JN - Duplicam as mortes em acidentes de mota
#31

(27-10-2017 às 10:46)carlos-kb Escreveu:  Já agora.... para quem quiser dar-se ao trabalho de analisar variáveis e fazer as continhas todas (o Officer é gajo para isso bigsmile ), aqui fica:

Relatórios de Sinistralidade - ANSR

Officer, depois faz o resumo (já que és perito nisso) e diz de tua justiça!  troll

Comecamos bem...

Abri um artigo tecnico completamente ao calhas, e fiz scroll ao calhas e deparei-me com:

[Imagem: YrlOnKQ.png]

Fonte


what what what what what what what what what what what what


Responder
#32

Se esse quadro fosse credível, ja toda a gente andava só de bicicleta! Ou nao porque em descida, elas sao capaz de atingir uma velocidade que poderá ser 100% mortal!  lol
Responder
#33

Essa velocidade de impacto é estudada como? Impacto do veículo? Do tripulante? Sendo certo que um impacto nunca é constante...
Impacto contra o quê?

O meu instrutor, há muitos anos, disse uma coisa que nunca mais me saiu da cabeça "Normalmente um motociclista só morre se bater em alguma coisa, poste, carro, muro, etc..."

Só um à parte, que não tem a ver com motas...
https://youtu.be/LmRkPyuet_o
Responder
#34

(27-10-2017 às 21:47)Rod Escreveu:  O meu instrutor, há muitos anos, disse uma coisa que nunca mais me saiu da cabeça "Normalmente um motociclista só morre se bater em alguma coisa, poste, carro, muro, etc..."

Isto.

Responder
#35

(27-10-2017 às 21:47)Rod Escreveu:  Essa velocidade de impacto é estudada como? Impacto do veículo? Do tripulante? Sendo certo que um impacto nunca é constante...
Impacto contra o quê? [/url]

Estatisticamente falar em 0% ou 100% em algo tao relativo como um acidente... e logo para encolher ombros e revirar olhos  rolleyes

Mais a mais, numa entidade que aspira a ser seria.

Um texto da mesma entidade que gere as famosas intervencoes de prevencao rodoviaria... rolleyes rolleyes  

(27-10-2017 às 21:47)Rod Escreveu:  Só um à parte, que não tem a ver com motas...
[url=https://youtu.be/LmRkPyuet_o]https://youtu.be/LmRkPyuet_o

Nao e uma novidade, mas nao deixa de ser impressionante a miga em que ficou o carro.

Sempre tive para mim, e que pode parecer uma parvoice enorme mas que bater a 250 de carro ou de mota, mal por mal preferia que fosse de mota!


Responder
#36

(27-10-2017 às 21:57)vindaloo Escreveu:  Sempre tive para mim, e que pode parecer uma parvoice enorme mas que bater a 250 de carro ou de mota, mal por mal preferia que fosse de mota!

Não considero assim tão parvo, provavelmente o desfecho será o mesmo, mas há sempre ideia de poder haver alguma hipótese..
Responder
#37

Ainda não bati a 250km/h mas a 140 dá direito a um voo grátis bué emocionante!

A sensação de aterrar, ver o mundo andar à roda de forma pouco arbitrária, os impactos do teu corpo no asfalto e um deslizar final é uma sensação esfoliante! bigsmile

Quando finalmente paras o tempo para contigo, fazes reset e pouco a pouco vais activando o teu corpo tentando perceber quais as partes do teu corpo estão bem ou mal.

Entre um misto de dor e ardor percebes que os sítios do costume sofreram as normais queimaduras por abrasão.

Não existem dores agudas ao respirar ou ao mover lentamente os membros, sinal que, por enquanto, o esqueleto scontinua intacto.

Momentáneamente a tua mente abre-se ao exterior:
"Tive um acidente.
Onde estou!?
Deitado no asfalto...
Katano!!!
Ainda me passam por cima!! “

E levantas a cabeça ao mundo, tentando perceber onde te encontras e o único que vez é um mar de pés e à medida de ergues o olhar encontras no céu uma clareira rodeada de olhos!

A minha mota!?

A minha mota é faço uma tentativa para me levantar....

A minha mota!!!

E, numa derradeira tentativa, levanto-me e estreio o meu novo andar de zombie, desordenado, balanceado, inconstante.
Pelo caminho vou melhorando o equilíbrio e controlando a dor das queimaduras nas ancas, joelhos, cotovelos, mãos, ombros e costas....
Ao dar a volta à Opel Rakord encontro a Voyager, inerte, deitada no chão, sangrando por uma bainha, com a sus mini-saia rasgada, as orelhas derrubadas, a minha motinha toda desfeita.

Segundo os médicos, eu não me lembro nada disso, as minhas feridas não eram preocupantes, o pior foi o estado de ansiedade em que me encontrava.
Quis bater no dono da Opel, na polícia, nos bombeiros, ninguém tocava na minha mota!

Naquele instante apareceu o Telmo, amigo e Motard, que com muita paciência me conseguiu pôr dentro da ambulância e terminar com aquele calvário.

Aprendi tanto naquele miserável dia....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#38

Morre mais gente a pé, que a andar de moto. Sobretudo nas passadeiras.

Andar a pé , MATA!

O resto é conversa.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk
Responder
#39

(28-10-2017 às 11:25)IgordeMelo Escreveu:  Morre mais gente a pé, que a andar de moto. Sobretudo nas passadeiras.

Andar a pé , MATA!

O resto é conversa.

E conversa que dava pano para mangas.  proud

A principal causa de morte em Portugal, superando largamente todas as outras, são as doenças do aparelho circulatório, responsáveis quase por 1/3 dos óbitos em Portugal.

Obriguem o pessoal todo só a comer vegetais e alimentos sem gorduras, para evitar os AVC.
(ainda que depois viessem a morrer de cancro derivado dos químicos, pesticidas e manipulações transgénicas usadas na agricultura industrial de larga escala.  bigsmile )

[Imagem: QKmafvp.png]
Responder
#40

Ora, nem mais.
Tudo na vida é relativo e digo mais : a puta da vida não tem sentido nenhum.

O resto é que é preocupante : parar para abastecer e escolher qual a será a da volta de Domingo.


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)