Miguel Oliveira 44
#81
Continuo sem perceber muito bem o que raio se passava nas qualificações em que sistematicamente ficava para trás na grelha para depois andar a comer posições à meia dúzia durante as corridas. Se calhar essa "pequena diferença" poderia ter feito dele campeão.

Não estou também seguro que esteja "lá" no que diz respeito a liderar uma corrida inteira sem acusar a pressão no final. Parece-me mais apto a perseguir a lebre do que a ser a lebre.

Posto tudo isto, o que fez até hoje e a forma como tem gerido a carreira é de louvar. Tem a minha admiração e é um orgulho ver a nossa bandeira sistematicamente no pódio. Espero que consiga gerir bem a fase seguinte da sua carreira.
Imagem
BMW F800R * ex-Kawasaki ZZR 1100 * ex-Honda Hornet 600 * ex-Honda CBF 125 * ex-Yamaha DT 50 LC (x2)
#82
Como já disse por aí numa Dark Web qualquer....

É muito bom ver a bandeira português no cimo de uma montanha de perdedores.

Só lamento é que sejamos o primeiro dos perdedores... sad
I just don't run with the crowd!

http://www.loneriderendlessroad.com
#83
Bom, deixo aqui uma opinião retirada do site MotorCycleSports e que concordo a 100%

"O segundo lugar de Miguel Oliveira no Grande Prémio da Malásia assegurou-lhe o segundo posto no mundial de Moto2, um feito inédito no motociclismo português e que merece ser exaltado.

Antes de mais, foi agridoce. Agridoce no sentido em que o objetivo máximo era ser campeão e celebrar o vice-campeonato é um bem menor ao ver Francesco ‘Pecco’ Bagnaia assegurar o trono na categoria intermédia. Mas desengane-se quem olhar para este segundo lugar no mundial como um fracasso, até porque a meta era lutar pelo título e o português nunca baixou os braços e efetivamente lutou pelo título até à penúltima corrida.

Não há vitórias morais, claro, ainda para mais para um piloto com o talento como o de Oliveira, para quem tudo o que seja abaixo do topo é naturalmente curto. Mas não nos esqueçamos o sonho que Portugal viveu ao vibrar com os sucessos do almadense este ano se deveram a muito sangue, suor e lágrimas ao mais alto nível.

Algo similar aconteceu apenas uma vez na história do motociclismo português. Foi em 2015, quando Oliveira ficou a poucos pontos de vencer o mundial de Moto3. Danny Kent, o vencedor, não teve andamento após o título e após três anos de baixos e…baixos na Moto2, está sem assento para a edição de 2019 do mundial, enquanto Oliveira está a poucas semanas de testar a KTM RC16 com que vai atacar o mundial da classe rainha.

A moto que Falcão fez voar tem, recorde-se, apenas dois anos. A Kalex de ‘Pecco’ Bagnaia foi a grande rival, com um chassis com anos de desenvolvimento, não nos esqueçamos. E em pistas como a da Tailândia, não tinha referências de outros anos para comparar e ajudar a preparar o Grande Prémio, mas isso não impediu o luso de acabar no pódio, em terceiro.

Nas redes sociais muitos criticaram o piloto por não ter conseguido levar a luta pelo menos até à derradeira ronda, agarrados aos teclados e smartphones, ignorando os sacrifícios do piloto e equipa para ombrear com os melhores do planeta. A crítica é válida quando construtiva mas muitas vezes cai em saco roto. Quem diz que Oliveira corre poucos riscos decerto não se recorda das recuperações incríveis a correr riscos desde os primeiros metros, por exemplo…riscos esses que nunca vimos Bagnaia correr, por exemplo.

Em 17 corridas o homem da KTM nunca ficou fora dos pontos e tem apenas uma corrida fora do top dez, por exemplo…e tem 11 pódios a uma corrida do fim, dois deles no mais alto degrau. O pior resultado até ao momento é um 11.º lugar! Quando em 17 corridas apenas três vezes ficou fora do top cinco, pouco mais há a dizer…apenas realçar o crescimento do jovem de 23 anos, que fez a época mais consistente e regular da carreira.

Os arautos da desgraça, mal habituados, são, felizmente, em muito ultrapassados pela maioria que apoia incondicionalmente um símbolo nacional que tem levado o nome de Portugal a todos os cantos do mundo. Randy Mamola, por exemplo, é uma das maiores estrelas entre as estrelas e nunca venceu um mundial, caros haters. Ninguém será mais crítico de Miguel Oliveira que o próprio piloto, que com esforço, dedicação, empenho, talento e muito trabalho, tem trilhado um caminho incrível num mundo competitivo onde nenhum português ousou chegar.

O País galvanizou-se a cada momento com Miguel Oliveira em cima da sua KTM. Nunca antes um piloto português tinha feito o que Miguel Oliveira tem feito. Neste momento, somando os pontos nos dois últimos anos, Oliveira tem 513 e Bagnaia tem 478. É certo que Bagnaia tem sido implacável na frente, cometendo poucos erros, ele que está no seu segundo ano na classe enquanto Oliveira está no segundo ano nesta KTM.

Este é um segundo lugar que me faz, enquanto adepto, levantar-me e aplaudir o número 44. Miguel Ângelo Falcão de Oliveira despertou quase sozinho a atenção de um País para uma modalidade que vai explodindo em Portugal e onde a Oliveira Cup merece também ela um aplauso. As qualificações foram quiçá o seu tendão de Aquiles, mas o lado bom das mesmas é que o obrigaram a ser ainda mais acutilante nos domingos.

Por isso obrigado Miguel Oliveira. Obrigado por mais um ano de alegrias e muitos sucessos, e que a última corrida do ano – e da carreira nesta classe – seja acompanhada por um resultado que reflita a tua grandeza nestes três anos na Moto2. Obrigado por nos fazeres acreditar e voares em pista empurrado pela crença de um País e um talento que não pára de crescer. Obrigado por não baixares os braços perante as adversidades e por nos emocionares sempre que A Portuguesa é entoada por tua ‘culpa’ nos mais variados circuitos do planeta."

Imagem

Fonte: FONTE
Ricardo - Honda CB500X
Imagem
#84
(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: Bom, deixo aqui uma opinião retirada do site MotorCycleSports e que concordo a 100%

Err... eu só mais ou menos.


(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: "O segundo lugar de Miguel Oliveira no Grande Prémio da Malásia assegurou-lhe o segundo posto no mundial de Moto2, um feito inédito no motociclismo português e que merece ser exaltado.

Até aqui concordo!


(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: Não há vitórias morais, claro, ainda para mais para um piloto com o talento como o de Oliveira, para quem tudo o que seja abaixo do topo é naturalmente curto.

É? Porque...?


(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: A moto que Falcão fez voar tem, recorde-se, apenas dois anos. A Kalex de ‘Pecco’ Bagnaia foi a grande rival, com um chassis com anos de desenvolvimento, não nos esqueçamos. E em pistas como a da Tailândia, não tinha referências de outros anos para comparar e ajudar a preparar o Grande Prémio, mas isso não impediu o luso de acabar no pódio, em terceiro.

A KTM é a equipa com maior investimento na classe de moto 2, em detrimento da Sky que é só a 3ª ou 4ª.

Teoricamente, a KTM deverá ser a melhor mota da grelha.

E a falta de referências do #44 na Tailândia... eram exactamente as mesmas das outras equipas e pilotos.

Igualdade de circunstâncias.

(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: Os arautos da desgraça, mal habituados, são, felizmente, em muito ultrapassados pela maioria que apoia incondicionalmente um símbolo nacional que tem levado o nome de Portugal a todos os cantos do mundo. Randy Mamola, por exemplo, é uma das maiores estrelas entre as estrelas e nunca venceu um mundial, caros haters. Ninguém será mais crítico de Miguel Oliveira que o próprio piloto, que com esforço, dedicação, empenho, talento e muito trabalho, tem trilhado um caminho incrível num mundo competitivo onde nenhum português ousou chegar.

Texto infantil e de propaganda barata.

Felizmente que o Miguel tem outros fãs, porque cheerleading ao género de pitas de 12 anos num concerto do Justin Bieber parece-me tudo menos o foco que o homem precisa para o sucesso.

Mas dessa revista, como bloco informativo... pouco mais se espera.

(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: O País galvanizou-se a cada momento com Miguel Oliveira em cima da sua KTM. Nunca antes um piloto português tinha feito o que Miguel Oliveira tem feito. Neste momento, somando os pontos nos dois últimos anos, Oliveira tem 513 e Bagnaia tem 478. É certo que Bagnaia tem sido implacável na frente, cometendo poucos erros, ele que está no seu segundo ano na classe enquanto Oliveira está no segundo ano nesta KTM.

Mais uma jardim floreado de palavras que não servem nada e só desinformam.
O que é certo é que um leva a taça e outro não.


(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: As qualificações foram quiçá o seu tendão de Aquiles, mas o lado bom das mesmas é que o obrigaram a ser ainda mais acutilante nos domingos.
[/url]

A sério? Até parece que 'foi bom' ter feito grandes recuperações.

Entrar em pelotão na primeira curva, impôr ritmos elevados nas primeiras voltas, é tudo desnecessário. Aumenta demasiados os riscos, riscos esses que podem significar uma queda.

Uma opinião mais informada, talvez opine um pouco mais à frente e refira que é uma falha comum em alguns pilotos a dificuldade em serem rápidos sem uma roda de guia. A visão per si de uma pista aberta e sem referências externas leva a falhas mínimas nas abordagens às curvas que se traduzem em tempos piores por volta, e que é talvez o maior factor de melhoria que o Miguel deve procurar ultrapassar.



(05-11-2018 às 18:07)Mr.Ricky Escreveu: Por isso obrigado Miguel Oliveira. Obrigado por mais um ano de alegrias e muitos sucessos, e que a última corrida do ano – e da carreira nesta classe – seja acompanhada por um resultado que reflita a tua grandeza nestes três anos na Moto2. Obrigado por nos fazeres acreditar e voares em pista empurrado pela crença de um País e um talento que não pára de crescer. Obrigado por não baixares os braços perante as adversidades e por nos emocionares sempre que A Portuguesa é entoada por tua ‘culpa’ nos mais variados circuitos do planeta."
[url=https://pt.motorcyclesports.net/motogp/317572/opiniao-obrigado-miguel-oliveira-bandeira-de-um-pais/]



Aqui eu também agradeço! Um segundo lugar... face à competição é um lugar excelente e um motivo de orgulho.

Não precisamos é de fanatismo foleiro e barato, e jamais será a melhor maneira de honrar quem quer que seja.
"Dou confiança para que possam brincar e mandar piadolas à minha pessoa neste forúm"

#85
Revelada lista de atribuição dos números de MotoGP para a próxima temporada.

https://pt.motorcyclesports.net/motogp/3...no-motogp/

E para o Miguel (visto o 44 já estar a ser usado pelo Espargaró) será o...

https://youtu.be/0Lwg9V80tmc
Imagem
Autorizo que possam mandar piadolas à minha pessoa / moto, no forúm.
Reservo-me ao direito de o poder fazer reciprocamente a todo e qualquer membro que use desse direito para comigo.
  




Utilizadores a ver este tópico:
1 Visitante(s)