Como convencer os pais a tirar carta de mota
#1

Olá a todos! Eu queria colocar uma questão que presumo que seja um bocado dificil de responder! Eu nunca fui muito fascinado com motas, mas ultimamente tenho me vindo a "apaixonar" completamente pelas mesmas! O que eu queri perguntar era, se vocês têm alguma sugestão em termos de como conseguir convencer os meus pais a me deixar tirar carta de mota (A1), eu tenho 16 anos, já pedi algumas vezes aos meus pais, pela qual eles só me respondiam com o mesmo argumento, de que tinham um amigo que tinha tido um acidente terrível e por pouco não morria e tinham medo que eu me espetasse contra alguma coisa! Eu sei que eles têm razão e só me querem ajudar, mas é uma coisa que eu já ando a pensar ha quase mais de 2 anos e fica sempre a chatear me.. Eu sinto que sou capaz de andar numa mota sem me aleijar, sinto que sou responsável o suficiente para assumir isto! Aliás, tenho dinheiro para a carta de mota e ainda tenho mais um bocado, estive a falar com o meu pai em ir trabalhar e assim, para conseguir arranjar o resto do dinheiro para pagar tudo, mas mesmo assim ele tem receio! 
Espero que me possam ajudar, dar me algum conselho ou assim, que me possa ajudar a convencê-los. 
Obrigado pela disponibilidade e desculpem ter escrito muito!
Responder
#2

Escrever muito é mau!?

Claro que não!
Existem é por aí uns gajos que lêem a coisa resumida.
Algo do tipo.

O meu pai é um ranhoso porque não me deixa andar de Mota porque acha que me vou matar!

Ora bem......

Os teus pais tem razão.
Se andas de Mota existe mais risco de morreres. Assim como se fores de carro com eles, no autocarro ou no comboio. Existe risco de virares anjinho a descer as escadas, atravessar a rua ou a chupar uma Asinha de franga no KFC!
Esse risco existe e para isso só precisas de uma coisa. Estar vivo.
Podia-te falar sobre a rebeldia e tal, mas depois tirava argumentos ao Félix, é melhor que seja ele a explicar-te isso....

O que é que podes fazer para os convencer!?

É pa, não falar sobre isso.
Passar a pedir preservativos todas as semanas!
A tua mãe vai ficar bué alarmada:

-Tem cuidado!
-Não te preocupes mãe, não é uma Mota, não existe risco de morrer!

Mas aquilo vai ficar ali a moer, porque as mulheres são assim. No dia seguinte, perguntas para que é que serve a pílula do dia seguinte.

-É que uma Mota é que perigosa, um pneu rebentado pode matar-me, enquanto que um preservativo rebentado pode dar a oportunidade a uma vida nova! É disso que se trata não é, mãe!?
Mas no fundo eu acho que era mais fixe uma Mota!

E sais de mansinho deixando a "velha" à beira de um ataque de nervos....

Ora, isto tem repercussão, principalmente na cama dos teus pais.

-Querido!
-Temos festa!?
-O nosso filho já tem vida sexual activa!
-É um campeão, sabia que as miúdas não lhe iam faltar!
-Tu está calado, que já fala de pílulas do dia seguinte, ainda nos arranja uma complicação enorme. Temos que o desviar!
-O quê!? Estás a dizer que preferes o nosso filho larilas!?
-Não, sua cabeça de vento! Acho que a ideia da Mota não é descabida de todo....
-Tu es maluca? Motas não!
-Pronto, tu é que sabes....
-Mas anda cá, não fujas! Vem cá, boazona, tira o leite à melga!
-Hoje não, isto do miúdo deixou -me com uma dor de cabeça terrível!

Se o teu pai gosta da tua mãe e se a tua mãe gosta de leite de melga, estou quase seguro que em menos de nada tens Mota! blink

Boa sorte!

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#3

Muito bom...

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#4

Em alternativa à estratégia maquiavélica do Lone, para levar os teus pais à beira de um ataque de nervos tal que não terão outra hipótese senão oferecer-te a carta, uma mota e todo o equipamento que necessites, há outras coisas pelo meio em que podes pensar.

Contra o argumento do "conheço um rapaz que comprou uma mota e no dia seguinte teve um acidente e morreu", existe sempre o do "conheço um rapaz a quem o pai comprou um carro, porque tinha medo que ele se matasse de mota, e no dia seguinte enfiou-se debaixo de um camião com ele e morreu". A veracidade dos factos será tão verificada como na campanha pela presidência do Donald Trump.

Quanto ao tema da idade, tens 16 e por isso compreendo que resolver as coisas em períodos maiores que uma semana ou duas te pareça agora uma eternidade. Se conseguires ver além desse tipo de prazo, podes sempre pensar que dentro de 1 ano ou 2, possivelmente os teus pais já não terão grande voto na matéria (a não ser que sejas daqueles que planeiam viver em casa dos pais até aos 40).

Tens ainda uma hipótese que é, tirares a carta e não lhes dizeres nada. Essa parte é pouco problemática, já que tens dinheiro para o fazer, e o saber não ocupa lugar. Além disso, reza a história que não há muita gente a morrer durante as aulas de condução. A parte mais problemática será quando depois te propuseres a comprar uma mota, porque aí a coisa ganha forma. Mas aí tens de abrir novo tópico, já que o tema da carta foi ultrapassado.

Podes ainda optar pela solução do cachorrinho abandonado (há alguns pais que são vulneráveis a isso). Se começares a andar com um ar abatido e deprimido, ou lhes deres a entender que és o mais recente jogador do "Baleia Azul", eles podem achar que a mota é um mal menor e ceder.

Como vês, fizeste bem em vir a este tasco, já que por aqui é só sabedoria e conselhos de qualidade!
Responder
#5

Basicamente segue o que o Lone disse.

Se eu fosse a contar o pessoal que conheci e que já se escafedeu-se todo de carro, inclusive pessoas que morreram, são mais do que aqueles que andam de mota, bem como pessoas que tiveram acidentes nas banheiras.

"V"
Responder
#6

(02-07-2017 às 08:42)LoneRider Escreveu:  Se o teu pai gosta da tua mãe e se a tua mãe gosta de leite de melga, estou quase seguro que em menos de nada tens Mota! blink

Boa sorte!


Depois disto.....não há muito mais que possa acrescentar.  lol

[Imagem: images?q=tbn%3AANd9GcT4XLIkYtQDw11iDiKFM...g&usqp=CAU]


Responder
#7

Eu arranjava um motivo infalível para ter desculpa que uma moto ia ser a solução. Quando fiz 18 anos também não tinha motivo para ter carro, andava no 12º e a escola ficava a 500 metros de casa, porque raio havia de ter um carro? Sair à noite não contava como desculpa, no máximo contava como desculpa para a minha mãe NÃO me dar o carro que assim não me metia em problemas. Quando fui para a faculdade a coisa mudou de figura, porque passei a andar 20 minutos a pé e 10 minutos de metro, e a gastar 20 e tal euros em passe mensal. Aos poucos fui convencendo a minha mãe que com um carro além da maior liberdade podia fazer o mesmo caminho em 10 minutos de carro e não gastaria mais que os 20 e tal euros em gasolina (que é mentira, mas na altura ninguém sabe isso) e como bónus podia levá-la às consultas do médico, podia ir com ela ao supermercado para ela não ter que carregar com as compras até casa, podia levá-la aos fins de semana até casa das irmãs, etc. Deu-me o carro passado um mês? Claro que não, só tive o carro no segundo ano da faculdade, mas tive-o.

Essa desculpa dos acidentes não é boa, e tu facilmente contrarias isso, também conheço gente que está numa cadeira de rodas porque se atirou mal para uma piscina, e não é por aí que deixo de ir para a piscina, morre gente atropelada todos os dias, e não é por aí que deixo de sair de casa.

Mas eles têm razão, é mais perigoso andar de moto, as probabilidades de acidente são maiores, além da probabilidade de te magoares a sério também ser maior, mas cabe-te a ti fazeres tudo para baixares as probabilidades, e explica-lhes que com o equipamento adequado as hipóteses de saíres vivo de um acidente são muito maiores.
Responder
#8

Ou então fazes como eu. Esperas uns anos, começas a trabalhar, sais de casa, tiras a carta de moto e depois compras uma moto.
Responder
#9

Pois, eu também não tive alternativa. Os meus pais (principalmente a minha mãe) foram muito claros no assunto: pago-te a carta de carro, se queres, queres, se não queres andas a pé!

E pronto, tive de esperar até ser dono do meu nariz e compor os projetos que a vida me foi trazendo até poder tirar a carta e comprar a mota!

Podes sempre fazer uma greve aos banhos, barba e corte de cabelo até os teus pais cederem! bigsmile
Responder
#10

Pá.... o melhor que tens mesmo a fazer é usares essa independência financeira que dizes já ter (ok que com 16 anos ainda careces da autorização parental).
Mas nada como seres tu a pagar a carta e posteriormente a moto. Vai-te dar mais responsabilidade (pois saiu-te do corpo) e orgulho. E nada como tu mesmo, para mostrares essa responsabilidade e sensatez que dizes ter, aos olhos deles.

Os meus pais também nunca foram apologistas de moto. Com 16 anos, meti pés ao caminho e fui tirar a licença camarária de ciclomotor. E pouco tempo depois, lá fui buscar a primeira 50cc (sem eles sequer saberem). Não lhes pedi um tusto que fosse, seja para a licença, para a mota, seguro ou capacetes.

Com 18 anos feitos, vai de me ir inscrever numa escola de condução, para tirar a carta de carro e de mota, também pagas do meu bolso. Algum tempo depois aparecia lá por casa uma CB Two Fifty.... voltei a não depender de um escudo que fosse (sim ainda na época dos escudos), que fosse comparticipado por eles.

Hoje, 25 anos depois e umas quantas motos após, os meus pais (especialmente a minha mãe), andam comigo de moto. Tratei de lhes mostrar com o tempo, que os maus exemplos que se "ouvem dizer" podem não ser a regra.
E não têm qualquer recalcamento em me ver a palmilhar quilómetros de moto, seja no dia a dia, como em viagens.... e de vez em quando ocuparem o lugar de pendura da moto.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)