Galita
#31

(19-03-2018 às 23:13)nelsonajm Escreveu:  Segurança e estabilidade era algo que não fazia parte da essência da seven fifty...


Para uma mota de 1994? Estamos a falar de uma altura onde não existia praticamente apoios eletrónicos à condução como agora. E mesmo assim, é uma mota onde chegas a velocidades proibidas com relativa facilidade e sem abanicos no guiador como muitos se queixam hoje em dia. Ou que te permite curvar a velocidades elevadas sem sentir a mota a fugir. Na minha opinião, claro, com uma experiência muito curta em motas de cilindrada superior
Responder
#32

(20-03-2018 às 10:24)dmanteigas Escreveu:  
(19-03-2018 às 23:13)nelsonajm Escreveu:  Segurança e estabilidade era algo que não fazia parte da essência da seven fifty...


Para uma mota de 1994? Estamos a falar de uma altura onde não existia praticamente apoios eletrónicos à condução como agora. E mesmo assim, é uma mota onde chegas a velocidades proibidas com relativa facilidade e sem abanicos no guiador como muitos se queixam hoje em dia. Ou que te permite curvar a velocidades elevadas sem sentir a mota a fugir. Na minha opinião, claro, com uma experiência muito curta em motas de cilindrada superior

Andas muito higiénico... angel troll

Velasquez87
Responder
#33

(20-03-2018 às 10:24)dmanteigas Escreveu:  
(19-03-2018 às 23:13)nelsonajm Escreveu:  Segurança e estabilidade era algo que não fazia parte da essência da seven fifty...

Para uma mota de 1994? Estamos a falar de uma altura onde não existia praticamente apoios eletrónicos à condução como agora.

Em 1994 já uma CBR1000F contemplava Dual CBS. Ou uma GTS trazia ABS... tal como a BMW já usava e abusava de sistemas anti-lock braking, e (embora sendo sistemas mecânicos e não electrónicos) explorava sistemas de suspensão como o Telelever ou o Paralever ou a GTS previa a célebre RADD front suspension.

A seven fifty era apenas uma naked com um bom motor DOHC air/oil head, um sofrível quadro duplo berço tubular em aço e uma ciclística que acompanhava aquilo que também a concorrência tinha nas respectivas congéneres... mas que estaria longe de a destacar como um portento de segurança e estabilidade.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#34

Para uma naked, comparando com outras naked do momento, não estava mau....
Claro que não se pode comparar com uma GSXR 750, que tinha uma chassi quase tão flexível como o duplo berço em diamante da Seven Fifty.

Eu preferia de longe a Seven Fifty que o suplo berço da GSXR, não por causa da flexibilidade de ambos Chassis, mas porque a Asinha anda a bem menos e era, por tanto, mais previsível.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#35

Aonde eu pude uma vez experimentar a travagem e ciclística de uma seven fifty "em grande", foi a descer a célebre rampa em espiral do estacionamento do antigo Vila Franca Centro... 4 pisos em rampa de caracol, sem zonas de "descanso" what .

(Mais tarde apareceram as rampas do estacionamento do "El Corte Inglês" da A. A. Aguiar... que eram "p'ra meninos", ao pé das apertadas e bem mais inclinadas do shopping de Vila Franca bigsmile ).

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#36

Carlos.. num fórum de homens de barba rija não abona muito a teu favor evidenciares dificuldades de condução em rampas de parques estacionamento!

Não obstante existirem ex-users com experiência específica em parques estacionamento e esses levarem uma evidente vantagem, estamos a falar de uma estradinha de cimento tranquila...


Responder
#37

(20-03-2018 às 12:36)vindaloo Escreveu:  Carlos.. num fórum de homens de barba rija não abona muito a teu favor evidenciares dificuldades de condução em rampas de parques estacionamento!


Mas quem é que falou em dificuldades?
Apenas referi que tive oportunidade de lá testar as virtudes de travagem e ciclística (ou falta delas) de uma seven fifty.  proud

Eu sei que por norma há tendência de cada um falar do que mais tem que ver consigo... mas não precisas de tão constantemente trazer à baila assuntos que só têm que ver contigo mesmo, como lentidão na estrada... ou dificuldades de condução.  devil

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#38

Eh pá.... para andar a velocidades ilegais.... em 1994... eu e o kabé... amassamos a traseira dum 205XAD... ou melhor... o kabe amassou com o joelho.... eu parti o para-choque do carro com o pedal das mudança.....mais o meu pé... e isto tudo... a subir... e com uma SR125....

1 hora depois estava a levar com um pedal de mudanças duma casal boss.... de gatilho.... que a tornava "muito racing"... segundo um artolas que lá estava com uma B400 preta...

Nesse dia não almoçamos... porque gastamos o guito todo no pedal.... e ainda ficamos a dever um 200 paus... a sorte era o depósito estar cheio...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#39

Recuperar uma mota antiga será sempre uma boa iniciativa.

Se o processo for devidamente documentado, este será um tópico a acompanhar com particular entusiasmo.
Responder
#40

[Imagem: CId1i2W.jpg]

Rui.... Já andas a fazer os road tests?  think

Essa recuperação está mesmo a andar a olhos vistos!  pervert  smiletroll

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)