iconic nameplates

[Imagem: Norton%20Superlight%20SS.jpg?itok=RGia-1Ip]

British manufacturer Norton Motorcycles is confirmed to have entered administration, marking the potentially the final chapter for the historic firm.

The company, which can trace its origins back 122 years, has gone through numerous owners over the decades with its most recent acquisition coming in 2015 by entrepreneur Stuart Garner, who vowed to return the marque to its former glories.

However, after it emerged Norton was facing a wind-up order from the HMRC over unpaid taxes totalling around £300,000, the future of the brand appeared precarious.

With Garner and Norton’s channels going quiet over the last couple of weeks, the worst fears have been confirmed with the news that BDO, an accounting group, have been appointed at administrator to Norton Motorcycle Holdings, plus two other businesses owned by Garner Donington Hall Estates and Priest House Hotel.

“Our job is to determine and execute the most appropriate strategy as swiftly as possible to protect creditors’ interests, bearing in mind the need to minimise distress for all parties,” Lee Causer, a partner at BDO, told the Guardian.



“We are currently assessing the position of each of the companies in order to conclude upon the options available to them and the most appropriate way forward.”

Trouble has been brewing at Norton for some time after last published set of accounts for the year-end March 31 2018 revealed pre-tax profits of just £33,701 and liabilities to the tune of £3,384,200, raising concerns that “[Norton is] dependent on the future financial support of its bankers and its creditors … a material uncertainty exists that may cast significant doubt on the company’s ability to continue as a going concern.”

Despite this, Norton has forged on with new editions of its model range, including the Norton Superlight SS launched at Motorcycle Live as recently as November, while it had planned to retain a hand in the Isle of Man TT Superlight class this year with Smiths Racing and Peter Hickman.

However, it emerged earlier this month that John McGuinness – who competed on the TT with Norton in 2019 – had been having trouble contacting Garner over unpaid salary.

Fonte: Visordown
Responder
#2

Nem sempre começar a andar de mãos dadas com os chineses, pode ser sinónimo de salvação.

[Imagem: QKmafvp.png]
Responder
#3

(01-02-2020 às 13:29)carlos-kb Escreveu:  Nem sempre começar a andar de mãos dadas com os chineses, pode ser sinónimo de salvação.

E a Triumph com a Bajaj... wtf
Responder
#4

Não há comparação possível entre a Triumph e a Norton.
OK...
Ambas representam os dourados em que os ingleses dominaram a industria do motociclismo.
Ambas afundaram quando os japoneses copiaram os seus produtos, mas produziam-nos com qualidade.

Só que...
O ressurgimento de ambas é completamente diferente!

A Triumph renasce pelas mãos de um construtor civil sem grande paixão pelo motociclismo mas enorme vontade de fazer dinheiro.
A Norton renasce pelas mãos dum empreendedor com enorme paixão pelo motociclismo, mas sem grande vontade de fazer dinheiro.

Na Triumph não se ficaram por bonevilles e outros modelos carismáticos.
Antes pelo contrário. Apostaram em produtos para os mesmos segmentos que vendiam na época.
Daí uma TT600 que era uma autêntica CBR600F até nas cores!
Apostaram em métodos de produção modular com o objectivo de partilhar componentes e reduzir custos. Nomeadamente um tetracilindrico 1200cc que com menos um cilindro ficava um tricilíndrico 900cc.
E aquilo que pretendia ser uma solução de compromisso com custos acabou por se tornar na motorização carismática da marca.
Duas décadas depois do renascimento tinham um catálogo com uma oferta de produtos muito decentes e competitivos.
E nunca pararam.
É dos poucos construtores que no presente se dedica exclusivamente aquilo que produz sem depender de terceiros.

Na Norton nunca fizeram grande coisa.
A 961 Commando é um "projecto de garagem" concebido por um americano que deteve a marca mas sem meios para produzir alguma coisa.
No que diz respeito a produtos "originais" durante uma década pouco mais fizeram que tentar reproduzir este modelo e várias derivações.
Perderam-se com alguns devaneios tais como o regresso da NRV588 (que deviam lá andar peças em caixas) que nem podia ser homologada.
E uma desportiva baseada na Aprilia RSV4.
Só que um construtor de motos para sobreviver tem de vender. E os únicos produtos destinados ao mundo real só surgiram com o motor da Zongshen provavelmente tarde demais.
Tivessem apostado numa rede de distribuição básica ao invés de perder tempo em motos que ninguém compra, talvez o resultado fosse outro.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#5

Estão safos...

https://www.andardemoto.pt/moto-news/486...vs-motors/ 

Não foram os chinocas, mas sim os Indianos, e pelos visto já tem planos para aplicar o motor de 650cc desenvolvidos em casa da Norton, em outros mercados e marcas de motos.
Responder
#6

(20-04-2020 às 12:35)Malvo Escreveu:  Estão safos...

https://www.andardemoto.pt/moto-news/486...vs-motors/ 

Não foram os chinocas, mas sim os Indianos, e pelos visto já tem planos para aplicar o motor de 650cc desenvolvidos em casa da Norton, em outros mercados e marcas de motos.

TVS? A seguir às 310, querem lá ver que vamos ter o regresso da BMW às 650cc???!!! think

[Imagem: QKmafvp.png]
Responder
#7

O grande problema deste ressurgimento da Norton foi sempre falta de capacidade de produzir e vender.
Comprar a marca e limpar a dívida pode não ser o suficiente.
Colocar as fábricas a produzir e escoar o produto globalmente talvez fosse o essencial.
think


E os indianos costumam ser bons nisso.
Vamos ver.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#8

(20-04-2020 às 18:22)dfelix Escreveu:  O grande problema deste ressurgimento da Norton foi sempre falta de capacidade de produzir e vender.
Comprar a marca e limpar a dívida pode não ser o suficiente.
Colocar as fábricas a produzir e escoar o produto globalmente talvez fosse o essencial.
think


E os indianos costumam ser bons nisso.
Vamos ver.

Vamos ver, acho que prioridade deles por agora (como acabaste de dizer) será por tudo a funcionar, e tratar de "abastecer" quem já pagou a moto por exemplo e já está a um ano ou mais a espera.

Em relação ao anterior CEO, acho que para ele a coisa esta longe de estar a terminar, vai dar uma bela novela :\
Responder
#9

(20-04-2020 às 20:30)Malvo Escreveu:  Em relação ao anterior CEO, acho que para ele a coisa esta longe de estar a terminar, vai dar uma bela novela :\

São quase 30M de libras que não se sabe para onde foram.

Ainda há uns dias atrás, o McGuinness que correu com a V4RR no IOMTT veio dizer que não chegou a ser pago!

[Imagem: ad1dc7bf482506afe9d5febf8ffc3ad7.jpg]


“That Stu’s a bit of a Cunt!”

lol

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#10

Já se estão a mexer, boas noticias.

https://www.motorcyclenews.com/news/norton-motorcycles/

thumbsup
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)