Limites Sonoros e Restrições de Circulação a Motos na Europa
#11

(17-09-2020 às 11:02)marco.clara Escreveu:  Que culpa tem alguém que até possui uma mota toda "stock", do facto de existir quem não o faça, e que por isso se vê privado de circular numa determinada zona ou a determinadas horas? Não me parece razoável, e até me custa entender que haja motociclistas que assim o considerem.

Posso ter interpretado mal a noticia mas ninguém falou de proibir liminarmente a circulação em certas zonas. Apenas a da obrigatoriedade do respeito das leis de ruido.

Citar:Em Junho, o estado austríaco do Tirol impôs proibições a motociclos que emitiam 95dB de ruído estacionário em rotas populares.

Tanto quanto sei, os 95db são o limite máximo previsto na lei, i.e. hipoteticamente uma mota stock para ser vendida, tem de respeitar esta norma(sim eu sei que há excepções).

Uma situação eventualmente paralelizável acontece, e com tendência para se generalizar, com a proibição de entrada de veículos mais antigos nos centros das grandes cidades, por motivos de poluição atmosférica.

[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcSBKDKs6yFSsA6jXIrK7LO...Fbu3pya-zl]
Responder
#12

(17-09-2020 às 11:17)el_Bosco Escreveu:  Posso ter interpretado mal a noticia mas ninguém falou de proibir liminarmente a circulação em certas zonas. Apenas a da obrigatoriedade do respeito das leis de ruido.

E não te preocupa que isso seja o princípio de algo mais?

Tal como referi anteriormente, li recentemente um artigo que relatava como no Chipre, em 1995, se proibiu totalmente a circulação de motas a partir das 22h00, no país inteiro.

De um exemplo ao outro, vejo uma curta distância a percorrer.
Responder
#13

(17-09-2020 às 11:48)marco.clara Escreveu:  E não te preocupa que isso seja o princípio de algo mais?

Tal como referi anteriormente, li recentemente um artigo que relatava como no Chipre, em 1995, se proibiu totalmente a circulação de motas a partir das 22h00, no país inteiro.

De um exemplo ao outro, vejo uma curta distância a percorrer.

Parece-me que tás manifestamente a exagerar a situação. Não me preocupa que seja o inicio de algo mais, até porque esse "início" ainda nem sequer começou efectivamente. Aquela regra foi aplicada só numa zona e ainda nem sequer em toda a Austria. E volto a dizer que mesmo que tal aconteça, há que ter em conta que são países desenvolvidos e com uma cultura (até perante a lei) diferente da tugalandia.

O caso do Chipre é equivalente ao Austriaco: apenas diz respeito a certas zonas (bastante limitadas até), nesse horário que indicaste e só durante o verão.

[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcSBKDKs6yFSsA6jXIrK7LO...Fbu3pya-zl]
Responder
#14

(17-09-2020 às 12:00)el_Bosco Escreveu:  Parece-me que tás manifestamente a exagerar a situação. Não me preocupa que seja o inicio de algo mais, até porque esse "início" ainda nem sequer começou efectivamente. Aquela regra foi aplicada só numa zona e ainda nem sequer em toda a Austria.

Se já foi aplicada... já iniciou. Semântica. smile

(17-09-2020 às 12:00)el_Bosco Escreveu:  O caso do Chipre é equivalente ao Austriaco: apenas diz respeito a certas zonas (bastante limitadas até), nesse horário que indicaste e só durante o verão.

O caso que referi do Chipre, corresponde ao relato de uma situação no passado, em 1995. Este caso que referes parece ser atual, podendo por isso ter contornos diferentes. Se o relato que li relativo ao que aconteceu em 95 corresponde ou não à realidade, são outros quinhentos.



Uma vez mais, entendo pelos teus comentários que estás a assumir o papel do advogado do Diabo. Ainda não é claro para mim se "entendes a situação" ou se "concordas com a situação". Custa-me compreender que qualquer motociclista possa estar de acordo com a implementação deste tipo de restrições, quer porque nos toca pessoalmente, quer porque temos um ponto de vista mais detalhado sobre o que isso implica. Mas uma vez mais... são opiniões, e podemos ter de concordar em discordar. V
Responder
#15

(17-09-2020 às 14:34)marco.clara Escreveu:  Uma vez mais, entendo pelos teus comentários que estás a assumir o papel do advogado do Diabo. Ainda não é claro para mim se "entendes a situação" ou se "concordas com a situação". Custa-me compreender que qualquer motociclista possa estar de acordo com a implementação deste tipo de restrições, quer porque nos toca pessoalmente, quer porque temos um ponto de vista mais detalhado sobre o que isso implica. Mas uma vez mais... são opiniões, e podemos ter de concordar em discordar. V

Se a pergunta é se estou de acordo com a proibição de circulação de motas com escapes com níveis de ruído acima do permitido em certas zonas urbanas? Obviamente que sim. No fundo o que se trata é de fazer valer uma lei que já existe (proibição dos escapes passarem dos 95db). Ao contrário de outras leis (ou interpretações de leis) essas sim no meu entender persecutórias (como alguns dos critérios que temos ouvido falar nas redes sociais para atribuição de multas por alterações aos veículos), as referentes aos níveis de poluição e ruído terão sempre a minha aprovação. O meu direito a ter um escape ruidoso não se sobrepõe ao de terceiros terem um espaço urbano livre de poluição. Sempre foi a minha posição neste e noutros assuntos.

Não estou contra os escapes aftermarket só porque sim. Gosto de um bom ronco de motor como qualquer outra pessoa, mesmo que ache um desperdício de dinheiro. Fossem mais baratos, legais, não invalidassem garantias e cumprissem os requisitos legais de emissões e ruído, já teria um na CB há muito tempo. O meu problema com isto é que nenhuma destas premissas ainda se realizou. E provavelmente se algum dia se realizar, deixam de ser equipamentos apelativos. lol Até tive sorte nisso porque gosto do som de origem da CB.

Se enquanto grupo praticante de uma actividade não formos capazes de seguir as regras estipuladas para todos (concorde-se ou não com elas), temos necessariamente de estar preparados para as consequências desse incumprimento, como em tudo na vida.

[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcSBKDKs6yFSsA6jXIrK7LO...Fbu3pya-zl]
Responder
#16

(17-09-2020 às 15:44)el_Bosco Escreveu:  Se a pergunta é se estou de acordo com a proibição de circulação de motas com escapes com níveis de ruído acima do permitido em certas zonas urbanas? Obviamente que sim. No fundo o que se trata é de fazer valer uma lei que já existe (proibição dos escapes passarem dos 95db).

Mas tens noção que uma medida como a que o Marco falou, é de uma hipotética proibição total de circulação a motociclos, independentemente do nível sonoro de cada moto. Ou seja, estando então o cumpridor a pagar pelo prevaricador?!
É que até mesmo aquele sinal ilustrativo acima, pode ser totalmente enganador.

[Imagem: motorradlaerm-schild-tirol-169fullwidth-...714472.jpg]

Torna-se extremamente difícil aferir que "se tens até 95db, podes circular... se tens mais, já estás impedido". O índice decibélico não se "mede" por ouvido... é necessário um sonómetro, para tal e complexo de implementar no controlo do acesso a determinada zona ou via. O que é algo totalmente diferente de aferir por mera constatação visual, a data de um veículo, no caso das restrições à circulação com base na data de construção do veiculo, como já acontece em muitas cidades.

Neste caso é sempre mais fácil proibir "pelo todo". E obviamente que não posso concordar que por uns quantos gajos quaisquer gostarem de andar a fazer um cagaçal tremendo com a suas motas, eu seja impedido ou limitado na minha liberdade de circulação quando até estou a cumprir. Ou achas que as limitações de circulação tendo por base o ruído se cingiriam a motos com mais determinado índice decibélico, distinguindo casuisticamente, quem cumpre ou não cumpre?!

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#17

(17-09-2020 às 17:08)carlos-kb Escreveu:  Mas tens noção que uma medida como a que o Marco falou, é de uma hipotética proibição total de circulação a motociclos, independentemente do nível sonoro de cada moto. Ou seja, estando então o cumpridor a pagar pelo prevaricador?!
É que até mesmo aquele sinal ilustrativo acima, pode ser totalmente enganador.

Torna-se extremamente difícil aferir que "se tens até 95db, podes circular... se tens mais, já estás impedido". O índice decibélico não se "mede" por ouvido... é necessário um sonómetro, para tal e complexo de implementar no controlo do acesso a determinada zona ou via. O que é algo totalmente diferente de aferir por mera constatação visual, a data de um veículo, no caso das restrições à circulação com base na data de construção do veiculo, como já acontece em muitas cidades.

Neste caso é sempre mais fácil proibir "pelo todo". E obviamente que não posso concordar que por uns quantos gajos quaisquer gostarem de andar a fazer um cagaçal tremendo com a suas motas, eu seja impedido ou limitado na minha liberdade de circulação quando até estou a cumprir. Ou achas que as limitações de circulação tendo por base o ruído se cingiriam a motos com mais determinado índice decibélico, distinguindo casuisticamente, quem cumpre ou não cumpre?!

Acho que tás a misturar alhos com bugalhos e a complicar a situação. wtf

Tanto a noticia como o sinal aludem expressamente para a proibição da circulação de motociclos nos quais o ruído exceda os 95db, em locais específicos durante alturas especificas. Não há nada de enganador quer no texto quer no sinal. E foi sobre isso que disse que concordava em absoluto.

Uma mota para estar homologada terá sempre (com poucas excepções) de cumprir esta premissa à priori (respeito por valores de db e emissões). Logo, só motas mais antigas ou com escapes aftermarket sem db é que poderão estar eventualmente proibidas de circular. É disto que tamos a falar. A situação do Chipre (actualmente) parece ser semelhante. A verificação destas regras é outro assunto...

[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcSBKDKs6yFSsA6jXIrK7LO...Fbu3pya-zl]
Responder
#18

Esse sinal não existe em Portugal, portanto não pode ser aplicada a norma.

Tudo o que se tem discutido faz parte de um assunto sensível.

Na minha opinião, a verificar-se algo do género em Portugal, acho que tirava as ponteiras Stock à Maria das Curvas e espetava com ela a trabalhar a porta do gajo que defende que o justo pague pelo pecador.
Responder
#19

(17-09-2020 às 18:11)LoneRider Escreveu:  Na minha opinião, a verificar-se algo do género em Portugal, acho que tirava as ponteiras Stock à Maria das Curvas e espetava com ela a trabalhar a porta do gajo que defende que o justo pague pelo pecador.

Ninguém tá a defender que o justo pague pelo pecador. Estou só a dizer que é normalmente isso que acontece. É preciso pensar nisso antes de meter escapes sem DB ou mandar rateres às tantas da noite no meio de prédios. Depois sim, ficamos a jeito que imposições como estas e até mais duras varram tudo a eito.

[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcSBKDKs6yFSsA6jXIrK7LO...Fbu3pya-zl]
Responder
#20

Perder liberdades devido a uma cambada de arruaceiros taralhocos que gostam de fazer barulho sem respeitar nada nem ninguem, sim é uma grande merda mas que por uns pagam os outros, isso ja nao é novidade nenhuma, nao sei como ainda alguem fica surpreendido. Mas a questao é, que nao sera para com as instutuicoes que criam novas regras, legislam ou instituem o que quer que seja que nos devemos revoltar mas sim com esse grupo de chico espertos que sao mais que os outros e dao o mau nome aos motociclistas.

Eu tive uma xt que fazia um barulho do caralho msm, nao alterei nada mas quando a comprei ja tinha um escape daqueles a ze sapateiro, artesanal e quando entrava ao bules as 4 da manha, como sou um gajo com bom senso, ate tinha cuidado de levar a mota a pé para longe dos predios antes de a ligar. Nao sou melhor que ninguem mas tinha a decencia de evitar importunar alguem ao meio da noite com o que fazia. E muito gente que tem motas com escapes barulhentos ta se a cagar para os outros.
Da ai nao me surpreende esta noticia.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)