Negócios absurdos
#51

(08-07-2016 às 11:55)dfelix Escreveu:  
(08-07-2016 às 10:20)OFFICER Escreveu:  Apelidar de café-racer ou de desportiva, é independente de ser um granda motão ou não. É um estilo, ponto.

Exacto.
Só que estes apelidos têm imenso poder "comercial".
O que leva a que muitas vezes não seja adequado da forma mais correcta.

Apelidar é uma coisa.... mas sê-lo na verdade será outra completamente diferente. Quanto muito serão "ao estilo" ou "inspiradas" nas café-racer. Mas nunca o serão no sentido estrito daquilo que era uma café-racer.

(08-07-2016 às 11:55)dfelix Escreveu:  E isto nem sequer é exclusivo do comum mortal.
São os próprios construtores que muitas vezes atribuem as designações de forma completamente desadequada

[Imagem: 2013-benelli-cafe-racer-1-6_600x0w.jpg]

Benelli TNT 1130 "Café Racer"

(08-07-2016 às 11:55)dfelix Escreveu:  Customização -> Custom

Neste capítulo das designações mais desadequadas da parte de construtores, queres coisa mais bizarra que chamar de Custom a uma moto completamente stock?  lol

Honda CM125 Custom
[Imagem: 6ULrnlp.jpg]


(08-07-2016 às 11:55)dfelix Escreveu:  O problema são as transformações inspiradas em determinado sub-género mas recorrendo a motos completamente desenquadradas do contexto.

[Imagem: bmw-s1000r-625x417.jpg]

Como pegar numa S1000RR e aplicar-lhe a receita que os britânicos utilizavam nas suas utilitárias durante as décadas de 50 e 60...
Inspiração café-racer? Sem dúvida...
É uma café-racer? Sem dúvida quem não!

Mas ainda assim, nesse exemplo, manteve-se uma linha em comum. Ser uma moto de prestações, apesar do desfasamento temporal e génese dos conceitos.

Se queres algo mesmo desenquadrado, tendo a mesma base.... arrepia-te sim com isto  wtf :

[Imagem: bmw-s1000rr-1.jpg]

[Imagem: bmw-s1000rr-4.jpg]

(08-07-2016 às 16:10)Cloud Escreveu:  
(08-07-2016 às 10:43)carlos-kb Escreveu:  [Imagem: 53691a311b909.jpg]

Caracteriza-se por ter um pronunciado ângulo da coluna de direcção, assento baixo, guiador alto em forma de chifres e (normalmente) dispensar suspensão traseira (hard-tail).

Só para me meter ao barulho, repara que acabas de caracterizar um estilo exactamente pelo que o Officer disse, pelo estilo e aparência.

Nada disso! Mexer no ângulo da coluna de direcção, é tudo menos uma alteração de aparência.... mas sim uma alteração técnica que altera completamente o rake, o trail, a distância entre eixos, centro de gravidade, etc... reflectindo-se em toda a geometria (e consequente comportamento) da moto.
Mexer na forma e posição de um guiador, é uma alteração que embora mais simples, não é exclusivamente cosmética, mas também é técnica, alterando completamente a ergonomia da moto (pergunta ao Inc que ele explica-te como).
Criar uma hard-tail, abolindo a suspensão traseira, é também uma alteração técnica que interfere em todo o trem traseiro, desde o chassis e sub-chassis, à suspensão e ciclística.

(08-07-2016 às 16:10)Cloud Escreveu:  Eu entendo o que dizes, mas tu referes-te à origem pura dos nomes dados às coisas.
Eu chamo os bois pelos nomes.... porque a estrada da beira e a beira da estrada nunca poderão ser a mesma coisa. smile


(08-07-2016 às 16:10)Cloud Escreveu:  Os construtores adaptam-se às modas e aos tempos, e é isso que vemos por exemplo nas 125.
Segundo o que dizes, uma 125 nunca seria nada que não uma naked. Assim como aquela que anda aí neste tópico é uma café-racer, a minha por exemplo é uma desportiva. Não pelas características técnicas, mas pelo estilo apenas. É apenas uma forma de distinguir umas das outras, mais nada.

Já por algumas vezes este assunto veio à baila em outros tópicos, como te deves recordar certamente.

Os construtores fazem aquilo que vende. Depois o que lhe chamam, é simplesmente marketing.
Uma 125 nunca será uma naked, porque naked designa "nú", ou seja, de uma forma geral, uma moto desprovida de carenagens.... e não é intrínseco que todas as 125 seja desprovidas de carenagens.
Pensando numa 4t stock (que julgo que é a isso que te estás a querer referir), uma 125 será sobretudo uma utilitária urbana. Foi para isso que elas foram desenvolvidas, por mais diferentes roupagens que vistam e por mais diversa seja a designação em termos de marketing, que ostentem.
Claro que em termos de marketing, "apelidar" no catálogo da gama, por exemplo, a YZF125R de desportiva, vende, especialmente aos mais novos, com limitações de carta de condução ou menos abonados de carteira. Mas depois no fundo, para a marca, eles estão-se a borrifar que com ela se tenha praticamente as mesmas prestações que uma SR125 (uma assumida utilitária).

Não sei se tens algumas noções de design, arquitectura ou mesmo engenharia, mas um das primeiras lições que se aprendem nas academias é "form follows function".... ou seja, a forma deverá sempre seguir a função. Caindo no extremo oposto, temos o fenómeno "kitsch" (que te deves também lembrar de já se ter falado neste tema).
Uma moto que aparenta uma coisa, mas na realidade tem um comportamento ou funcionamento dissonante, acaba no fundo por ser isso mesmo.... um objecto "Kitsch".

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#52

(08-07-2016 às 18:09)Cloud Escreveu:  
(08-07-2016 às 17:33)dfelix Escreveu:  
(08-07-2016 às 16:10)Cloud Escreveu:  Segundo o que dizes, uma 125 nunca seria nada que não uma naked.

Man... existem desportivas 125cc desde que existem desportivas!

(08-07-2016 às 10:43)carlos-kb Escreveu:  Porque uma desportiva resulta de um conjunto de características técnicas e prestações que assim lhe dão o nome.... e não é uma "roupagem" apenas que a torna desportiva.

dfelix, no que toca às desportivas estava a responder relativamente a este ponto do Carlos, e porque já anteriormente o vi a dizer que uma R125 não é uma desportiva (:

Mas claro que existem desportivas 125. Até já fizeram parte de uma das categorias do campeonato do mundo de velocidade.... e tiveram as suas "réplicas domesticadas" de estrada. As RG125, RS125, Mito, etc....
Resultam de um polinómio coordenado entre motor, chassis, ciclística, suspensões, travões e design, que lhes dão um comportamento dinâmico que lhes permitem ostentar esse nome (e não falo apenas velocidade)e portarem-se como tal.

É que se uma desportiva fosse só ter uma carenagem e pouco mais.... então isto também seria uma desportiva!

[Imagem: cb500a.jpg]

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#53

(08-07-2016 às 18:28)carlos-kb Escreveu:  Pensando numa 4t stock (que julgo que é a isso que te estás a querer referir), uma 125 será sobretudo uma utilitária urbana. Foi para isso que elas foram desenvolvidas, por mais diferentes roupagens que vistam e por mais diversa seja a designação em termos de marketing, que ostentem.

Isso parece um bocado fundamentalista!  smile

Não vejo porque razão uma R125 não possa ser considerada uma desportiva, tendo em conta o segmento em que se insere e o público alvo a que se destina.
Tem uma excelente ciclística, boa construção, bom equipamento e um motor que se apresenta no limite legal imposto para a classe.

Há opções mais interessantes? Há... como a RC125 da KTM e a RS4-125 da Aprilia.
Mas sempre foi assim. Já no tempo da TZR havia Mitos e RS...

Vivemos numa era extremamente regulada, com inúmeras restrições, taxas e taxinhas.

E para um puto com 16 anos e carta A1 está entre as melhores opções para uma primeira moto do segmento desportivo.
Claramente superior às 50cc que no "nosso tempo" podíamos conduzir com essa idade.

O mesmo se aplica à R3 ou RC390 que são do mais desportivo que encontras dentro da categoria A2.

Ou serão "utilitárias urbanas" porque de repente surgiram nakeds porreiras como a MT125 e (nova) MT-03 baseadas nas homólogas desportivas?
É que a receita não é muito diferente do que os construtores japoneses têm feito nos últimos anos com as 600 e 1000.
Com a diferença de que nessas existe uma enorme contenção de custo. E nestas quase não justifica.
Responder
#54

(08-07-2016 às 23:24)dfelix Escreveu:  Não vejo porque razão uma R125 não possa ser considerada uma desportiva, tendo em conta o segmento em que se insere e o público alvo a que se destina.

Uma NSR50 no nosso tempo também tinha  um segmento em que se inseria e um público alvo. E vês uma NSR50 como desportiva? Ou uma moto de 50cc (parafraseando-te do modo como disseste atrás em relação ás café-racer), com "inspiração" (neste caso) desportiva?

(08-07-2016 às 23:24)dfelix Escreveu:  Tem uma excelente ciclística, boa construção, bom equipamento e um motor que se apresenta no limite legal imposto para a classe.

Tem quando comparamos com a generalidade do segmento aonde se insere. Mas muitas outras 125  têm excelente ciclística, boa construção, bom equipamento e igualmente um motor com o limite legal imposto para a classe. Por exemplo uma Hyosung Comet 125, uma Derbi Mulhacen, uma Megelli 125S, uma Daelim Roadwin ou até uma Vespa GTS125 cumprem todas ou quase, estas premissas.... mas deixam de ser desportivas, sendo outras coisas quaisquer (nakeds, utilitárias, scooters) apenas porque perdem uma roupagem?


(08-07-2016 às 23:24)dfelix Escreveu:  E para um puto com 16 anos e carta A1 está entre as melhores opções para uma primeira moto do segmento desportivo.

Claramente superior às 50cc que no "nosso tempo" podíamos conduzir com essa idade.

Concordo em absoluto que seja uma óptima primeira moto de inspiração ou aspecto desportivo. Tal como no nosso tempo, uma NSR50, uma TZR50, uma AF1 ou uma Prima50 eram as primeiras motos de aspecto desportivo que poderias ter também com 16 anos. Ou até uma Macal Troféu ou uma Famel Feeling.
Mas isso somente não faz delas verdadeiras desportivas. Tal como pegares num Opel Corsa 1.2, e por mais que o artilhes com os melhores acessórios sport.... nunca será um desportivo, pois o seu comportamento dinâmico estará sempre longe do que realmente é um desportivo desse nome.

No fundo, é acima de tudo, marketing! E a prová-lo está precisamente o facto de uma 125 deste tipo ser vendida como desportiva e quem a compra assumir veementemente que é uma desportiva. Mas depois em prestação real, em estrada, consegues fazer com uma CBF 125 quase o mesmo que fazes com uma CBR125 ou uma YZF125R .

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#55

Agora, voltando ao assunto do tópico:

Está  para venda mas nem tem preço especificado. A questão aqui está em mostrar o que fizeram com uma K1200RS.... uma moto icónica ou mesmo "histórica", por tudo quanto representa para a BMW Motorrad (*).... E o resultado de mais uma transformação extremamente discutível!

[Imagem: uDLuXvU.jpg]

(*) A K1200 RS foi o último modelo de "tijolo voador", nome dado às BMW de motor longitudinal de cabeça deitada (que existiram em 3 e 4 cilindros). E foi ainda a primeira BMW  a quebrar na história da marca a auto-limitação imposta de 100cv.

P.S. Lone. Já falámos especificamente deste exemplar há dias, na RIM, lembras-te?

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#56

Carlos, isso que dizes consegues dizer em relação às 125, 300, 600, 1000, etc. Não é por teres outra moto de um segmento diferente que outra moto é ou deixa de ser desportiva. Não é por uma moto não dar 299 que deixa de ser desportiva.

A R125 é desportiva porque tem todas as características de uma desportiva, adaptadas a 125cc, mais nada. O que a difere de uma desportiva maior? O motor apenas. De resto toda a ciclística é igual.
Responder
#57

(09-07-2016 às 00:04)carlos-kb Escreveu:  Uma NSR50 no nosso tempo também tinha  um segmento em que se inseria e um público alvo. E vês uma NSR50 como desportiva? Ou uma moto de 50cc (parafraseando-te do modo como disseste atrás em relação ás café-racer), com "inspiração" (neste caso) desportiva?

Eu vejo a velhinha NSR como uma desportiva de 50cc.
Talvez a mais conservadora da época quando comparada com uma Prima, uma RS ou uma TZR...
Mas sim, eram as desportivas desse segmento de mercado.

Da mesma forma que a DT, CRM , RX eram as opções de enduro.
Da mesma forma que a Wolf ou a Europa eram roadsters (que vulgarmento chamamos de naked)
Da mesma forma que a ridícula Red Rose era uma cruiser.  bigsmile

(09-07-2016 às 00:04)carlos-kb Escreveu:  Mas muitas outras 125  têm excelente ciclística, boa construção, bom equipamento e igualmente um motor com o limite legal imposto para a classe. Por exemplo uma Hyosung Comet 125, uma Derbi Mulhacen, uma Megelli 125S, uma Daelim Roadwin ou até uma Vespa GTS125 cumprem todas  quase, estas premissas.... mas deixam de ser desportivas, sendo outras coisas quaisquer (nakeds, utilitárias, scooters) apenas porque perdem uma roupagem?

Não percebo se por "roupagem" te referes especificamente aos plásticos.
Dos exemplos que citaste, a Comet, Megelli e Roadwin nas respectivas versões R além da "roupagem" há posição de condução resultado de terem avanços ao invés de guiador.

Quanto à Mulhacen, a marca assume-a como uma "scrambler".
E esta sim, é quanto muito inspirada, já que a designação "scrambler" corresponde a algo bastante específico de determinada época e que parece só ter ganho protagonismo recentemente..
(A única moto no mercado que se pode enquadrar na designação será a Van Van já que mantém as mesmas características desde o início da década de 70.)

E a Vespa GTS125... caso não tenhas reparado, é uma scooter!  tong

(09-07-2016 às 00:04)carlos-kb Escreveu:  Mas isso somente não faz delas verdadeiras desportivas. Tal como pegares num Opel Corsa 1.2, e por mais que o artilhes com os melhores acessórios sport.... nunca será um desportivo, pois o seu comportamento dinâmico estará sempre longe do que realmente é um desportivo desse nome.

Nunca fiz neste post qualquer referencia a "artilhanços" do quer que seja.
Nem sei se algum Corsa alguma vez foi lançado como sendo um "desportivo" da Opel.
Não consigo perceber o argumento.

(09-07-2016 às 00:04)carlos-kb Escreveu:  No fundo, é acima de tudo, marketing! E a prová-lo está precisamente o facto de uma 125 deste tipo ser vendida como desportiva e quem a compra assumir veementemente que é uma desportiva. Mas depois em prestação real, em estrada, consegues fazer com uma CBF 125  quase o mesmo que fazes com uma CBR125 ou uma YZF125R .

Em prestação real, em estrada, consegues fazer com uma Street Triple quase o mesmo que fazes com uma Daytona ou uma 600RR.
E não será por isto que as Daytona e 600RR passam a ser "utilitárias urbanas".



(09-07-2016 às 01:41)Cloud Escreveu:  A R125 é desportiva porque tem todas as características de uma desportiva, adaptadas a 125cc, mais nada. O que a difere de uma desportiva maior? O motor apenas. De resto toda a ciclística é igual.

Também não te estiques...
A ciclística pode ser parecida mas não é igual. E não é igual porque não justifica.
Responder
#58

[Imagem: 70bb62297e4485480d1b60772a9ee3ff.jpg][Imagem: 3ef573ef07a66aaae366776d60001001.jpg]
http://www.custojusto.pt/setubal/motos/s...r-19184647

Your opinion?! Shit i don't give a fuck
Responder
#59

(09-07-2016 às 01:41)Cloud Escreveu:  A R125 é desportiva porque tem todas as características de uma desportiva, adaptadas a 125cc, mais nada. O que a difere de uma desportiva maior? O motor apenas. De resto toda a ciclística é igual.

O_O
Responder
#60

Peço desculpa mas agora não consigo tratar dos prints.

1º Depois de ver este negócio, acho que a minha CB500 foi vendida por uma pechincha:
https://olx.pt/anuncio/honda-cb-500-caf-...424a6ab037

2º Que alguém me diga onde está a Virago, porque eu não a encontro!!!!
https://olx.pt/anuncio/yamaha-cafe-racer...424a6ab037

Suzuki SV1000S '04  cool
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)