Esta mulher deixou tudo para dar a volta ao mundo de moto
#1

https://www.voltaaomundo.pt/2017/10/28/e...o-de-moto/
Responder
#2

digo sinceramente, eu pensaria duas, duas milhões de vezes antes.
parabéns a ela. sad
Responder
#3

Oh com mota e extras oferecidos também eu. Muitos fariam isto se tivessem o dinheiro para comprar uma mota capaz de fazer uma aventura destas, sendo o maior custo duma coisas destas isso mesmo.


Enviado do meu Aquaris M5 através de Tapatalk

V
Responder
#4

(29-10-2017 às 16:35)pedromt07 Escreveu:  Oh com mota e extras oferecidos também eu. Muitos fariam isto se tivessem o dinheiro para comprar uma mota capaz de fazer uma aventura destas, sendo o maior custo duma coisas destas isso mesmo.


Enviado do meu Aquaris M5 através de Tapatalk

Acho que não tens bem a ideia dos custos de uma viagem pois não? É que até podes dormir em tendas na beira da estrada (que isso podes fazer em "meia dúzia" de países, mas tens de pagar vistos, ferry's muitas vezes, etc etc).

Quanto à menina/senhora, os meus parabéns.

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#5

(29-10-2017 às 17:03)michelfpinto Escreveu:  
(29-10-2017 às 16:35)pedromt07 Escreveu:  Oh com mota e extras oferecidos também eu. Muitos fariam isto se tivessem o dinheiro para comprar uma mota capaz de fazer uma aventura destas, sendo o maior custo duma coisas destas isso mesmo.


Enviado do meu Aquaris M5 através de Tapatalk

Acho que não tens bem a ideia dos custos de uma viagem pois não? É que até podes dormir em tendas na beira da estrada (que isso podes fazer em "meia dúzia" de países, mas tens de pagar vistos, ferry's muitas vezes, etc etc).

Quanto à menina/senhora, os meus parabéns.
Sim, mas o que custa mais? A mota ou a viagem em si? Porque se muitos tivessem esta "oferta" da Triumph também fariam algo parecido. A mota representa uma grande parte dos custos, mas sei que mesmo com a mota paga é algo caro.
Agora não lhe tiro o mérito de fazer isto sozinha, isso dou-lhe os parabéns e um grande aplauso.

Enviado do meu Aquaris M5 através de Tapatalk

V
Responder
#6

A mota e equipamento não é o maior gasto fazendo uma viagem deste tamanho. É um custo significativo e obviamente é muito bom não ter esse custo, mas não é o mais complicado...
Responder
#7

Com o devido respeito, já que a jovem terá feito muito mais do que qualquer um aqui se possa gabar, mas isto não é só uma questão de querer, é também uma questão de poder. E acredito que do bolso dela tenham saído aproximadamente 0 euros para esta brincadeira.

O que falta contar nesta história é como é que uma jovem de 30 anos que a única coisa que fez na vida foi estudar (história da arte, gestão, direito...), com carta de mota tirada há 2 anos, consegue obter o patrocínio da Triumph, Touratech e Metzeler para fazer uma coisa destas. Para mim isto é algo próximo de descobrir o santo graal do mototurismo. A mesma coisa quando leio crónicas em revistas da especialidade, de malta que deixa o seu trabalho para passar 6 meses, um ano ou mais a viajar, e eu me fico sempre a perguntar como raio conseguem dar-se a este luxo.

Por outro lado é fácil "deixar tudo para trás" quando o que fica para trás é muito pouco. Não sei se é o caso, mas aposto que a jovem não "deixa para trás" filhos ou família que dela necessitem, não deixa para trás um trabalho do qual dependa realmente para viver, ou onde tenha uma função da qual dependam outras pessoas, etc. etc. etc.

Como sou muito mais maricas do que esta jovem será, ou talvez apenas porque não tenho os conhecimentos necessários para tornar isto uma realidade e fazer disto o meu modo de vida, vou fazendo o muito pouco que está ao meu alcance. Admito aqui a minha extrema inveja, porque gostaria de fazer mais, mas sempre que dou uma voltinha de um par de centenas de quilómetros, consigo ainda assim sentir-me feliz.
Responder
#8

(29-10-2017 às 19:45)marco.clara Escreveu:  Por outro lado é fácil "deixar tudo para trás" quando o que fica para trás é muito pouco. Não sei se é o caso, mas aposto que a jovem não "deixa para trás" filhos ou família que dela necessitem, não deixa para trás um trabalho do qual dependa realmente para viver, ou onde tenha uma função da qual dependam outras pessoas, etc. etc. etc.

Mesmo
Responder
#9

Marco, tem 40k no instagram. Deve ter algo a ver com isso, o facto de ter arranjado o patrocínio da triumph e touratech.
O mesmo se passou no caso do Ewan Mcgregor e do Charley Boorman que tiveram tudo pago pela BMW, touratech e muitas mais marcas, a nível de equipamento, motas e carros de apoio. Mas estes dois já eram conhecidos no mundo das motas e "estrelas".
Responder
#10

(29-10-2017 às 19:45)marco.clara Escreveu:  Com o devido respeito, já que a jovem terá feito muito mais do que qualquer um aqui se possa gabar, mas isto não é só uma questão de querer, é também uma questão de poder. E acredito que do bolso dela tenham saído aproximadamente 0 euros para esta brincadeira.

O que falta contar nesta história é como é que uma jovem de 30 anos que a única coisa que fez na vida foi estudar (história da arte, gestão, direito...), com carta de mota tirada há 2 anos, consegue obter o patrocínio da Triumph, Touratech e Metzeler para fazer uma coisa destas. Para mim isto é algo próximo de descobrir o santo graal do mototurismo. A mesma coisa quando leio crónicas em revistas da especialidade, de malta que deixa o seu trabalho para passar 6 meses, um ano ou mais a viajar, e eu me fico sempre a perguntar como raio conseguem dar-se a este luxo.

Por outro lado é fácil "deixar tudo para trás" quando o que fica para trás é muito pouco. Não sei se é o caso, mas aposto que a jovem não "deixa para trás" filhos ou família que dela necessitem, não deixa para trás um trabalho do qual dependa realmente para viver, ou onde tenha uma função da qual dependam outras pessoas, etc. etc. etc.

Como sou muito mais maricas do que esta jovem será, ou talvez apenas porque não tenho os conhecimentos necessários para tornar isto uma realidade e fazer disto o meu modo de vida, vou fazendo o muito pouco que está ao meu alcance. Admito aqui a minha extrema inveja, porque gostaria de fazer mais, mas sempre que dou uma voltinha de um par de centenas de quilómetros, consigo ainda assim sentir-me feliz.

Marco,

Esta e a questao mais velha de todas as comunidades de viajantes.

De onde vem o sustento?

Nao precisamos de ir ao estrangeiro buscar relatos de grandes viagens.

Deixo-te 2 exemplos que ja tive o previlegio de ouvir na primeira pessoa, um deles numa palestra num teatro em Leiria. Ambos sao unanimes: O bem estar mental, equilibra o desconforto no corpo permitindo assim dormir, comer, subsistir com menos do que o que nos consumimos no dia a dia para estar sentados a uma secretaria.

Nuno Pedrosa
http://globonautas.net/itinerario-geral-ate-ao-momento/
https://www.youtube.com/watch?v=Li8jBn6FdRo

Antonio Queiroz
http://viajardemoto.blogspot.pt/

Tens outros exemplos num registo um bocadinho diferente mas igualmente interessante que sao as viagens do Joao Luis e da Gracinda.

Eu e tu, ja conversamos varias vezes sobre o molde em que viajamos nestas voltinhas que combinamos, acabamos por nunca sair do desconforto, algo que e impensável para uma viagem grande.

Pelo mundo de bicicleta, consegue-se um custo medio de 6,75euros diarios.


Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)