DCT - Dual Clutch Transmission (Como Funciona)
#21

(19-11-2018 às 19:30)dmanteigas Escreveu:  
(19-11-2018 às 18:57)LoneRider Escreveu:  ...e quick shift....

No QS tu metes e tiras mudanças na mesma. Só que em vez de seres tu a cortar a aceleração manualmente um dispositivo faz isso por ti.

https://motonliners.pt/topico-quick-shif...o-funciona
Responder
#22

(19-11-2018 às 10:48)dmanteigas Escreveu:  O DCT é "scooterizar" a condução da mota. Eu dispenso, nem tenho qualquer curiosidade em experimentar. Já conduzi scooter vários anos, sei perfeitamente a sensação de apenas acelerar a conduzir, não me interessa se uma tem barulho de mudanças a entrar e a outra não. Claro que entre os dois "males" optaria sempre pelo DCT em vez da scooter "tradicional" uma vez que sempre me poderia divertir a usar o joystick para meter e tirar mudanças.

Manteigas, pá... Neste momento meteste o Corradino D'Ascanio a dar voltas no túmulo.

O conceito scooter é completamente dissociável do mero acto de apenas "acelerar e travar", sem necessidade de meter mudanças. Nem a primeira implica necessariamente a segunda, até porque as primeiras scooters tinham precisamente caixa manual... e o maior símbolo delas, a mítica Vespa, durante muitos anos recorreu exclusivamente a caixa manual.

Aliás, a adopção de transmissão por variador contínuo ocorreu bem depois, e mais porque a ergonomia da scooter e a forma como o condutor vai sentado, com os pés num estrado, não torna muito prático o acto de meter mudanças com o pé (ainda que as houvesse)... talvez por isso mesmo muitas scooter de caixa manual recorriam a um comando da mesma no punho ou por alavanca.

O DCT, por seu lado, é não mais que é uma caixa automática desenvolvida pela Honda, para motos, tal como existem e até estão na moda "nos automóveis". E também como a maioria destes, tem a possibilidade de ser usada em modo "pilotado", através de patilhas (e não joystick).

(19-11-2018 às 17:43)dmanteigas Escreveu:  Mas a verdade é que muito provavelmente o futuro andará por aqui... motas com DCT, carros com mudanças automáticas... a grande maioria das pessoas conduz por necessidade, portanto tudo o que reduza o "fardo" de conduzir é sempre bem aceite.

Até vejo mais iso é com os célebre carros autónomos (sem condutor)... em que até às motos a coisa parece estar a querer chegar.

https://www.andardemoto.pt/moto-news/394...-autonoma/

(19-11-2018 às 19:30)dmanteigas Escreveu:  No QS tu metes e tiras mudanças na mesma. Só que em vez de seres tu a cortar a aceleração manualmente um dispositivo faz isso por ti.

Uma caixa automática (goste-se ou não), também não deixa de ser um dispositivo que faz as passagens de caixa, por ti... tong

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#23

(19-11-2018 às 19:30)dmanteigas Escreveu:  
(19-11-2018 às 18:57)LoneRider Escreveu:  ...e quick shift....

No QS tu metes e tiras mudanças na mesma. Só que em vez de seres tu a cortar a aceleração manualmente um dispositivo faz isso por ti.

Ainda andavas a bambolear na tomatada do teu pai já eu sabia o que era o Quick Shift pá!
Eu conduzi motos a dois tempos e tinha um Quick Shift que as vezes se esquecia de cortar a aceleração pá!
Aquilo é que era deitar fumo pelo escape!!! bigsmile
Depois....
Quando tiveres uma embraiagem de acção hidráulica vais perceber que é tudo tão eficaz que isso dos sensores é treta....

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#24

(19-11-2018 às 20:58)carlos-kb Escreveu:  
(19-11-2018 às 19:30)dmanteigas Escreveu:  No QS tu metes e tiras mudanças na mesma. Só que em vez de seres tu a cortar a aceleração manualmente um dispositivo faz isso por ti.

Uma caixa automática (goste-se ou não), também não deixa de ser um dispositivo que faz as passagens de caixa, por ti... tong

Ele não é bom lambedor....
Porque se ele tivesse lambido bem a coisa ia perceber que a minha referência ao Quick Shift era para reforçar ainda mais a sua ideia de se estar a scuterizar uma moto ao ter sistemas que façam por ti o trabalho mais divertido.


Já agora...
Eu conduzi a NC-S e a Íntegra, ambas com o DTC e é uma plus valia em ambiente urbano.
Os gatilhos para a mudança manual até são efectivos e rápidos mas requerem algo de adaptação ao mecanismo, principalmente quando um gajo tem tão enraizado o mecanismo tradicional.

Na VFR, este sistema fazia cantar mais o sistema de transmissão, principalmente em ambiente urbano.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#25

(19-11-2018 às 19:30)dmanteigas Escreveu:  
(19-11-2018 às 18:57)LoneRider Escreveu:  ...e quick shift....

No QS tu metes e tiras mudanças na mesma. Só que em vez de seres tu a cortar a aceleração manualmente um dispositivo faz isso por ti.

Citar:Pronto então tens de riscar da tua lista qualquer superdesportivo de 4 rodas...

Já estão riscados há muito. Quem é que quer um lamborghini Gallardo?  devil

Mas não sendo conhecedor do assunto, creio que pelo menos uma versão em que és tu que metes as mudanças devem disponibilizar. Quando falo em caixa automática falo naqueles tipo smart. Em que é chegar e acelerar e travar sem qualquer outra intervenção humana.
A tua confusão continua...
Tu nunca conduziste nada com DCT, pois não?

Daelim S3 125: Ago11->Jul12(14k) ; Maxsym 400i: Jul12->Mai13(21k) ; Maxsym 400i ABS: Jun13->Mai14(18k) ; Maxsym 600i ABS:Mai14->Jan15(12k)
[Imagem: LYE8JS]  |  CANAL YOUTUBE
Responder
#26

Pianoman, eu não preciso de conduzir uma NC com DCT ou uma Integra para saber que existe diferenças, obviamente. Na scooter não tem travão motor, no DCT continuas a ter. Na scooter não tens hipótese de manualmente selecionar as mudanças (que nem existem), no DCT tens. A posição de condução, aerodinâmica, etc é completamente diferente numa NC por comparação com uma scooter.... E todas as tecnicalidades que a mim pouco me interessam. Certamente que todas estas diferenças fazem com que seja diferente a sensação entre conduzir uma NC/Integra por comparação com uma TMax. Não há qualquer ponto de discordância aqui.

Agora que o DCT permite conduzir uma mota como se fosse uma scooter no sentido de ser acelerar e travar, isto é um facto consumado por muitas voltas que alguém dê no tumulo. Aliás, é esse mesmo o ponto de venda da Honda:


Citar:DCT allows the rider to focus on accelerating, turning and braking, rather than gear shifting.
 
Agora troca DCT por Scooter e diz-me lá se a frase não encaixava exatamente igual se estivessemos a comprar uma Scooter com qualquer outra mota. Na perspetiva do utilizador, o DCT independentemente da sensação de condução é ter um sistema semelhante ao de uma scooter numa mota. Também por isto é que a NC é um sucesso de vendas tão grande. Porque permite que muita gente que sai de uma scooter (seja uma PCX ou outra qualquer) ou que é recem chegada ao mundo do motociclismo tenha uma mota que pode conduzir como uma scooter, onde tem de se preocupar apenas com acelerar, virar e travar.

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#27

No entanto, parece-me a mim que a esmagadora maioria dos clientes NC comprou a versão de caixa normal!

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#28

(20-11-2018 às 14:06)LoneRider Escreveu:  No entanto, parece-me a mim que a esmagadora maioria dos clientes NC comprou a versão de caixa normal!

Pelintras! lol devil

As minhas máquinas (e ex):
Kawasaki Versys 1000 / KTM 1290 Super Duke GT
Yamaha FZS 600 Fazer

[Imagem: censorship2.jpg]

Responder
#29

(20-11-2018 às 13:16)dmanteigas Escreveu:  Pianoman, eu não preciso de conduzir uma NC com DCT ou uma Integra para saber que existe diferenças, obviamente. Na scooter não tem travão motor, no DCT continuas a ter. Na scooter não tens hipótese de manualmente selecionar as mudanças (que nem existem), no DCT tens. A posição de condução, aerodinâmica, etc é completamente diferente numa NC por comparação com uma scooter.... E todas as tecnicalidades que a mim pouco me interessam. Certamente que todas estas diferenças fazem com que seja diferente a sensação entre conduzir uma NC/Integra por comparação com uma TMax. Não há qualquer ponto de discordância aqui.

Agora que o DCT permite conduzir uma mota como se fosse uma scooter no sentido de ser acelerar e travar, isto é um facto consumado por muitas voltas que alguém dê no tumulo. Aliás, é esse mesmo o ponto de venda da Honda:


Citar:DCT allows the rider to focus on accelerating, turning and braking, rather than gear shifting.
 
Agora troca DCT por Scooter e diz-me lá se a frase não encaixava exatamente igual se estivessemos a comprar uma Scooter com qualquer outra mota. Na perspetiva do utilizador, o DCT independentemente da sensação de condução é ter um sistema semelhante ao de uma scooter numa mota. Também por isto é que a NC é um sucesso de vendas tão grande. Porque permite que muita gente que sai de uma scooter (seja uma PCX ou outra qualquer) ou que é recem chegada ao mundo do motociclismo tenha uma mota que pode conduzir como uma scooter, onde tem de se preocupar apenas com acelerar, virar e travar.
Eu nunca falei em NC...

Daelim S3 125: Ago11->Jul12(14k) ; Maxsym 400i: Jul12->Mai13(21k) ; Maxsym 400i ABS: Jun13->Mai14(18k) ; Maxsym 600i ABS:Mai14->Jan15(12k)
[Imagem: LYE8JS]  |  CANAL YOUTUBE
Responder
#30

(20-11-2018 às 14:06)LoneRider Escreveu:  No entanto, parece-me a mim que a esmagadora maioria dos clientes NC comprou a versão de caixa normal!

A diferença de preço pode também justificar isso... a par (de como vimos) da desconfiança e algum estigma de muitos, em relação a uma caixa automática.

Na VFR1200F a versão de caixa manual também foi a preferida (eram 1200 euros de diferença a mais para a DCT). Na Africa Twin actual regista-se a mesma tendência (e são 1050 euros a diferença).

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)