Dúvidas de um tenrinho
#11

Para evitar barulhos e desgaste necessário na caixa, é praticar revmatch, principalmente a descer de 2 para 1, que é quando o motor mais trava e mais disturba a coisa.
Responder
#12

É pá, usar o travão motor para parar num semaforo é algo que com o tempo é experiencia acabas por deixar de fazer.

É mais fácil apertar a embraiagem e ir baixando gradualmente de mudanças à mediada que travas e perdes velocidade, mas desta feita sem largar a embraiagem e sentir o efeito travão motor.

A caixa é difícil de "manusear" para do porque não tem sincronizadores, assim que nem sempre os astros estão alinhados para te ajudar.

De todas as maneiras, eu quase nunca paro a mota com a primeira já engrenada. Engrenar a primeira quando levas alguma velocidade pode supor um sobre esforço à embraiagem provocando desgaste anormal.
O melhor é parar e, uma vez parado por a primeira.

Baixar os pés ao chão, antes de parar (isto pode parecer óbvio mas não o é) ajuda a manter a estabilidade e o equilíbrio a baixa velocidade porque estas a baixar o centro de gravidez da mota.

Normalmente as pessoas tendem a criar o seu próprio esquema que, pode não ser o mais correcto, mas pode ser o mais correcto em ambos casos particulares ao mesmo tempo!
devil

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#13

(25-02-2019 às 10:28)Fz1000 Escreveu:  Para evitar barulhos e desgaste necessário na caixa, é praticar revmatch, principalmente a descer de 2 para 1, que é quando o motor mais trava e mais disturba a coisa.

Estás a ver... já eu acho que a primeira é para arrancar, logo em andamento nunca a meto e largo a embraiagem. A ter de a pôr, mantenho embraiagem até parar.


Só em desportivas longas (mais antiguinhas) é que é preciso recorrer à primeira para circular normalmente.


Se tiver de pôr a primeira nas curvas... é muito bom sinal! devil


Responder
#14

(25-02-2019 às 10:29)LoneRider Escreveu:  É pá, usar o travão motor para parar num semaforo é algo que com o tempo é experiencia acabas por deixar de fazer.

Duvido que tenha algo a ver com experiência. Ao fim de algum tempo a andar de mota cada pessoa desenvolve o seu estilo próprio e faz como é mais fácil para ela ou como se habitua, e usar o travão motor seja para parar num semáforo, para reduzir a velocidade ou para outro propósito qualquer não me parece descabido. Por isso é que há pessoas que aguentam pastilhas de travão em 50 mil kms, outras 20 mil, outras as pastilhas traseiras duram a vida útil da mota...

Em todas as aulas de condução que tive os instrutores referiam que é assim que deves parar o motociclo, abrandando progressivamente enquanto tiras mudanças e mantens o motor no regime de rpms certo, e para evitar reduzir tudo de uma vez com a embraiagem pressionada excepto em situações em que tens de travar bruscamente. Assim sempre assumi esta forma como sendo o "by the book". Eu em 70-80% dos casos nos semaforos o que me acontece é ter de reduzir parado por pura distração. E como não percebo nada de mecânica, nem sei sequer qual é a forma que melhor preserva os componentes da mota. Só aqui neste forum é que aprendi que existe uma coisa chamada "revmatching"

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#15

Normalmente vou travando, usando os travões e o motor. Paro em 2ª. E parado, coloco em ponto morto. Apenas em situações [raras, felizmente] de desespero é que a paragem não é acompanhada de reduções. É uma operação que faço sem pensar.
Responder
#16

Gradualmente reduzo antes de parar até à 2a.
Depois de parado reduzo de 2a para N. Raramente uso travões nestas ocasiões.
Responder
#17

(25-02-2019 às 10:54)vindaloo Escreveu:  
(25-02-2019 às 10:28)Fz1000 Escreveu:  Para evitar barulhos e desgaste necessário na caixa, é praticar revmatch, principalmente a descer de 2 para 1, que é quando o motor mais trava e mais disturba a coisa.

Estás a ver... já eu acho que a primeira é para arrancar, logo em andamento nunca a meto e largo a embraiagem. A ter de a pôr, mantenho embraiagem até parar.


Só em desportivas longas (mais antiguinhas) é que é preciso recorrer à primeira para circular normalmente.


Se tiver de pôr a primeira nas curvas... é muito bom sinal! devil

Isso é porque não usas revmatch.

A maior parte das desportivas usas a 1 rolar até 50kmh pelo menos, em condução citadina, meter a 2 abaixo disso vai a mota a morrer.

Em menor cilindrada sim meto quase logo a 2 depois de arrancar.
Responder
#18

Forma correta é ir travando e descendo as mudanças progressivamente enquanto abrandas, usando o travão de motor e da mota para abrandar. Claro que há o pessoal que gosta de fazer "coasting" à mota, mas acho isso estúpido.
Referente a parar em 2ª/1ª ou neutro depende de cada um, eu normalmente paro em neutro vindo de 2ª em andamento 90% das vezes. Foi hábito que ganhei. Os outros 10% paro em 2-3ª devido a brincadeiras ou paragens de emergência.
Para reduzir mudanças parado é fácil, basta balançares a mota para a frente e trás enquanto reduzes as mudanças. Podes largar um pouco a embraiagem muito brevemente enquanto reduzes que ajuda. Acelerar a mota um pouco também ajuda. (não os dois ao mesmo tempo claro)
Responder
#19

E as gajas que estão no carro ao lado, ao verem-te a balançar a mota para a frente e para trás, ainda vão pensar em algum tipo de oferecimento! blink

Mas enquanto forem gajas...
devil

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#20

(25-02-2019 às 09:58)dmanteigas Escreveu:  Nestes casos, em principio se largares ligeiramente a embraiagem como quem está a fazer ponto morto enquanto pressionas ligeiramente o pedal para baixo deve resolver-te o "problema".

É exactamente isso que já aprendi a fazer. thumbsup

Na BN a 1ª é mesmo mt limitada, só dá para arrancar. Não dá para mais.

(25-02-2019 às 12:07)pedromt07 Escreveu:  Para reduzir mudanças parado é fácil, basta balançares a mota para a frente e trás enquanto reduzes as mudanças.

Ontem dei também conta disso. Se der um pequeno impulso, ela engrena. Todos os dias a aprender.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)