60 anos depois da Mercedes, a Ducati constata o óbvio
#31

(16-10-2020 às 16:33)dfelix Escreveu:  
(16-10-2020 às 15:21)carlos-kb Escreveu:  Mas existem sistemas mais actuais e com menos desvantagens, em relação ao desmo.

Que sistemas? think

No campo das motos de produção as molas são o standard. Por razões óbvias.
No campo dos protótipos, a única receita alternativa adoptada foram as válvulas pneumáticas.

Acabaste de responder à tua própria questão.
O recurso por parte da Ducati à distribuição desmodrómica de forma transversal a toda a gama, prende-se essencialmente (e ainda) com o manter de uma imagem de marca e não por real necessidade ou qualquer ganho evidente acrescido. Aliás, isso tem o reverso, que é encarecer o produto, seja na sua produção, como na sua manutenção. E estar a pagar mais, por algo que é redundante, só por fetichismo ou facciosismo.

O accionamento pneumático de válvulas surgiu na conversa como um sistema alternativo. Se as comuns motos de produção precisam dele? Não! Nem nunca disse que as motos de produção deveriam recorrer a ele, seja ele mais actual ou (des)vantajoso. Se os sistemas de distribuição convencionais funcionam, são mais baratos, simples e não implicam uma manutenção onerosa... porquê complicar?

É um facto que o jargão de "race replica" vende efectivamente. Aliás, a competição serve precisamente para isso, desenvolver e mostrar sistemas cada vez mais tecnológicos e eficientes, para conseguirem mais e melhor em pista. E que as hiper-desportivas de produção, sendo o topo tecnológico ao dispôr do comum mortal, bebam efectivamente desses sistemas usados na competição.
Mas tirando esta questão, recorrer a sistemas dispensáveis na restante produção stock, acaba a ser supérfluo... mesmo servindo meramente como argumento de marketing.

Não entro na discussão dos "fait-divers" do MotoGP e do que se passa nos meandros do paddock, que desconheço, muito dificilmente passam cá para fora, acabam a ser conjecturais e especulativos e lembram sempre aquela postura do "treinador de bancada" tendencioso.

(18-10-2020 às 20:53)pareias Escreveu:  Para quem esteja interessado, aqui vão dois artigos sobre a distribuição desmodrómica:

DManteigas, o comentário da "cabeça" era para ti. Consegues participar melhor, vê lá isso.

https://drive.google.com/file/d/1decOvYp...sp=sharing
https://drive.google.com/file/d/1kM35iHO...sp=sharing

thumbsup

Não se nasce ensinado e está-se sempre a aprender. E para isso, todas as fontes são válidas, sejam sites, revistas, livros, vídeos, discussões em forúns, conversas de esplanada, wikipédias ou até a cona da prima! Desde que produzam efectivamente conhecimento, é o que se quer.

Aliás, até a maturidade, respeito e postura se vai aprendendo e refinando. Claro que há sempre quem revele mais dificuldades. Mas até para estes casos, há sempre outros métodos pedagógicos focados e adequados.

[Imagem: zX4Kq81.png]

Responder
#32

(19-10-2020 às 12:02)carlos-kb Escreveu:  Aliás, até a maturidade, respeito e postura se vai aprendendo e refinando. Claro que há sempre quem revele mais dificuldades. Mas até para estes casos, há sempre outros métodos pedagógicos focados e adequados.

Podes ir a Wikipedia procurar dois ou três métodos desses, editar meia dúzia de palavras, e depois colocar aqui como se fosse uma inutilidade qualquer que leste numa revista da especialidade em 1997 enquanto davas uma cagadela na pausa das aulas do curso de arquitetura? smile

Ditadura dos Flocos de Neve
Responder
#33

Eles deixaram de usar o Desmo nesse motor, porque eu fartei-me de refilar com eles, que a mota fazia um barulho esquisito, e que parecia que se ia partir toda, isto ali acima das 3500 rpm, mais coisa menos coisa... E eles acharam melhor gastar uns milhões de euros, do que me aturarem... Foi por isto.

[Imagem: SM4eYt9.png]
Responder
#34

(19-10-2020 às 12:02)carlos-kb Escreveu:  Acabaste de responder à tua própria questão.

A questão foi devido ao pormenor do "mais actuais".
Não percebi se te estavas a referir a novos sistemas ou modernização de sistemas cronologicamente mais antigos.

(19-10-2020 às 12:02)carlos-kb Escreveu:  E estar a pagar mais, por algo que é redundante, só por fetichismo ou facciosismo.

É a tua opinião pessoal, com a qual não concordo.
Não vejo a existência de elementos de diferenciação como algo pejorativo.

Os construtores ao adoptarem e persistirem algo por tradição ou "imagem de marca" associada é o que ainda lhes confere alguma identidade.
E é graças a isto que ainda temos uma oferta tão vasta de opções que permitem estarmos aqui a debater em forums.

Tudo o que se pode apontar ao desmo pode-se aplicar ao boxer ou qualquer motor em V. Pois consegue-se o mesmo com um bloco paralelo, reduzindo custos.
E ainda estender ao resto dos elementos e até acessórios de qualquer moto.

Há sempre uma forma mais barata de produzir algo "redundante" para motos de produção.

(19-10-2020 às 12:02)carlos-kb Escreveu:  Nem nunca disse que as motos de produção deveriam recorrer a ele, seja ele mais actual ou (des)vantajoso.

Não posso ter dito que disseste...
Porque o que lancei atrás foi uma questão e não uma afirmação. smile

Referi o accionamento pneumático de válvulas como exemplo mais "moderno" que me ocorreu.
Da mesma forma indiquei ter dúvidas quanto à flutuação das válvulas ser um "problema do passado", pelo simples facto destes protótipos não fazerem mais rotação que muitas desportivas convencionais.

Problemas de flutuação das válvulas nas mãos do condutor convencional é uma coisa.
Já negar a existência dos mesmos é outra completamente diferente.
Tenho incertezas quanto a esta certeza, como referi atrás.

Esta é daqueles temas perfeitamente legítimos num forum de discussão sobre motociclismo.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#35

(18-10-2020 às 15:24)dfelix Escreveu:  Já era expectável este género de retórica.

Tu chamar-lhe o que quiseres David, mas o que deve ser espectável é que saibas esclarecer as pessoas que questionam as tuas afirmações.
É mais uma vez insisto em dizer que questionar uma afirmação tua não é por em dúvida a tua palavra, mas sim querer saber as tuas fontes para aprender com isso.

I just don't run with the crowd!

www.loneriderendlessroad.com
Responder
#36

(19-10-2020 às 17:23)LoneRider Escreveu:  Tu chamar-lhe o que quiseres David, mas o que deve ser espectável é que saibas esclarecer as pessoas que questionam as tuas afirmações.
É mais uma vez insisto em dizer que questionar uma afirmação tua não é por em dúvida a tua palavra, mas sim querer saber as tuas fontes para aprender com isso.

As nossas discussões em forums não se iniciaram há 2 ou 3 dias atrás...
Já passaram pelo menos 15 anos desde o antigo Motonline quando ainda eras o GalosBand.
Tempo mais do que suficiente para ambos percebermos a forma de estar e participar de cada um.

A tua verdadeira intenção para mim foi óbvia.
Ganhaste. Podes levar a bicicleta.

Muito provavelmente o que escrevi foi gerado automágicamente através do Moto Lero
Responder
#37

(19-10-2020 às 14:39)dfelix Escreveu:  Esta é daqueles temas perfeitamente legítimos num forum de discussão sobre motociclismo.

Ora nem mais nem menos! ok

E para eu contribuir um pouco sobre o assunto Desmo e nada contra mas não, pelo Wikipedia;
mas sim por experiencia própria, é tb legitimo e gratificante de discussão sobre motociclismo:

Desmo4 64.000 kms feitos com uma e acreditem, sempre mas sempre no prego, sempre a enrolar "cartucho" a puxar fundo:
Acredito que estava pronta para outros tantos e com o mesmo andamento... e estava com outra Eprom igual as utilizadas nas corrida de SBK e uns outros Kits...
Problemas no sistema Desmo: = 0 zero
Problemas em geral no Motor = 0 zero
Manutenção do sistema Desmo cara? nunca achei isso!
Agora se nos actuais concessionários levam o "couro e o cabelo" por uma manutenção "que eu acho simples" ao Desmo... isso já outro assunto que eu acho ridículo!

A fonte?
Neste caso ou em quase todos quando falo, sou eu mesmo. LOL

Live After Death...

Os Ferros...

In life, nothing happens by chance...
Responder
#38

Mas para uma distribuição OHC ou OHV com molas, esses 64000 km também são facilmente atingíveis sem vicissitudes.
Responder
#39

( às 19:06)pareias Escreveu:  Mas para uma distribuição OHC ou OHV com molas, esses 64000 km também são facilmente atingíveis sem vicissitudes.

Claro e eu nunca disse o contrário.
Como th não disse que essa minha Ducati teve sempre a devida manutenção normal a tempo e horas,
No entanto o sistema de manutenção Desmo era mais verificado do que mexido, informando eu que está muito bem feito mas não é nenhum "bicho" de cabeças... E as ditas correias aguentam mt mais do que muitos pensam... LOL
tal como todas as minhas outras motos, sempre tudo a tempo e horas.
Mas basicamente o que eu quis dizer e digo, foi que essa minha Ducati andava mesmo quase sempre fundo durante esses kms. Testemunhas sobre isso não me faltam.
É diferente do que andar os mesmos ou mt mais kms, nas calmas...
Pois falamos de o que na altura muitos diziam... Sem saber do que falavam... que não ia aguentar muito a andar assim... porque era uma Ducati. LOL
ZERO Problemas mecânicos. Devido ao meu andamento, andava sempre a verificar tudo a tempo e horas?
Sim andava.
Problemas elétricos ligeiros?
Sim teve 2 ou 3

Live After Death...

Os Ferros...

In life, nothing happens by chance...
Responder
#40

Não duvido nada do que escrevem os proprietários, e creio que há muitos mitos e confusões.

Por exemplo, as pessoas queixam-se da falta de fiabilidade das marcas Italianas e sempre que pergunto qual é o problema concreto, dizem "problemas eléctricos".

Ora eu tenho uma gelatinosa Japónica e já tive 2 problemas eléctricos em 20000km de uso.

Para mim é muito diferente uma válvula empenar (como ocorreu em algumas Triumph 765) ou existir um mau contacto ou um problema num relé (caso das Italianas).

Sou um gajo muito simples e gosto de perceber exactamente qual é a queixa. Quando dizem "tudo" ou "é uma merda", etc, desconfio logo.

No meu tempo (quando tinha 16 anos) diziam que as motorizadas 50cc Portuguesas (Casal, etc) eram uma "porcaria". Passados 31 anos ainda as vejo nas estradas da província.

Nunca caí nessa visão. Outra é "Honda é Honda"... bom, eu tive de pintar completamente a minha anterior Honda (e alcatroar a aranha e o subquadro) porque a tinta de TUDO estava a cair às postas. Comprada nova em 2012. Mecanicamente não duvido que durasse 200000km, mas em certos aspectos...

Bastou olhar para a Ducati Monster de um companheiro deste fórum (que me apanhou a salivar perigosamente perto dela) para perceber que em termos de acabamentos está fabulosa. Não tenho dúvidas de que são excelentes mecanicamente.

"Avarílias", "Sucatis", "Gelatinosas", vem tudo de uma visão maniqueísta da realidade. Que tanto nos caracteriza.
Responder




Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)