BMW F850GS
#21

(06-11-2017 às 23:04)pedromt07 Escreveu:  Para que ter mais cavalos, se o controlo tracção vai estar sempre a intervir em offroad e a cortar cavalos?

O controlo de tracção, numa trail, por norma é desligável, tal como os modos de condução são selecionáveis.
Como leigo na matéria do todo-terreno, em Off-road tu não precisas de cavalos... mas sim de Newtons-metro.
Mas no fundo e o cerne da questão.... quantas pessoas que têm uma "calça arregaçada" vês na realidade a fazerem off-road?

(06-11-2017 às 23:04)pedromt07 Escreveu:  É só a minha opinião, porque este é dos meus segmentos favoritos e dá-me pena as marcas não entenderem bem o público alvo.

Mas o público alvo é isso mesmo que procura numa motos destas.... toda essa parafernália de coisinhas, numa moto de aspecto off-road, mas que depois e no fundo, é mais uma viajante que outra coisa. Eles apenas fazem aquilo que o mercado procura e vende.
Para quem quer mesmo chafurdar na terra e no mato, compra uma enduro... e não uma maxi-trail.

(06-11-2017 às 23:04)pedromt07 Escreveu:  Então se metessem o motor da MT07 na PR7, que seria a T7, ficava uma mota que vendia que nem cupcakes. Daqui a um ano quando sair a T7 oficial, vais ver o que quero dizer Carlos.

Será que vendia? A Teneré 660 é um bom (mau) exemplo. Uma moto com boas aptidões de off-road, e nunca passou de vendas residuais. A T7 é ainda é só um exercício de estilo. Não sabemos se virá alguma vez a tomar forma comercial.
Tiveste algo parecido, com as CFR450 Rally da Honda ou as KTM 450 Rally. Quantas viste por aí? Nem a novíssima CRF250 Rally vende.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#22

Carlos CRF 450 Rally!?
Onde qué vou já comprar uma?

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#23

(06-11-2017 às 23:57)LoneRider Escreveu:  Carlos CRF 450 Rally!?
Onde qué vou já comprar uma?

Não chegou a sair uma versão comercial da CRF450 Rally? rolleyes Tinha ideia disso.... ou de ter visto algo relacionado!

Mas se calhar até não saiu angel (mas a 250 Rally, existe em circuito comercial, certo?)!

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#24

Sim podes desligar o TC, mas diz-me quem é que usa uma mota de 100cv sem o TC ligado ou no modo off-road no mato? Ninguém, a não ser pilotos. Por isso é que digo que prefiro um motor menos pontudo e menos potente numa mota mais leve, que um motor cheio de eletrônica, cavalos e numa mota pesada.
O problema é esta moda das adventures que nunca metem os pés em terra. Uma adventure tem de fazer mato e uma touring/sport-touring estrada. Não digo que não acha overlap, mas as motas são para ser "dimensionadas" para o seu habitat.
Eu compreendo o conceito da GSA, mais gasolina e tal, estradas florestais ou caminho fáceis. É algo para pessoal mais velho ou estradas onde existe poucas pessoas, mas a GS podia ser algo mais endurista e acho que a BMW podia beneficiar nisso.
Carlos não compares uma CRF450 rally a uma PR7 ou possível T7. Nem se compara. Antes podias comparar um 690 rally a estas duas. Além que a CRF tem motor para horas e não km's.
A tenere 660 não foi a melhor adventure da yamaha e admito isso, por isso é que acho que a yamaha devia aprender e melhorar a T7, mas se considerares o tamanho deste mercado até vendeu mais ou menos. O mercado que está a dar agora é o sport-touring e as nakeds.
O conceito de motas "adventure" para mim só há um mota que o transmite verdadeiramente, a PR7. O resto é tudo motas de estrada com pneus 70/30 e jantes raiadas.
(minha opinião atenção. Não quero transmitir que o que digo/penso é apenas o correto e os outros estão errados bigsmile)
Responder
#25

Pedro pá, o Carlos copiou (fez quote de tudo) menos da parte em que disseste: Mas eu prefiro uma mota leve que grande com ajudas todas. E aí acho que disseste tudo... blink

E para bom entendedor, por vezes meia palavra basta...smile
Responder
#26

Quando, o ano passado, a Honda lançou no mercado a 250 Rally, devia era ter lançado a 450 Rally e já cá morava uma no meu galinheiro pessoal!

A CRF450 Rally só existe como prototipo de competição no mundial de ralis ou no Dakar Series.

No todo terreno menos é mais, não é preciso grandes motores nem grandes potências porque o que se previligia é uma entrega de binário desde rotações muito baixas, coisa que os mono cilíndricos fazem como ninguém.
A maior peso, maior inércia, mais físico e maior risco de desequilíbrio.
É óbvio que a maior parte do pessoal não procura isso, na sua maioria por falta de unhas e essa irreverência de buscar os horizontes que só o monte te pode trazer.
Esta 850 é mais do mesmo neste aspecto, embora em todos os outros possa melhorar mas que me venham proprietários deste modelo dizer que é pau para toda a obra não, porque é mentira.
Com uma mota dessa envergadura podem fazer alguns caminhos secos em piso predominantemente duro e tendo muito cuidado com as inercias porque as malas cheias as vezes carregam demasiado a traseira da mota anulando a transição de peso que o piloto pode exercer em ambos eixos da mota.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#27

(07-11-2017 às 00:48)pedromt07 Escreveu:  Sim podes desligar o TC, mas diz-me quem é que usa uma mota de 100cv sem o TC ligado ou no modo off-road no mato? Ninguém, a não ser pilotos. Por isso é que digo que prefiro um motor menos pontudo e menos potente numa mota mais leve, que um motor cheio de eletrônica, cavalos e numa mota pesada.
O problema é esta moda das adventures que nunca metem os pés em terra. Uma adventure tem de fazer mato e uma touring/sport-touring estrada. Não digo que não acha overlap, mas as motas são para ser "dimensionadas" para o seu habitat.
Eu compreendo o conceito da GSA, mais gasolina e tal, estradas florestais ou caminho fáceis. É algo para pessoal mais velho ou estradas onde existe poucas pessoas, mas a GS podia ser algo mais endurista e acho que a BMW podia beneficiar nisso.
Carlos não compares uma CRF450 rally a uma PR7 ou possível T7. Nem se compara. Antes podias comparar um 690 rally a estas duas. Além que a CRF tem motor para horas e não km's.
A tenere 660 não foi a melhor adventure da yamaha e admito isso, por isso é que acho que a yamaha devia aprender e melhorar a T7, mas se considerares o tamanho deste mercado até vendeu mais ou menos. O mercado que está a dar agora é o sport-touring e as nakeds.
O conceito de motas "adventure" para mim só há um mota que o transmite verdadeiramente, a PR7. O resto é tudo motas de estrada com pneus 70/30 e jantes raiadas.
(minha opinião atenção. Não quero transmitir que o que digo/penso é apenas o correto e os outros estão errados  bigsmile)

Pedro,
A BMW teve no seu passado recente motas adventure bem conseguidas e procuradas pelas aptidoes para grandes empreitadas fora de estrada de longa distancia, com qualidade materiais e ageis fora de estrada como por ex:

[Imagem: BMW-G650X-Challenge-7521_2.jpg]

... que preparadas se podem tornar nisto:

[Imagem: 4861254081_93f41e9d42_b.jpg]

... e que a bmw decidiu em estrategia comercial abandonar, pois o conceito aventura mais purista nao da volume de motas a sairem dos stands.

O beneficio da bmw ou qualquer outra marca e vender, e nisso o que a GS nas mais diversas cilindradas e um exemplo de sucesso e refinamento de produto a imagem dos seus clientes.

E o mundo esta longe de acabar na PR7, alias neste mundo a AJP nao tem expressao praticamente nenhuma. 

E um mundo dominado pela BMW e pela KTM:

[Imagem: DSC02231-1024x682-620x310.jpg]


Responder
#28

Posso estar enganado, mas no mercado já existem motas especificas de enduro para todos os gostos. Pode ser ignorância minha, mas tenho essa ideia. A BMW não a vejo a fazer essa mota que vocês esperam. Isso não vende, não vende em massa que é o negócio da BMW, não uma marca de nicho.

Nem de propósito o Diogo já explicou melhor o que penso! bigsmile
Responder
#29

A G650x challenge encaixa mais no conceito DP do que adventure, claro que podes meter uma DP cheia de vidros e malas e fazer dela uma adventure. Essa mota encaixa quase no que quero dizer, mas não é bem.
Sim tens razão a AJP é uma gota neste oceano, mas acho que eles fizeram das poucas motas que sao mesmo adventure (outra vez, é apenas minha opinião).
Michel não podias dizer melhor, não vende muito logo não é desenvolvido sad
Só acho que se fizessem uma f800 mais leve, tipo 14kgs não deve ser difícil, ficavam com uma melhor mota, ao contrário de lhe meter mais cavalos. Acho que o Lone e o Pedro percebem o que quero dizer.
Uma f850 destas vai ser mais do mesmo. Acredito que vá ser melhor que a anterior, agora se melhor no caminho "certo"? Não sei.
Acho que este tema é algo bom para discutir mais em pessoa. As minhas opiniões neste tema nem sempre são as mais normais bigsmile

Enviado do meu Aquaris M5 através de Tapatalk

V
Responder
#30

Acho que se continuam a confundir coisas.
Uma coisa são motos puramente enduristas, com todas essas características que vocês enaltecem (leves, simples, manobráveis e com ciclísticas e suspensões aptas para um ambeinte de 100% terra). E como o Michel disse e bem, o mercado está pejado delas... só há que as procurar.
Outra coisa é um segmento definido, com sucesso de vendas, com procura e em constante crescimento, como sejam as maxi-trails, não obstante de haver uns modelos em específico que até se safem melhor que outras em ambientes fora de asfalto. Mas não queiram fazer delas enduristas, porque de todo, não são coisas que elas sejam... e nem é isso que o seu target de clientes procura.

Preferências pessoais não chegam para mudar o mercado.
Adorar uma moto em específico, como a PR7 (que é um caso isolado, específico e quase desconhecido mundialmente), não faz com que isso seja suficiente para mudar conceitos e segmentos de mercado enraízados e com sucesso comercial.  

O cliente de uma BMW F850GS, está-se a cagar para essas características que vocês dizem essenciais numa moto de todo-o-terreno. Mas para eles interessa sim, para além do aspecto final, que a mota tenha toda a parafernália de gadgets e electrónica, venha com punhos aquecidos, GPS, cruise control, etc... lhes possibilite colocar 3 caixotões de alumínio e mais um sem número de acessórios Touratech... e assim já têm moto para depois poderem ir todos os domingos de manha à "Casa do Preto" em Sintra tomar o pequeno almoço, e acabar na esplanada de Ribeira D'Ilhas a beber uma piña colada juntamente com todos os outros motorraders... não esquecendo ainda a viagem de Verão aos Alpes, em que se possível, vão de avião e despacham a mota por transportadora, até lá.
Terra? Duvido que alguma vez venham a pisar.... e se acontecer, ou só por engano, ou para fazer 100 metros de uma estrada de macadame, devidamente registado em fotos, para publicar no grupo dos Fans!
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)