Honda Transalp 850 (2021)
#1

Tenho algumas dúvidas que esta mota venha dar resposta a uma grande procura no mercado... mas admito que a malta NCista e afins gostasse de ter um trambolho com uns pozinhos de "adventure" além do que a NC750X oferece... devil A ver o que sai daqui...

Citar:Honda Transalp 850 pode estrear em novembro no EICMA

[Imagem: honda-transalp-1.jpg]

A mais recente adição à família Honda ADV – a tão esperada, mas ainda não confirmada Honda Transalp – vai estrear no EICMA 2021? Esta ainda é uma questão sem resposta, mas alguns rumores apontam nesse sentido.

Ainda não existe oficialmente, mas esta previsão faz sentido. Uma versão mais leve e compacta, com um motor de menor capacidade da popular Africa Twin, parece estar no estirador, uma nova versão da irmã maior lançada em 2019… mas com outro nome!

Juntamente com o sucesso de modelos como a Yamaha Tenere 700 e uma porção crescente no mercado de motos Adventure de médio porte, pode na verdade estar a impulsionar este previsível lançamento abaixo dos 1000 cc – e por isso muitos olhos estão voltados para a Honda e para ver a sua reação… oficial, pelo menos.

[Imagem: rubberdust.jpg]

Todas estas pistas que já correm as redes sociais vieram de uma notícia dada pela publicação japonesa Young Machine (que raramente se engana) e que fala numa Transalp, modelo que, de acordo com essa fonte, regressaria ao mercado com uma cilindrada de 850cc – havendo ainda o registo de uma nova identificação com o nome Transalp feita pelo maior construtor mundial de motos. .

Sem a confirmação da Honda deste novo modelo, espera-se que este venha com um motor de 850 cc a quatro tempos do fabricante, o que deveria ser suficiente para garantir que a Transalp possa acompanhar a Africa Twin nos terreno mais acidentados, sendo também uma proposta mais ágil na estrada. No entanto, como a Honda já oferece a NC750X como uma crossover mais vocacionada para a estrada e com uma plataforma de motor semelhante, é provável que a empresa tente satisfazer o lado mais duro do mercado de ADV’s.

[Imagem: 103836098-a23c51fe-dc88-40b1-bcfc-af41db29a83f.jpg]

Com estes indícios, é muito provável que este novo modelo que traz de volta o icónico nome Transalp, venha de facto a ser uma das principais revelações da Honda na feira EICMA de Milão, que regressa em novembro de 2021 após um hiato forçado causado pela crise do COVID-19. No entanto, isto levantam uma questão: haverá rivais que justifiquem este aparecimento? Claro que sim, nomedamente as muitas propostas que se preparam na China como a CFMoto 800 e várias outras…

[Imagem: honda-deauville-nt650v-castielli-1536x1108.jpg]

Recordamos que, a Honda Transalp entrou no mercado em 1987, tendo desde então si alvo de mudanças na cilindrada que foi subindo progessivamente (XL600V, XL650V, XL700V) de um motor V-Twin que foi partilhado com modelos como a NT600V e NT700V Deauville, tendo a própria Transalp sido uma das grandes referências da gama Honda na Europa.

Fonte: Motosport
Responder
#2

Uma 850, com potencia de uma 650, com iuc de uma 1250, mesmo o que o mercado portugues precisa disapointed
Responder
#3

Há aqui um aspecto que a Honda está a valorizar, talvez vocês discordem, mas é o seguinte:

Salvo algumas excepções, as motos têm falta de binário em baixas para o tipo de trânsito que hoje existe.

Os Euro 4, 5, etc vieram agravar esse problema.

A forma mais barata e simples de produzir binário ė com CC.

Portanto, uma 850 a competir com uma 650 ou 700 é uma forma de dar aos motociclistas aquilo de que eles precisam no trânsito actual.

A Triumph está a fazer algo de parecido.

O DCT é mais uma forma de manter as rpm na zona de disponibilidade.

Para mim faz algum sentido.

O insignificante
Responder
#4

E certo que o motor da NC tem essa elasticidade que faz ser utilizável para o todo terreno mas a sua geometria de construção talvez seja contra indicada.

A vantagem do V2 no mundo do todo terreno era que permitiam centrar massas, baixar o centro de gravidade e manter um motor estreito.

Em termos dinâmicos são só vantagens.

No entanto, comparados com os paralel twin eram mais caros de produzir.

E o pessoal está a pensar....
Se é assim porque é que a KTM está a fazer paralel twin's e a monata-los nas suas adventure 790/890?

Porque são mais baratos e fáceis de desenvolver e porque estão orientados a um público alvo diferente (do que estavam as Trail de há 30 anos).

Depois existe uma grande evolução a nível de suspensões e ergonomia que permite ter 20cms mais de largura a nível da pança!

Para o monte ou uma utilização mista, entre configuração paralel e V, eu preferia a configuração V.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)