Antes e depois das "...125 para todos..."
#1

Epá, isto se calhar vai ser mal entendido, mas cada vez mais acho que foi um erro tornar as 125 cc acessível a todos portadores de carta B.
Isso colocou verdadeiros perigos na estrada, o que no meio Motard infelizmente nunca faltou.

Hoje a passar a ponte, enquanto estava a rodar calmamente a 80 kms/h, negociando o espaço com os carros que por ali andavam, dei por mim a levar uma buzinadela de uma pequenina 125 cc para eu me desviar.
Claro que recolhi para o habilidoso passar, e depois fui a comer todos os disparates que o homem veio a fazer á minha frente, que só demonstraram uma falta de experiencia, e excesso de confiança assustadores.

Mas o pior é que eu fiquei com medo de o passar, e com receio que uma das manobras experientes o mandassem ao chão e no meio da festa eu ainda ia atrás da brincadeira.

Isto não foi um caso isolado, é bastante frequente, o que me faz pensar que as aulas de condução, assim como exame código, não dão habilidade nenhuma, mas filtram a compra de mota por impulso.

Claro que, paga o justo pelo pecador... mas achava mais seguro para todos os que realmente respeitam a mota.

Não me levem a mal, fiquei FDD da vida porque odeio não disfrutar do meu passeio matinal por causa dum Sr. PALHAÇO.

Ab.

...
Responder
#2

Boas,

Concordo e não concordo bigsmile

Sim, esta lei levou muito inergume a conduzir uma moto 125 c.c., mas também levou muita gente ajuizada a conduzir essas mesmas motos!

Já se sabe, aumentou muito a utilização deste tipo de moto, e se em cada 10 motos, 2 forem inergumes, então o aumento deste tipo de condutor aumentou consideravelmente! Mas também existe os outros 8 que não tem a culpa... é neste ponto de vista que meto as coisas!


Muitos destes gajos que conduzem com este nível de confiança excessivo e inconsciente acabam por cair, e depois ou deixam de andar de moto a dizer que aquilo não presta e é perigoso, ou então a queda faz-lhes abrir os olhos e começam a conduzir com mais cuidado...

Também já apanhei muitos no meu dia a dia, e o outro dia vi um completamente inexperiente a passar por entres os carros e a bater num espelho! Nem parou nem olhou para trás e lá seguiu muito desequilibrado... redeye

Ricardo - Honda CB500X
[Imagem: latest?cb=20150510093035]
Responder
#3

Eu tenho a noção do quanto posso estar a ser injusto... mas fogo... fico lixado porque depois caem ás vezes em cenários muito aparatosos, e lá anda o CM e Amigos a dizer que os motards são os culpados da elevada sinistralidade... etc etc etc...

...
Responder
#4

(28-01-2015 às 11:28)jpsimoes Escreveu:  Isso colocou verdadeiros perigos na estrada, o que no meio Motard infelizmente nunca faltou.

Acho que se tornou moda este assunto!

No mundo motoqueiro sempre existiu rivalidades entre estilos e géneros!
Sempre existiu determinados atributos que permitem muitos se auto-proclamarem "motociclistas a sério", sendo os restantes de segunda categoria.
Tal como sempre existiu a filosofia de que que a antiguidade é um posto.

E o "condutor da 125" foi eleito o novo palhaço do circo que é a "cultura motard".

Deitar abaixo os motociclistas encartados de carro que andam de 125 é... ridículo!
(já chega os carris dos eléctricos para os deitar abaixo)

Tem que se começar por algum lado. E um pouco por toda a parte é assim!
Recordo que antigamente para se ter motorizada bastava uma licença camarária.

(28-01-2015 às 12:32)jpsimoes Escreveu:  ...depois caem ás vezes em cenários muito aparatosos, e lá anda o CM e Amigos a dizer que os motards são os culpados da elevada sinistralidade... etc etc etc...

Do que tenho assistido, é precisamente entre grupos e forums de motociclismo que o tema é encarado dramaticamente.
Responder
#5

Como é que sabes que tal fulano era condutor portador apenas de carta de categoria B?

É que este fim de semana estive com um senhor que tem uma 600cc, mas que todos os dias da semana anda na sua 125cc.  lol
Responder
#6

(28-01-2015 às 13:20)dfelix Escreveu:  Do que tenho assistido, é precisamente entre grupos e forums de motociclismo que o tema é encarado dramaticamente.

Realmente também me parece uma falha extremamente grave não terem discutido ainda o tema, "dramaticamente", nos fóruns de costura ou de sueca. Inadmissível...  thumbsdown

[Imagem: wrong-bike.jpg]
Responder
#7

Boas;
Admito que desde há algum tempo também tenho sentido algumas dúvidas em relação à "Lei das 125".
Fui e sou, pelo menos por enquanto, um defensor da ideia. Assinei e recolhi inclusivamente assinaturas para a lei ser levada à Assembleia. Sempre achei que facilitar o acesso às motos poderia fazer com que os motociclista começassem a ser olhados com mais normalidade pela generalidade das pessoas e que muitos finalmente sentissem o nosso ponto de vista em relação a uma data de situações desde a fluidez de tráfego, economia, dificuldades sentidas no quotidiano, segurança e até actos que passavam despercebidos aos automobilistas comuns mas que significavam adversidades para os motociclistas.
Por outro lado começo a ficar um bocado saturado desta nova vaga de motociclistas e a influência que exercem e aspiram exercer num mundo ao qual acabam de chegar. Por muito que alguns achem que as motos deviam ser todas automáticas, com ABS e essas merdas todas, têm que entender que há quem não goste disso!!
A falta de experiência faz com que muitos tenham comportamentos errantes e negligenciem aspectos como a segurança e o comportamento na via. Chego a compará-los com os condutores de papa-reformas.
No meio disto tudo, mantenho a esperança que muitos descubram a moto e as suas virtudes, levando-os a evoluir. Já se começa a ver muita gente que após ter "provado" as motos à conta da "Lei das 125", decidiu tirar a carta e experimentar motos maiores.
Responder
#8

Efectivamente ninguem me disse que o "SR" que me acompanhou na travessia da ponte não tinha carta de A. Mas experiencia não tinha de certeza... vocês não estão a ver o filme! Foi digno de uma cena de filme, ouve algum carro que lhe apitou no meio de tanta trapalhada que andava a fazer...

Mas torno a dizer, não acho que sejam os palhaços do circo...

Daqui a nada pego na minha Inglesa e tudo passa smile

...
Responder
#9

(28-01-2015 às 15:12)n00b1e Escreveu:  Realmente também me parece uma falha extremamente grave não terem discutido ainda o tema, "dramaticamente", nos fóruns de costura ou de sueca. Inadmissível...  

Não era eu que sofria de analfabetismo funcional? lol
Também aderiste? bigsmile

Entendo que tenhas ficado com o ego ferido porque não facilitaste a passagem a um puto porque ia "sentado no penico" enquanto engonhavas atrás dum "fogareiro"..
Mas já era tempo disso estar mentalmente resolvido
Pode acontecer a qualquer um.
smile



(28-01-2015 às 15:13)Johnny_1056 Escreveu:  Por outro lado começo a ficar um bocado saturado desta nova vaga de motociclistas e a influência que exercem e aspiram exercer num mundo ao qual acabam de chegar. Por muito que alguns achem que as motos deviam ser todas automáticas, com ABS e essas merdas todas, têm que entender que há quem não goste disso!!

Estás a sugerir que os motociclistas que conduzem 125cc ao abrigo da directiva europeia exercem influencia nas tuas escolha pessoais por motos que gostas?
Podes explicar melhor a lógica?


(28-01-2015 às 15:13)Johnny_1056 Escreveu:  A falta de experiência faz com que muitos tenham comportamentos errantes e negligenciem aspectos como a segurança e o comportamento na via. Chego a compará-los com os condutores de papa-reformas.

Provavelmente começaste a conduzir moto na via publica ainda nem tinhas carta.
Assumindo que passaste a conduzir legalmente uma motorizada aos 16 anos, faço-te umas perguntas:

Tiveste aulas praticas quando obtiveste a licença de ciclomotor aos 16?
A formação teorica que tiveste para obter essa licença de motorizada aos 16 anos é superior à de um encartado categoria B?
A maturidade de um encartado categoria B aos 25 anos (mínimo para poder conduzir as 125) é a mesma de um A1 aos 16 ou A2 aos 18?

Continuo a achar que se dramatiza demasiado com este tema.
E que o preconceito é predominante dentro do próprio mundo do pessoal das motos. Como que se fosse uma afronta agora ter o criminoso homicida do "enlatado" a usufruir também das duas rodas.

A realidade é que TODOS nós tivemos de começar por algum lado.
E todos já passamos por fase de maçaricos.
Responder
#10

Como um beneficiário dessa 'Lei das 125' e condutor habitual de uma 125 bastando-me para isso ter ido a um stand comprá-la.. Concordo completamente com o autor do tópico. Andam os professores a fazer um exame para poderem exercer, e andam motos na estrada sem qualquer grau de aprendizagem, é ridículo. E tantas vezes já o disse, mesmo estando a ir contra mim mesmo, mas não faz sentido eu ter um veículo que pode atingir mais velocidade que o máximo legal possível em Portugal sem ter qualquer tipo de exame para verificar se estou realmente apto a conduzi-lo.

E indo ao encontro da ideia do Ricky, digo mesmo que quero lá saber dos 8 que têm cuidado, quero é saber dos 2 que andam aí a fazer alarvidades. E, sendo eu um desses 8, prefiro ter que fazer um exame de condução, mas principalmente ser obrigado a ter aulas, para garantir que desses 10 que comprem uma 125, todos vão saber conduzir, do que apelar ao ditado 'paga o justo pelo pecador' e quando me vir num acidente provocado por um desses gajos se aplique o mesmo ditado e desta vez estou a pagar com o corpo ou com a vida.

Por outro lado, não é a carta que me vai ensinar a conduzir. Há por aí muito burro com carta sem saber conduzir, principalmente por ainda muitas cartas serem compradas, coisa que se dizia ser 'coisa de antigamente'.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)