A miséria "Trumpista" ameaça os fabricantes europeus de motas
#1

Não me dei ao trabalho de traduzir, a notícia é "fresca" e ainda não há em português.
Depois de no outro dia Trump ameaçar os construtores de carros europeus com o aumento "brutal" da taxa de importação, agora fala-se de um aumento da taxa de importação de 100% para as motas europeias.

"American trade body proposes 100% import tax on European motorcycles
Published: Today 14:07

American trade body proposes 100% import tax on European motorcycles
The Office of US Trade Representatives is currently looking at a 100% import tax for European motorcycles between 50 and 500cc
With Brexit coverage overshadowing our daily news coverage, many of us will be intricately familiar with the precise negotiations of international trade agreements – namely, it’s a bit of give and take with some mild threatening here and there. Not wishing to break with tradition, the USA is currently doing exactly that and it could well drive up the cost of bikes in the UK.

How likely is this to happen? In truth it’s not that likely. The motorcycle import tariff has been tabled twice before and never made it past the consultation stage, however with a new president on the way who is in favour of industrial protectionism the chance is greater than ever. It also wouldn't be the first time America has done this. Back in 1983, as recorded by the New York Times, President Reagan introduced a 45% import tariff on Japanese motorcycles over 700cc to give breathing room to a struggling Harley-Davidson. With the help of the tariff, HD bounced back into profit and the tariff was dropped in 1987."

Fonte

Honda CX 400 '83 Eurosport
Responder
#2

Boas;
A Europa que faça o mesmo às marcas americanas... Simples!!
Vivo mais facilmente sem "malhadeiras" do sem Ducati, Triumph, Aprilia, BMW e afins... confused

Que se ph#da!! Voltemos ao tempo da Guerra Fria e do proteccionismo nacional!! cool
Responder
#3

Parece-me pouco provável mas a ver vamos... Perderiam todos com esta atitude...
Responder
#4

Boas;
Michelfpinto, obviamente que não defendo o que escrevi anteriormente. Mas já ando irritado com o que o Trump faz ou deixa de fazer, principalmente numa época em que temos tantos portugueses e europeus a tratarem-nos do lombo...
Responder
#5

Fogo de vista desse burro.

Se bem que eles têm um mercado interno muito forte, não têm capacidade para absorver tudo o que produzem.

Da mesma forma que se os outros estados começarem a aplicar taxas parvas em produtos made in USA a coisa era capaz de ser engraçada.

A "FIAT" só é dona da Chrysler, Dodge, Ram e da JEEP. 

Acho mesmo que ele nao dura mto tempo...quer ser tão fracturante que arranjam um Lee Harvey Oswald para lhe terminar a senda.

[Imagem: yamaha_ydp-163_-_pianino_cyfrowe.jpg]


Responder
#6

Aconteceu na década de 50, quando as vendas eram predominantemente de marcas europeias.
Aconteceu na década de 80, quando as vendas eram predominantemente de marcas japoneas.
Volta a acontecer agora.
Nada de novo, portanto.

O que é que pode acontecer?
Os maiores construtores deslocarem para lá linhas de produção se acharem que justifica o investimento.
Mais industria e emprego... e enquanto estamos aqui a mandar piadas do Trump, eles estão a tornar a "america great again"...
Responder
#7

Sim dfelix, o Trump é grande e vai tornar whatever great again, bla bla bla...
Responder
#8

Magjet, há que distinguir o discurso Trumpista das medidas Trumpistas e até do que efectivamente vai ser aplicado durante o seu legado. O primeiro objectivo está cumprido, conquistar os americanos mais revolucionários fartos do 'sistema'. Mas deu para ver logo a seguir a ter ganho qual vai ser a direcção a tomar. Se por um lado o discurso arrogante e directo vai continuar, as medidas a aplicar vão seguir a mesma direcção que já tinham. Honestamente entre este e o Bush prefiro este. Mas podemos aplicar a mesma directiva, o Bush sem saber ler nem escrever lá foi presidente de 'gestão', os outros é que decidiam por ele, ele dava a cara, e este vai ser igual, embora um pouco mais 'inteligente' (à sua maneira). Ele enquanto candidato também ameaçou a Clinton e o Obamacare e no entanto a primeira coisa que disse quando ganhou foi que ia deixar a Clinton em paz e que afinal o plano do Obama para a saúde até tinha coisas boas.

Aliás, com o Obama foi igual, também era contra o sistema e tinha uma série de medidas anti-Bush que ou levou anos a conseguir aplicar ou nem sequer as conseguiu levar à luz do dia, como foi o exemplo da luta às armas.

Como qualquer sistema democrático, o americano também está cheio de recursos e travões que se por um lado o viciam, por outro evitam que um maluco qualquer com o apoio certo chegue à Casa Branca e toque a pintar a casa de amarelo (;
Responder
#9

Apesar de teres escrito um texto bem estruturado e sustentado com argumentos, não concordo contigo, Cloud.
O homem é perigoso e já deu para perceber das suas declarações que promoveu a Rússia a país amigo e União Europeia e China a inimigos/concorrentes.

As (in)diretas sobre os refugiados e a colagem aos putativos candidatos da extrema direita de países europeus demonstra de forma muito directa que o que ele pretende é que mais países europeus decidam sair da UE, fazendo-a implodir, e com isso "beneficiando" os EUA, que só são os maiores na arte da trapaça e da guerra, porque comercialmente já perceberam que foram completamente ultrapassados e só com a queda dos concorrentes é que se poderão manter no topo

Ao mesmo tempo, uma figura como o Trump pode ser o catalizador de um objectivo comum para os habitantes da UE e do seu sucesso, a de um homem que aposta na queda da UE.
Responder
#10

Não vou discutir política aqui nem as políticas Trumpistas.... que isso daria pano para mangas e depois acusar-me-iam novamente de escrever "testamentos". lol

Quanto ao assunto específico deste tópico, vejo de certa forma as motos made in Europe mais cobiçadas do lado de lá do Atlântico, que as máquinas vindas das terras do Tio Sam serem apreciadas por cá. Até porque nas duas rodas, tirando as HD (e agora as Indian), o resto não tem expressão no mercado europeu. E se a coisa se tornar efectiva, a UE pode ripostar com medidas semelhantes ao que vem dos USA.

Acredito que no fundo, isto não seja mais do que "bluff", e tal como o dfelix indica, para intimidar os construtores europeus a fixarem centros de produção nos USA, ao invés do que acontece agora, por exemplo, nos automóveis, em que os mesmos preferem por facilidade e menores custos de produção, fixarem-se no vizinho México e dali mandarem os seus produtos para os States.
Mas a coisa até se torna peculiar quando muitas das fábricas de alguns gigantes da indústria automóvel americana se situam precisamente fora das fronteiras dos USA.

P.S. - Já agora.... aonde anda o ChicoMPM? Ainda em algum parque de estacionamento por aí? Gostava de ler a opinião dele em relação a este tema! blink

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)