Kawasaki ZX-10R '16
#1

Não sou muito fã de super desportivas, mas a Kawasaki parece que vai lançar um belo canhão!

FONTE

"A Kawasaki revelou a Ninja ZX-10R num evento em Barcelona e mostrou-nos uma moto totalmente renovada.

Foi na cidade que serve de “base de operações” da Kawasaki Racing Team, Barcelona, que a marca de Akashi mostrou ao mundo a mais recente geração da famosa Ninja ZX-10R, uma moto que não só ajudou dois pilotos a conquistarem o título no Mundial de Superbike, Tom Sykes em 2013 e esta temporada Jonathan Rea também já assegurou o título, como também tem sido das motos que mais corridas vence neste campeonato, além de estar a bater recordes atrás de recordes, ajudando a marca japonesa a conquistar o título de equipas.

[Imagem: 5617b76054c5e_XL.jpg]

No último ano os fabricantes rivais lançaram no mercado motos muito competitivas, evoluídas tecnologicamente, e por isso a Kawasaki não podia deixar de aproveitar a oportunidade e o bom momento da KRT para retirar proveitos das boas opções que fez na competição. Aliás, a frase escolhida pelo departamento de marketing da Kawasaki não engana: “Get Closer” traduz-se para o motociclista comum em ficar mais perto de possuir a moto de competição através da nova Ninja ZX-10R.

Praticamente tudo foi alterado na Ninja. Talvez apenas a denominação tenha ficado intocada. De resto, desde motor, passando pela ciclística, pelo design, e, claro, sem esquecer a eletrónica, tudo foi alterado para esta ZX-10R de 2016.

Esteticamente a nova Ninja ZX-10R está mais encorpada ao nível da carenagem frontal, que recebe um novo ecrã. As óticas mudam sem deixar por completo a aparência angular e agressiva da atual ZX-10R, mas estão maiores, tal como está a entrada de ar central. De resto as outras grandes novidades neste particular são a nova traseira, totalmente redesenhada (algo que os fãs pediam há muito), e que recebe uma nova luz de travão ao estilo das nakeds Z da Kawasaki. Também a ponteira de escape sofreu alterações, não só para poder ajudar a Ninja a ser das primeiras motos a cumprir com a restritiva norma Euro 4, como também para ajudar o novo motor tetracilíndrico em linha a obter melhores performances.

Precisamente no motor encontramos várias novidades. A potência cifra-se nos 200 cv às 13.000 rpm e o binário será de 113,5 Nm às 11.500 rpm, com o motor a entregar estes valores de uma forma mais progressiva ao longo da gama de rotações, especificamente, e de acordo com os técnicos e pilotos, a potência é agora muito mais sentida nos médios regimes sem que no entanto o caráter explosivo da Ninja na gama alta tenha sido afetada.

Esta performance foi conseguida através de modificações na câmara de combustão, na alteração das dimensões das válvulas de escape, caixa-de-ar de maiores dimensões e com um novo filtro de ar, árvores de cames com novo perfil, coletores em titânio, cambota mais leve e que permite acelerar mais rapidamente, novas relações de transmissão e tudo isto controlado por um novo acelerador eletrónico.

Na ciclística a Ninja ZX-10R sofre o que serão as maiores alterações, ou pelo menos as que mais implicações terão no seu comportamento dinâmico: a coluna de direção está mais próxima do centro da moto em 7,5 mm, o braço oscilante tem maior rigidez torsional e aumenta em comprimento em 15,8 mm e tanto as suspensões como os travões ficam muito mais próximos do que podemos encontrar nas motos de competição do Kawasaki Racing Team.

Em relação às suspensões, a Kawasaki trabalhou ao longo dos últimos anos com a Showa para criarem uma nova forquilha denominada de “Balance Free Fork” (BFF), acompanhada na traseira por um novo amortecedor “Balance Free Rear Cushing” (BFRC). Esta forquilha deriva diretamente da versão SBK da ZX-10R, conta com reservatório externo de gás pressurizado, e são suspensões em estreia mundial numa moto de produção em massa. De acordo com alguns testes realizados pelos pilotos KRT numa pista não especificada, a utilização destas suspensões Showa, devido ao seu funcionamento mais homogéneo e com maior sensibilidade às afinações, garante uma redução do tempo por volta em cerca de 4 décimas!

Claro que numa moto que garante performances em aceleração e velocidade verdadeiramente alucinantes, a Kawasaki não deixou o departamento da travagem ao acaso, e recorreu aos serviços dos especialistas italianos da Brembo. Em relação ao sistema de travagem que conhecemos da atual moto, os discos passam a ser de 330 mm (à frente) quando eram de 310 mm, mordidos por pinças monobloco Brembo M50 de quatro pistões, enquanto a bomba de travão radial apenas é instalada na moto caso passe rigorosas verificações técnicas por parte da Brembo, para garantir que o motociclista usufrui de uma travagem potente e doseável, independentemente das condições de condução.

Aliás, para ajudar os motociclistas a usufruírem da nova Ninja, a Kawasaki instala nesta geração uma eletrónica digna de uma verdadeira moto de competição: mapas de motor que alteram a potência são 3, o controlo de tração passa de 3 níveis para 5, o ABS passa a contar com função “Cornering”, novo sistema de controlo de travão motor ajustável, novo “quickshift” só para subir de caixa (com Race Kit também para descer de caixa), e por último o “Launch Control” com três níveis de funcionamento.

Todas estas ajudas eletrónicas fazem parte do novo “pack” que a Kawasaki criou tendo por base a sua própria Unidade de Medição de Inércia de 5 eixos, fabricada pela Bosch de acordo com os parâmetros da Kawasaki, e que, de acordo com a marca japonesa, tem em conta os parâmetros utilizados pelos pilotos durante a competição no Mundial de Superbike.

Quanto a versões, a Kawasaki anunciou que a nova Ninja ZX-10R estará disponível em três versões, sendo que duas delas apenas diferem nas cores e gráficos.

A versão base será a cinzenta, e depois teremos a versão mais atraente e que usa uma mistura do típico tom verde da Kawasaki com gráficos que se aproximam dos que a marca utiliza nas suas motos de competição SBK. Uma terceira versão será revelada mais tarde, durante o Salão de Milão – EICMA, e que de acordo com as informações que temos, será bastante interessante!

Preços para Portugal ainda não estão disponíveis, mas a Kawasaki, através do seu importador no nosso País, a Multimoto, já nos confirmou que as primeiras unidades da Ninja ZX-10R estarão disponíveis para aquisição em janeiro ou fevereiro de 2016.!"

Ricardo - Honda CB500X
[Imagem: latest?cb=20150510093035]
Responder
#2

Faz sentido.
É o único construtor empenhado em fazer frente à Aprilia nas WSBK.

Já era tempo era de começarem a torná-las bonitas.
Responder
#3

Estamos a voltar aos tempos das hiper desportivas, desta vez mais controláveis devido às eletrónicas what

Será que também se vai ver por Milão? Pssstttttt Carlos..... bigsmile
Responder
#4






blink

[Imagem: wrong-bike.jpg]
Responder
#5

A guerra dos números há muito que voltou (aka «"a minha é "maior" que a tua»).... no entanto, a Kawa ao continuar a assumir a sua ZX10-R como a verdadeira hiper-desportiva de litro, da sua gama, penso que vai estar a meter a coqueluche H2 numa "terra de ninguém". Ou então assume-a apenas como o "brinquedo" de luxo, elitista, do seu catálogo.

Falta ver então que ventos soprarão dos lados de Hamamatsu.... que é o que falta saber. Mas ao que parece, não será (ainda) este ano.

Sim.... Rod.... com toda a certeza esta nova ZX10 estará em Milão. Mas já no próximo mês! shy

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)