Muita atenção na estrada.
#71

(04-05-2016 às 13:42)MagJet Escreveu:  Hoje, de carro (também aplicável às motas):

Perto da minha casa há uma estrada nacional que apanho todos os dias e nos primeiros semáforos que apanho estes estavam intermitentes (amarelos).
Ao contrário da maior parte das vezes, em que sigo em frente para o trabalho, começo antes a abrandar e a dar sinal para virar à esquerda no cruzamento desses semáforos para ir até um café.
Por essa razão (por sorte), estava quase parado quando vindo da direita, aparece um carro lançado, conduzido por uma mulher, que fica muito espantada por me ver ali e pára à minha frente, a ocupar toda a via.
Em vez de parar e olhar para os lados antes de entrar, não, ia a toda a velocidade como se o semáforo estivesse verde (e estava intermitente).
Conclusão: só não houve um grande acidente porque abrandei para virar à esquerda em vez de seguir em frente!!   censored

Já me aconteceu algo semelhante de mota, e o anormal ainda me disse com um ar arrogante: VOCÊS QUE ANDAM DE MOTA PENSAM QUE SÃO DONOS DA ESTRADA. Ainda bem que ele arrancou cheio de pressa porque se não acho que ia testar a resistência do capacete em plena Av. do Brasil, e depois era eu que me lixava. (Principalmente se ele não caísse lol)....

...
Responder
#72

Eu até agora não tenho tido problemas com a autoridade. E até ja fui apanhado a fazer disparates em flagrante.

Por exemplo faz este verão 2 anos, fui à praia com uns amigos e depois, ao final de dia, fomos jantar. Eu entrei com o carro em contra mão numa rua (sem me aperceber), para ir estacionar num estacionamento em espinha. Depois como era dificl estacionar entrando por aquele lado, andei lá para trás e para a frente até dar a volta.

Entretanto fui abordado por dois agentes. Postura extremamente correcta. Disseram-me a m€rda que eu tinha feito, apontaram para os dois sinais que o proibiam (proibido cortar à direita e depois outro de sentido proibido).
Eu assumi o que fiz e disse-lhe a mais absoluta verdade:
- Eu não sou daqui, mas venho cá vezes suficientes para conhecer isto vagamente. Confundi-me e pensei que estava a entrar naquele parque ali mais à frente, só me apercebi quando tive de virar o carro para estacionar. Pedi desculpa.
Avisaram-me para ter cuidado, nem documentos me pediram...deram-me um resto de boa tarde e seguiram.

O mesmo posso dizer das operações stop de que fui alvo, sempre correctos. Com isso não quero dizer que não haja "gente reles" a acordar todos os dias com os pés de fora...

Quanto aos radares é claro que tem de haver radares moveis, se toda a gente soubesse onde eles estavam perdiam o efeito de dissuasão.
E esse efeito acaba por ser de prevenção!
Agora, eu sou é completamente contra a colocação desses radares maioritariamente não onde são precisos mas onde é mais facil caçar um infractor, apenas por caça à multa  Isto já não é prevenção!
Para mim, em sítios conhecidos como perigosos até deviam estar radares fixos e bem sinalizados. Os moveis esses deveriam rodar em sitios também relativamente perigosos, indicados como tal.

Estou-me a lembrar do caso do IC2 aqui na minha zona, se houver radares é sempre nas zonas menos perigosas (com duas faixas a direito), por exemplo na curva na zona de Cernache (ponto negro, sinalizado como perigoso e com limite de 70), a meu ver só faziam bem lá estar um radar de vez em quando, porque há muita gente a abusar da sorte ali.
Nunca lá vi nenhum (e até tem sitio para o esconder)...

Blog com fotos de passeios de mota em: http://naosougajodefazerblogs.blogspot.pt/
Cumprimentos "V"!
--Cláudio A. B. Silva--
Responder
#73

Exactamente.... ainda que o facto de haver alguns Xôres Agentes que agem de forma pouco ética, desconhecedora ou abusadora, não são de todo motivo para que se possa desrespeitar o sistema de forma consciente e desculpabilizada, e quando se é apanhado a infringir, dizer "ah e tal a culpa não foi minha...." .

Por exemplo, cá uma das coisas que mais confusão me faz é o estacionamento selvagem e improvisado, sem olhar a mais nada. Não interessa depois se existem pessoas com mobilidade reduzida, se complicam a circulação aos demais condutores, etc.... A desculpa é sempre, "não há lugares de estacionamento". Claro que não há.... tendo em conta que o tuga considera que se tiver de estacionar a mais de 50 metros do local para onde vai, já é longe... e que não tem que pagar parquímetro, etc... e como tal, já não são opções, estacionando-se aonde der jeito. tong
Chega-se ao ponto de estacionar em segunda fila (como já vi tanta vez), com os 4 piscas ligados, estorvando a normal circulação.... para ir ao café tomar o pequeno almoço.

Visitem algumas das cidades de países da Europa como a Suiça, Holanda, Alemanha, etc.... e vejam lá se há carros estacionados em cima de passeios, na faixa de rodagem, nos cruzamentos ou entroncamentos, à saída de curvas, em segunda fila, dentro de canteiros, ou em outro qualquer local aonde não seja expressamente permitido estacionar. É que fazê-lo dá automaticamente multa e na pior das hipóteses, remoção quase imediata do veículo.
Por cá, vejo os carros da polícia a passarem junto a carros selvaticamente estacionados, em plenos centros urbanos, e fecham os olhos e continuam....

Ou seja, estes comportamentos, tal como outros (independentemente de serem infracções), passam também por uma questão de respeito e civismo, coisa que nós, enquanto povo, também deixamos muito a desejar.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#74

Em relação aos lugares para deficientes, nem se o que comentar. Já vi uma vez um lugar desses ocupado, chega um cidadão com deficiência e estaciona atrás do carro infractor. Passado algum tempo chega o dono infrator e ainda começa a espingardar que faz e acontece, que só demorou cinco minutos e tal...claro que foi embora, não sem antes levar uns bons "abre-olhos" das pessoas que se juntaram à volta.

Para mim esses lugares são "sagrados" e não perdoava uma, pois tenho na família pessoas com direito a esses lugares e quase sempre estão ocupados indevidamente. Será que não têm noção de que esses lugares são mais largos, mais perto de acessos, com acessos específicos por.alguma razão?
Responder
#75

À uns dias apeteceu-me fazer algo que já tinha visto, não o fiz com receio de que a mota fosse parar ao chão...lugares de mota ocupados por carros, pelo que a deixei em cima do passeio, a vontade era meter atrás como já vi pessoal a fazer e me ir embora, mas como são as coisas cá, o mais provavel era voltar e ela estar no chão com um carro em cima...

Ex Suzuki GS500
Ex Yamaha YZF600R - Thundercat
Ex Yamaha R1
Suzuki GSX-R 750
Responder
#76

(04-05-2016 às 15:38)xiko_dsg Escreveu:  À uns dias apeteceu-me fazer algo que já tinha visto, não o fiz com receio de que a mota fosse parar ao chão...lugares de mota ocupados por carros, pelo que a deixei em cima do passeio, a vontade era meter atrás como já vi pessoal a fazer e me ir embora, mas como são as coisas cá, o mais provavel era voltar e ela estar no chão com um carro em cima...

Uma vez cheguei ao estacionamento de motas do Monumental, no Saldanha (junto à porta dos cinemas) e tinha estacionamento que há ali ocupado por carros. Encostei, olhei à volta, e vi um agente da polícia. Dirigi-me a ele, expliquei que queria estacionar e o estacionamento de motos estava ocupado por veículos ligeiros. Ele então autorizou-me a estacionar em cima do passeio, do outro lado da rua, junto às barreiras para peões, de modo a não estorvar... e assim fiz.
Ao sair da moto e retirar o capacete, já estava o dito agente de bloquinho na mão, a "tirar apontamentos" das viaturas lol . Pelo menos aqueles condutores ao voltarem às suas viaturas, devem ter aprendido a lição... ou então até não! Mas pelo menos aliviou-lhes de certeza a carteira com uns trocados.

O melhor mesmo nestas situações é procurar um agente de autoridade. Porque essa de "trancar" os carros infractores, pode ter esse desfecho indesejável.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#77

Ele deixa-te, depois vem outro que não estava a par e lixaste lol

A maioria das vezes fica em cima do passeio e pronto, mas quando tem estacionamento para motas tento lá deixar, nunca tive nenhum azar com multas nem bloqueios nem nada, mas se lá tem, acho que devo "fazer o esforço"..

Ex Suzuki GS500
Ex Yamaha YZF600R - Thundercat
Ex Yamaha R1
Suzuki GSX-R 750
Responder
#78

(04-05-2016 às 16:30)xiko_dsg Escreveu:  Ele deixa-te, depois vem outro que não estava a par e lixaste  lol

Neste caso, de uma forma ou de outra, acabas por ter de deixar em cima do passeio.... e acabas também sempre por estares sujeito a "lixares-te"....

(04-05-2016 às 16:30)xiko_dsg Escreveu:  A maioria das vezes fica em cima do passeio e pronto, mas quando tem estacionamento para motas tento lá deixar, nunca tive nenhum azar com multas nem bloqueios nem nada, mas se lá tem, acho que devo "fazer o esforço"..

Forçar a meter junto ou entre os carros, também pode ter mau resultado, seja em parques específicps para motos, como em estacionamento "normal". Para muitos condutores, ao realizar simples manobras, como o sair de um estacionamento, as motos ficam completamente invisíveis. Eu que o diga que já tive uma moto no chão, aqui há uns anos, à conta de um enlatado incauto.... redeye
Quantos mais metros de distância a minha moto estiver de carros, tanto melhor.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#79

Ja vos contei a historia de um sr guarda da BT que num desvio quando lhe perguntei por onde podia seguir para chegar a Gaia (do Porto) me sugeriu que seguisse pela Auto estrada? Tudo estaria bem se eu nao estivesse montado numa moto 4.

Quando eu faço aquela cara de espanto e lhe pergunto "nisto?!?!" refrindo m à moto 4, ele respondeu "diz ai 700, julguei que tivesse mais de 50 cc."

Isto foi comigo ninguem me contou. Segui viagem e la fui eu dar a volta ao porto todo para chegar ao meu destino, sem me meter na AE, nao seguindo as instrucoes da BT.
Responder
#80

Nem para eles são bons... http://automonitor.pt/2016/04/27/seguran...de-atraso/
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)